Erro
  • Erro ao carregar componente: com_imageshow, 1

Terrorismo no Brasil

 OS ARQUIVOS DA DITADURA

image001

 

ÍNDICE

1-APRESENTAÇÃO

2-A INTENTONA COMUNISTA

     2.1 - MEMORIAL 1935

3- ASSASSINATO DE ELZA FERNANDES

4- ALGUNS CRIMES DO PCB

5- LIGAS CAMPONESAS

6- A CONTRA-REVOLUÇÕ DE 31 DE MARÇO DE 1964 – 6.1 – A NAÇÃO QUE SE SALVOU A SI MESMA

   6.2- MANCHETES DOS JORNAIS

   6.3 - FOTOS DA MARCHA "FAMÍLIA COM DEUS PELA LIBERDADE"

   6.4- ARTIGO DO ROBERTO MARINHO

   6.5- O QUE AS ESQUERDAS NÃO DEIXAM O JOVEM SABER

   6.5.1 – PARTE 1 – O INÍCIO DA LUTA ARMADA

   6.5.2 – PARTE 2 – OS NORTE-AMERICANOS NÃO TRAMARAM A CONTRA-REVOLUÇÃO DE 31 DE MARÇO DE 1964

   7 – BRIZOLA – OS INCRÍVEIS EXÉRCITOS BRIZOLEONE – 7.1 – OS GRUPOS DOS ONZE E O EXÉRCITO POPULAR DE LIBERTAÇÃO

7.2- OPERAÇÃO PINTASSILGO

7.3- O PACTO DE MONTEVIDÉO E A FRENTE POPULAR DE LIBERTAÇÃO(FPL)

7.4- JEFFERSON CARDIM E AS ESCARAMUÇAS DAS FORÇAS ARMADAS DE LIBERTAÇÃO NACIONAL

7.5- O MOVIMENTO DE RESISTÊNCIA MILITAR NACIONALISTA (MRMN) E A RESISTÊNCIA ARMADA NACIONALISTA(RAN)

7.6-O MOVIMENTO NACIONALISTA REVOLUCIONÁRIO (MNR) E AS GUERRILHAS DE CAPARAÓ E DO TRIÂNGULO MINEIRO

                         8 – IRMÃOS METRALHA – 8.1 – PARTE 1

                                    8.2 – PARTE 2

9- ATENTADO NO AEROPORTO DE GUARARAPES

10- ATENTADO AO QG DO IIº EXÉRCITO

11- ASSASSINATO DO MAJOR ALEMÃO

12- O ASSASSINATO DO CAP. CHARLES RODNEY CHANDLER

13 – O ROUBO DO COFRE DO ADEMAR – 13.1 – A FORMAÇÃO DA VAR-P          

           13.2 – A GRANDE AÇÃO

             13.3 – O DESTINO DO BUTIM

14- SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DOS EUA

15- SEQÜESTRO DO CONSUL DO JAPÃO

16 - SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DA ALEMANHA

17- ASSASSINATO DO TEN MATHEUS LEVINO DOS SANTOS

18- SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DA SUIÇA

19- ASSASSINATO DE MÁRCIO LEITE TOLEDO

20- ASSASSINATO DE HENNING ALBERTO BOILESSEN

21- ASSASSINATO DO MARINHEIRO INGLÊS DAVID A. CUTBERG

22- A GUERRILHA DO ARAGUAIA
     22.1- CAPÍTULO 1- A GUERRA POPULAR PROLONGADA DO PC DO B
     22.2- CAPÍTULO 2 – AS CAMPANHAS DAS FORÇAS LEGAIS
     22.3- CAPÍTULO 3 – OS RESSENTIMENTOS E A GUERRA DAS REDAÇÕES

     22.4- CAPÍTULO 4 – CONCLUSÕES

23- ASSASSINATO DO Dr OCTÁVIO GONÇALVES MOREIRA JUNIOR

24- ASSASSINATO DO PROF. FRANCISCO JACQUES MOREIRA DE ALVARENGA

25- MEMORIAL 64

26- O DIÓGENES DO PT

27 – LAMARCA – A TRAJETÓRIA DE UM TRAIDOR – 27.1 – O FIM E O COMEÇO
    27.2-O 1º ASSASSINATO
     27.3-A ÁREA DE REGISTRO

     27.4-O ASSASSINATO DO TEN MENDES
     27.5-O SEQUESTRO DO EMBAIXADOR DA SUIÇA
     27.6-A SAÍDA DA VPR E O INGRESSO DO MR-8
     27.7- A MORTE NO SERTÃO DA BAHIA
     27.8-TRAIDOR DO EXÉRCITOBRASILEIRO

                         28- RECORDAR E VIGIAR

 1 - APRESENTAÇÃO

O início da década de 60 caracterizou-se, no Brasil, pelo agressivo ressurgimento do movimento comunista, que já havia sido debelado nos idos de 1935.

mpregnados de ideologias importadas, os comunistas brasileiros insuflavam a população e arquitetavam um golpe de estado, buscando a tomada do poder por meio de lutas no campo (Ligas Camponesas e Grupos dos 11) e nas cidades (instabilização da política, greves sindicais e subversão hierárquica nas Forças Armadas).

A sociedade brasileira, inquieta, exigiu uma resposta firme das Forças Armadas, que veio desaguar na Revolução de 31 de Março de 1964, desencadeada para dar um basta no caos social que se avizinhava

A partir de meados da década de 60, o Brasil passou a ser convulsionado por atentados diversos. Assassinatos, assaltos a quartéis, bancos e casas comerciais, explosões de bombas e seqüestros de embaixadores e de aviões delinearam um nítido quadro de terrorismo e de violência que surpreendeu as nossas autoridades, ferindo e matando inocentes e integrantes das forças legais, ainda não preparadas para tal tipo de luta suja.

A manhã de 25 de julho de 1966 pode ser considerada como o marco inicial da ação terrorista no Brasil, quando três bombas explodiram no Recife, das quais a mais hedionda foi a do Aeroporto Internacional de Guararapes, que pretendia eliminar o candidato a Presidente da República, General Costa e Silva, mesmo que, para isso, inocentes fossem sacrificados. No total das covardes explosões, 2 pessoas morreram – um jornalista e um almirante reformado – e 16 ficaram feridas, das quais 13 eram civis, entre jornalistas, estudantes, professores, advogados e funcionários públicos, além de uma criança de 6 anos.

Foi somente em 1969 que as autoridades brasileiras decidiram dar uma resposta enérgica e profissional à luta terrorista, criando os órgãos de segurança que viriam, nos anos seguintes, dar um fim às ações armadas.

No entanto, a guerrilha rural do Sul do Pará, inspirada nos livrinhos vermelhos de Mao Tse Tung, e a guerrilha urbana dos grandes centros, originada das tertúlias intelectuais de Regis Debray e das aventuras de capa-e-espada de Chê Guevara, provocaram uma reação não prevista pelos comunistas em suas cartilhas doutrinárias. Desencadeando a luta armada sem o apoio da população, as organizações militaristas, na verdade, só distanciaram-se e se isolaram das massas que pretendiam empolgar.

Os órgãos de segurança, integrados por militares e policiais que, patriótica e conscientemente, cumpriam as determinações dos seus chefes, infligiram uma contundente derrota nos terroristas que, covardemente, fugiram ou exilaram-se em outros países.

A partir de 1979, com a Lei da Anistia, os comunistas regressaram e, gradativamente, passaram a ocupar posições nos diversos escalões da República e dos estados, transformando-se de criminosos em “heróis” e de terroristas em “idealistas políticos”.

 Hoje, enquanto o comunismo jaz destroçado em quase todo o mundo – inclusive em seu berço -, no Brasil, quintal das ideologias extremistas, seus seguidores posam, capciosamente, como “defensores” de uma democracia que tentaram e ainda tentam acabar. Continuam com suas mesmas idéias retrógradas, buscando, mais uma vez, iludir o povo brasileiro. Ter agido como terrorista ou como comunista, no passado, passou a ser considerado, hoje, como um procedimento “politicamente correto” e como um importante ponto de referência em seus currículos.

Facciosamente endeusados pela mídia e abrigados por algumas autoridades, deturpam e invertem a história, arvoram-se em senhores da verdade e, quais     “patrulhólogos” de plantão, desenvolvem um revanchismo odioso, célere emperseguir e, mesmo, destruir todos aqueles que lutaram para impedir seus desígnios.

A “democracia” que nos está sendo imposta não prima pelo império da lei, mas pela licenciosidade e pela impunidade que acobertam, sob o manto de uma falsa política de “direitos humanos”, as ações criminosas dos bandidos, dos sem-cidadania, dos sem-terra, dos sem-teto e dos sem-pátria.

Reunidos em 25 de julho de 1998, 32 anos passados das hediondas explosões do Recife, um punhado de democratas civis e militares, inconformados com a omissão das autoridades legais e indignados com a desfaçatez dos esquerdistas revanchistas, organizou o grupo “TERRORISMO NUNCA MAIS” (TERNUMA), a fim de resgatar a verdadeira história da Revolução de 1964 e, mais uma vez, opor-se a todos aqueles que ainda teimam em defender os referenciais comunistas, travestidos como se fossem democráticos.

Este “site”, que, passo a passo, irá contar a versão daqueles que derrotaram a luta armada no Brasil, servirá como um ponto de referência para as novas gerações      Toda moeda tem duas faces. Está na hora de conhecerem a outra ...

 

TUDO COMEÇOU EM 1935

2 - A INTENTONA COMUNISTA

    

No dia 27 de Novembro de 1935, ocorreu o maior ato de traição e covardia já perpetrados na História do Brasil.

Um grupo de traidores, a soldo de Moscou, tentou implantar, no Brasil, uma sangrenta ditadura comunista. O levante armado irrompeu em Natal, Recife e Rio de Janeiro, financiado e determinado pelo Comintern.

Nos primeiros dias de março de 1934 desembarcava no Rio de Janeiro, com passaporte americano, Harry Berger. Harry Berger era na realidade, o agente alemão do Comintern chamado Arthur Ernst Ewert. Ex-deputado, em seu país, era fichado como espião e havia sido processado por alta traição. Foi enviado ao Brasil, com outros agitadores, como Rodolfo Ghioldi e Jules Vales, para assessorar o planejamento da rebelião comunista.

Pouco depois, desembarcava Luíz Carlos Prestes com passaporte falso. O traidor vinha com a missão que lhe impusera o Comintern: chefiar o movimento armado que se preparava no Brasil.

Começaria então o planejamento para a insurreição armada.

Enquanto, nas sombras das conspirações e das combinações clandestinas, os subversivos concertavam os planos para a ação violenta, tarefa a cargo dos elementos militares, a ANL(Ação Nacional Libertadora) e seus propagandistas procuravam ampliar o seu número de adeptos. Prestes fez apelos a antigos companheiros. Seus apelos foram, entretanto, recusados em sua maior parte.

Mas o Comintern exigia pressa e ação. Harry Berger orientava e dinamizava os planos. Em um de seus relatos ao Comintern ele escrevia:

“A etapa atual da revolução, no Brasil .

Está em franco desenvolvimento uma revolução nacional antiimperialista. A finalidade da primeira etapa é a criação de uma vasta frente popular – operários, camponeses, pequenos burgueses e burgueses que são contra o imperialismo – depois, a ação propriamente dita, para a instituição de um governo popular nacional revolucionário, com Prestes à frente e representantes daquelas classes. Mas, como condição básica, esse governo se apoiará nas partes infiltradas no Exército e depois, sobre os operários e camponeses articulados em formações armadas.”

“ Nesta primeira fase, não serão organizados sovietes, porque isso reduziria, prematuramente, as hostes populares. Não obstante, o poder verdadeiro estará em maior escala nas aldeias, nas mãos das Ligas e Comitês de camponeses que se formarão e que também articularão formação do povo em armas para a proteção do Governo Popular e para a defesa de seus interesses. Nessa primeira etapa, a ação será, antes de tudo, desencadeada contra o imperialismo, os grandes latifundiários e contra os capitalistas que, traindo a Nação, agem de comum acordo com o imperialismo.”

“ Nós só passaremos a modificar os objetivos da primeira etapa, só erigiremos a ditadura democrática dos operários e camponeses sob a forma de sovietes, quando a revolução no Brasil tiver atingido uma grande concentração. Os pontos de apoio do Governo Popular Nacional Revolucionário serão os sovietes, mais as organizações de massa e o Exército Revolucionário do Povo. A transformação do Governo Popular Nacional Revolucionário, com Prestes à frente, tornar-se-á oportuna e real com o desenvolvimento favorável da Revolução do Governo Popular.”

Pelos planos de Harry Berger, o movimento teria duas fases: na primeira seria organizado um governo popular de coalizão. Na Segunda, viriam os sovietes, o Exército do Povo e a total hegemonia dos comunistas.

A idéia de um levante armado preocupava os elementos mais ponderados do PCB.  

O Comintern considerava, entretanto, a ação violenta como uma promissora experiência para a implantação do regime comunista em toda a América Latina. Por essa razão, enviou a um escritório comercial soviético em Montevidéu recursos financeiros destinados a apoiar a insurreição no Brasil.

Nas Forças Armadas a infiltração era grande. Células comunistas, envolvendo oficiais e sargentos, funcionavam no Exército e na Marinha.

Elementos do Partido Comunista preparavam greves e agitações nos meios operários e camponeses. Manifestos e instruções subversivos circulavam nos quartéis e em organizações sindicais.

Enquanto Harry Berger depurava, cuidadosamente, os planos, Prestes atuava com invulgar monstruosidade. Em nome da causa vermelha, pessoas consideradas suspeitas foram expulsas do Partido e, até mesmo eliminadas, como ocorreu com a menina Elza Fernandes, assassinada por ordem de Prestes (Vide Recordando a História: O assassinato de Elza Fernandes).

Tudo estava previsto para o irrompimento simultâneo do levante armado em todo o país. Mas, o movimento foi precipitado no Nordeste.

A insurreição comunista teve início em Natal, Rio Grande do Norte.

Ao anoitecer do dia 23 de novembro, dois sargentos, dois cabos e dois soldados sublevaram o 21º Batalhão de Caçadores. Aproveitaram-se do licenciamento do sábado e invadiram a sala do oficial de dia, prenderam o oficial e dominaram o aquartelamento. A seguir, entraram na Unidade, bandos de civis. Apoderaram-se do armamento e das munições do Exército e distribuíram-se em grupos para diversos pontos da cidade. Esses bandos de agitadores, engrossavam-se no caminho com inúmeros adesistas aventureiros, a maioria dos quais nem sabia exatamente do que se tratava.

 Investiram, em seguida, contra a Unidade da Polícia Militar onde o Coronel José Otaviano Pinto Soares, Comandante do 21º Batalhão de Caçadores, com o apoio do Comandante do Batalhão de Polícia, Major Luiz Júlio, conseguiu montar uma defesa que resistiu durante 19 horas, até render-se por falta de munição.

Cenas jamais vistas de vandalismo e crueldade tiveram lugar. Casas comerciais e residências particulares foram saqueadas e depredadas. Navios no porto foram ocupados. Grande número de instalações foram danificadas com selvageria.

Enquanto essa arruaça dominava o ambiente da cidade, instalava-se em palácio, o “Comitê Popular Revolucionário”constituido pelas seguintes personalidades: funcionário estadual Lauro Cortez Lago, Ministro do Interior; Sargento músico Quintino Clemente de Barros, Ministro da Defesa; sapateiro José Praxedes de Andrade, Ministro do Abastecimento; funcionário postal José Macedo, Ministro das Finanças; estudante João Batista Galvão, Ministro da Viação; cabo Estevão, Comandante do 21º Batalhão de Caçadores e Sargento Eliziel Diniz Henriques, Comandante Geral da Guarnição Federal.

Os primeiros atos do Comitê foram: arrombamento de bancos e repartições públicas..

Um clima de terror foi estabelecido em toda a cidade. Violações, estupros, pilhagens e roubos generalizaram-se. Dois cidadãos foram covardemente assassinados sob a acusação de que estavam ridicularizando o movimento. A população começou a fugir de Natal.

Colunas rebeldes ocuparam as localidades de Ceará- Mirim, Baixa Verde, São José do Mipibú, Santa Cruz e Canguaratema.

A primeira reação partiu de Dinarte Mariz, um chefe político do interior, que conseguiu surpreender e derrotar um grupo comunista, com uma pequena força de sertanejos.

Quando as tropas legalistas, vindas de Recife, marcharam sobre Natal, o Comitê Popular Revolucionário dissolveu-se rapidamente, sem a menor resistência. Todos os “Ministros”e “Comandantes Militares” fugiram levando o que podiam.

Foi esta, em síntese, a história vergonhosa do mais duradouro governo comunista no Brasil, até os dias atuais. Foi a mais lamentável demonstração do que pode representar a ascensão ao poder de um grupo de comunistas inescrupulosos e dispostos às ações mais bárbaras, seguidos por uma coorte de oportunistas e ignorantes.

Os acontecimentos de Natal precipitaram a eclosão do movimento subversivo em Recife. Aí se travou o mais cruento conflito de todo o levante.

Na manhã do dia 25 de novembro, um sargento, chefiando um grupo de civis, atacou a cadeia pública de Olinda. Logo depois, o Sargento Gregorio Bezerra tentava apoderar-se do Quartel- General da 7ª Região Militar, assassinando covardemente o Tenente José Sampaio, e ferindo o Tenente Agnaldo Oliveira de Almeida, antes de ser subjugado e preso.

Na Vila Militar de Socorro, o Capitão Otacílio Alves de Lima, o Tenente Lamartine Coutinho Correia de Oliveira e o Tenente Roberto Alberto Bomilcar Besouchet, notórios comunistas, sublevaram o 29º Batalhão de Caçadores e marcharam sobre a capital pernambucana.

O Tenente-Coronel Afonso de Albuquerque Lima, subcomandante da Brigada Policial, conseguiu, entretanto, reunir um contingente que procurou deter os revoltosos.

O Capitão Malvino Reis Neto, Secretário de Segurança Pública, armou a Guarda Civil e várias organizações policiais, deslocando-as em reforço das tropas legalistas. Essa reação permitiu que as Unidades de Maceió e João Pessoa pudessem ser deslocadas para o teatro da luta e estabelecer um cerco aos revoltosos.

Na manhã do dia 25, as forças legalistas já dispunham do apoio de artilharia e atacam fortemente os comunistas. Havia mais de uma centena de mortos nas fileiras rebeldes.

No dia seguinte, Recife já estava completamente dominada pelas forças e os rebeldes derrotados.

O 20º Batalhão de Caçadores já podia se deslocar para Natal, ainda em poder dos comunistas.

Notícias confusas e alarmantes chegavam ao Rio de Janeiro dos acontecimentos de Natal e Recife.

Esperava-se uma ação comunista a qualquer momento, sem que se pudesse precisar onde surgiria.

Prestes declarou, em nota enviada a Trifino Correia em Minas Gerais, que não poderia aguardar mais tempo e que a rebelião precisava irromper dentro de dois ou três dias. Efetivamente, sua ordem para o desencadeamento das ações marcava a hora H para as duas da madrugada de 27 de novembro.

As autoridades não ignoravam que elementos comunistas infiltrados em vários quartéis estavam na iminência de uma insurreição. Mesmo assim houve muitas surpresas. Muitos dos comprometidos não figuravam nas relações de suspeitos.

Na Escola de Aviação, em Marechal Hermes, os Capitães Agliberto Vieira de Azevedo e Sócrates Gonçalves da Silva, juntamente com os Tenentes Ivan Ramos Ribeiro e Benedito de Carvalho assaltaram o quartel de madrugada, e dominaram a Unidade. Vários oficiais foram assassinados ainda dormindo. O Capitão Agliberto matou friamente o seu amigo Capitão Benedito Lopes Bragança que se achava desarmado e indefeso.

Em seguida, os rebeldes passaram a atacar o 1º Regimento de Aviação, sob o comando do Coronel Eduardo Gomes, que, apesar de ferido ligeiramente, iniciou a reação.

Forças da Vila Militar acorreram em apoio ao Regimento e, após algumas horas de violenta fuzilaria e bombardeio de artilharia, conseguiram derrotar os rebeldes.

No 3º Regimento de Infantaria, na Praia Vermelha, acontecimentos mais graves ocorreram. Os rebeldes, chefiados pelos Capitães Agildo Barata, Álvaro Francisco de Souza e José Leite Brasil conseguiram, na mesma madrugada, após violenta e mortífera refrega, no interior do quartel dominar quase totalmente a Unidade. Ao amanhecer, restava apenas um núcleo de resistência legalista, sitiado no Pavilhão do Comando, onde se encontrava o Coronel Afonso Ferreira, comandante do Regimento.

A reação dos legalistas do próprio 3º RI teve grande valia no decorrer da ação, porque impediu que a Unidade rebelada deixasse o quartel para cumprir as missões determinadas por Prestes no plano da insurreição e que incluíam o assalto ao palácio presidencial no Catete.

Nas últimas horas da madrugada, acionados diretamente pelo Comandante da 1ª Região Militar, General Eurico Gaspar Dutra, o Batalhão de Guardas e o 1­º Grupo de Obuses tomaram posição nas proximidades do aquartelamento rebelado e iniciaram o bombardeio.

Durante toda a manhã do dia 27 desenvolveu-se um duro combate. O edifício do quartel foi transformado em uma verdadeira fortaleza, defendida pelas metralhadoras dos amotinados que também ocuparam as elevações vizinhas. As explosões das granadas da artilharia reduziram a escombros as velhas paredes que o incêndio do madeiramento carbonizava. A infantaria legalista avançou muito lentamente, em razão da falta de proteção na praça fronteira ao quartel.

Os amotinados tentaram parlamentar com o comando legal, mas foram repelidos em suas propostas.

Finalmente, às 13 horas e 30 minutos, bandeiras brancas improvisadas foram agitadas nas janelas do edifício, parcialmente destruído era a rendição.

A intentona comunista de 1935 no Brasil é apenas um episódio no imenso repertório de crimes que o comunismo vem cometendo no mundo inteiro para submeter os povos ao regime opressor denominado “ditadura do proletariado”. Desde o massacre da família real russa, das execuções na época de Stalin, das invasões da Hungria, da Tchecoslováquia e do Afeganistão.

No seu desmedido plano de domínio universal, foi sempre apoiado na escravização, na tortura e no assassinato de milhões de entes humanos, cuja dor e cujo sangue parecem ser a marca indispensável das conquistas comunistas.

Ostentando dísticos enganadores, agitando falsas promessas, os comunistas de 1935, como de hoje, são os mesmos arautos da sujeição e da opressão.

Queremos deixar aqui registrados, os autores intelectuais, bem como os que participaram diretamente deste ato covarde e antipatriótico a soldo de uma Nação estrangeira.

Como réus, incursos nas penas do art.1º, combinado com o art.49 da Lei nº 38,de 04 de abril de 1935. 

“ Ex-capitão Luiz Carlos Prestes--- Arthur Ernest Ewert ou Harry Berger( agente estrangeiro ) Rodolfo Ghioldi ( agente estrangeiro )--- Leon Jules Vallée (agente estrangeiro )--- Antonio Maciel Bonfim ou Adalberto de Andrade Fernandes--- Honorio de Freitas Guimarães--- Lauro Reginaldo da Rocha ou Lauro Reginaldo Teixeira--- Adelino Deycola dos Santos--- ex-major Carlos da Costa Leite---Dr Ilvo Furtado Soares de Meireles--- Dr Pedro Ernesto Baptista--- ex-capitão Agildo da Gama Barata Ribeiro--- ex-capitão Alvaro Francisco de Souza--- ex-capitão José Leite Brasil--- ex-capitãoSócrates Gonçalves da Silva--- ex- capitãoAglibertoVieira de Azevedo--- ex-primeiro tenente David de Medeiros Filho--- ex-primeiro tenente Durval Miguel de Barros--- ex-primeiro tenente Celso Tovar Bicudo de Castro--- ex-primeiro tenente Benedicto de Carvalho---ex-segundo tenente Francisco Antonio Leivas Otero--- ex-segundo tenente Mario de Souza--- ex-segundo tenenteAntonio Bento Monteiro Tourinho--- ex-segundo tenente José Gutman---ex-segundo tenente Raul Pedroso--- ex- segundo tenente Ivan Ramos Ribeiro--- ex segundo tenente Humberto Baena de Moraes Rego--- ex-terceiro sargentoVictor Ayres da Cruz.”

