Erro
  • Erro ao carregar componente: com_imageshow, 1

GENERAL RICARDO AGNESE FAYAD

O Gen FAYAD foi acusado, sem provas, de forma absurda, de colaborar com “torturadores”. Acusado por estar de jaleco branco, em seu Quartel, nos dias em que diziam, também  sem provas (testemunhais, exame corpo de delito ou outra qualquer) que determinadas pessoas foram torturadas.
 
À época uma filha do Gen FAYAD  estava gravemente enferma em Brasília. A genitora do Gen FAYAD, no Rio, bastante idosa.
        
O “Grupo Tortura Nunca Mais” nada disso levou em consideração, ao contrário, molestou o Gen FAYAD, dia e noite, sem cessar, na justiça, nos jornais, onde foi possível.
 
Mas, que tinha a senhora genitora com o caso, por que molestá-la, sem respeito à sua idade, à condição de mãe, ao seu estado de saúde?
        
Para que molestá-la à noite, pelo telefone, seguidamente, perguntando-lhe se seu filho “torturador estava em casa”, se “já sabia que o torturador havia perdido sua função”, se o “seu filho torturador ia para a reserva”, se “não tinha remorso por ter um filho torturador”, etc. ?
        
Não estamos afirmando que os molestadores eram personalidades do “Tortura Nunca Mais”.  Mas perguntamos: a quem interessariam tais torturas?  Quem estava perseguindo o Gen. FAYAD? Seriam os amigos do Gen. FAYAD ou pessoas amigas de sua família?
        
O mínimo que se pode admitir é que a sanha feroz do “Tortura Nunca Mais” contra o Gen. FAYAD, induza pessoas de personalidades fracas a procederem tais torturas contra os membros mais queridos do Gen FAYAD.
        
Quem tem a responsabilidade pública de destilar ódio contra o Gen FAYAD e de o apresentar como um monstro que vive no seio  da sociedade ?
        
Em out.98 o Juiz Aloísio Lima da 1ª Turma do TFR de Brasília ordenou o restabelecimento do registro do Gen FAYAD e fixou o prazo de 48 horas para o cumprimento da sentença.
        
O CFM e o CREMERJ recorreram da sentença.

No dia 17 Nov 98, os integrantes da 1ª Turma do Tribunal Regional Federal declararam que no seu entender o CFM e o CREMERJ não tinham competência para cassar o Registro do Gen FAYAD e, por unanimidade indeferiram o recurso ajuizado pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) contra a decisão da Justiça Federal que determinou a inscrição do Gen FAYAD no cadastro profissional do CREMERJ.

O TERNUMA agradece sua visita.
Ir para o topo
Desenvolvimento, Hospedagem e Manutenção por IBS Web.'.