 

"...Resolve ainda, o Tribunal, por unanimidade de votos absolver, como absolve os accusados Hercolino Cascardo, Roberto Faller Sisson, Carlos Amorety Osório, Francisco Mangabeira , Benjamin Soares Cabello e Manoel Venâncio Campos da Paz, da accusação de haverem commetido o crime do art.1º da lei nº 38, de 4 de abril de 1935, por não estar provado que os mesmos tivessem tentado mudar, por meios violentos, a forma de governo, ou a
Constituição da Republica.
   Sala das Sessões, em 7 de maio de 1937- Barros Barreto, presidente -
Raul Machado, relator - Costa Netto - Lemos Bastos - Pereira Braga -
Himalaya Vergolino, presente.
  

 Os demais implicados, quer os simples executores materiais, quer os que prestaram auxílio ou forneceram instruções para a execução do delito, se enquadram na categoria dos co-réus        

Para vergonha e repúdio da Nação, o nome de Luiz Carlos Prestes, covarde assassino e vendilhão de sua pátria, é dado a logradouros públicos, por indicação de autoridades executivas ou de políticos levianos e oportunistas, sem o menor sentimento de patriotismo.

Certamente, desconhecem a verdadeira história ou esposam ainda filosofias sanguinárias e ditatoriais.

 

Memorial 1935 

2.1 - NOSSA HOMENAGEM PERMANENTE


                MORTOS NA INTENTONA  COMUNISTA DE 1935

Monumento em homenagem aos heróis que tombaram na covarde tentativa de implantar o o comunismo no Brasil.

 image003

Praça General Tibúrcio,  Praia Vermelha / RJ. Este monumento ocupa hoje o antigo local onde estava sediado o 3º RI, que, sublevado, foi completamente destruído.

Poucos conhecem seus nomes. Eles morreram na madrugada de 27 de novembro de 1935. Não em combate, mas covardemente assassinados. Alguns dormindo...
Durante todos estes anos, suas famílias, em silêncio resignado, reivindicaram dos governantes, a não ser um mínimo de coerência, a fim de que pudessem acreditar que eles não morrerem em vão. 

01. Abdiel Ribeiro dos Santos - 3º Sargento
02. Alberto Bernardino de Aragão - 2º Cabo
03. Armando de Souza Mello - Major
04. Benedicto Lopes Bragança - Capitão
05. Clodoaldo Ursulano - 2º Cabo
06. Coriolano Ferreira Santiago - 3º Sargento
07. Danilo Paladini - Capitão
08. Fidelis Batista de Aguiar - 2º Cabo
09. Francisco Alves da Rocha - 2º Cabo
10. Geraldo de Oliveira - Capitão
11. Jaime Pantaleão de Moraes - 2º Sgt
12. João de Deus Araújo - Soldado
13. João Ribeiro Pinheiro - Major

14. José Bernardo Rosa - 2º Sargento
15. José Hermito de Sá - 2º Cabo
16. José Mário Cavalcanti - Soldado
17. José Menezes Filho - Soldado
18. José Sampaio Xavier - 1º Tenente
19. Lino Vitor dos Santos - Soldado
20. Luiz Augusto Pereira - 1º Cabo
21.
Luiz Gonzaga - Soldado
22. Manoel Biré de Agrella - 2º Cabo
23. Misael Mendonça -T.Coronel
24. Orlando Henrique - Soldado
25. Pedro Maria Netto - 2º Cabo
26. Péricles Leal Bezerra - Soldado
27. Walter de Souza e Silva - Soldado
28. Wilson França - Soldado

3 - O ASSASSINATO DE ELZA FERNANDES

 Desde menina, Elvira Cupelo Colônio acostumara-se a ver, em sua casa, os numerosos amigos de seu irmão, Luiz Cupelo Colônio. Nas reuniões de comunistas, fascinava-se com os discursos e com a linguagem complexa daqueles que se diziam ser a salvação do Brasil. Em especial, admirava aquele que parecia ser o chefe e que, de vez em quando, lançava-lhe olhares gulosos, devorando o seu corpo adolescente. Era o próprio Secretário-Geral do Partido Comunista do Brasil (PCB), Antonio Maciel Bonfim, o "Miranda".
Em 1934, então com 16 anos, Elvira Cupelo tornou-se a amante de "Miranda" e passou a ser conhecida, no Partido, como "Elza Fernandes" ou, simplesmente, como a "garota". Para Luiz Cupelo, ter sua irmã como amante do secretário-geral era uma honra. Quando ela saiu de casa e foi morar com o amante, Cupelo viu que a chance de subir no Partido havia aumentado.
Entretanto, o fracasso da Intentona, com as prisões e os documentos apreendidos, fez com que os comunistas ficassem acuados e isolados em seus próprios aparelhos.
Nos primeiros dias de janeiro de 1936, "Miranda" e "Elza" foram presos em sua residência, na Avenida Paulo de Frontin, 606, Apto 11, no Rio de Janeiro. Mantidos separados e incomunicáveis, a polícia logo concluiu que a "garota" pouco ou nada poderia acrescentar aos depoimentos de "Miranda" e ao volumoso arquivo apreendido no apartamento do casal. Acrescendo os fatos de ser menor de idade e não poder ser processada, "Elza" foi liberada. Ao sair, conversou com seu amante que lhe disse para ficar na casa de seu amigo, Francisco Furtado Meireles, em Pedra de Guaratiba, aprazível e isolada praia da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Recebeu, também, da polícia, autorização para visitá-lo, o que fez por duas vezes.
Em 15 de janeiro, Honório de Freitas Guimarães, um dos dirigentes do PCB, ao telefonar para "Miranda" surpreendeu-se ao ouvir, do outro lado do aparelho, uma voz estranha. Só nesse momento, o Partido tomava ciência de que "Miranda" havia sido preso. Alguns dias depois, a prisão de outros dirigentes aumentou o pânico. Segundo o PCB, havia um traidor. E o maior suspeito era "Miranda".
As investigações do "Tribunal Vermelho" começaram. Honório descobriu que "Elza" estava hospedada na casa do Meireles, em Pedra de Guaratiba. Soube, também, que ela estava de posse de um bilhete, assinado por "Miranda", no qual ele pedia aos amigos que auxiliassem a "garota". Na visão estreita do PCB, o bilhete era forjado pela polícia, com quem "Elza" estaria colaborando. As suspeitas transferiram-se de "Miranda" para a "garota".
Reuniu-se o "Tribunal Vermelho", composto por Honório de Freitas Guimarães, Lauro Reginaldo da Rocha, Adelino Deycola dos Santos e José Lage Morales. Luiz Carlos Prestes, escondido em sua casa da Rua Honório, no Méier, já havia decidido pela eliminação sumária da acusada. O "Tribunal" seguiu o parecer do chefe e a "garota" foi condenada à morte. Entretanto, não houve a desejada unanimidade: Morales, com dúvidas, opôs-se à condenação, fazendo com que os demais dirigentes vacilassem em fazer cumprir a sentença. Honório, em 18 de fevereiro, escreveu a Prestes, relatando que o delator poderia ser, na verdade, o "Miranda".
 A reação do "Cavaleiro da Esperança" foi imediata. No dia seguinte, escreveu uma carta aos membros do "Tribunal", tachando-os de medrosos e exigindo o cumprimento da sentença. Os trechos dessa carta de Prestes, a seguir transcritos, constituem-se num exemplo candente da frieza e da cínica determinação com que os comunistas jogam com a vida humana:
"Fui dolorosamente surpreendido pela falta de resolução e vacilação de vocês. Assim não se pode dirigir o Partido do Proletariado, da classe revolucionária." ... "Por que modificar a decisão a respeito da "garota"? Que tem a ver uma coisa com a outra? Há ou não há traição por parte dela? É ou não é ela perigosíssima ao Partido...?" ... "Com plena consciência de minha responsabilidade, desde os primeiros instantes tenho dado a vocês minha opinião quanto ao que fazer com ela. Em minha carta de 16, sou categórico e nada mais tenho a acrescentar..." ... "Uma tal linguagem não é digna dos chefes do nosso Partido, porque é a linguagem dos medrosos, incapazes de uma decisão, temerosos ante a responsabilidade. Ou bem que vocês concordam com as medidas extremas e neste caso já as deviam ter resolutamente posto em prática, ou então discordam mas não defendem como devem tal opinião."

Ante tal intimação e reprimenda, acabaram-se as dúvidas. Lauro Reginaldo da Rocha, um dos "tribunos vermelhos", respondeu a Prestes:
  "Agora, não tenha cuidado que a coisa será feita direitinho, pois a questão do sentimentalismo não existe por aqui. Acima de tudo colocamos os interesses do P."
Decidida a execução, "Elza" foi levada, por Eduardo Ribeiro Xavier ("Abóbora"), para uma casa da Rua Mauá Bastos, Nº 48-A, na Estrada do Camboatá, onde já se encontravam Honório de Freitas Guimarães ("Milionário"), Adelino Deycola dos Santos ("Tampinha"), Francisco Natividade Lira ("Cabeção") e Manoel Severino Cavalcanti ("Gaguinho").

Elza, que gostava dos serviços caseiros, foi fazer café. Ao retornar, Honório pediu-lhe que sentasse ao seu lado. Era o sinal convencionado. Os outros quatro comunistas adentraram à sala e Lira passou-lhe uma corda de 50 centímetros pelo pescoço, iniciando o estrangulamento. Os demais seguravam a "garota", que se debatia desesperadamente, tentando salvar-se. Poucos minutos depois, o corpo de "Elza", com os pés juntos à cabeça, quebrado para que ele pudesse ser enfiado num saco, foi enterrado nos fundos da casa. Eduardo Ribeiro Xavier, enojado com o que acabara de presenciar, retorcia-se com crise de vômitos.
Perpetrara-se o hediondo crime, em nome do Partido Comunista.

Poucos dias depois, em 5 de março, Prestes foi preso em seu esconderijo no Méier. Ironicamente, iria passar por angústias semelhantes, quando sua mulher, Olga Benário, foi deportada para a Alemanha nazista.
Alguns anos mais tarde, em 1940, o irmão de "Elza", Luiz Cupelo Colônio, o mesmo que auxiliara "Miranda" na tentativa de assassinato do "Dino Padeiro", participou da exumação do cadáver. O bilhete que escreveu a "Miranda", o amante de sua irmã, retrata alguém que, na própria dor, percebeu a virulência comunista:

 

Meu caro Bonfim
Acabo de assistir à exumação do cadáver de minha irmã Elvira. Reconheci ainda a sua dentadura e seus cabelos. Soube também da confissão que elementos de responsabilidade do PCB fizeram na polícia de que haviam assassinado minha irmã Elvira. Diante disso, renego meu passado revolucionário e encerro as minhas atividades comunistas.

Do teu sempre amigo, Luiz Cupelo Colônio"
                                                                                                                                               

 image005  image007

4 - ALGUNS CRIMES DO PCB

Contam-se aos milhões os casos mundialmente conhecidos da violência comunista contra a pessoa humana, escudada num estranho valor moral que privilegia a revolução proletária em relação ao indivíduo, os fins justificando os meios.

Afirma Merleau-Ponty:

            "A astúcia, a mentira, o sangue derramado, a ditadura são justificados se tornam possível o poder do proletariado e dentro desta medida somente." ("Humanismo e Terror", Ed. Tempo Brasileiro, RJ, 1968, página 13).

A violência, segundo a esquerda radical, seria válida se cometida em nome da classe operária e de seu representante, o Partido Comunista.

Lenin, em seu "testamento", havia indicado seis homens que poderiam substituí-lo na condução do Estado Soviético: Stalin, Zinoviev, Kamenev, Rykov, Bukharin e Trotsky.

Stalin, elegendo-se Secretário-Geral do PCUS, nunca conseguiu eliminar a oposição que lhe faziam os grupos internos dirigidos pelos outros cinco.

Na década de 30, a URSS vivia sob o clima da ameaça de uma guerra mundial e da questão sobre se seria possível enfrentá-la com a existência de uma oposição interna a Stalin, na cúpula do PCUS.

Os denominados "processos de Moscou" foram as respostas dessa questão e os opositores, sucessivamente, eliminados. Zinoviev e Kamenev foram fuzilados em 1936, Rykov em 1937, Bukharin em 1938 e Trotsky, que já estava banido da URSS desde 1929, foi assassinado em 1940, no México.

E isto para citar, apenas, alguns dirigentes.

Torna-se difícil, entretanto, imputar a Stalin a única culpa pelos crimes, como desejava Trotsky. Em um regime que dá a uma classe um poder total e ditatorial, qualquer homem poderia utilizá-lo sobre as demais parcelas da sociedade.

Alguns anos mais tarde, Tito, chefe do governo iugoslavo, afirmaria que os erros e os crimes cometidos resultavam mais do sistema soviético do que das falhas morais do ditador, cuja ascenção tal sistema proporcionou.

No Brasil, fanatizados pela mesma ideologia e animados pelos mesmos propósitos indecifráveis que os conduziram à Intentona de 1935, os comunistas deram seguidas demonstrações de inaudita violência, ao perpetrarem crimes, com requintes de perversidade, para eliminar, não só seus "inimigos", as forças policiais, mas seus próprios companheiros.

O "Tribunal Vermelho", criado para julgar, sumariamente, todos aqueles que lhes inspiravam suspeitas e receios, arvorava-se em juiz e executor, fornecendo, ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), um espectro trágico e patético.

Pelos casos conhecidos, pode-se inferir, também, que dezenas de outros crimes foram cometidos pelos comunistas, sem que houvessem vindo a público, escondidos pela "eficiência do trabalho executado".

Os casos a seguir relatados mostram, de um modo pálido, mas irretorquível, essa violência levada aos limites do absurdo.

As famílias das vítimas não tiveram, como ainda não os têm, o reconhecimento e o amparo da sociedade.

Aos assassinados, cabe a afirmação de Merleau-Ponty:

                        "Admitir-se-á talvez que eles eram indivíduos e sabiam o que é a liberdade. Não espantará se, tendo que falar do comunismo, nós tentamos vislumbrar, através nuvem e noite, estes rostos que se apagaram da terra." (Idem, página 32).

 - BERNARDINO PINTO DE ALMEIDA

 Em 1935, ainda antes da Intentona, Honório de Freitas Guimarães ("Milionário"), membro do CC/PCB, denunciou Bernardino Pinto de Almeida, vulgo "Dino Padeiro", de traição.

O "Tribunal Vermelho", cioso de suas atribuições, julgou-o culpado e perigoso para a ação armada que se avizinhava.

O próprio Secretário-Geral do Partido, Antonio Maciel Bonfim, o "Miranda", decidiu executá-lo, com o auxílio de seu cunhado, Luiz Cupelo Colônio.

"Dino Padeiro", deslumbrado com a possibilidade de encontrar-se com o número um do Partido, foi atraído para um local ermo, próximo à então estação de Triagem da Central do Brasil, no Rio de Janeiro.

Fora das vistas, "Miranda" desfechou-lhe uma coronhada e, em seguida, dois tiros de revólver. Tendo a arma enguiçado, tomou a de Cupelo e desfechou-lhe mais dois tiros, para ter a certeza da morte.

Entretanto, por incrível que pareça, "Dino" sobreviveu e, socorrido por funcionários da ferrovia, pôde contar sobre a tentativa de crime.

Ironicamente, o destino deu voltas.

Mais tarde, Cupelo sentiria, em sua própria família, o peso da violência.

 - AFONSO JOSÉ DOS SANTOS

 Em 2 de dezembro de 1935, com os militantes do PCB entrando na clandestinidade pela derrota da Intentona, o "Tribunal Vermelho" julgou e condenou à morte Afonso José dos Santos.

A vítima foi delatada por José Emídio dos Santos, membro do Comitê Estadual do PCB no Rio de Janeiro, que recebeu o encargo da execução.

 Três dias depois do "julgamento", José Emídio cometia o assassinato, na garagem da Prefeitura de Niterói.

Impronunciado por falta de provas, só em 1941 o crime foi esclarecido.

 - MARIA SILVEIRA

 Elisiário Alves Barbosa, militante do PCB, quando estava na clandestinidade em São Carlos, cidade do interior paulista, apaixonou-se pela também militante Maria Silveira, conhecida como "Neli".

Indo para o Rio de janeiro, o próprio Elisiário, após algum tempo de militância, acusou "Neli" de não mais merecer a confiança do Partido.

O "Tribunal Vermelho" condenou-a à morte.

Planejado o crime, os militantes Ricarte Sarrun, Antonio Vitor da Cruz e Antonio Azevedo Costa levaram-na, em 6 de novembro de 1940, até à Ponte do Diabo, na Estrada do Redentor, na Floresta da Tijuca.

No transporte, usaram o táxi dirigido por Domingos Antunes Azevedo, conhecido por "Paulista".

Logo ao chegar, "Neli" foi atirada da Ponte do Diabo por Diocesano Martins, que esperava no local. Mas, havia a possibilidade de que ela não morresse na queda. Para certificar-se da morte, Daniel da Silva Valença aguardava no fundo do abismo.

"Neli", entretanto, já chegou morta. Foi esquartejada por Valença, que procurou torná-la irreconhecível a fim de dificultar a identificação e apagar possíveis pistas.

 - DOMINGOS ANTUNES AZEVEDO

  Dois meses depois, os assassinos de "Neli" estavam preocupados com a possível descoberta do crime.

Em 20 de janeiro de 1941, reunidos, verificaram que o ponto fraco era o motorista do táxi, Domingos Antunes Azevedo.

Decidiram eliminá-lo.

Antonio Vitor da Cruz e Antonio Azevedo Costa, "amigos" do motorista, atrairam-no para um passeio na Estrada da Tijuca. Foram também, Diocesano Martins e Daniel da Silva Valença, este sentado ao lado do motorista.

Num local em que o táxi andava bem devagar, Diocesano desfechou três tiros na vítima, que tombou de bruços sobre o volante.

 Valença freiou o carro e o cadáver foi atirado à margem da estrada.

Segundo eles, os assassinatos de "Neli" e do "Paulista", em nome do Partido Comunista, jamais seriam descobertos.

F. Dumont                                                                                                                                                          

 5 - AS LIGAS CAMPONESAS

As Ligas Camponesas, projetadas nacionalmente no fim da década de 50, passaram, no início da década seguinte, por uma virada ideológica: afastaram-se do "pacifismo" do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e abraçaram a concepção revolucionária calcada no exemplo cubano, definindo-se pela reforma agrária radical, "na lei ou na marra".Bem que Francisco Julião, o deputado pernambucano criador das Ligas em 1955, tentou conseguir, da URSS, o apoio para sua revolução: em julho de 1957, quando participava de uma comitiva de 40 deputados que visitavam Moscou, chegou a pedir armas para as Ligas, polidamente recusadas. Já estavam, os soviéticos, sendo bafejados com os ventos reformadores e "pacifistas" do XX Congresso do PCUS, realizado no ano anterior.Descrente do apoio da URSS, a gota d'água para o afastamento em relação ao PCB foi a derrota, no V Congresso do Partido, das teses dos comunistas vinculados às Ligas, que viam no campesinato a principal força revolucionária.
O Partido, nesse Congresso realizado em setembro de 1960, obedeceu à concepção do XX Congresso do PCUS e consagrou a tese do caráter nacional-democrático da revolução, atrelando a reforma agrária e o movimento camponês às necessidades táticas dessa etapa, alicerçada numa frente única constituída de operários, estudantes e camponeses. A luta armada foi colocada em segundo plano e não mais considerada como um "princípio".Tal decisão do PCB, tirando o movimento camponês do centro da revolução e derrubando a idéia inerente ao "na lei ou na marra", agravou as relações entre o Partido e as Ligas, já tensas pela campanha presidencial, quando estas lideraram uma campanha de solidariedade a Cuba, durante o bloqueio à ilha, por ocasião da chamada "crise dos mísseis soviéticos", enquanto que o PCB, que apoiava o Marechal Lott, considerou o movimento inoportuno. O rompimento formal viria no final do ano seguinte.O ano de 1961 foi marcado pela aproximação de Francisco Julião e das suas Ligas Camponesas com as concepções revolucionárias cubanas.Em novembro desse ano, a União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil (ULTAB), organização orientada por um misto de PCB e Ação Católica, realizou, em Belo Horizonte, o I Congresso Nacional de Lavradores e Trabalhadores Agrícolas. O conclave caracterizou-se pela disputa entre as idéias cubanas de Julião e as teses do PCB. Em entrevista à revista "CHE", de Buenos Aires, durante esse Congresso, Julião afirmou:

"... nosso lema é - reforma ou revolução. Se negássemos a revolução seríamos demagogos, carentes de autenticidade; não teríamos o valor de defender nossos pontos de vista e nossa ideologia. Preconizamos uma reforma agrária radical, e as massas brasileiras, que adquirem cada vez mais consciência da dura realidade, levarão o País a uma nova convulsão social, a uma guerra civil e ao derramamento de sangue. Será a liqüidação de um tipo de sociedade e a instauração de outro. Nós temos nos envolvido nessa luta com o fim de preparar as massas brasileiras para o advento de uma sociedade nova, na lei ou na marra".

A tese de Julião de uma reforma agrária "na lei ou na marra" empolgou o Congresso, permitindo que as posições do PCB fossem derrotadas, passando essa bandeira a constituir-se no princípio estratégico das Ligas Camponesas.Rompendo com o PCB, Julião imaginava, para esse ano de 1962, que a defesa da luta armada, por si só, conseguiria atrair todas as demais organizações comunistas, que se agrupariam em torno das Ligas. Para isso, teria que criar uma forte organização camponesa em todo o País, que lhe permitisse o enfrentamento armado. Foi criado, então, o Conselho Nacional das Ligas Camponesas.

Julião subestimou ou não entendeu os princípios que norteavam as organizaçõe comunistas estruturadas. Elas tinham suas próprias estratégias e não aceitavam ir a reboque de um movimento camponês.

Tinham que dominá-lo e usá-lo para seus fins.O Conselho Nacional logo foi infiltrado por dois outros partidos comunistas, o recém-criado Partido Comunista do Brasil (PCdoB), de linha chinesa, e a Organização Revolucionária Marxista - Política Operária (POLOP), de linha doutrinarista.Foi quebrada a unidade do movimento camponês, que passou a ter divergentes orientações de esquerda. As atividades das Ligas inverteram-se. Até agora, prioritariamente voltadas para a agitação política e para a organização "legal" do movimento camponês, passaram a dar prioridade à ação militar.

Seus melhores quadros, de Pernambuco, foram remanejados para outros estados, a fim de organizar e mobilizar revolucionariamente o movimento camponês. Foi iniciada a preparação de campos de treinamento de guerrilhas, sendo os principais os da região de Almas, Natividade e Dianópolis, no Nordeste de Goiás, onde predominavam elementos oriundos do movimento estudantil.Os trotskistas também infiltraram-se nas Ligas Camponesas. O Partido Operário Revolucionário Trotskista (PORT) enviou para o Nordeste vários componentes de seu Comitê Central e passou a atuar com predominância nessa área, a partir de 1962.Por outro lado, o PCB, inconformado com a derrota de suas idéias, passou a exercer sua influência de natureza política no próprio governo federal.

O presidente João Goulart decidiu estimular a sindicalização em massa, na tentativa de reorientar as mobilizações agrárias em apoio a seu governo populista. Foi criada a Superintendência da Política da Reforma Agrária (SUPRA) e a bandeira da reforma agrária foi reativada, agora sob a égide do próprio governo.As cartas sindicais concedidas pelo Ministério do Trabalho permitiam uma seleção dos sindicatos a serem liberados. Apenas a Igreja disputaria essas concessões com o PCB, através de sua organização de frente, a ULTAB. Nesse ano, ainda, o número de camponeses filiados aos sindicatos já ultrapassaria ao dos filiados às Ligas Camponesas.

A agitação no campo concentrar-se-ia agora no movimento sindical. O móvel da luta no campo seria de caráter trabalhista, a luta seria do assalariado rural, embora a bandeira que agitasse essa luta fosse a da reforma agrária.Ao mesmo tempo, a luta deixava de centrar-se no campo e aproximava-se das periferias das grandes cidades.   Particularmente no Rio de Janeiro, cresceu o número de invasões de propriedades por grupos armados nas regiões de Magé, Paracambi, Itaguaí, Cachoeira de Macacu, Duque de Caxias, etc.Julião, por um lado pressionado politicamente pela linha do governo e do PCB e por outro sentindo-se cada vez mais longe dos princípios divergentes do PCdoB, da POLOP e do PORT, vislumbrou que poderia perder o controle político das Ligas. Lançou, então, em 21 de abril de 1962, em Ouro Preto, o Movimento Tiradentes, com data, local e nome tentando emprestar-lhe conotações históricas nacionais e unificá-las em torno do "socialismo e do exemplo da revolução cubana", com base nos princípios da II Declaração de Havana. Entretanto, o Movimento não conseguiu enfrentar as duas enormes forças que se lhe antepunham, não foi capaz de restaurar a unidade orgânica das Ligas e teve vida efêmera.

Em outubro de 1962, as divergências internas aprofundaram-se e Julião foi expulso da Comissão Nacional, passando o controle das Ligas ao PCdoB.No mês seguinte, as Forças Armadas desarticularam os seus campos de treinamento de guerrilhas e a 27 desse mesmo mês a queda de um Boeing 707 da VARIG, quando se preparava para pousar no Aeroporto Internacional de Lima, no Peru, permitiu o encontro de documentos que tornaram públicas as ligações do governo cubano com as Ligas. Todos esses fatos levaram as Ligas Camponesas a atravessarem profunda crise, do que se valeria o PCB para tentar retomar a hegemonia do movimento camponês.

No início de 1963, a aprovação do Estatuto do Trabalhador Rural permitiu que o número de filiados aos sindicatos dobrasse em todo o País. Simultaneamente, acirraram-se os conflitos sociais no campo.Em outubro, foi programado um comício em Recife, do qual participaram cerca de 30 mil camponeses vindos do interior em marcha sobre a capital, conduzindo foices, enxadas e outros instrumentos de trabalho. Concretizava-se mais um objetivo: era a demonstração de força, pacífica, usada com objetivos político-sindicais.Após a perda da hegemonia do movimento camponês, as Ligas procuraram reestruturar-se organicamente e redigir suas teses programáticas para a nova conjuntura que se apresentava amplamente favorável.

Foram, também, revitalizadas com a adesão de Alípio Cristiano de Freitas, o padre Alípio, que se desligara da ULTAB em fins de 1962.O jornal "A LIGA", editado no Rio de Janeiro, transcrevia o embate interno que se travava nas Ligas. Ele girava em torno da necessidade da criação de uma estrutura centralizada que impusesse uma política unitária, coordenando as bases e consolidando uma vanguarda revolucionária.Julião tentou, nessa oportunidade, ainda mais uma vez, recriar o Movimento Tiradentes, através da organização do denominado Movimento Unificado da Revolução Brasileira (MURB), propondo a unidade das forças revolucionárias em torno de reformas radicais de conteúdo nitidamente socialista.

Embora suas teses programáticas tivessem alcançado ressonância no Conselho Nacional, Julião não levou em conta a complexidade das alianças político-ideológicas, distinguindo apenas duas forças em choque, "as forças reacionárias" e "as forças revolucionárias". Sua proposta de criação do MURB não encontrou apoio.Organicamente, o Conselho das Ligas iria optar pela proposta do padre Alípio, que propugnava um composição predominantemente operário-camponesa para o Conselho Nacional e que as Ligas, com o nome de Ligas Camponesas do Brasil, tivessem como suporte uma Organização de Massa (OM) e uma Organização Política (OP). A OP deveria estruturar-se nos moldes de um partido marxista-leninista, cabendo-lhe as funções dirigentes das Ligas, e as OM funcionariam como uma entidade de massa, congregando todos aqueles que concordassem com a efetivação das reformas radicais propostas por Julião.

Em outubro de 1963, na Conferência de Recife, as Ligas Camponesas, que já estavam informalmente vinculadas ao Conselho Nacional, unificaram-se sob uma estrutura única, com a denominação de Ligas Camponesas do Brasil.As Ligas Camponesas originárias, que foram a expressão mais explícita da tendência violenta do Movimento Comunista Brasileiro antes da Revolução Democrática de março de 1964, desapareciam na enxurrada de concepções ideológicas que fervilhavam no país e que serviriam como um dos motivos para o desencadeamento do movimento militar, cinco meses depois.

F. Dumont

6 – A CONTRA-REVOLUÇÃO DE 31 MARÇO DE 1964 – 6.1 – A NAÇÃO QUE SE SALVOU A SI MESMA

A história inspiradora de como um povo se rebelou e impediu os comunistas de tomarem conta de seu país.

Raramente uma grande nação esteve mais perto do desastre e se recuperou do que o Brasil em seu triunfo sobre a subversão vermelha. Os elementos da campanha comunista para a dominação – propaganda, infiltração, terror – estavam em plena ação.

A rendição total parecia iminente.... e então o povo disse: NÃO.

O palco estava completamente armado e determinado o cronograma para a primeira fase da tomada de posse pelos comunistas. Nos calendários dos chefes vermelhos no Brasil – assim como nos de Moscou, Havana e Pequim – as etapas para a conquista do poder estavam marcadas com um circulo vermelho: primeiro, o caos; depois, guerra civil; por fim domínio comunista total.

Havia anos que os vermelhos olhavam com água na boca o grande país, maior que a parte continental dos EUA e que então continha 80 milhões de habitantes, aproximadamente metade da população da América do Sul. Além de imensamente rico em recursos ainda não aproveitados, o Brasil se limita com 10 países – toda a América do Sul, exceto Chile e Equador – seu domínio direto ou indireto pelos comunistas ofereceria excelentes oportunidades para subverter um vizinho após o outro. A captura deste fabuloso potencial mudaria desastrosamente o equilíbrio de forças contra o Ocidente. Comparada com isso, a comunização de Cuba era insignificante.

Por fim estava tudo preparado. A inflação piorava dia a dia; a corrupção campeava; havia inquietação por toda a parte – condições perfeitas para os objetivos comunistas. O governo do presidente João Goulart estava crivado de radicais; o Congresso, cheio de instrumentos dos comunistas. Habilmente, anos a fio, os extremistas de esquerda tinham semeado a idéia de que a revolução era inevitável no Brasil. Dezenas de volumes eruditos foram escritos acerca da espiral descendente do Brasil para o caos econômico e social; a maioria concordava em que a explosão que viria seria sangrenta, comandada pela esquerda e com um elenco acentuadamente castrista. Os brasileiros em geral olhavam o futuro com a fascinação paralisada de quem assiste impotente à aproximação de um ciclone. Uma expressão brasileira corrente era: “A questão não é mais de saber se a revolução virá, mas de quando virá.”

O país estava realmente maduro para a colheita. Os vermelhos tinham introduzido toneladas de munições por contrabando, havia guerrilheiros bem adestrados, os escalões inferiores das Forças Armadas estavam infiltrados, planos pormenorizados estavam prontos para a apropriação do poder, feitas as “listas de liquidação” dos anticomunistas mais destacados. Luiz Carlos Prestes, chefe do Partido Comunista Brasileiro, tecnicamente ilegal, mas agressivamente ativo, vangloriava-se publicamente: “Já temos o Poder, basta-nos apenas tomar o Governo!”

Amadores contra Profissionais           

E então, de repente – e arrasadoramente para os planos vermelhos – algo aconteceu. No último instante, uma contra-revolução antecipou-se à iniciativa deles. A sofrida classe média brasileira, sublevando-se em força bem organizada e poder completamente inesperado, fez sua própria revolução – e salvou o Brasil.           

Sem precedentes nos anais dos levantes políticos sul-americanos, a revolução foi levada a efeito não por extremistas, mas por grupos normalmente moderados e respeitadores da lei. Conquanto sua fase culminante fosse levada a cabo por uma ação militar, a liderança atrás dos bastidores foi fornecida e continua a ser compartilhada por civis. Sua ação foi rápida (cerca de 48 horas do início ao término), sem derramamento de sangue e popular além de todas as expectativas.

Uma vitória colossal para o próprio Brasil, ela foi ainda maior para todo o mundo livre. Pois, como comentou um categorizado funcionário do Governo em Brasília: “Ela marca a mudança da maré, quando todas as vitórias pareciam vermelhas, e destroi completamente a afirmação comunista de que a “história está de nosso lado”.           

Como foi, exatamente, que os brasileiros conseguiram esta vitória magnífica? A história secreta desta legítima revolução do povo – planejada e executada por amadores mobilizados para a luta contra calejados revolucionários vermelhos – é um modelo para toda nação analogamente ameaçada, uma prova animadora de que o comunismo pode ser detido de vez, quando enfrentado com energia por um povo suficientemente provocado e decidido.

Deriva para o Caos           

A história começa pouco depois da renúncia do presidente Jânio Quadros, em agosto de 1961. Seu sucessor, o Vice-Presidente Goulart, de tendências esquerdistas, mal chegado de uma visita à Rússia e à China Vermelha, apenas assumiu o poder deixou transparecer claramente em que direção ia conduzir o País.           

Sem ser comunista, Jango procedia como se o fosse. Sedento de poder, Goulart julgava estar tornando os camaradas instrumento de suas ambições; em vez disso, eram eles que faziam dele seu instrumento. As portas, há anos entreabertas à infiltração vermelha, foram escancaradas. A inflação, estimulada por enchentes de papel-moeda emitido em administrações anteriores e agora acelerada por Jango, subia em espiral, enquanto o valor do cruzeiro caía dia a dia. O capital, vitalmente necessário para desenvolver o País, fugia para o estrangeiro; os investimentos alienígenas secavam rapidamente sob o peso das restrições e das constantes ameaças de desapropriação.

A Hora é Agora           

Alarmados com a perigosa deriva para o caos, alguns homens de negócio e profissionais liberais reuniram-se no Rio em fins de 1961, dizendo: “Nós, homens de negócio, não mais podemos deixar a direção do País apenas aos políticos.” Convocando outras reuniões no Rio e em São Paulo, declararam: “A hora de afastar o desastre é agora, não quando os vermelhos já tiverem o controle completo de nosso Governo!”           

Dessas reuniões nasceu o Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais (IPES), destinado a descobrir exatamente o que ocorria por trás do cenário político e o que se poderia fazer a respeito. Outras associações já existentes, como o CONCLAP (Conselho Superior das Classes Produtoras), formado pelos chefes de organizações industriais, tanto grandes como pequenas; o GAP (Grupo de Ação Política); o Centro Industrial e a Associação Comercial, também se empenharam em atividades de resistência democrática.           

Essas organizações ramificaram-se rapidamente através do País. Embora agindo independentemente, esses grupos conjugavam suas descobertas, coordenavam planos de ação. Produziam cartas circulares apreciando a situação política, faziam levantamentos da opinião pública e redigiam centenas de artigos para a imprensa respondendo às fanfarronadas comunistas.           

Para descobrir como funcionava no Brasil o aparelho subterrâneo treinado por Moscou, o IPES formou seu próprio serviço de informações, uma força-tarefa de investigadores (vários dentro do próprio governo) para reunir, classificar e correlacionar informes sobre a extensão da infiltração vermelha no Brasil.

Guarnecidos de Vermelhos           

Os investigadores não tardaram a descobrir um cavalo-de-tróia vermelho, de dimensões bem mais assustadoras do que alguém imaginava. Muitos comunistas disfarçados, “plantados” em ministérios e órgãos governamentais anos antes, tinham conseguido alçar-se a postos-chave na administração federal. A maioria dos ministérios e repartições públicas estavam guarnecidos por comunistas e simpatizantes a serviço das metas de Moscou. O chefe comunista Prestes apregoava em público: “Dezessete dos nossos estão no Congresso” – todos eleitos em chapas de outros partidos. Além disso, dezenas de deputados simpatizantes faziam acordos com os comunistas, apoiando-os em muitas questões, sempre atacando o imperialismo dos EUA” – mas jamais criticando a Rússia Soviética.

Comunistas não eram os ministros, mas os consultores de alto nível, e às vezes apenas os subordinados do Ministro, ou os redatores de relatórios em que se baseavam altas decisões. Alguns alardeavam abertamente: “Não nos interessa quem faça os discursos, desde que sejamos nós quem os escrevamos”. O Ministério das Minas e Energia era dominado completamente por um grupo assim. O Diretor-Geral dos Correios e Telégrafos, Dagoberto Rodrigues, oficial do Exército, conhecido como esquerdista, liberou certa vez grande quantidade de material de propaganda cubana e soviética apreendida pelo Governo Federal com a explicação vaga: “Examinei este material e conclui que não é subversivo”.           

Nos próprios sindicatos o controle comunista era esmagador. Repetidamente o Governo intervinha em eleições sindicais a fim de garantir a escolha de candidatos comunistas, especialmente em indústrias que podiam prontamente paralisar o País.

Atenção Especial a Educação           

O mais sabidamente infiltrado era o Ministério da Educação. Um dos mais íntimos conselheiros de Goulart era Darcy Ribeiro, que, como Ministro da Educação serviu-se de cartilhas para ensinar a milhões de analfabetos o ódio de classes marxistas.           

Especialmente mimada pelo Ministério da Educação era a UNE (União Nacional dos Estudantes), cuja diretoria era completamente dominada por vermelhos e cujos 100.000 sócios constituem a maior organização estudantil nacional da América Latina. Durante anos um subsídio anual do Governo, de cerca de 150 milhões de cruzeiros (valores de 64) era entregue aos diretores da UNE – sem que tivessem de prestar contas. Assim garantidos, eles se dedicavam integralmente à agitação política entre os estudantes. Parte desse subsídio era usado para financiar excursões à Cuba Vermelha e visitas a grupos de irmãos de estudantes comunistas em outros países da América Latina.           

Fortalecida ainda mais por substanciais fundos de guerra oriundos de Moscou, a UNE publicava panfletos inflamados e um jornal semanal marxista. Fingindo-se empenhado em combater o analfabetismo, um grupo da UNE passou dois meses distribuindo material de leitura, no qual se incluía o manual de guerrilhas do castrista Che Guevara – impresso em português por comunistas brasileiros da linha vermelha chinesa. Líderes da UNE especializavam-se em fomentar greves escolares estudantis, demonstrações públicas e distúrbios de rua.

Engenheiros do Caos           

A infiltração, constataram os investigadores, fora-se tornando maior e cada vez menos oculta a cada mês que passava. Suficientes para fazerem soar campainhas de alarma foram as nomeações de certos homens feitas logo no início do governo Goulart, como Evandro Lins e Silva, eminente advogado, há muito defensor de causas comunistas, para Procurador-Geral da República; e o professor Hermes Lima, um admirador de Fidel Castro, para Primeiro-Ministro. (Ambos foram posteriormente nomeados para o Superior Tribunal Federal). O principal entre os mais veementes defensores de medidas esquerdizantes era Abelardo Jurema, Ministro da Justiça de Goulart. E o secretário de Imprensa do Presidente era Raul Ryff, de ligações notórias com o Partido Comunista havia mais de 30 anos.           

O principal porta-voz do regime Goulart era Leonel Brizola, cunhado de Jango, Governador do Rio Grande do Sul e depois deputado pelo estado da Guanabara. Ultranacionalista, odiando os Estados Unidos, Brizola era classificado como “um homem temerariamente mais radical do que o próprio chefe vermelho, Luiz Carlos Prestes”.           

Por toda a parte havia “técnicos de conflito”, comunistas do caos. Adestrados em escola de subversão atrás da Cortina de Ferro, eram peritos em criar o caos, para depois promover agitações em prol das “reformas”, levar o Governo a fazer grandes promessas que nunca poderia cumprir e, em seguida, aproveitar o desespero resultante para gritar: “Revolução”. O número desses técnicos não era grande – não havia mais de 800, tendo uns 2000 adeptos em órgãos do Governo. Diz o Dr Glycon de Paiva, do Conselho Nacional de Economia: “É tática comunista clássica darem a impressão de que são muitos. Na verdade, só uns poucos devotados são necessários para levar a efeito a derrubada de um país. Os povos livres cometem o erro de não darem importância a qualquer força sem efetivos consideráveis. Nós aprendemos pelo processo difícil.”           

Quase diariamente vinham à luz as mais espantosas provas de que uma revolução vermelha estava em processo. No empobrecido nordeste, onde se justificava a preocupação pelas flagrantes injustiças praticadas por abastados proprietários rurais contra camponeses famintos, “barbudos” de Castro perambulavam pelo campo suscitando a revolta. O transporte para instrutores cubanos em guerra de guerrilhas, assim como para centenas de jovens brasileiros que iam a Cuba fazer cursos especiais de subversão de 20 dias, era assegurado por aviões diplomáticos em vôos regulares de ida e volta para Havana. Irradiações da China Vermelha, em português, ficavam no ar quase 8 horas por dia, conclamando os camponeses a se sublevarem contra os proprietários das terras.           

Típico da eficiência dos investigadores democráticos foi a descoberta que fizeram, em setembro de 1963, de um grande carregamento de armas que se encontrava a caminho do Brasil, procedente da Europa Oriental. Alertado, o Exército Brasileiro enviou uma tropa ao navio e conseguiu confiscar toneladas de armas portáteis, munições, metralhadoras, equipamentos de comunicações de campanha e montões de propaganda vermelha em português.

O Método “Enriqueça de Pressa”           

As continuas investigações dos peritos de informação do IPES revelaram mais do que subversão. A corrupção generalizada – bem acima do comumente aceito como parte da vida política da América Latina – estendia-se do palácio presidencial para baixo. No momento em que Goulart e seus extremistas de esquerda atribuíam todas as dificuldades do Brasil aos “exploradores e sanguessugas norte-americanos”, havia gente do governo metendo as mãos no dinheiro público com a maior sem-cerimônia. Estava claro que qualquer auxílio a regiões empobrecidas, inclusive contribuições da Aliança para o Progresso, tinham de transpor uma pesada pista de obstáculos de mãos ávidas e dedos ágeis.           

Com uma renda declarada de menos de 50 milhões de cruzeiros em 1963, Goulart, por exemplo, conforme documentos apreendidos pelo Conselho de Segurança Nacional depois que ele fugiu para o exílio – gastou 236 milhões de cruzeiros somente em suas fazendas do Mato Grosso. Enquanto Goulart insistia no confisco das propriedades dos latifundiários e na distribuição da terra aos camponeses, os registros de imóveis demonstram que ele rapidamente somava imensas propriedades às que já tinha. Só depois que Jango fugiu pôde o Brasil medir a sinceridade dele em matéria de partilha de terras. Proprietário de terras apenas em São Borja, quando iniciou sua vida pública, ao abandonar o País em abril de 64 Goulart era o maior latifundiário do Brasil, possuindo em seu nome mais de 7.700 quilômetros quadrados de terras, uma área quatro vezes e meia superior à do município do Rio de Janeiro.           

E havia os que compartilhavam as oportunidades de ficarem ricos de pressa. Indiscrições sobre uma possível mudança na política oficial, como sobre taxas de câmbio, davam milhões a favoritos palacianos. Empreendimentos de qualquer gênero eram vinculados a comissões e retribuições em dinheiro.           

Verificou-se que um membro do estafe de Jango tinha um bico como “ministro-conselheiro” de assuntos econômicos numa embaixada no exterior”- emprego a que nunca dedicou um dia de trabalho, mas adicionava mais de 15 milhões de cruzeiros ao seu salário anual de oito milhões e meio. O tráfico de influência era um fato. Um dos deputados do Partido Trabalhista, de Goulart, estava fazendo uma fortuna acrescentando 1 295 funcionários à sua folha de pagamento em troca de uma fatia dos vencimentos deles.           

Outro negociozinho confortável, explorado por um do peito do Governo, era conseguir bons empregos públicos para quem pudesse pagar-lhe uma taxa de um milhão e meio de cruzeiros. Um governador de Estado estava fazendo fortuna com contrabando; outro recebeu uma verba de6 bilhões e meio de cruzeiros para a construção de rodovias e calmamente embolsou o total.           

Além de todas essas velhacarias de alto calibre, que podiam ser documentadas, inúmeros milhões de cruzeiros desapareciam sem deixar rastro no poço sem fundo da corrupção que campeava.

Propaganda por Panfleto           

Os líderes da classe média brasileira, armados com as montanhas de provas reunidas por seus investigadores, puseram-se então a agir. Sua missão: despertar seus tolerantes e cordiais patrícios, cujas condescendentes atitudes políticas eram resumidas muito freqüentemente na frase: “Está certo, ele é comunista, mas é uma boa praça!”           

Os anticomunistas organizavam dossiês sobre os chefes comunistas e seus colaboradores, dentro e fora do Governo, e distribuíram-nos largamente entre os líderes da resistência e os jornais. Eles visavam principalmente à crescentes classe assalariada do País, a grande sofredora com a galopante inflação.           

Diretores de organizações comerciais e de fábricas convocavam reuniões regulares dos empregados, discutiam o significado oculto dos acontecimentos correntes, davam-lhes panfletos. Um livrinho barato, escrito por André Gama, dono de uma pequena fábrica de Petrópolis, e intitulado “Nossos Males e Seus Remédios”, teve uma circulação superior a um milhão de exemplares. Outro documento, escrito em linguagem simples, explicava como o sistema democrático funciona melhor do que outro qualquer, detalhava as tragédias da Hungria e de Cuba, e avisava: “Está acontecendo aqui.”           

A distribuição desse e de outros materiais anti –comunistas a princípio foi clandestina, depois tornou-se ostensiva. Os lojistas punham os folhetos denunciadores dentro de embrulhos e sacos de compras. Os ascensoristas davam-nos a passageiros que se queixavam da situação. Os barbeiros punham-nos dentro de revistas que eram lidas pelos fregueses que esperavam a vez. Um tipógrafo do Rio imprimiu secretamente 50 000 cartazes com caricaturas de Fidel Castro fustigando seu povo e a legenda: “Você quer viver sob a chibata dos comunistas?” À noite mandou vários ajudantes colocá-los em lugares públicos.           

Os contra-revolucionários da classe média do Brasil pagavam pelo tempo no rádio e na televisão para divulgarem suas revelações. Quando a pressão do Governo fechou muitas estações de radio e TV a todos menos aos mais radicais propagandistas, eles formaram sua própria “Rede da Democracia” de mais de 100 estações em todo o Brasil. De outubro de 1963 até a Revolução, as estações dessa rede, organizada por João Calmon, diretor dos Diários Associados, iam para o ar na mesma hora em que o esquerdista Leonel Brizola arengava ao público. (Detido após a Revolução e perguntado por que falhara o golpe vermelho, o General Assis Brasil, o esquerdista chefe do Gabinete Militar do Presidente Goulart, deixou escapar: “Aquela desgraçada rede de radio e TV, assustando a opinião pública e provocando todas aquela marchas de mulheres.”)           

Os investigadores não descobriram apenas o que tinha acontecido, mas também o que estava para acontecer. Adotando as táticas dos próprios vermelhos, trabalhadores infiltravam-se nos altos conselhos dos sindicatos trabalhistas, fingindo-se comunistas, mas denunciando regularmente as maquinações vermelhas. Repetidas vezes os planos dos vermelhos foram desmantelados, quando oradores e escritores da oposição iam para a imprensa e para o radio revelar o que se preparava. Certa feita, os vermelhos estavam discretamente reunindo 5 000 pessoas para uma viagem a Brasília, numa “peregrinação espontânea” para influenciar a ação do Congresso. Quando os anticomunistas denunciaram a manobra dias antes, a “peregrinação” foi cancelada.

Uma Imprensa Destemida           

Os principais jornais brasileiros cedo entraram na luta. Comunicando regularmente as descobertas dos grupos de resistência e mantendo por conta própria cerrada fuzilaria editorial, destacavam-se os dois mais influentes jornais do Rio, O Globo e o Jornal do brasil, bem como o Estado de São Paulo, da capital paulista, e o Correio do Povo, o mais antigo e mais respeitado jornal independente do Rio Grande do Sul.           

Por seu destemor, os jornais brasileiros pagaram pesado preço em matéria de perseguição pelo Governo. Quando João Calmon publicou uma revelação comprometedora de quanta inverdade havia no pretenso interesse de Leonel Brizola pela reforma agrária – sendo o próprio Brizola interessado em terras – este tentou silenciá-lo mandando executar a hipoteca de empréstimos feitos aos Diários Associados pelo Banco do Brasil. Para manter a cadeia funcionando, anunciantes brasileiros prontamente pagaram adiantadamente seus contratos de 12 meses, adiando assim o fechamento.           

Por publicar uma narração corajosa e reveladora do que viu durante uma visita que fez a Rússia em 1963, o dono do Jornal do Brasil, M F do Nascimento Brito, viu seu jornal incorrer nas iras do Governo, que mais tarde, no dia 31 de março, ordenou sua invasão por elementos do Corpo de Fuzileiros Navais.

Feminina e Formidável           

Mas é às mulheres do Brasil que cabe uma enorme parcela de crédito pela aniquilação da planejada conquista vermelha. Em escala sem paralelo, na história da América Latina, donas-de-casa lançaram-se à luta aos milhares, fazendo mais para alertar o País para o perigo do que outra força qualquer. “Sem as mulheres”, diz um líder da classe media da contra-revolução, “nunca teríamos podido sustar a tempo o mergulho do Brasil em direção a ditadura. Muitos dos nossos grupos de homens tinham de trabalhar disfarçadamente, mas, as mulheres trabalharam às claras... e como trabalharam!”           

A vela de ignição e a força propulsora do levante das mulheres foi uma minúscula amostra de 45 quilos de energia feminina: Dona Amélia Molina Bastos, do Rio, ex-professora primária, de 59 anos de idade, esposa de um general reformado do Corpo Médico do Exército.           

Ela ouviu, uma noite, em meados de 1962, seu marido e alguns líderes anticomunistas discutirem desanimados a ameaça que se agigantava. “Subitamente concluí que a política se havia tornado demasiado importante para ser deixada inteiramente nas mãos dos homens.”           

No dia seguinte – 12 de junho – dona Amélia convidou à sua casa várias amigas e vizinhas. Com fogo nos olhos, ela perguntou:      

Quem tem mais a perder com o que está acontecendo no nosso País do que nós mulheres? E de quem será o futuro que desaparecerá senão o de nossos filhos e netos, se a política radical do Governo levar a nossa Pátria ao domínio comunista?

Naquela mesma noite foi formado o primeiro centro da CAMDE (Campanha da Mulher pela Democracia). E no dia seguinte, com 30 donas-de-casa mobilizadas, dona Amélia foi aos jornais do Rio pedir atenção para seu protesto contra a nomeação por Goulart de seu avermelhado primeiro-ministro. Em O Globo disseram-lhe: “O protesto de 30 mulheres não quer dizer muita coisa. Mas se a senhora puder marchar até aqui com 500 mulheres...”

Pegando o telefone, dona Amélia e seu nascente grupo reuniram as 500 mulheres, e dois dias depois se apresentaram a Roberto Marinho, diretor do jornal – e o fato mereceu manchetes na primeira página. O protesto não sustou a nomeação, mas estabeleceu o poder das mulheres para influenciar a opinião pública.

A “Corrente de Simpatia”           

Quando a sala de estar de dona Amélia não mais pôde acomodar todas as donas-de-casa ansiosas por tomar parte na CAMDE, ela mudou suas reuniões para salões paroquiais de igrejas, formou dezenas de outras pequenas células em casas de família. Cada mulher que comparecia era encarregada de organizar outra reunião com 10 de suas amigas; por sua vez estas tinham de recrutar outras. Para financiar suas atividades, elas economizavam nos orçamentos domésticos e pediam ajuda às amigas com posses. As mulheres da CAMDE insistiam em ação. Formavam comícios de protesto público; ficavam horas diariamente ao telefone; escreviam cartas (certa vez, mais de 30 000) a congressistas para “assumirem posição firme em prol da democracia”. Pressionavam firmas comerciais para que tirassem sua publicidade do jornal Última Hora, punham anúncios em jornais avisando sobre suas reuniões, apareciam em comícios públicos para discutir com esquerdistas e desafiar os agitadores, distribuíam milhões de circulares e livretos preparados pelas organizações democráticas denunciando o namoro do Governo com os vermelhos.           

Além disso, produziam literatura própria, especialmente orientada no sentido das preocupações femininas; mais de 200 000 exemplares só de um trabalho, descrevendo o que as mulheres podiam fazer, foram distribuídos pela CAMDE às suas sócias, cada uma devendo tirar cinco cópias e mandá-las a possíveis candidatas a sócias.           

Quando o diretor esquerdista dos Correios e Telégrafos vedou a distribuição de mensagens e publicações da CAMDE, dona Amelinha organizou uma força de senhoras estafetas para entregar o material de automóvel, convencendo pilotos de companhias de aviação brasileiras a transportá-lo para lugares distantes.

As donas-de-casa da classe média não se limitaram a seu próprio ambiente. Elas se concentraram, por exemplo, nas mulheres do sindicato dos estivadores, fortemente influenciado pelos vermelhos. “Vocês devem convencer seus maridos”, diziam àquelas mulheres. Muitas o conseguiram, e não poucos foram os estivadores assim convertidos à democracia, comunicando depois às suas esposas: “Não somos mais comunistas!”

O Murmúrio das Orações           

Mesmo nas favelas, ponto especial do ataque da propaganda vermelha, formavam-se unidades da CAMDE. Uma delas, numa favela da Zona Sul do Rio, denominada Rocinha, nasceu do pedido de socorro de uma lavadeira a dona Amelinha.

Este lugar aqui - disse a mulher – está cheio de comunistas. Eles dizem que querem ensinar a gente a ler e escrever, e trazem divertimentos para nós. Mas os únicos livros que usam são cartilhas cubanas, as únicas fitas que passam são de guerrilheiros cubanos.

Imediatamente formou-se uma célula na Rocinha, centralizada na casa dessa lavadeira; organizaram-se classes de alfabetização, forneceram-se livros. E dali a pouco as mulheres da Rocinha estavam em condições discutir com os vermelhos em seu próprio nível, dizendo aos candidatos comunistas ao Congresso e a propagandistas da UNE: “Vão embora. Sabemos o que é que vocês estão querendo.”

Os vermelhos partiram em busca de presas mais fáceis.

A difusão das organizações femininas foi espetacular. Algumas tornaram-se filiais da CAMDE; outras, como a LIMDE (Liga das Mulheres Democráticas) em Belo Horizonte, possuíam identidade própria.

As mulheres de Belo Horizonte, no estado brasileiro talvez mais ferrenhamente anticomunista, eram a coragem personificada. Quando o Congresso das Uniões dos Trabalhadores da América Latina (CUTAL), dirigido pelos vermelhos, anunciou um comício a ser efetuado em Belo Horizonte, tendo como oradores principais dois organizadores comunistas vindos da Rússia, as líderes da LIMDE mandaram um recado curto ao CUTAL: "Favor ficar cientes que, quando chegar o avião trazendo esses homens, centenas de mulheres estarão deitadas na pista.” Elas cumpriram a palavra, e o avião nunca pousou na capital mineira; em vez disso, prosseguiu para Brasília.

As mesmas mulheres realizaram demonstração igualmente eficaz em fevereiro de 1964. Um Congresso de Reforma Agrária devia reunir-se em Belo Horizonte, tendo como orador principal o cunhado de Goulart. Quando o deputado Brizola chegou ao saguão, encontrou-o tão apinhado com 3 000 mulheres que não conseguiu fazer se ouvir acima do ruído dos rosários e do murmúrio das preces pela libertação da Pátria. Saindo, Brizola viu as ruas igualmente cheias de mulheres rezando até aonde a vista podia alcançar. O deputado Brizola foi impelido para fora de Belo Horizonte, levando no bolso, sem o pronunciar, um dos mais violentos discursos de sua carreira.

Em 12 meses, grupos assim atuaram em todas as cidades grandes, de Belém a Porto Alegre.

A Sorte está Lançada           

No começo de março de 1964 o País inteiro era um rastilho pronto a irromper em chamas de revolta. Em 13 de março, o próprio Goulart, com os vermelhos a incitá-lo, temerariamente riscou o fósforo. Perante uma audiência de uns 1 000 trabalhadores – arrebanhados por líderes vermelhos e trazidos para o Rio de Janeiro em ônibus e trens ao custo de mais de 400 milhões de cruzeiros para o Governo - Goulart e Brizola irrevogavelmente comprometeram o Governo a fazer mudanças radicais.           

Realizado na praça em frente à estação da Central do Brasil, no Rio, na hora da volta para casa das grandes massas residentes nos subúrbios, o comício apresentou uma floresta de cartazes enfeitados com a foice e o martelo e exigências como “Legalidade para o Partido Comunista” e “Armas para o Povo”. Agentes democratas, procurando misturar-se com a multidão, constataram estar esta dividida em blocos, cada um com sua própria senha para deixar de fora quaisquer intrusos inamistosos.           

A estupefata classe média brasileira, assistindo pela TV, ouviu Goulart denunciar como superadas a estrutura de Governo e a ordem social existentes, exigindo mudanças básicas na Constituição. Entre as mudanças sugeridas: legalização do Partido Comunista. A seguir, Goulart anunciou dois decretos. Um confiscava e entregava à Petrobrás as seis refinarias ainda em mãos de particulares. O outro, mais assustador, autorizava o governo a confiscar, sem indenização em dinheiro, quaisquer áreas agrárias por ele julgadas inadequadamente utilizadas e entregá-las a camponeses sem terras – uma clara repetição do programa inicial de Fidel Castro de “reforma agrária”.           

Os decretos constituíram um movimento audacioso para contornar o Congresso. Combinado com os ataques à Constituição, isso era um audaz lanço para estabelecer o governo por decreto, essência da ditadura.           

O cunhado do presidente, assomando à tribuna, foi mais longe ainda. Em voz estridente, Brizola exigiu a extinção do Congresso e a instituição, em seu lugar de “assembléias” de operários, camponeses e sargentos do Exército – um evidente eco dos sovietes de operários, camponeses e soldados de Lenine, em 1917. As implicações eram bastante claras.           

O comício de 13 de março bem pode ser considerado como o detonador da revolução preventiva. A classe média brasileira percebeu então que a sorte estava lançada: Goulart tinha ido além do ponto em que poderia arrepender-se. O Governo tinha entrado num caminho que só podia levar a uma sangrenta guerra civil, seguida da tomada do poder pelos comunistas.

A Marcha das Mulheres           

Os primeiros a agir foram as mulheres de São Paulo. Ouvindo pelo rádio e TV o comício de 13 de março, centenas de donas-de-casa correram para os telefones para convocar um comício capaz de fazer a demonstração engendrada por Goulart parecer insignificante. Seis dias depois, a 19 de março, as largas avenidas do centro de São Paulo ficaram entupidas pelo que as mulheres denominaram “A Marcha da Família com Deus pela Liberdade”. Apertando livros de oração e rosários contra o peito, mais de 600 000 pessoas marcharam solene e ritmicamente sob pendões anticomunistas. E enquanto elas marchavam, os jornaleiros nas calçadas venderam centenas de milhares de exemplares de jornais contendo na íntegra uma proclamação de mais de 1 000 palavras, previamente preparada pelas mulheres. É dessa proclamação o seguinte trecho:

“Esta nação que Deus nos deu, imensa e maravilhosa como é, está em extremo perigo. Permitimos que homens de ambição ilimitada, sem fé cristã nem escrúpulos, trouxessem para nosso povo a miséria, destruindo nossa economia, perturbando a nossa paz social, criando ódio e desespero. Eles infiltraram o nosso País, o nosso Governo, as nossas Forças Armadas e até nossas Igrejas com servidores do totalitarismo exótico para nós e que tudo destrói... Mãe de Deus, defendei-nos contra a sorte e o sofrimento das mulheres martirizadas de Cuba, da Polônia, da Hungria e de outras nações escravizadas”!

Um espectador classificou a marcha das mulheres em São Paulo como a demonstração mais comovente da história brasileira. Dias depois, foram organizadas marchas semelhantes para várias das principais cidades do País. Nem todos os esforços do governo para desencorajá-las, nem as ameaças da polícia de dissolvê-las conseguiram deter as entusiásticas cruzadas.

Guardiães da Legalidade           

Mas, para impedir o golpe vermelho, tinha de ser empregada ação mais forte de que demonstrações públicas. Líderes da classe média começaram a conferenciar secretamente com generais anticomunistas do Exército Brasileiro, de longa data desconfiados de Goulart e silenciosamente empenhados em sua própria resistência aos métodos dele.           

Para compreender o papel desenvolvido pelos militares na Revolução é mister entender o caráter e as tradições do Exército Brasileiro – uma estirpe ímpar na América Latina.           

Tradicionalmente, o Exército tem-se considerado o defensor da Constituição, o guardião da legalidade. Seus generais, ainda ao contrário dos de alguns países latino-americanos, não são oriundos da aristocracia rica, mas das classes média e média inferior. Vários começaram sua carreira como soldados. Assim, não formam uma casta militar, representando antes, talvez melhor do que qualquer outro segmento da população, uma seção transversal da opinião e dos ideais democráticos brasileiros.           

Historicamente submetido à autoridade civil, o Exército só interferiu em situações políticas cinco vezes desde a queda da Monarquia, em 1889 – e tão-somente em crises em que o poder civil se desmoronou ou decaiu. Nessas ocasiões o Exército só assumiu a direção o e tempo suficiente para restabelecer os processos constitucionais, afastando-se em seguida. Nunca revelou nenhuma tendência a pegar o poder para si próprio – mesmo quando teria sido mais fácil, e quiçá aconselhável, fazê-lo. Da implantação da República até hoje, só oito dos vinte e cinco presidentes do Brasil foram militares, e esses devidamente eleitos ou nomeados.           

Em sua maioria anticomunistas, a desconfiança que os generais tinham de Goulart e seus enredamentos com os extremistas era igualada pela desconfiança que Goulart tinha deles. Confiando em que o respeito à Constituição os impediria de agir, não obstante, Goulart, por medida de cautela, transferiu os comandantes militares e manobrava as promoções de modo a reduzir o poder dos oficiais mais conservadores.           

Um desses oficiais, o General Humberto de Alencar Castello Branco, comandava o Exército sediado em Pernambuco, há muito um perigoso foco de agitação social. Quando alguns fazendeiros foram assassinados e muitas famílias fugiram do terrorismo vermelho para as cidades, Castello Branco entrou em ação. Aí, o governador de Pernambuco, Miguel Arraes, notoriamente radical, queixou-se de que o general Castello Branco estava neutralizando as influências esquerdistas em seu estado. Goulart imediatamente tirou de lá o criador de casos – “promovendo-o” a Chefe do Estado-Maior do Exército. Outros oficiais que se manifestaram contra o comunismo foram analogamente transferidos para cargos burocráticos, enquanto esquerdistas eram levados a posições de comando estratégicas.

Motim nas Fileiras           

Para anular ainda mais qualquer possibilidade de uma revolta de generais anticomunistas, os vermelhos – aparentemente com a conivência de Goulart, trataram de destruir a disciplina das Forças Armadas, quando não estimular o motim declarado. Foi desencadeado entre sargentos e praças um programa de vigorosa agitação, incitando-os a formarem seus sindicatos para reclamar uma alteração na Lei que permitisse candidatarem-se a cargos eletivos – direito franqueado a oficiais, mas não a praças. Para minar mais ainda a ação dos chefes e enfraquecer a disciplina, formou-se uma Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais – levando a “guerra de classes” marxista às classes armadas.           

Em 23 de março, com os acontecimentos se avolumando vertiginosamente, Goulart demonstrou abertamente sua simpatia pelo movimento destinado a pôr a pique a disciplina das Forças Armadas. Nesse dia, uns 1 400 sócios da Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil amotinaram-se no Rio de Janeiro, abrigando-se na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, controlado por comunistas. Desafiando as ordens de regressarem aos quartéis, os amotinados gritavam alegremente das janelas “Viva Goulart” e apregoavam sua fidelidade a seu comandante, Cândido da Costa Aragão, nomeado por Goulart e conhecidos esquerdistas como “Almirante do Povo”.           

Tropas do Exército cercaram e prenderam os rebeldes – que no entanto foram postos em liberdade algumas horas depois por ordem do próprio Presidente. Para grande desapontamento dos militares, Goulart pediu aos amotinados que fossem para seus quartéis, com a garantia de que não seriam punidos e receberiam dispensa no fim de semana.

O Ministro da Marinha, Almirante Silvio Borges de Souza Mota, abruptamente exonerou o almirante do povo, depois demitiu-se em protesto contra o encorajamento do motim pelo Governo. Goulart imediatamente reconduziu o almirante do povo ao seu posto e a seguir anunciou que o novo Ministro da Marinha seria Paulo Mário da Cunha Rodrigues, um esquerdista conhecido como “Almirante Vermelho”, convocado da reserva nessa emergência. Os amotinados comemoraram ruidosamente a vitória nessa tarde no centro da cidade do Rio, conduzindo aos ombros seu bem-amado “Almirante do Povo”.

Começo de uma Avalanche           

Entrementes, observando sombriamente os acontecimentos de seu gabinete de trabalho no Rio, Castello Branco, o general que fora “promovido”, havia sondado sua consciência legalista e resolvido agir.           

Após o comício de 13 de março, Castello Branco redigiu uma veemente nota. Quando um presidente se propunha a anular o Congresso e a derrubar a Constituição, argumentava ele, a ação militar em defesa da legalidade não só se justificava, mas era obrigatória. Esse memorando sigiloso foi distribuído a generais de confiança. Como toda correspondência dos oficiais sabidamente anticomunistas era controlada e seus telefones censurados, a circulação do manifesto de Castello Branco foi um problema. Foi resolvido por homens de negócios anticomunistas: estes transportaram exemplares no bolso do paletó, entregando-os pessoalmente aos oficiais certos, e também forneceram homens de confiança para transmitir mensagens entre generais na sua acelerada troca de opiniões.           

Ao manifesto de Castello Branco, que circulava secretamente, mais de 1 500 oficiais de Marinha acrescentaram então um deles. Endereçado a todo o povo brasileiro, ele declarava que chegara a hora de o Brasil “se defender”. O Exército prontamente proclamou “solidariedade à Marinha”, o grosso da imprensa aderiu, e na distante Brasília alguns membros do Congresso abraçaram a causa.           

Estaria a nação inteira se sublevando? O próprio Goulart pareceu atônito pela extensão da reação pública. Conferenciando às pressas com seu novo Ministro da Marinha, o “Almirante Vermelho”, Jango procurou recuar. Haveria um inquérito sobre aquele motim, anunciou, e, entrementes, o “Almirante do Povo”, Aragão, foi dispensado de seu Comando.           

O recuo veio tarde demais – a avalanche havia começado.           

Fazendo um último e desesperado esforço par obter algum apoio nas Forças Armadas, Goulart, na noite de 30 de março, foi à sede do Automóvel Clube do Brasil, no Rio, onde uma grande multidão de sargentos do Exército se reunira para homenageá-lo. Mas era demasiado tarde. No momento mesmo em que Goulart sorvia os aplausos dos sargentos e verberava os “gorilas”, a revolução preventiva já estava em marcha.

Marcham as Colunas Rebeldes           

A primeira conclamação para depor Goulart viera do Governador dos mineiros, Magalhães Pinto. Demonstrações em apoio desse apelo prontamente ocorreram nas ruas, e em 31 de março uma divisão do Exército sediada em Minas e comandada pelo General Olympio Mourão Filho pôs-se a caminho do Rio. Poucas horas depois chegou a notícia de que o general Amaury Kruel, comandante do Segundo Exército, sediado em São Paulo, estava lançando suas forças na luta pela liberdade e enviando um forte contingente para o norte, rumo ao Rio. Nessa altura, soube-se que o Quarto Exército, sediado em Pernambuco e comandado pelo General Justino Alves Bastos, também aderira à rebelião.           

À beira do pânico, o Presidente Goulart tomou um avião para Brasília, onde disse aos repórteres: “Vim para aqui a fim de governar o País, e confio em que o povo esteja comigo”. Rapidamente descobriu que o Congresso não estava, e que tropas da guarnição de Brasília se estavam movimentando para atacar o palácio presidencial. Após três horas apenas em Brasília, estava outra vez de volta em seu avião, rumo ao seu Estado natal, o Rio Grande do Sul. O Terceiro Exército, sediado em Porto Alegre, ainda não se definira; seu general-comandante, Ladario Pereira Telles, embora não esquerdista, era leal a Jango. A sua chegada, entretanto, Goulart soube que o Governador Ildo Meneghetti aderira ao levante.           

Uma incógnita era o Primeiro Exército, sediado no Rio de Janeiro. Virtualmente preso em seu palácio no Rio, do qual fez sua última barricada, o Governador da Guanabara, Carlos Lacerda, de longa data acirrado inimigo de Goulart, queria proclamar sua fidelidade à revolução e não podia fazê-lo. O Governo Federal ainda controlava as estações de rádio do Rio e uma greve geral em apoio a Goulart fechara tudo na cidade. As únicas forças de Lacerda eram a Polícia Militar, suas únicas armas blindadas os caminhões de limpeza pública estacionados de modo a obstruírem as ruas que conduziam ao palácio. Ao que se sabia, o Primeiro Exército ainda estava recebendo ordens de Goulart. Desanimado, o Governador soube que Goulart mandara uma coluna em direção a São Paulo, a fim de interceptar a coluna rebelde que avançava. (O que ele e a população carioca só puderam saber mais tarde foi que, quando as duas forças se encontraram, a coluna presumivelmente pró-Goulart logo aderiu aos rebeldes.)           

Afinal, em sua única linha telefônica ainda funcionando, o Governador Lacerda conseguiu falar com uma emissora rebelde na distante Belo Horizonte, cujo som podia ser ouvido no Rio. Foi então que sua própria cidade finalmente o ouviu proclamar sua solidariedade à Revolução. Mas quando ainda falava, chegou-lhe um comunicado de que carros de combate do Primeiro Exército rodavam pelas belas e sombreadas avenidas do Rio, a caminho do palácio do Governo. Só quando os carros chegaram ao palácio, foi que Lacerda soube que eles tinham vindo para salvá-lo e não para massacrá-lo.

Vitória           

Pelo meio da tarde de Quarta-feira, 1o de abril, tudo estava terminado, e os lideras da classe média do Brasil estavam nos microfones saudando o colapso do comunismo. Em todas as janelas do Rio esvoaçavam lençóis e toalhas saudando a vitória, e as ruas de todas as grandes cidades do Brasil se encheram de gente alegre e dançando num espirito carnavalesco.           

Do Rio Grande do Sul chegou a notícia de que Jango Goulart fugira para o Uruguai. Também escaparam às pressas Brizola, o embaixador de Cuba e chefes graduados dos vermelhos, que dispararam para as fronteiras dos países vizinhos, pularam depressa dentro de aviões rumo a Cuba ou se esconderam em embaixadas amigas de países da Cortina de Ferro.           

Navios procedentes da Tcheco-Eslováquia, cheios de mais armas para os revolucionários vermelhos, foram assinalados virando rumo a Havana. E, no Rio, densas nuvens de fumaça subiam dos incineradores da Embaixada Russa, onde grandes quantidades de documentos e papéis foram queimados às pressas.           

Como pôde uma nação dividida, de 80 milhões de pessoas, mudar politicamente tão depressa e sem perdas de vidas, em contraste com as carnificinas de circo romano de Cuba, ou da Espanha, onde ambos os lados lutaram tão encarniçadamente durante anos?           

O mérito cabe em grande parte ao quadro dos Oficiais do Exército Brasileiro, altamente civilizado, que agiu com tanta lealdade e precisão para pôr cobro à ameaça vermelha de apoderar-se do Governo, pouco antes de chegar ao ponto de derramamento de sangue. Mas como os generais se apressam em admitir, maior mérito ainda cabe aos civis, que, tendo diante dos olhos a lição de Cuba, por mais de dois anos haviam alertado o povo – e no momento culminante deram o sinal aos militares para agirem.           

Dois dias depois da Revolução, o Brasil teve um lembrete do que realmente a tornara possível. Dois de abril tinha sido marcado pelas mulheres do CAMDE como a data da “Marcha da Família com deus pela Liberdade”, no Rio de Janeiro. Mas então, com a liberdade conquistada, para que incomodar-se? As mulheres do Rio, todavia, correram aos seus telefones, como suas irmãs de outras cidades haviam feito antes. A marcha teria lugar segundo os planos, mas agora como “marcha de ação de graças a Deus”. Quando até o General Castello Branco, por meio do telefonema de um amigo, aconselhou o cancelamento, temendo violências, dona Amélia Bastos insistiu afirmando: “A marcha demostrará ao mundo que esta é uma Revolução do povo – um plebiscito em marcha pela verdadeira democracia”.           

E assim foi: um oceano de humanidade, totalizando mais de um milhão de pessoas, deslocando-se sob uma tempestade de papéis picados caindo dos arranha-céus ao longo das avenidas do Rio; um exército de paz com bandeiras, dizendo com firmeza e reverência a toda a América do Sul que os brasileiros estavam decididos a permanecer livres.

Qual era o Grau de Perigo           

Dias depois da Revolução, os brasileiros começaram a tomar conhecimento de quanto tinham estado perto de perder essa liberdade. Varejando antros de subversão, apressadamente abandonados, unidades do serviço militar de informação descobriram toneladas de publicações comunistas, manuais de guerrilhas, arsenais de armas, planos meticulosos para a dominação vermelha, projetos estranhos para o massacre dos principais elementos anticomunistas.           

No Palácio das Laranjeiras, no Rio, havia arquivos comprometedores de correspondência de gente do Governo com chefes vermelhos, cheques compensados no valor de milhões de cruzeiros doados a organizações comunistas camufladas.           

Na residência do cunhado de Goulart vieram à tona inúmeras provas dos atos da “Frente de Libertação Nacional” de Brizola – composta por seus “Grupos dos Onze” (conhecido como G11) – que ele presidia como comandante supremo. Os grupos G11, cuja força não era para desprezar, organizados por Brizola para “salvar o Brasil das garras dos capitalistas internacionais e de seus aliados internos”, apurou-se Ter um efetivo superior a 30 000 homens.           

Um manual secreto apreendido, distribuído aos comandantes dos G11, determinava que estes fossem organizados segundo modelo da “gloriosa Guarda Vermelha da Revolução Socialista de 1917”. Os seus membros, chamados companheiros, juravam lutar até a morte, aprendiam a organizar greves, a promover agitações e armar confusão; a “destruir, saquear e queimar edifícios públicos assim como empresas privadas”; a capturar estações telefônicas, de radio e TV e depósitos de armamento; a raptar e conservar como reféns autoridades que, em caso de insucesso, “deveriam ser imediata e sumariamente mortas”.           

Outro manual tratava das técnicas de “violência planejada, pondo de lado qualquer espécie de sentimentalismo”, para eliminar qualquer pessoa que se opusesse. Dava-se atenção especial à execução de oficiais de postos elevados: “Cada oficial suspeito terá um homem responsável por sua eliminação no momento certo”; se o encarregado falhasse em seu dever, ele próprio deveria “sofrer imediatamente a pena de morte”.

Dinheiro Disponível e Dinheiro falso           

Na luxuosa residência de Brizola em Porto Alegre, com 20 cômodos – ele que nos seus discursos gostava de considerar-se um “homem pobre” e “defensor dos oprimidos”- foram encontradas várias centenas de milhões de cruzeiros e também documentos cuidadosamente preparados pondo outros bens dele em nome de terceiros, mas especificando que deveriam ser “devolvidos quando pedidos por LB”.           

Em Pernambuco, quartel-general dos preparativos comunistas no Nordeste, foram descobertos mais de 60 000 uniformes e o mesmo número de pares de sapatos, além de encomendas para mais de 50 000, destinados ao Exército Camponês, que estava sendo recrutado e adestrado por Miguel Arraes, o Governador vermelho de Pernambuco. Havia vários uniformes para os chefes revolucionários, um com desenho especial destinado ao próprio Miguel Arraes.

Em São Paulo foi encontrado um vasto depósito de imitações de dinheiro em papel-moeda e moeda metálica, tendo gravadas as imagens de Lenine, Stalin e Prestes, bem como selos postais com a foice e o martelo. Isso era utilizado principalmente para propaganda. Mas também apareceram enormes quantidades de dinheiro falso, tão bem feito que quase não podia ser descoberto; os arquivos de sua utilização indicavam que outros bilhões tinham sido remetidos para organizações vermelhas, não só para financiar a subversão, mas também para acelerar a inflação, um objetivo prioritário dos engenheiros do caos.           

Nas sedes das organizações trabalhistas e na UNE havia montes de filmes e impressos da Rússia, China Vermelha e Cuba; ampliações de fotografias de Castro, Khrushchev e Mao Tse-Tung para colocar nas paredes e pilhas de fotografias menores para distribuição; além disso, havia grandes estoques de bombas Molotov e material para confeccioná-las.           

Foram apanhados em flagrante nove agentes vermelhos chineses, sete deles apresentando-se como membros de uma “missão comercial” e dois como correspondentes da Agência de Notícias Nova China. Em poder deles havia planos pormenorizados para o assassinato de preeminentes anticomunistas, bem como maçarocas de dinheiro e registros de gratificações pagas a congressistas e a membros do séquito de Goulart. O dinheiro encontrado com os nove, aparentemente destinado a subornar, elevava-se a mais de um bilhão de cruzeiros, 53 000 dólares americanos, 5000 libras esterlinas e diversas quantias menores de outras providências.

Nova Fechadura na Porta           

Contra todos esses elementos subversivos e corruptores os militares agiram depressa, prendendo todos os suspeitos – por um “Ato Institucional” rapidamente promulgado para orientar o Brasil durante o governo provisório – excluindo do cenário político pessoas reputadas como ameaças imediatas para o sucesso da Revolução. Muitos foram soltos após investigações; só continuaram detidos aqueles cujos atos provocados, e não meras palavras, contribuíram para o quase soçobro do Brasil.           

Naquela época, tiveram seus direitos políticos cassados por 10 anos, 68 membros expulsos do Congresso e 349 outros brasileiros destacados – entre eles os ex-presidentes João Goulart, Jânio Quadros, e Kubitschek. Somente depois que o presidente Castello Branco examinou pessoalmente as provas que haviam contra Kubitschek, teve o ex-presidente também cassados os seus direitos políticos. Aos críticos estrangeiros, para quem tais medidas foram excessivamente severas, o novo Governo limitou-se a dizer: “Quando a casa da gente foi saqueada, não se convidam os ladrões a voltarem para jantar. No mínimo coloca-se uma nova fechadura na porta.”           

Visitando Paris após a Revolução, e submetido a perguntas mordazes de repórteres franceses acerca do expurgo pós-revolucionário, o Governador Lacerda aludiu à Revolução Francesa de 1789. “O Brasil”, observou com vivacidade, “ainda não mandou uma única pessoa para a guilhotina”.

Um Honesto Meio-Termo           

Perfeitamente dentro do período de 30 dias previsto na Constituição, o Congresso do Brasil elegeu Presidente o General Castello Branco até o término dos dois anos que restavam ao governo Goulart. Em vivido contraste com os demagogos baratos que o precederam, Castello branco sempre foi universalmente reconhecido como honesto, isento da temeridade tão marcante de muitos governantes latino-americanos, e profundamente dedicado aos processos democráticos. Era um homem sereno, mas obstinadamente corajoso.           

Sendo ele próprio a antítese do caudilho, Castello Branco chefiou um governo que estava longe de ser uma ditadura militar. Os partidos políticos, como o Congresso, existiam sem restrições. A Imprensa livre, sem limitações aos desacordos ou à crítica; até o jornal Última Hora, então principal defensor de Jango, continuou sendo publicado.           

Rigoroso homem de centro, Castello Branco repelia a qualificação de “revolução direitista”. Ele asseverava positivamente: “A extrema direita é reacionária, a extrema esquerda é subversiva. O Brasil precisa seguir um honesto meio-termo.” Quando, pouco depois da Revolução, alguns ricos industriais e latifundiários procuraram impor o que ele considerou reivindicações em benefício próprio, Castello branco falou asperamente: “A solução para os males da extrema esquerda não reside no nascimento de uma direita reacionária.” Os latifundiários deviam estar mais bem informados. Enquanto servira no Nordeste, ele não escondera o fato de que o “aspecto mais desagradável da vida militar para mim é ter de defender proprietários ricos que tratam trabalhadores rurais como escravos”. No início de abril de 1964, um porta-voz do Governo deixou claro: “A Revolução não foi feita para manter a injustiça social e privilégios especiais.”

O presidente não alimentava ilusões quanto à enormidade da sua missão, nem sobre o pouco tempo de que dispunha para cumpri-la. Os problemas do Brasil profundamente enraizados; regiões de tremenda pobreza e exploração das massas – não por gente de fora, como acusavam os vermelhos, mas por sua própria gente. Eram necessárias reformas extremas – políticas, econômicas e sociais. A tarefa, desconcertante. Mas, não estando vinculado a nenhum partido ou grupo de pressão – e com poderes dados pelo Ato Institucional, que o tornavam responsável apenas perante o Congresso e o povo – o denodado Marechal estava empenhado numa tentativa decisiva.

Essa tentativa frutificou, possibilitando a que os Governos revolucionários, sem apelos demagógicos e sem excessivos sacrifícios do povo, fizessem com que o País ingressasse numa fase de recuperação e progresso reclamados pela grandeza do Brasil e pelos anseios da própria Nação.

Este texto foi condensado a partir de uma publicação da revista Seleções do Reader’s, elaborado por Clarence W Hall.

6.2 - MANCHETES DOS PRINCIPAIS JORNAIS

“Seria rematada loucura continuarem as forças democráticas desunidas e inoperantes, enquanto os inimigos do regime vão, paulatinamente, fazendo ruir tudo aquilo que os impede de atingir o poder. Como dissemos muitas vezes, a democracia não deve ser um regime suicida, que dê a seus adversários o direito de trucidá-la, para não incorrer no risco de ferir uma legalidade que seus adversários são os primeiros a desrespeitar”

(O Globo de 31 de março de 1964)

 “(...) Além de que os lamentáveis acontecimentos foram o resultado de um plano executado com perfeição e dirigido por um grupo já identificado pela Nação Brasileira como interessado na subversão geral do País, com características nitidamente comunistas”.

 (Correio do Povo de 31 de março de 1964)

 “ O Exército e os desmandos do Presidente”.

Se a rebelião dos sargentos da Aeronáutica fora suficiente para anular praticamente a eficiência da Arma, a subversão da ordem na Marinha assumia as dimensões de um verdadeiro desastre nacional”.

(Estado de São Paulo de 31 de março de 1964)

“Aquilo que os inimigos externos nunca conseguiram, começa a ser alcançado por elementos que atuam internamente, ou seja, dentro do próprio País. Deve-se reconhecer, hoje, que a Marinha como força organizada não existe mais. E há um trabalho pertinaz para fazer a mesma coisa com os outros dois ramos das Forças Armadas”.

(Folha de São Paulo de 31 de março de 1964)

 “Basta!

Não é possível continuar neste caos em todos os setores. Tanto no lado administrativo como no lado econômico e financeiro”.

(Correio da Manhã de 31 de março de 1964).

“É cedo para falar dos programas administrativos, da Revolução. Mas é incontestável que um clima de ordem substituiu o que dominava o País, onde nem mesmo nas Forças Armadas se mantinham nos princípios de rígida disciplina hierárquica que as caracterizam”.

(Folha de São Paulo de 31 de março de 1964)

6.3 - FOTOS DA “FAMÍLIA COM DEUS PELA LIBERDADE “

MAIS DE UM MILHÃO DE PESSOAS

 image009

 image011

6.4 - JULGAMENTO DA REVOLUÇÃO
Roberto Marinho

EDITORIAL PUBLICADO NO JORNAL “O GLOBO” EM 07.10.1984

Participamos da Revolução de 1964, identificados com os anseios nacionais de preservação das   lnstituições  democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada. Quando a nossa redação foi invadida por tropas anti-revolucionárias, mantivemo-nos  firmes e nossa posição.Prosseguimos apoiando o movimento vitorioso desde os  primelros  momentos de correção de rumos até o atual processo de abertura, que se deverá consolidar com a posse do novo presidente.

Temos permanecidos fiéis aos seus objetivos, embora conflitando em várias oportunidades com aqueles que pretenderam assumir o controle do processo revolucionário, esquecendo-se de que os acontecimentos se iniciaram, como reconheceu o Marechal Costa e Silva, "por exigência inelutável do povo brasileiro". Sem o povo não haveria revolução, mas apenas um 'pronunciamento"  ou "golpe" com o qual não estaríamos solidários.

O Globo, desde a Aliança Liberal, quando lutou contra os vícios políticos da Primeira República, vem pugnando por uma autêntica democracia, e progresso econômico e social do País. Em 1964, teria de unir-se aos companheiros  jornalistas de jornadas anteriores, aos 'tenentes e bacharéis' que se mantinham coerentes com as tradições e os ideais de 1930, aos expedicionários da FEB que ocupavam a Chefia das Forças Armadas, aos quais sob a pressão de grandes marchas populares, mudando o curso de nossa história.
Acompanhamos esse esforço de renovação em todas as suas fases. No período de ordenação de nossa economia, que se encerrou em 1977. Nos meses dramáticos de 1968 em que a intensificação dos atos de terrorismo provocou a implantação do AI-5. Na expansão econômica de 1969 a 1972, quando o produto nacional bruto cresceu à taxa média anual de 10  %.  Assinale-se que, naquele primeiro decênio revolucionário, a inflação decrescera de 96 %  para 12,6 % ao ano, elevando-se  as exportações anuais de 1 bilhão e 300 mil dólares para mais de 12 bilhões de dólares. Na era do impacto da crise mundial do petróleo desencadeada em 1973 e repetida em 1979, a que se seguiram aumentos vertiginosos nas taxas de juros, impondo-nos , uma  sucessão de sacrifícios  para superar a nossa dependência externa de energia, a deterioração dos preços dos nossos produtos de exportação e a desorganização do sistema financeiro internacional. Essa conjunção de fatores que violaram a administração de nossas  contas externas obrigou- nos a desvalorizações cambiais de emergência que teriam fatalmente de resultar na exacerbação do processo inflacionário. Nas respostas que a sociedade e o governo brasileiros deram a  esses desafios, conseguindo no segundo decênio revolucionário que agora se completa, apesar das dificuldades, reduzir de 80 % para menos de 40% a dependência ex- terna na importação de energia, elevando a produção de petróleo de 175 mil para 500 mil barris diários e a de álcool, de 680 milhões para 8 bilhões de litros; e simultaneamente aumentar a fabricação industrial em 85%, expandir a área plantada para produção de alimentos com 20 milhões de hectares a mais, criar 13 milhões de novos empregos, assegurar a presença de mais de 10 milhões de estudantes nos bancos escolares, ampliar a população economicamente ativa de 29 milhões para 45 milhões, 797 mil,  elevando as exportações anuais de 12 bilhões para 22 bilhões de dólares.
Volvendo os olhos para as realizações nacionais dos últimos vinte anos, há que se reconhecer um avanço impressionante: em 1964, éramos a quadragésima nona economia mundial, com uma população de 80 milhões de pessoas e uma renda per capita de 900 dólares; somos hoje a oitava, com uma população de 130 milhões de pessoas, e uma renda média per capita de 2.500 dólares.
O Presidente Castello Branco, em seu discurso e posse, anunciou que a Revolução visava  “ à arrancada para o desenvolvimento econômico, pela elevação moral e política". Dessa maneira, acima do progresso material, delineava-se o objetivo supremo da preservação dos princípios éticos e do restabelecimento do estado de direito. Em 24 de junho de 1978, o Presidente Geisel anunciou o fim dos atos de exceção, abrangendo o AI-5, o Decreto-Lel 477  e demais Atos Institucionais. Com isso, restauravam-se as garantias da magistratura e o instituto do habeas-corpus. Cessava a competência do Presidente para decretar o fechamento do Congresso e a intervenção nos Estados, fora das determinações constitucionais. Perdia o Executivo as atribuições de suspender os direitos políticos, cassar mandatos, demitir funcionários e reformar militares. Extinguiam-se as atividades da C.G.1 (Comissão Geral de Inquéritos) e o confisco sumário de bens. Desapareciam da legislação o banimento, a pena de morte, a prisão perpétua e a inelegibilidade perene dos cassados. Findava-se o período discricionário, significando que os anseios de liberalização  que Castello Branco e Costa e Silva   manifestaram  em diversas ocasiões e que Médici vislumbrou em seu primeiro pronunciamento finalmente se concretizavam.
Enquanto vários líderes oposicionistas pretenderam considerar aquelas medidas fundamentais como 'meros paliativos", o então Deputado Tancredo Neves, líder do MDB na Câmara Federal, reconheceu que a determinação governamental  “foi além do esperado".
Ao assumir o Governo, o Presidente Flgueiredo  jurou dar continuidade ao processo de redemocratização. A concessão da anistia ampla e  irrestrita, as eleições diretas para Governadores dos Estados, a colaboração federal com os novos Governos oposicionistas na defesa dos interesses maiores da coletividade, são demonstrações de que o presidente não falou  em vão.

Não há memória de que haja ocorrido aqui, ou em qualquer outro país, que um regime de força, consolidado há mais de dez anos, se tenha utilizado do seu próprio arbítrio para se auto-limitar, extinguindo os poderes de exceção, anistiando adversários, ensejando novos quadros partidários, em plena liberdade de imprensa. É esse, indubitavelmente, o maior feito da Revolução de 1964 seu primeiro pronunciamento finalmente se concretizavam.
Enquanto vários líderes oposicionistas pretenderam considerar aquelas medidas fundamentais como 'meros paliativos", o então Deputado Tancredo Neves, líder do MDB na Câmara Federal, reconheceu que a determinação governamental  “foi além do esperado".
Ao assumir o Governo, o Presidente Flgueiredo  jurou dar continuidade ao processo de redemocratização. A concessão da anistia ampla e  irrestrita, as eleições diretas para Governadores dos Estados, a colaboração federal com os novos Governos oposicionistas na defesa dos interesses maiores da coletividade, são demonstrações de que o presidente não falou  em vão.

Não há memória de que haja ocorrido aqui, ou em qualquer outro país, que um regime de força, consolidado há mais de dez anos, se tenha utilizado do seu próprio arbítrio para se auto-limitar, extinguindo os poderes de exceção, anistiando adversários, ensejando novos quadros partidários, em plena liberdade de imprensa. É esse, indubitavelmente, o maior feito da Revolução de 1964
Neste momento em que se desenvolve o processo da sucessão presidencial, exige-se coerência de todos os que têm a missão de preservar as conquistas econômicas e políticas dos últimos decênios.
O caminho para o aperfeiçoamento das instituições é reto. Não admite desvios aéticos, nem afastamento do povo.
Adotar outros rumos ou retroceder  para atender a meras conveniências de facções ou assegurar a manutenção de privilégios seria  trair a Revolução no seu ato final".

 image013

6.5 – O QUE AS ESQUERDAS NÃO DEIXAM O JOVEM SABER

INTRODUÇÃO

A juventude, pelo desabrochar do idealismo e pelo viço natural aos verdes anos da existência do ser humano, constitui-se em alvo importante dos esforços da propaganda de facções políticas, que procuram moldar a consciência do indivíduo em formação, quaisquer que sejam as conotações ideológicas, de forma a assegurar-se do controle ou, pelo menos, da simpatia do futuro cidadão para as suas intenções de tomada ou de manutenção do poder político.

Em nosso País isso é bem nítido e atual, pela cuidadosa e diligente massificação da esquerda, que bombardeia a juventude de todas as maneiras, particularmente nas escolas, invertendo valores e distorcendo fatos, de modo a reescrever a História segundo a sua ótica revanchista.

Com vistas a combater tal trabalho de perversão política e corruptor da verdade histórica, o Grupo TERNUMA inicia a publicação de uma breve série de artigos, com linguagem simples e voltada aos jovens de nível médio, principalmente, com o propósito de apresentar-lhes a vertente da realidade que lhes é criminosamente negada.

6.5.1- PARTE 1- O INÍCIO DA LUTA ARMADA

As esquerdas procuram justificar a sua participação nas ações armadas e violentas que praticaram, afirmando que lutavam contra a "ditadura militar" e pelo restabelecimento da Democracia. Não admitem, jamais, que pretendiam, ao contrário do que afirmam, o estabelecimento de uma ditadura comunista como a que existia na antiga União Soviética e ainda existe em Cuba e na China. Na verdade, os comunistas brasileiros lutaram, com a violência das armas, pela abolição das liberdades democráticas, que naquela época nunca deixaram de existir para o povo brasileiro ordeiro e trabalhador, avesso, na sua imensa maioria, a aventuras políticas.

Retrocedendo ao ano de 1961, recordamos que o presidente Jânio Quadros condecorou o guerrilheiro cubano Che Guevara com a Ordem do Cruzeiro do Sul. Ao fazê-lo, Jânio desconhecia que, cerca de quatro meses antes, precisamente no dia 30 de abril de 1961, o Partido Comunista Brasileiro (PCB) mandara a Cuba, em missão especial, um de seus mais influentes membros, o militante Jover Telles, que permaneceu na ilha do Caribe até o dia 23 de maio do mesmo ano. Sua missão era acertar com os cubanos o envio de jovens brasileiros para treinamento político-militar na terra de Fidel Castro, no que viria a ser a preparação de quadros "revolucionários" para o desencadeamento da luta armada no Brasil. Nesse mesmo período, encontrava-se igualmente na Ilha o líder das Ligas camponesas - o Movimento dos Sem Terra (MST) da época - , Francisco Julião, que da mesma forma tratava do apoio cubano à revolução em nosso País.

Jover Telles, em seu relatório ao Comitê Central (CC) do PCB sobre as suas atividades em Cuba, escreveu: "...Curso político-militar: levantei a questão. Estão dispostos a fazer. Mandar nomes, biografia e aguardar a ordem de embarque". "...Julião começou a falar em pedidos de armas etc...". Da narrativa de Jover, transpira, nitidamente, a concordância dos cubanos em promover cursos militares para revolucionários brasileiros, sem o conhecimento do Governo do Brasil, que exercia a Democracia plena. Segundo Jacob Gorender, então integrante do CC/PCB, "desde o início (1959) os cubanos estavam convictos de que a luta armada no Brasil era o caminho para a revolução".

O relatório de Jover revelou também que, em maio de 1961, encontrava-se em Havana o antigo assessor das Ligas Camponesas Clodomir dos Santos Morais, hoje um dos principais ideólogos do MST e destacado formulador dos "Cadernos de Formação" do movimento, em que agora discorre sobre teorias de invasão e manutenção, pela força, das propriedades privadas invadidas. Cuba cumpriu com a palavra, diplomando, até 1971, duzentos e dois brasileiros nos cursos realizados na Ilha, para desencadear ações de guerrilha rural e urbana, que tanto ensangüentaram a Nação. Sem o aval do Brasil, os cubanos atentaram contra a soberania e o livre arbítrio do povo brasileiro, para exportar a versão caribenha da ditadura do proletariado.

Da mesma forma, os chineses também colaboraram para a tentativa de implantação do comunismo no País, já que, ainda durante o Governo João Goulart, o clandestino Partido Comunista do Brasil (PC do B) encaminhava para a Academia Militar de Pequim um primeiro contingente de brasileiros, visando à formação de quadros guerrilheiros para o movimento a ser implantado na Região do Araguaia, escolhida pelo PC do B, desde 1962, como palco preferencial para a sua violência revolucionária. Nascia aí a sangrenta "Guerrilha do Araguaia", que, pela irresponsabilidade assassina de comunistas caducos, levou dezenas de jovens à morte, até 1973, sob o cínico pretexto de lutar contra "o regime dos militares".

Jânio Quadros foi um presidente eleito pelo povo e, após renunciar ao mandato, foi substituído por seu Vice, João Goulart, como garantia a Constituição do Brasil, que vivia a plenitude democrática e o império da lei. Por que, então, os comunistas vinham preparando os seus contingentes de guerrilheiros para o desencadeamento da luta armada? Onde estava a "ditadura militar", a cuja existência atribuem os seus "patrióticos" esforços para restabelecer a Democracia? Essa descarada mentira reproduzem até a exaustão, na ousada estratégia de que a repetição a transformará em verdade histórica, confundindo as gerações que não foram testemunhas de tanto cinismo.

As esquerdas não deixam a juventude saber do seu inteiro alinhamento a um movimento internacional, que desprezava o nacionalismo e a vontade soberana dos países democráticos, para transformá-los em satélites da União Soviética, ou da China , ou de Cuba, ou de onde pudessem importar os recursos e os esforços para comunizar o Brasil.

O que aos jovens as esquerdas omitem é que o Brasil, no início da década de sessenta, vivia sob frágil Democracia, do que se aproveitavam os comunistas para preparar a revolução. O que as esquerdas negam aos jovens é que as Forças Armadas, em 1964, atendendo ao clamor da família brasileira, promoveram a contra-revolução, pondo fim à anarquia e restaurando a ordem, para garantir as condições de trabalho e de segurança que transformaram o Brasil na oitava economia do mundo.

O que as esquerdas escondem da juventude são também os apelos da Igreja e da imprensa brasileira, que, nos cultos e nas manchetes dos jornais, clamavam pela intervenção das Forças Armadas, que, assim, cumpriram com o seu papel de guardiãs da lei e da ordem, como lhes impõe a sua missão constitucional.

As Instituições Militares devolveram ao povo brasileiro uma Nação pacificada e retiraram-se do cenário político, após uma transição para a Democracia plena que ora vivenciamos.

As esquerdas, porém, parecem não ter entendido a lição histórica e teimam em não aceitar a derrota, agora deturpando os fatos e usando a mentira como camuflagem de um passado de desamor ao Brasil, para, novamente, atentar contra a Democracia, com os métodos que a oportunidade indicar.

6.5.2 – PARTE 2 – OS NORTE-AMERICANOS NÃO TRAMARAM A CONTRA-REVOLUÇÃO DE 31 DE MARÇO DE 1964


Ao longo dessas últimas décadas a esquerda brasileira tem acusado os Estados Unidos da América de, em conluio com nossas Forças Armadas, participar, ativamente, do Movimento Militar que depôs o presidente João Goulart. Na mídia, nas escolas, em livros didáticos, em pichações e em panfletos a nação americana é acusada de ter tramado, apoiado e subsidiado o “golpe militar de 1964”, por intermédio da CIA.

Durante os chamados “anos de chumbo”, prédios, lojas, estabelecimentos de ensino, enfim, tudo o que representasse os Estados Unidos passou a ser odiado e, inclusive, sendo alvo de atos terroristas as representações diplomáticas, propriedades e até mesmo cidadãos americanos residentes em nosso país.

Entre estes atos podemos destacar:

- A explosão de uma bomba no Consulado Americano, em São Paulo, em 15/03/1968, que feriu duas pessoas;
- O ataque a tiros à Embaixada do Estados Unidos, no Rio de Janeiro, por desconhecidos, no dia 21/06/1968. Esse dia ficou conhecido como “a sexta feira sangrenta”;
- O assassinato do capitão do Exército dos Estados Unidos, Charles Rodney Chandler, em 12/10/1968, que cursava uma Faculdade em São Paulo, determinado por um “Tribunal Revolucionário” da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), sob a acusação de que era agente da CIA;
- O seqüestro do embaixador dos Estados Unidos, Charles Burke Elbrick, em 04/09/1969, no Rio de Janeiro, pelas organizações terroristas Ação Libertadora Nacional (ALN) e Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR8); e
- A tentativa de seqüestro do cônsul americano Curtis Carly Cutter, em 04/04/1970, em Porto Alegre, pela VPR.

Hoje, está provado que a versão da participação dos norte- americanos na Contra-Revolução de 1964 foi consolidada, por meio de documentos forjados pela espionagem tcheca que, em 1964, atuava pela KGB no Brasil. Esta escandalosa mentira, chamada de “Operação Thomas Mann”, foi montada por Ladislav Bittman, que chefiava o serviço secreto de desinformação, da Tchecoslováquia.

Em fevereiro de 1965, Bittman veio ao Brasil inspecionar as fases iniciais da “Operação Thomas Mann”. Essa operação levou este nome porque Thomas Mann era o Secretário Adjunto dos Estados Unidos e o objetivo do Serviço Secreto Tcheco era “provar”, com documentos falsos, que, por influência de Thomas Mann, a política externa americana para a América Latina tinha sofrido um “grande endurecimento”, após a morte do presidente John F. Kennedy.

O Ocidente tomou conhecimento desses dados em 1985, pelo próprio Ladislav Bittman, no livro “The KGB And Soviet Disinformation”, publicado em Washington. Bittman em seu livro declara: “queríamos criar a impressão que os Estados Unidos estavam forçando a Organização dos Estados Americanos (OEA) a tomar uma posição mais anticomunista, enquanto a CIA planejava golpes contra os regimes do Chile, Uruguai, Brasil, México e Cuba” (...) “A Operação foi projetada para criar no público latino-americano uma prevenção contra a política linha dura americana, incitar demonstrações mais intensas de sentimentos antiamericanos e rotular a CIA como notória perpetradora de intrigas antidemocráticas”.

A operação Thomas Mann dependia de canais anônimos para disseminar uma série de documentos falsos. 

 A primeira falsificação, um “press release” da Agência de Informações dos Estados Unidos, na cidade do Rio de Janeiro, continha os principais fundamentos da “nova política externa americana”. O falso release foi mimeografado e distribuído em meados de fevereiro de 1964, numa simulação de envelope da Agência de Informações e difundida para a imprensa brasileira e alguns políticos selecionados. Em 27/02/64, a falsificação aparece no jornal “O Semanário” com a manchete: “Mann determina linha dura para os EUA: nós não somos mascates para negociarem conosco”.

A segunda falsificação foi uma série de circulares, publicadas em nome de uma fictícia organização chamada de “Comitê para a Luta Contra o Imperialismo Ianque”. Essa falsa organização tinha por objetivo principal alertar o público latino- americano a respeito da existência de centenas de agentes da CIA, do DOD e do FBI, passando-se por diplomatas.
A terceira falsificação ocorreu em julho de 1964, quando a América Latina recebeu a “prova adicional” das atividades subversivas americanas, na forma de duas cartas forjadas, supostamente assinadas por J.Edgar Hoover. Ambas estavam endereçadas a Thomas Brady, um funcionário do FBI. A primeira com uma data falsa, dando a idéia de ter sido escrita em 02/01/1961, era uma mensagem de parabéns, pelo aniversário de 20 anos de serviço de Brady no FBI. Seu objetivo era autenticar uma segunda carta, datada de 15/04/1964, também para Brady, com assinatura decalcada de J. Edgar Hoover. Nessa mensagem Hoover cumprimenta Brady pelo sucesso de uma determinada “Operação”, que, pelo contexto, qualquer leitor, imediatamente, associa ao “golpe” que derrubou João Goulart.

Embora as revelações de Ladislav Bittman tenham sido tornadas públicas no ano de 1985, a imprensa brasileira nada publicou a respeito, talvez por ignorância ou, quem sabe, por não querer que a opinião pública viesse a tomar conhecimento da mentira que durante anos enganou o povo brasileiro.

A Revista Veja na sua edição nº 1777, de 13/11/02, publica a matéria ”O Fator Jango” de autoria de João Gabriel de Lima, onde este mesmo assunto é abordado. Para maior entendimento transcrevemos a seguir a sua parte principal:

“O básico desse enredo foi escrito nos anos setenta pela historiadora americana Phyllis Parker, na obra de referência 1964: O Papel dos Estados Unidos no Golpe de Estado de 31 de Março. Phyllis entrevistou os principais personagens do episódio e teve acesso à maior parte da correspondência secreta. Chegou à conclusão de que o golpe de 1964 foi dado mesmo por brasileiros, não por americanos. Hoje isso soa óbvio, mas na época, até por falta de bons livros em português sobre o assunto, imperava a versão esquerdista de que a tomada de poder pelos militares havia sido planejada em Washington e incluiria até uma invasão do Brasil por marines americanos. Phyllis mostra que os Estados Unidos realmente acompanhavam a situação de perto, faziam seus lobbies e sua política com a costumeira agressividade, e tinham um plano B para o caso de o País entrar em guerra civil.Entretanto, nas palavras da historiadora, não há provas de que os Estados Unidos instigaram, planejaram, dirigiram ou participaram da execução do golpe de 1964. O resto é teoria conspiratória”.

Ainda segundo a Revista Veja, Lincoln Gordon, embaixador americano no Brasil em 1964, em seu livro recentemente editado fornece bastidores sobre o relacionamento na ocasião entre os Estados Unidos e o Brasil. “O autor do golpe contra Goulart foi o próprio Goulart” disse o ex-embaixador americano a VEJA na semana passada. “Se ele fosse mais habilidoso, teria pressionado por suas reformas dentro do âmbito constitucional, em vez de ceder à tentação de seguir os modelos de Getúlio Vargas e Perón”.

Recentemente, em 17/02/2001, o jornalista Olavo de Carvalho tornou pública a verdade sobre a montagem dessa grande farsa, em artigo publicado na revista Época. Surpreendentemente, nenhum órgão da nossa imprensa mostrou o desejo de ouvir o ex-espião tcheco que conseguiu, durante tantos anos, impor ao povo brasileiro uma mentira de tão grave repercussão para as nossas relações com os Estados Unidos.

 

TERRORISMO E SUAS BARBÁRIES

7 – BRIZOLA – OS INCRÍVEIS EXÉRCITOS BRIZOLEONE – 7.1 – OS GRUPOS DOS ONZE E O EXÉRCITO POPULAR DE LIBERTAÇÃO

 

Em outubro de 1963, Leonel de Moura Brizola, então Governador do Rio Grande do Sul, considerava que o Brasil estava vivendo momentos decisivos e que, rapidamente, se aproximava o desfecho que poderia colocar o País numa nova linha política. Nesse momento, raciocinava o caudilho gaúcho, ele queria estar na crista da onda esquerdista que varreria o País.

Sucessivamente, em 19 e 25 de outubro, Brizola fez inflamados pronunciamentos à Nação, através dos microfones de uma cadeia de estações de rádio liderada pela Mairink Veiga, que detinha, na época, o maior percentual de ouvintes das classes média e baixa. Nesses pronunciamentos, eivados, como sempre, de metáforas e redundâncias, conclamou o povo a organizar-se em grupos que, unidos, iriam formar o "Exército Popular de Libertação" (EPL). Com sua habitual e singular loquacidade, comparou esses grupos com equipes de futebol e os 11 "jogadores" seriam os "tijolos" para "construir o nosso edifício".

Estavam lançados os "Grupos dos Onze" (G-11) que, para Brizola, constituir-se-iam nos núcleos de seu futuro exército particular, o EPL.

Os documentos posteriormente encontrados em seus arquivos pessoais revelaram os planos para a formação dos G-11 e do EPL, escritos numa linguagem incisiva mas primária, dramática mas demagógica.

O documento mais hilariante, se não fosse macabro, era o das "Instruções Secretas", assinadas por um "Comando Supremo de Libertação Nacional". Ele iniciava-se por um "Preâmbulo Ultra-Secreto", no qual a morte incidiria sobre aqueles que revelassem os segredos dos G-11:

"Após tomar conhecimento, só a morte libertará o responsável pelo compromisso de honra assumido com o Comando Supremo de Libertação Nacional ... 0 compromisso de resguardo deverá ser um tanto solene, para impressionar o companheiro, devendo, antes, verificar as idéias desse Soldado dos G-11, a fim de que seja selecionado, ao máximo, os autênticos e verdadeiros revolucionários, os destemerosos da própria morte..."

Os G-11 seriam a "vanguarda avançada do Movimento Revolucionário", a exemplo da "Guarda Vermelha da Revolução Socialista de 1917 na União Soviética".

Defendendo a tese de que "os fins justificam os meios", fazia veladas ameaças sobre futuros atos dos G-11:

"Em conseqüência, não nos poderemos deter na procura de justificativas acadêmicas para atos que possam vir a ser considerados, pela reação e pelos companheiros sentimentalistas, agressivos demais ou, até mesmo, injustificados".

Os integrantes dos G-11 deveriam considerar-se em "Revolução Permanente e Ostensiva" e seus ensinamentos deveriam ser colhidos nas "Revoluções Populares", nas "Frentes de Libertação Nacional" e no "folheto cubano" sobre a técnica de guerrilha (nessa época, os "folhetos cubanos" sobre a técnica de guerrilhas eram disseminados, no País, pelos denominados Movimentos de Educação Popular).

Admitiam, essas "Instruções Secretas", que a época era propícia à atuação dos G-11:

"Devemos nos lembrar que, hoje, temos tudo a nosso favor, inclusive, o beneplácito do Governo e a complacência de poderosos setores civis e militares, acovardados e temerosos de perder seus atuais e ignominiosos privilégios".

Instruíam os G-11 sobre a aquisição de armas, recomendando "não se esquecer dos preciosos coquetéis molotov e outros tipos de bombas incendiárias".

Alertavam, também, que:

"A escassez inicial de armas poderosas e verdadeiramente militares será suprida pelos aliados militares que possuímos em todas as Forças Armadas..."

As "Instruções Secretas" estabeleciam o esquema para o início do movimento insurrecional:

"... os camponeses, dirigidos por nossos companheiros, virão destruindo e queimando as plantações, engenhos, celeiros, depósitos de cereais e armazéns gerais... A agitação será nossa aliada primordial e deveremos iniciá-la nos veículos coletivos, à hora de maior movimento, nas ruas e avenidas de aglomeração de pedestres, próximo às casas de armas e munições e nos bairros eminentemente populares e operários. Desses pontos e à sombra da massa humana, deverão convergir os G-11 especializados em destruição e assaltos, já comandando os companheiros e com outros se ajuntando pelas ruas e avenidas, para o centro da cidade, vila ou distrito, de acordo com a importância da localidade, depredando os estabelecimentos comerciais e industriais, saqueando e incendiando, com os molotovs e outros materiais inflamáveis, os edifícios públicos e os de empresas particulares. Ataques simultâneos serão desfechados contra as centrais telefônicas, rádio-emissoras e, onde houver, de TV, casas de armas, pequenos Quartéis Militares ..."

Ciente de que a revolução vinha sendo conduzida pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), através da chamada "via pacífica", Brizola reservou um item de suas "Instruções Secretas" para tratar do "Aliado Comunista":

"Devemos, ..., ter sempre presente que o comunista é nosso principal aliado mas, embora alardeie o Partido Comunista ter forças para fazer a Revolução Libertadora, o PCB nada mais é que um Movimento dividido em várias frentes internas em luta aberta entre si pelo poder absoluto e pela vitória de uma das facções em que se fragmentou".

E prosseguiam, as Instruções, nos seus ataques ao PCB:

"São fracos e aburguesados esses camaradas chefiados pelos que vêem, em Moscou, o único Sol que poderá guiar o proletariado mundial à libertação Internacional".

Ao mesmo tempo, Brizola apontava o radical Partido Comunista do Brasil (PCdoB) como um possível aliado:

"Existe uma ala mais poderosa que, dia a dia, está se elevando no conceito do proletariado marxista, seguidora dos ideais de Mao Tse Tung, de Stalin, e que são, em última análise, os de Marx e Engels. É nessa ala, hoje muito mais poderosa que a de Moscou, que iremos buscar a fonte de potencialidade material e militar para a luta de Libertação Nacional".

Mas, o tragicômico das "Instruções Secretas" aparecia, com espantosa nitidez, no item sobre a "Guarda e Julgamento dos Prisioneiros":

"Para essa tarefa de suma importância, deverão ser escolhidos companheiros de condição humilde mas, entretanto, de férreas e arraigadas condições de ódio aos poderosos e aos ricos, a fim de que não discutam ordens severas que poderão ser conhecidas no momento da luta de Libertação. Estes grupos dos Onze companheiros terão, como finalidade primordial, deter, em todo o seu raio de ação, municípios, vilas, distritos e povoados, todas as autoridades públicas, tais como Juízes de Direito, Prefeitos, Delegados de Polícia, Vereadores, Presidente da Câmara, Políticos influentes e outras personalidades que por acaso estejam dentro de sua esfera de atribuição e limites de ação, recolhendo-os a locais apropriados, preferentemente no meio do mato, sob guarda armada e permanente. No caso de derrota do nosso Movimento, o que é improvável, mas não impossível, dado a certas características da situação nacional, e temos que ser verdadeiros em todos os nossos contatos com os Comandos Regionais e esta é uma informação para uso somente de alguns companheiros de absoluta e máxima confiança, os reféns deverão ser sumária e imediatamente fuzilados, a fim de que não denunciem seus aprisionadores e não lutem, posteriormente, para sua condenação e destruição".

No início de 1964, Brizola lançou seu próprio semanário, "O Panfleto", que veio se integrar à campanha agitativa já desenvolvida pela cadeia da Rádio Mairink Veiga.

Em seus sonhos quixotescos, distribuiu diversos outros documentos para a organização dos G-11, tais como as "Precauções", os "Deveres dos Membros", os "Deveres dos Dirigentes", um "Código de Segurança" e fichas de inscrição para seus integrantes.

Chegou a organizar 5.304 grupos, num total de 58.344 pessoas, distribuídas, particularmente, pelos Estados do Rio Grande do Sul, Guanabara, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.

Para Brizola, a revolução estava madura, pronta para ser desencadeada.

Havia um líder, ele mesmo.

Havia as idéias, seus próprios sonhos de poder.

Só faltava algum simples episódio que inflamasse o povo e que fizesse proliferar os Grupos dos Onze, provocando o surgimento de seu "Exército Popular de Libertação", na verdade, um pequeno-louco exército de Brizoleone.

   

7.2 – OPERAÇÃO PINTASSILGO

Após a Revolução de 31 de Março de 1964, centenas de comunistas e inconformados políticos fugiram para o Uruguai. A proximidade do Rio Grande do Sul, então visualizado como o principal foco de resistência, oferecia condições seguras para que fosse feita uma avaliação da situação e realizado o planejamento das maquinações revanchistas. A fronteira seca favorecia o contato permanente entre os asilados e aqueles que, embora atingidos por atos revolucionários, ainda não se sentiam ameaçados a ponto de se aventurarem a abandonar o Brasil.

O folclore afirma que Brizola fugiu disfarçado de mulher, com uma sainha curta e batom na boca. A verdade, entretanto, é que, depois de passar todo o mês de abril escondido em diferentes locais de Porto Alegre, Brizola, disfarçado de soldado da Brigada Militar, foi levado num fusquinha dirigido por Lenir, esposa do advogado Ajadil de Lemos, até à praia de Pinhal. Daí, um avião monomotor dirigido por Manoel Leaes ("Maneco") levou-o até Sarandi Grande, já no Uruguai.

Em pouco tempo, Brizola tornou-se um ponto de referência no Uruguai. A "cadeia da legalidade", sua frustrada tentativa para conter o movimento de Março, dava-lhe uma ascendência natural sobre todos os asilados. Sua inegável liderança carismática, associada a uma verbosidade demagógica, fizeram-no o centro de iradas tertúlias contra o regime militar que se instalara no Brasil.

Enviava mensagens pelo rádio dizendo que, até dezembro, estaria de volta ao País, na "crista de um movimento insurrecional". Usando senhas e os intermediários Albery Vieira dos Santos, ex-sargento da Brigada Militar, e Lucio Soares Costa, recebia muita gente: comunistas, militares, sindicalistas, políticos, padres e freiras. Fez contatos com agentes cubanos, dentre os quais o próprio chefe da polícia secreta, Miguel Bruguera del Valle. Elaborou um "Livro de Ouro" para angariar recursos financeiros no Brasil e no exterior. Os famosos dólares de Cuba estariam entre eles. Elaborou um "Regulamento Revolucionário", com dez mil exemplares impressos em Montevidéu.

Não conseguiu, entretanto, unir todas as forças que se opunham ao novo governo revolucionário. Seu projeto de formar e liderar uma "frente" esbarrou no jogo de interesses e na inconciliável luta que envolvia a vaidade pessoal dos outros líderes. Num prolongamento das anteriores fracassadas tentativas de união e refletindo a crise das esquerdas, os asilados acabaram se dividindo em três grandes grupos, distintos por suas origens: um sindical, um militar e um liderado por Brizola.

Em novembro, estava em pleno desenvolvimento a crise envolvendo Mauro Borges, governador de Goiás, acusado de uma tentativa de socialização com a participação de estrangeiros e de militares cassados.

Nessa época, em clima de aproveitamento da crise de Goiás, foi montada, no Uruguai, a "Operação Pintassilgo". O plano previa o ataque a diversos quartéis, a tomada da Base Aérea de Canoas, no Rio Grande do Sul, e a utilização dos aviões da FAB para o bombardeamento aéreo do Palácio Piratini, visando à morte do Governador Ildo Meneghetti.

A prisão em Porto Alegre, em 26 de novembro de 1964, do capitão-aviador cassado, Alfredo Ribeiro Daudt, abortou a operação e todos os seus planos caíram em poder da polícia. Diversos militares da Aeronáutica estavam envolvidos, aliciados pelo tenente-coronel reformado Américo Batista Moreno e pelo ex-sargento Santana.

Muitos anos mais tarde, em 1982, em entrevista concedida na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, o ex-coronel Jeffersom Cardim de Alencar Osório acusaria Brizola de ter sido o responsável pela Operação Pintassilgo.

Do Uruguai, no conforto de suas estâncias, Brizola queria enviar os ingênuos para as ações que ele próprio não tinha coragem de executar.

 

7.3 - O PACTO DE MONTEVIDÉU E A FRENTE POPULAR DE LIBERTAÇÃO (FPL)

Nos últimos meses de 1964, aumentara a revoada de comunistas brasileiros para o Uruguai, ansiosos em estabelecer alianças com os grupos de asilados políticos os quais, já se dizia, estavam com os "dólares de Cuba". Foi por esse "singelo" motivo que os grupos sindical e militar, acrescidos dos comunistas de "carteirinha", isto é, militantes de organizações subversivas, aceitaram ser tutelados por Brizola.

A primeira tentativa de unificação dos grupos existentes concretizou-se em janeiro de 1965, com a criação do "Pacto de Montevidéu", assinado por Leonel Brizola, Max da Costa Santos, José Guimarães Neiva Moreira, Darcy Ribeiro e Paulo Schilling, além de representantes da Ação Popular (AP), com Aldo Arantes, do Partido Comunista Brasileiro (PCB), com Hércules Correia dos Reis, do Partido Operário Revolucionário Trotskista (PORT), com Cláudio Antônio Vasconcelos Cavalcanti, e do Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Constituindo-se em uma frente "revolucionária", definiram a insurreição como a forma de luta para a tomada do poder, sem deixar de contar com a participação da parcela da burguesia nacional "prejudicada pelos interesses imperialistas". As massas participariam da luta através da constituição de comitês de empresas, de comitês rurais e de grupos de ação - os "Grupos dos 5". Brizola, agora mais modesto, trocava o futebol de campo pelo de salão.

Denominada de Frente Popular de Libertação (FPL), a expressão organizada do Pacto de Montevidéu afirmava que os "atos de guerra", definidos como "atos de sabotagem urbana" e "focos de guerrilha no campo", deveriam multiplicar-se por todo o território brasileiro, sem prejudicar a parcela da população não comprometida. Os inocentes deveriam ser ganhos pela insurreição e serem aproveitados como força de pressão e massa de manobra.

O Pacto previa, também, a formação de um Comando Nacional (CN) da FPL, através da evolução das estruturas de comando dos grupos de ação e dos comitês de empresas e dos rurais. Enquanto o CN não fosse constituído, um Comitê de Coordenação, sediado em Montevidéu e integrado pelos signatários do Pacto, decidiria sobre a participação da FPL em manifestações de caráter político.

A primeira tentativa de sabotagem idealizada pela FPL ocorreu em fevereiro de 1965.

Ao fazer um tratamento psiquiátrico em Montevidéu, um ex-soldado do 13º Regimento de Cavalaria, conhecido por Ponciano e que trabalhava com explosivos numa firma de Jaguarão, foi recrutado por membros da FPL. Prometeram-lhe 1 milhão de cruzeiros para levar 20 caixas de dinamite para o Uruguai e uma gratificação extra se conseguisse explodir um bueiro na BR-2, em Capão Reiúno, próximo a Jaguarão, interditando a estrada.

Ponciano chegou a roubar 32 bananas de dinamite. Entretanto, não conseguiu entregá-las, a explosão não destruíu o bueiro, a BR-2 não foi interditada e o desequilibrado Ponciano, preso, confessou suas ligações com o grupo de asilados.

Começava, de forma melancólica, a insurreição da FPL. A inescrupulosa utilização de um débil mental mostrou que, para atingir seus objetivos, tudo era válido para os exércitos de Brizoleone.

7.4 – JEFFERSON CARDIM E AS ESCARAMUÇAS DAS FORÇAS ARMADAS DE LIBERTAÇÃO NACIONAL

No Uruguai, a incontinência verbal de Brizola deixou-o em situação embaraçosa. A afirmação de que voltaria vitorioso ao Brasil até dezembro de 1964 ficou comprometida com os freqüentes insucessos de todas suas iniciativas.

A fim de satisfazer a crescente belicosidade de seus liderados - na maioria, ex-militares cassados das Forças Armadas e da Brigada Militar do Rio Grande do Sul (BMRS) -, Brizola resolveu desencadear mais um "plano revolucionário infalível".

Sob a designação genérica de "Esquema Geral", a "revolução" brizolista iniciar-se-ia com um movimento sedicioso no Rio Grande do Sul que se juntaria com forças que iriam penetrar no Mato Grosso, vindas da Bolívia, sob o comando do ex-Coronel da Aeronáutica, Emanoel Nicoll. Com a estratégia em forma de pinça, Brizola pretendia que a junção das duas forças fosse realizada, simbolicamente, em 31 de março de 1965, para "comemorar" o primeiro aniversário do movimento militar que o compulsara ao ostracismo.

Para a invasão dos pampas gaúchos, dentre as várias opções, Brizola escolheu a "Operação Três Passos", de autoria do ex-Sargento da BMRS, Albery Vieira dos Santos Júnior. Para comandá-la, foi escolhido o ex-Coronel de Artilharia do Exército, Jeffersom Cardim de Alencar Osório, que trabalhava no Loyde Brasileiro em Montevidéu.

Na noite de 12 de março de 1965, na residência de Brizola, localizada na Praça Independência, em Montevidéu, uma reunião do tipo "estado-maior" decidiu e traçou os detalhes da Operação.

Um manifesto a ser divulgado pela Rádio Difusora de Três Passos, no dia 25 de março, seria a senha para a "revolução brasileira".

Nessa mesma reunião, foi analisada a necessidade de recursos para a Operação, sendo realizada uma "vaquinha" entre os presentes: Darcy Ribeiro contribuiu com 500 dólares, o ex-prefeito de Belo Horizonte, Ivo Magalhães, com 300 mil cruzeiros, o ex-Sargento Albery com 10 mil cruzeiros e Jeffersom Cardim com 5 mil pesos uruguaios. O único que não contribuiu foi o próprio Brizola, alegando que ainda não havia recebido os dólares prometidos pelo governo cubano.

Na noite de 18 de março, Cardim, Albery e Alcindor Aires iniciaram a marcha para a "revolução", alugando um táxi para levá-los de Montevidéu até Livramento, onde chegaram no dia seguinte. Um outro táxi levou-os até Santa Maria, onde ficou Alcindor para tentar conseguir mais adeptos para a empreitada.

Ao atingirem Catuípe, Cardim e Albery observaram que se continuassem fazendo a revolução viajando de táxi em táxi veriam rapidamente terminar o dinheiro da "vaquinha". Então, a fim de economizar os "recursos revolucionários", conseguiram um automóvel emprestado por um amigo de Albery, prosseguindo até Campo Novo, onde pousaram na casa de "Gringo", irmão do ex-Sargento.

Nessa cidade, contataram com o professor Valdetar Antônio Dorneles, que preparou um croqui de Três Passos - assinalando os pontos sensíveis - e comprometeu-se a conseguir mais revolucionários para a ação.

Agruparam-se os reforços: Alcindor trouxe dois homens de Santa Maria, o ex-Sargento Firmo Chaves chegou de Porto Alegre com mais sete, dentre os quais Adamastor Antonio Bonilha, e Valdetar arregimentou mais nove.

Realizaram exercícios de tiro, treinaram montagem de acampamento, distribuiram as missões e chegaram a um impasse: numa falha da logística do planejamento aprovado pelo Comandante Brizola, não fora previsto o transporte para os combatentes. A solução foi dada por "Zebinho", pai de Valdetar, que se lembrou de um amigo do PTB, que tinha um velho Ford bigode, modelo 1929. Não seria por falta de transporte que a revolução seria abortada.

Tiveram, entretanto, que fazer uma pequena alteração nos planos. A pequena quantidade de arregimentados - duas dúzias de homens - não era suficiente para a prevista tomada do quartel de Ijuí.

Na noite de 25 de março, Cardim e seu incrível "exército" partiram de Campo Novo rumo a Três Passos, onde chegaram na madrugada do dia seguinte. Sem encontrar resistência, assaltaram o posto policial da Brigada Militar, levando armamento, fardamento e munição. Ainda nessa madrugada, tomaram os transmissores da Rádio Difusora, onde Odilon Vieira, com sua voz de locutor, leu o "Manifesto à Nação", que representava
a senha para o início da "revolução brasileira". No final da proclamação, alguns poucos notívagos, surpresos e sonolentos, tomaram conhecimento da criação das "Forças Armadas de Libertação Nacional" (FALN).

Ainda em Três Passos, contando com a cumplicidade do sub-delegado local, Cardim trocou o velho Ford bigode por um caminhão Mercedes Benz apreendido, cor de tijolo. Para melhorar a "caixinha" revolucionária, assaltaram a agência do Banco do Brasil. Alegando não possuir as chaves do cofre, o gerente conseguiu repor os frustrados combatentes na sua marcha revolucionária, todos blasfemando contra o azar de não ter sido encontrada a chave.

Na pequena cidade de Itapiranga, assaltaram os postos policiais da Brigada Militar, aumentando o seu arsenal.

Supondo que o Brasil ardia em revoltas, causadas pelo seu manifesto da madrugada, Cardim roubou um rádio-receptor de uma loja comercial. Surpreso pela ausência de notícias, começou a pensar que o plano fracassara. Restava-lhe, entretanto, a esperança de atingir o Mato Grosso e realizar a junção com o "exército" de Nicoll, que deveria estar vindo da Bolívia.

Guiados por Virgílio Soares de Lima, tio de Albery, os sediciosos atravessaram Santa Catarina e penetraram no Paraná.

Ao tomarem conhecimento das estrepolias de Cardim e seu bando e temendo que pudessem se dirigir a Foz de Iguaçu e perturbar a cerimônia de inauguração da Ponte da Amizade sobre o Rio Paraná, com a presença dos presidentes do Brasil e do Paraguai, as autoridades militares determinaram o emprego de tropas da 5ª RM/DE, com o apoio de aviões da FAB e do Núcleo de Divisão Aeroterrestre.

O tenente de Infantaria Marco Antonio Savio Costa comandava o 1º Pelotão da 1ª Companhia - sediada em Francisco Beltrão - do 1º Batalhão do 13º Regimento de Infantaria, este sediado em Ponta Grossa. Recebendo a missão de localizar e prender o bando armado, imediatamente reuniu seu pelotão, os claros de momento preenchidos com os quadros que pôde encontrar. Numa viatura de 1/4 Ton do EB e num caminhão basculante preto emprestado pela prefeitura de Francisco Beltrão, saiu o tenente em busca
dos "guerrilheiros".

Cerca das 1115h de 27 de março de 1965, na região de Santa Lúcia, município de Capitão Leônidas Marques, Cardim ouviu a aproximação de uma viatura com tropas do Exército. Imaginando que pudesse melhorar o já combalido moral de suas FALN, resolveu realizar uma emboscada, dispondo seus homens em ambos os lados da estrada, logo após uma curva. Postando-se fardado de coronel, com um impecável uniforme 4º A e com todas as gemadas a que tinha direito, Cardim acenou para a tropa que se aproximava. Com isso, provocou uma ligeira hesitação no tenente Savio Costa, o suficiente para o início da emboscada, com tiros sobre a viatura. Desembarcando e reagindo violentamente, o pelotão conseguiu equilibrar as ações e aferrou-se ao terreno.

Foi quando chegou um avião L-19 da FAB, pilotado pelo 1º Ten Av David Branco e que conduzia um observador aéreo, o capitão Canrobert Lopes Costa, do 18º RI de Curitiba, que, desde o fim da manhã do dia anterior, cumpria a missão de localizar o bando. Após comunicar o que estava observando ao 2º Esquadrão de Controle e Alarme, 2º ECA, e dele ter recebido a determinação de não intervir, o Cap Canrobert, em sucessivos vôos rasantes do L-19, descarregou cinco carregadores de sua Mtr INA .45, sobre as árvores que encobriam os "guerrilheiros". Apoiado pelo "fogo aéreo", o pelotão, depois de também abrir cerrado fogo com suas três Mtr Madsen e fuzis, partiu para o assalto contra o bando inimigo.
A coordenação de fogos e o assalto provocaram a fuga desabalada de 21 "guerrilheiros" que, embrenhando-se nas matas, só mais tarde seriam capturados, através de operações de cerco desencadeadas pelos pára-quedistas. Três deles, entretanto, foram presos no momento do combate: o coronel Jeffersom Cardim e os sargentos Albery e Adamastor Bonilha.

Infelizmente, a ação dos tresloucados seguidores de Cardim fez uma vítima fatal. O 3º Sargento Carlos Argemiro Camargo, que servia como burocrata
na Companhia de Infantaria de Francisco Beltrão e havia se apresentado voluntariamentepara a missão, foi alvejado várias vezes ao desembarcar da viatura, deixando viúva grávida de 7 meses.

Encerrava-se, tragicamente, mais uma aventura brizoleana.

Após cumprir pena, Jeffersom Cardim, em entrevista concedida a Décio de Freitas, em março de 1980, na Assembléia Legislativa gaúcha, declarou que a "Operação Três Passos" previa a entrada de Brizola no Brasil, a fim de catalisar e de detonar as revoltas: "Acho que Brizola se acovardou, foi uma traição, porque em seu apartamento na Praça da Independência, em Montevidéu, selamos um pacto. Ele não cumpriu este compromisso, que era o de derramar o sangue pelo povo brasileiro". Cardim veio a falecer em 29 de Janeiro de 1995, no Rio de Janeiro.

Em novembro de 1979, o "Coojornal" publicou uma entrevista concedida um ano antes pelo ex-Sargento Albery, na qual declarou que o dinheiro para financiar a Operação - um milhão de dólares - havia sido conseguido em Cuba e levado, até Brizola, por Darcy Ribeiro e Paulo Schilling. Afirmou, também, sobre Brizola, que: "A traição dele foi ter mandado iniciar o movimento e, depois, ter-se arrependido e não colocar o plano em execução".

Pouco tempo depois da entrevista, em fevereiro de 1979, o ex-Sargento Albery foi misteriosamente assassinado - em circunstâncias nunca bem explicadas - no oeste paranaense.

Após mais esse malogro, Brizola afastou-se da FPL e, ainda no Uruguai, conduziria mais um de seus incríveis exércitos para o fracasso.


7.5 - O MOVIMENTO DE RESISTÊNCIA MILITAR NACIONALISTA (MRMN) E A RESISTÊNCIA ARMADA NACIONALISTA (RAN)

Nos primeiros meses de 1966, a 1ª Conferência Tricontinental de Havana e a criação da Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS), em janeiro, agitaram os três grupos de exilados brasileiros no Uruguai, já conscientes do fracasso da Frente Popular de Libertação (FPL) e das Forças Armadas de Libertação Nacional (FALN) (ver capítulos III e IV).

Em março, esses grupos realizaram diversas reuniões, com a finalidade de formarem uma frente única.

Entretanto, enquanto que o grupo de Brizola acreditava que dentro do Brasil iria, em curto prazo, aflorar um movimento contra o governo, o grupo militar não concordava com essa posição e afirmava que a revolução armada era a única forma de tomada do poder.

Este grupo preconizava a criação de uma estrutura clandestina, conduzida por uma liderança conhecida e atuando no Brasil. Para eles, a presença física de Brizola era a condição indispensável para o sucesso do movimento.

Essa posição constituiu-se no ponto de ruptura entre os dois grupos. A convicção revolucionária de Brizola não era tão grande a ponto de levá-lo a se expor fisicamente. Bem mais tranqüila era a sua "entusiasmada" participação na revolução brasileira tramada à sombra do asilo político no Uruguai.

Por outro lado, os ex-militares relutavam em aceitar a liderança de Brizola, em conseqüência dos repetidos fracassos de suas anteriores tentativas, qualificadas como aventuras irresponsáveis.

Em 20 de maio de 1966, realizou-se uma reunião do grupo militar na residência do ex-almirante Cândido de Assis Aragão, em Montevidéu, a fim de ser constituída uma organização que pudesse atuar clandestinamente no Brasil, o Movimento de Resistência Militar Nacionalista (MRMN).

Nessa reunião, ficou estabelecido que o MRMN desencadearia, inicialmente, uma série de atos terroristas contra alvos ligados aos interesses norte-americanos no Brasil. Numa fase seguinte, partiria para a eliminação física dos membros do "Peace Corps" e de outros norte-americanos, tachados de "agentes da CIA e do imperialismo". O MRMN apostava que os atos terroristas provocariam uma repressão violenta que, por sua vez, conduziria ao clima visado pela organização, denominado de "auto-defesa das massas". O movimento, a partir daí, ganhando mais adeptos, desaguaria na revolução armada, a partir de um movimento de guerrilhas bem constituído.

Da reunião de fundação do MRMN, participaram, dentre outros: o ex-almirante Cândido Aragão, o ex-general Henrique Cordeiro Oest, o ex-capitão da Aeronáutica Alfredo Ribeiro Daudt, o ex-coronel da Aeronáutica Emanoel Nicoll, Jaime de Araujo, Jacy Pereira Lima e o ex-Sargento da Aeronáutica Álvaro Moreira de Oliveira Filho.

Inicialmente, a chefia do MRMN coube ao ex-almirante Aragão. Posteriormente, por problemas de saúde, Aragão entregou o comando a Alfredo Ribeiro Daudt e a Emanoel Nicoll. Integrariam, o MRMN, os ex-militares exilados no Uruguai e em outros países, ex-militares cassados no Brasil e, clandestinamente, alguns militares ainda em serviço ativo, recrutados pelo aproveitamento do mote "nacionalismo", pensamento sempre presente na maioria dos militares. Para este fim, as bases do movimento seriam levadas ao Rio Grande do Sul, com a idéia de recrutar militares e civis, que participariam da organização formando "núcleos de resistência" em várias cidades do Brasil.

Em 26 de maio de 1966, o MRMN deu publicidade ao manifesto "Ao Povo Brasileiro", no qual transmitiu uma imagem hegemônica e imperialista do Brasil na América do Sul.

No início de junho, os "militares" do MRMN tentaram uma aproximação com o grupo sindical dos exilados. Os "militares" foram representados por Alfredo Ribeiro Daudt, Emanoel Nicoll e Jacy Pereira Lima, e os "sindicalistas" por Osvaldo Pacheco, Osmildo Stafford da Silva, Luiz Cláudio Braga Duarte e Dante Pelacani.

A tentativa não teve êxito. Os sindicalistas acreditavam que a atividade dos ex-militares prejudicava o trabalho que Dante Pelacani estava realizando em São Paulo, em ligação com Benedito Cerqueira e com a Federação Sindical Mundial.

Naquele mesmo dia de junho de 1966, o MRMN entrou em contato com o Comitê de Apoio a Cuba, a fim de obter o seu reconhecimento político.

Em 15 de junho, o ex-presidente João Goulart organizou, em sua residência, uma reunião com o MRMN, representado por Aragão, Daudt e Nicoll, da qual também participaram Darcy Ribeiro e Amaury Silva. Jango prometeu auxílio financeiro ao movimento e, tentando ficar acima dos grupos, criou um Comitê para coordená-los, integrado por Emanoel Nicoll, representando o grupo militar, por Dante Pelacani, o sindical, por Neiva Moreira, os brizolistas, e Darcy Ribeiro, representando o próprio Jango.

A movimentação do MRMN obrigou Brizola, que temia perder a sua condição de líder, a aceitar um novo contato com os ex-militares, no início de julho. E, novamente, o impasse causado pela idéia do MRMN de exigir a presença física de Brizola no Brasil provocou outro rompimento.

Paralelamente à atuação dos diversos grupos de exilados, uma outra organização destacava-se na época, a Associação dos Exilados Brasileiros no Uruguai (AEBU), que tinha o objetivo declarado de, indistintamente, prestar assistência aos refugiados brasileiros. Orientada pelas liderança de Jango e de Brizola, a AEBU obtinha recursos através da contribuição de alguns exilados e de colaboradores no Brasil, dentre os quais Doutel de Andrade.

O rompimento de Brizola refletiu-se na AEBU. Em 09 de julho de 1966, nas eleições para a sua nova diretoria, os elementos ligados a Brizola foram alijados. A nova direção ficou constituída por Cândido Aragão, na presidência, Alfredo Ribeiro Daudt, na 1ª secretaria, Álvaro Moreira Filho, na 2ª secretaria, Humberto Menezes Pinheiro como 1º tesoureiro, Arnaldo Magno de Araújo como 2º tesoureiro e Cesar Augusto Chefitelli como diretor de assistência social.

Debatendo-se em busca de reconhecimento político e de apoio financeiro, o MRMN saiu do imobilismo realizando, em 21 de outubro de 1966, um atentado à bomba contra o monumento do Barão do Rio Branco, em Montevidéu, executado por Gualter de Castro Mello, Tito Guimarães Filho e Arnaldo Magno de Araújo.

Em dezembro de 1966, a direção do MRMN decidiu mudar o nome da organização para Resistência Armada Nacionalista (RAN), que utilizava, como símbolo, uma rã. Com o objetivo de angariar o apoio financeiro do Partido Comunista Uruguaio (PCU) e da OLAS, a RAN pretendia lançar um manifesto assinado por Aragão nas principais capitais brasileiras e pichar muros para popularizar a nova sigla. Ficou prevista a ida de Aragão, Daudt e Arnaldo Magno de Araújo a Cuba, a fim de conseguir recursos para enviar seus militantes para realizar cursos de guerrilha em Cuba e na Coréia do Norte.

A nova RAN lutava para afirmar-se e ser reconhecida.


7.6 - O MOVIMENTO NACIONALISTA REVOLUCIONÁRIO (MNR) E AS GUERRILHAS DE CAPARAÓ E DO TRIÂNGULO MINEIRO

Para a 1ª Conferência Tricontinental de Havana, realizada em janeiro de 1966, Brizola, aspirando ser reconhecido como o grande líder da revolução brasileira, enviou um seu representante, Aluísio Palhano Pedreira Ferreira ("Aquiles", "Aurelio", "Joaquim"), ex-vice-presidente da extinta Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT).

Rompido com o grupo militar do MRMN e pressionado, de um lado, por Havana - para justificar os recursos financeiros que vinha recebendo - e, por outro, pelos seus seguidores - descontentes com a falta de um plano concreto para o retorno - Brizola criou, em 1966, o Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR).

Foi a primeira organização expressiva surgida após a revolução democrática de 31 de março de 1964. Apesar de algumas afinidades ideológicas e o mesmo sentimento de aversão ao governo revolucionário brasileiro, o MNR surgiu fora do quadro de luta interna das quatro grandes organizações comunistas então existentes (PCB, PCdoB, POLOP e AP).

Inspirados em Brizola, reuniram-se, para formar o MNR, militares cassados, dentre os quais muitos simpatizantes comunistas - oficiais e praças, políticos esquerdistas (filiados ou não a organizações comunistas) e alguns civis cassados. Todos, entretanto, estavam desiludidos com as opções tradicionais da esquerda brasileira, influenciados pela revolução cubana e inconformados com a humilhante derrota que as forças democráticas lhes impuseram.

Com a idéia de implantar a guerra de guerrilhas no campo com o apoio de um movimento urbano, o MNR articulou-se, basicamente, em dois núcleos: o primeiro, sediado em Montevidéu, que manipulava a organização, e o segundo, no Rio de Janeiro, onde se situaria o Comando Nacional. Havia, ainda, ligações em São Paulo, em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul.

De Montevidéu, Brizola chefiava as articulações, em companhia do seu assessor militar, o ex-Coronel do Exército Dagoberto Rodrigues, além de outros como Almino Afonso, Paulo Schilling, Almir Olimpio de Melo ("Paulo Melo"), José Guimarães Neiva Moreira e Moysés Kupperman.

No Rio de Janeiro, a direção era de Bayard Demaria Boiteaux, assessorado por Amadeu de Almeida Rocha, no campo político, e pelo ex-Capitão Juarez Alberto de Souza Moreira, no campo militar.

Havia, ainda, no Rio de Janeiro, um "colegiado de intelectuais" do qual faziam parte, dentre outros, Amadeu Thiago de Mello, Antonio Carlos Callado, Gabriel Obino, Otto Maria Carpeaux, Ana Araújo de Arruda Albuquerque e Maria Ignez da Costa Duque Estrada Bastos.

Em São Paulo, o dirigente era Alonso, com codinome "Sergio".

O jornalista Flávio Aristides de Freitas Tavares ("Felix", "Feliciano", "Dr Falcão") funcionava como pombo-correio entre o Brasil e o Uruguai.

Para a formação dos guerrilheiros, Brizola obteve o apoio de Cuba. O treinamento iniciava-se em Pando, no Uruguai, numa estância de propriedade de Izidoro Gutierrez, ex-vereador de Uruguaiana, ligado a Brizola. Os elementos selecionados eram enviados a Paris, via aérea, onde eram recebidos por Max da Costa Santos, que "legalizava" seus documentos. Daí, seguiam para Praga, onde um funcionário cubano os embarcava em aviões cubanos, em direção a Havana, via Islândia e Canadá.

Diversos ex-militares foram treinados em guerrilhas, durante cerca de três meses, na região de Pinar del Rio, em Cuba. Para o retorno, era utilizado o mesmo itinerário, em sentido inverso. De Montevidéu, já com documentos falsos, ingressavam no Brasil por ônibus, um a um, por infiltração.

A idéia inicial do "estrategista" Brizola era instalar três focos de guerrilhas. O primeiro seria no norte do Rio Grande do Sul, liderado pelo ex-Sargento Amadeu Felipe da Luz Ferreira. O segundo, no Brasil Central, sob a responsabilidade de Flávio Tavares. O terceiro foco localizar-se-ia em Mato Grosso, sob a orientação de Dagoberto Rodrigues. A morte do ex-Sargento Manoel Raimundo Soares, participante do primeiro grupo, provocou a transferência do foco guerrilheiro para a região de Caparaó, na Serra do Mar, nos limites entre os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, escolhida pela sua proximidade aos centros políticos e econômicos do País, o que poderia motivar e insuflar o movimento das massas urbanas.

Iniciada a infiltração dos "guerrilheiros" do MNR em novembro do ano anterior, os primeiros meses de 1967 constituíram-se num período de difícil sobrevivência. Obrigada a freqüentes mudanças de acampamentos, por questões de segurança, acossada pelo frio e precariamente apoiada por uma rede logística deficiente, a "Frente de Caparaó" veio a tornar-se no último fiasco - nunca assumido - de Brizola.

Após sobreviver com dificuldades, o grupo de menos de duas dezenas de homens que se encontrava na serra, orbitando em torno do Pico da Bandeira, veio a ser denunciado, ironicamente, pelos próprios habitantes locais, quando começou a roubar e a abater animais para não morrer de fome.

Em março, a Polícia Militar do Estado de Minas Gerais começou o cerco aos "guerrilheiros", assumindo a 4ª Região Militar, em seguida, o controle das operações.

No início de abril, já estavam todos presos, desde o "comandante" Amadeu Felipe da Luz Ferreira, passando pelo assessor militar Juarez Alberto de Souza Moreira, pelo assessor político Amadeu de Almeida Rocha, pela rede de apoio constituída de Hermes Machado Neto, Deodato Batista Fabrício, Itamar Gomes e Gregório Mendonça, até a "força de guerrilha" integrada por Araken Vaz Galvão, Avelino Bioni Capitani, Amarantho Jorge Rodrigues Moreira, Edval Augusto de Melo, Josué Cerejo Gonçalves, Gelcy Rodrigues Correia, Milton Soares de Castro, Jorge José da Silva e João Gerônimo da Silva. Outros quatro "guerrilheiros", José Carlos Bertoncelos, Dario Viana Reis, Alfredo Nery Paiva e Pedro Espinosa, seriam presos, mais tarde, no Rio Grande do Sul.

Enquanto isso, o jornalista Flávio Tavares que, pelo "esquema geral" de Brizola, estava encarregado de organizar as guerrilhas no Brasil Central, havia sido procurado em Brasília, em dezembro de 1966, por Jarbas Silva Marques, ex-militante do PC do B.

Jarbas dissera-lhe que havia um grupo em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, que havia saído do PC do B, após a sua VI Conferência de junho de 1966, e que desejava realizar ações de sabotagem, de guerrilha e de terrorismo. Dirigido pelo dentista Guaracy Raniero, que havia comparecido à Conferência, o grupo, com cerca de vinte elementos, estava isolado e buscava novos caminhos para atuar.

Flávio Tavares percebeu que poderia apresentar a Brizola um "grupo guerrilheiro" praticamente já constituído e desimcumbir-se, quase sem esforço, da missão que recebera. Foi ao Uruguai e, recebendo o "aprovo" de Brizola, retornou a Brasília, contatou com Jarbas da Silva Marques e, ambos, dirigiram-se a Uberlândia, na primeira quinzena de fevereiro de 1967.

Apresentado como o "Dr Falcão", Flávio Tavares reuniu-se com o grupo de Uberlândia no consultório de Guaracy Ribeiro, onde compareceram, além dos três citados, Taylor Silva, Carlos Maluf Wutke e Edmo de Souza.

Na ocasião, concretizou-se a vinculação do grupo de Uberlândia ao MNR de Brizola. Planejaram a obtenção de armas, assaltos a quartéis e o roubo de um carro pagador do DNER, a fim de conseguir recursos financeiros.

Em abril de 1967, Flávio Tavares recebeu, em Brasília, um "instrutor militar" enviado por Brizola, de nome José Carlos Vidal ("Carlos Mario", "Juca"), e encaminhou-o a Uberlândia, para ministrar instruções de sabotagem e de guerrilha. Desentendendo-se com o grupo, considerado de baixo nível político e ideológico, o "instrutor militar", depois de 10 dias, retornou a São Paulo.

Em fins de julho de 1967, o grupo foi desarticulado, com a prisão da maioria de seus componentes.

Dos dois núcleos - um no Rio de Janeiro e outro em São Paulo - estruturados pelo MNR para apoiar o "esquema geral" de Brizola, o do Rio foi duramente atingido. Bayard Demaria Boiteaux, preso, processado e condenado junto com outros "intelectuais de esquerda", assumiu toda a responsabilidade pelo comando do movimento no País.

Tendo Caparaó como o esforço principal, o MNR não conseguiu implantar os focos guerrilheiros de Mato Grosso e do Brasil Central.

Após o fracasso de Caparaó e a conscientização de Brizola de que não conseguiria criar ou apanhar a "onda" insurrecional em cuja crista pensava retornar ao Brasil, o MNR desmoronou e desarticulou-se.

Mesmo assim, conseguiu enviar dois representantes - Aluisio Palhano e José Anselmo dos Santos, o "Cabo Anselmo" - na I Conferência de Solidariedade dos Povos da América Latina (I COSPAL), da Oraganização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS), realizada entre 31 de julho e 10 de agosto de 1967, em Havana.

Mais tarde, com a liberação pela Justiça Militar de alguns representantes da "Frente de Caparaó", seria criada, em 1969, a nova Resistência Armada Nacionalista (RAN).

O núcleo de São Paulo, integrado por ex-militares como Darcy Rodrigues, Onofre Pinto, José Ronaldo Tavares de Lira e Silva, Pedro Lobo de Oliveira e outros, ligar-se-ia a dissidentes da POLOP e criaria, em 1968, a VPR.

Dos remanescentes do grupo do Triângulo Mineiro, Guaracy Raniero iria ao Uruguai, buscar contato com Brizola, enquanto que Jarbas Silva Marques integrar-se-ia, em 1969, ao Movimento de Ação Revolucionária (MAR).

Flávio Tavares, apesar do envolvimento na preparação do grupo guerrilheiro, ficou preso, apenas, por quatro meses.

F.Dumont

8 –IRMÃOS METRALHA – 8.1 – PARTE 1

Dentre as famílias que ingressaram na luta armada, uma delas, a "José de Carvalho", destacou-se pela violência dos cinco irmãos, Daniel ("Josué"), Derly ("Rui", "Alonso", "Antonio"), Devanir ("Henrique", "Justino", "Heitor"), Jairo ("Paulo") e Joel ("Gilberto", "Alberto"), apelidados, pela própria esquerda, de "Irmãos Metralha".

Os cinco, descontentes com os rumos do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), muito "pacífico" segundo eles, participaram do grupo que, em meados de 1966, deu origem à Ala Vermelha do PCdoB.

Em 1968, a AV/PCdoB criou o Grupo Especial Nacionalista Revolucionário (GENR), a fim de iniciar as ações violentas. E, é claro, lá estavam os "Irmãos Metralha".

A partir de fevereiro de 1968, o GENR iniciou a sua longa série de ações armadas em São Paulo, das quais pode-se relacionar:

- 08 Fev: 1º assalto ao carro-pagador do Banco da Lavoura de Minas Gerais, em Mauá, com o roubo de Cr$ 23.279,00;

- Mai: assalto ao Banco Francês e Italiano, com o roubo de centenas de milhares de cruzeiros, muito dinheiro para a época;

- 03 Jun: 2º assalto ao carro-pagador do Banco da Lavoura de Minas Gerais, em Capuava, com o roubo de Cr$ 87.200,00;

- 29 Jul: assalto ao Banco Nacional de Minas Gerais, em Guarulhos.

 Além desses assaltos para obter fundos, pode-se citar dezenas de carros roubados, utilizados nas atividades "revolucionárias" da organização.

Enquanto que Devanir era o mais violento, Derly era o mais intelectual. Ambos, no início de Fev 69, participaram, com mais 15 militantes, de uma reunião realizada num sítio próximo a São José dos Campos, em São Paulo, na qual a Ala Vermelha deixou de considerar-se como uma ala do PCdoB, assumiu o foquismo e constituiu-se numa nova organização militarista independente, agora oficialmente denominada de Ala Vermelha (AV). Derly, por seu preparo marxista, foi eleito um dos onze membros da Direção Nacional Provisória (DNP) e um dos cinco integrantes da Comissão Executiva Nacional (CEN).

Estruturada e com o nome definido, o GENR/AV reiniciou a sua série de ações armadas em São Paulo, no 1º semestre de 1969:

 - 15 Mar: seqüestro do soldado da FPESP Vandeir Gomes, a fim de que três militantes, que estavam em um Volks roubado, pudessem escapar de uma vistoria de carros em Osasco;

 - 17 Mar: assalto ao Banco F. Barreto, em Osasco, com o roubo de NCr$ 8.486,50;

 - 24 Mar: assalto frustrado ao carro-pagador do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Rua Manoel da Nóbrega;

 - 07 Abr: assalto ao Banco Francês-Italiano, na Avenida Utinga, em Santo André, com o roubo de NCr 17.396,00;

 - 01 Mai: invasão e tomada da Rádio Independência de São Bernardo do Campo, quando, numa atividade de propaganda armada, fizeram a transmissão de uma fita de 25 minutos gravada por Derly José de Carvalho, a propósito do Dia do Trabalho;

 - 05 Mai: assalto ao Banco de Crédito Nacional, na Rua Pacaembu, na Vila Paulicéia, em São Bernardo do Campo, quando roubaram NCr$ 248 mil; durante a ação, feriram, com coronhadas na cabeça, um guarda bancário e trocaram tiros com a segurança da Fábrica Mercedes Benz, localizada ao lado da agência;

 - 14 Mai: ato de sabotagem contra a Empresa de Ônibus Jurema, no Jardim Santo Amaro, com o lançamento de "coquetéis molotov" e o disparo de rajadas de metralhadora.

Das ações desse período, entretanto, pode-se destacar, como o mais sangrento, a de 14 Abr 69, quando Daniel, Derly e Devanir participaram do assalto a um carro-pagador do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Alameda Barão de Campinas, com o roubo de 20 milhões de cruzeiros antigos e o assassinato do motorista, Francisco Bento da Silva, e do guarda bancário, Luiz Ferreira da Silva.

A violência desmedida do GENR, encarnada nos "Irmãos Metralha", e a constante requisição de privilégios dentro da organização ocasionaram sérias divergências entre esse grupo e a DNP/AV.

Em meados de maio de 1969, a DNP realizou uma reunião numa casa localizada no Boqueirão da Praia Grande, em Santos, na qual a quase totalidade dos membros do GENR foi expulsa da AV, acusada por seu extremado caráter militarista e por não acatar as ordens da CEN.

A desgraça não veio pela metade. Alguns dias depois, em 26 Mai 69, foram presos oito dos militantes expulsos da AV, dentre os quais quatro dos "Irmãos Metralha": Daniel, Derly, Jairo e Joel. Como uma pequena amostra da violência, foram encontrados em seus "aparelhos": 91 "bananas" de dinamite, pequena quantidade de enxofre, clorato de potássio, nitrato de sódio, glicerina e pólvora, seis rolos de estopim, vários revólveres de diferentes calibres, grande quantidade de munição e um transmissor-receptor.

"Desempregados" e sem conseguirem permanecer em paz, os cerca de uma dezena de militantes expulsos resolveram reiniciar os assaltos, agora sob a temporária denominação de "Grupo do Devanir", o único irmão restante.

Depois de assaltar o carro-pagador do Banco da América do Sul, perto da Avenida 23 de Maio, com o roubo de cerca de 50 mil cruzeiros novos, o "Grupo do Devanir", em frente com a VAR-P e o "Grupo do Gaúcho" (grupo liderado por Plínio Petersen Pereira, expulso da AV no ano anterior), assaltou, na tarde de 23 Jul 69, o Bradesco da Rua Turiaçu, no bairro das Perdizes, que redundou no roubo de NCr$ 6,8 mil e no assassinato, com cinco tiros, do Sd PM Aparecido dos Santos Oliveira.

Ainda junto com o "Grupo do Gaúcho", mas agora com a participação da Resistência Democrática (REDE), o "Grupo do Devanir" assaltou, em 08 Ago 69, a agência da Light na Rua Siqueira Bueno, no bairro do Belém, com o roubo de NCr$ 14.557,00.

Em meados de Set 69, Devanir e seus asseclas compareceram a uma reunião em Campos de Jordão, a fim de decidirem se iriam formar uma nova organização ou se ingressariam na Vanguarda Armada Revolucionária - Palmares (VAR-P). Mais de uma dezena de militantes ingressaram na VAR-P e outros tantos - dentre eles Devanir - juntaram-se com o "Grupo do Gaúcho", de Plínio Petersen Pereira (que desligara-se da AV no ano anterior), e fundaram, nesse mesmo mês, o Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT).

Nessa nova organização, Devanir pôde livremente desenvolver seus apetites pela violência, com mais de duas dezenas de assaltos realizados em poucos meses.

Na madrugada de 06 Out 69, foi executada uma tentativa de assalto ao Supermercado Peg-Pag da Avenida Américo Brasiliense, em Santo Amaro, pela frente constituída pela REDE e pelo MRT. Devanir, o "Henrique", agora líder do MRT, havia comprado, dias antes, um caminhão Ford 48 onde pretendia transportar o cofre do supermercado. O caminhão, transportando areia e pneus velhos, tinha sido preparado para receber o impacto do cofre que seria atirado de uma janela do andar superior. De madrugada, quando a equipe de assaltantes dirigia-se para a área, o Volks dirigido por "Henrique" e guarnecido por Mocide Bucheroni ("Décio") e Ismael Andrade dos Santos ("Rogerio"), ambos da REDE, foi interceptado por uma viatura da rádio-patrulha (RP-208) que fazia o policiamento rotineiro. "Henrique" estacionou o veículo, sacou seu revólver .38 e aguardou. Quando o soldado da FPESP Abelardo Rosa de Lima, mais conhecido como "Rosani", casado e com uma filha menor, se aproximou da porta do motorista para pedir documentos, recebeu um tiro no peito. Bucheroni, complementando o serviço, saiu do carro e disparou uma rajada de metralhadora contra a vítima já agonizante e outra contra a viatura da rádio-patrulha. Da ação, que aumentou o rol das vítimas fatais do terror, participaram, também pela REDE, Eduardo Collen Leite ("Bacuri", "Basilio") e Walter Olivieri ("Daniel"). Pelo MRT, além de Devanir, Plínio Petersen Pereira ("Gaúcho", "Omar", "Marcos", "Raul", "Alex", "Guilherme", "Velho")

Waldemar Andreu ("Nestor", "Décio") e Armenio de Souza Rangel ("Rui", "Jair", "Américo").

No início da tarde de 14 Nov 69, a REDE - com "Bacuri", Walter Olivieri, Denise Peres Crispim ("Celia") e Elias Marijas Júnior ("Silvio", "Odilon") - e o MRT - com Devanir, Plínio Petersen e Waldemar Andreu - prosseguiram espalhando a morte e o terror. Assaltaram um táxi DKW, que havia sido contratado pelo Bradesco da Lapa para transportar dinheiro do INPS da Rua Venancio Aires, na Água Branca, com o roubo de NCr$ 30 mil. Mataram o guarda Orlando Girolo e feriram Eugenio Lopes Padilha, dos quais levaram os revólveres. Na fuga, perseguidos por segurança bancários, Devanir, que dirigia um Volks e levava "Bacuri" e Denise, atropelou um pedestre e, ao fazer uma curva em alta velocidade na Rua Padre Chico com a Barão do Bananal, bateu na trazeira de um caminhão de entregas da Coca-Cola. Impedido de prosseguir, o famigerado trio retirou, sob a ameaça das armas, o motorista de um carro que vinha atrás, dele apossando-se e completando a fuga.

Para encerrar o ano de 1969 com audácia, o MRT de Devanir, em frente com a ALN, a REDE e a VPR, realizou dois assaltos simultâneos ao Banco Itaú-América e ao Banco Mercantil de São Paulo, localizados na Avenida Brigadeiro Luiz Antonio, com o roubo de um total de quase 70 mil cruzeiros novos.

8.2 – PARTE 2

O ano seguinte, 1970, foi a concretização dos sonhos de Devanir: roubar e matar. No MRT, pôde ele destilar o ódio que sentia pelo governo militar, que insistia em manter seus quatro irmãos na prisão. Foram dezenas de ações armadas dessa pequenina mas violenta organização em São Paulo, aqui relacionadas apenas as principais:

 - 14 Jan: o MRT e a ALN assaltaram o carro-pagador do Banco Itaú, na Rua Dr Arnaldo;

 - Fev: o MRT e o POC assaltaram um banco na Lapa, com o roubo de NCr$ 7 mil;

 - 19 Fev: o MRT e o POC assaltaram a Caixa Econômica Federal, agência da Rua Joaquim Floriano, no Itaim-Bibi, em Pinheiros, com o roubo de NCr$ 45 mil;

 - 27 Fev: o MRT, a ALN e a REDE assaltaram o estacionamento SIDCAR, na Rua Afonso Sardinha, 501, com o roubo de três Vw que seriam usados no seqüestro do cônsul do Japão;

 - 11 Mar: o MRT, a VPR e a REDE seqüestraram o cônsul do Japão na Praça Buenos Aires (ver "Recordando a História", "O Seqüestro do Cônsul do Japão");

 - 25 Mar: o MRT, a ALN, a REDE, o POC, a VPR e o pequenino Movimento Revolucionário Marxista (MRM) assaltaram o Banco Itaú-América, agência da Rua Guaiapá, 420, na Vila Leopoldina, com o roubo de NCr$ 5 mil. Durante o assalto, aproximou-se do banco um carro-forte da Brink's. Fábio Oscar Marenco dos Santos ("Emilio", "Carlos", "Fabinho"), militante do POC, ficou assustado e fugiu com um Volkswagen da ação. Refletindo sobre as conseqüências de seu ato, Fábio resolveu retornar ao local para verificar o que ocorrera. Foi interceptado pelo carro de Devanir que lhe informou que os assaltantes tinham fugido a pé. Devanir, com a experiência de muitas ações anteriores, tinha rendido um dos guardas do carro-forte e facilitado a fuga da "gang";

 - 02 Mai: o MRT, a ALN, a REDE e o MRM assaltaram o depósito da Companhia de Cigarros Souza Cruz, na Avenida Lins de Vasconcelos, 3329, no Cambuci, com o roubo de NCr$ 120 mil; na ação, Eduardo Collen Leite ("Bacuri", "Basilio", "Rafael") assassinou o guarda de segurança João Batista de Souza;

 - 26 Mai: o MRT, a ALN, a REDE e a VPR assaltaram o Banco do Brasil, agência da Avenida Jabaquara, 424, perto da Vila Mariana, com o roubo de NCr$ 180 mil; dez militantes impediram o trânsito e, antes de entrarem na agência, realizaram diversos disparos de intimidação; na fuga, seqüestraram o gerente, soltando-o logo depois;

 - 11 Jul: o MRT e a ALN assaltaram o carro-pagador da Cooperativa de Consumo da Lapa, em frente à agência do Banco Nacional de Minas Gerais, na Rua Nossa Senhora da Lapa, com o roubo de NCr 106 mil; nessa ação, por determinação da ALN, "Bacuri" atirou contra dois militantes da própria organização, que haviam solicitado para não mais realizarem assaltos; Ari da Rocha Miranda ("Miguel") foi morto e enterrado por "Bacuri" na Estrada de Embu-Guaçu; Wilson Conceição Pinto ("Justo", "Jonas"), mesmo seriamente ferido, conseguiu fugir e entregou-se às autoridades;

 - 28 Jul: o MRT, a VPR e o MRM assaltaram a garagem da CMTC na Avenida Imperatriz Leopoldina, perto da CEASA, com o roubo de uma Kombi que transportava NCr$ 40.998,00;

 - 07 Set: o MRT, a ALN e a VPR realizaram várias ações de propaganda armada, a respeito do Dia da Independência; dentre elas, panfletagens em vários pontos da cidade e soltura de balões nos lugares mais ermos, com placas de isopor penduradas, contendo palavras-de-ordem comunistas;

- 15 Set: o MRT, a ALN e a VPR assaltaram um carro-forte da Brink's, na esquina da Rua Estados Unidos com a Rua Ouro Branco, no Jardim América, com roubo de NCr$ 480 mil; interromperam o trânsito, tirando as chaves de alguns carros que trafegavam no local; desfecharam seguidas rajadas de metralhadoras contra o carro-forte, ferindo gravemente os guardas de segurança Meyer Ramos dos Santos e Adilson Moraes e Silva;

- 14 Dez: o MRT, a ALN, a REDE, a VPR e a MRM realizaram um frustrado assalto a um outro carro-forte da Brink's, na Rua Paraíso, próximo à Praça Oswaldo Cruz; do mesmo modo que o assalto anterior, dispararam diversas rajadas de metralhadoras; o carro-forte, entretanto, arrancou em alta velocidade e conseguiu escapar do bloqueio; mesmo assim, dois guardas foram baleados e ficaram seriamente feridos: Moacir Rodrigues de Lima e Bertolino Ferreira de Souza.

Logo no início de 1971, em 13 Jan, Devanir alegrou-se quando soube que seus quatro irmãos presos faziam parte dos 70 militantes comunistas banidos para Santiago do Chile, em troca da vida do embaixador da Suíça. Passou a esperar que, em curto prazo, os "Irmãos Metralha" pudessem assaltar juntos novamente.

Mais confiante e no embalo do ano anterior, Devanir e seu MRT iniciaram o ano de 1971 dispostos a prosseguir com a trilha de sangue:

- 14 Jan: o MRT, a ALN, a VPR e a Organização Partidária Classe Operária Revolucionária (OPCOR) - novo nome do MRM - realizaram mais um assalto frustrado a um carro-pagador do Banco Itaú América, na Avenida Dr Arnaldo, no Sumaré; mais uma vez, o carro acelerou e furou o bloqueio;

- 18 Jan: num ato de vingança, o MRT e a ALN atacaram um estacionamento da Avenida Água Branca, 337, com rajadas de metralhadoras e coquetéis molotov jogados contra uma pequena casa; roubaram um Volks e diversas placas de automóveis; ficou ferido um motorista, vítima inocente;

- 22 Jan: o MRT, a ALN, a VPR e a OPCOR assaltaram uma Kombi que transportava valores do Banco Andrade Arnaud, na Rua Lavapés, no Cambuci, com roubo de cheques, uma carabina e dois revólveres;

- Jan: o MRT e a ALN assaltaram o Supermercado Pão de Açúcar, na Rua São Gabriel, em Santo Amaro;

- 30 Jan: o MRT, a ALN e a OPCOR assaltaram o Supermercado Pão de Açúcar da Rua Maestro Elias Lobo, 1031, no Jardim Paulista, com o roubo do cofre com NCr$ 15 mil;

- 30 Jan: o MRT, a ALN, a VPR e a OPCOR assaltaram o Supermercado Peg-Pag da Rua São Gabriel, em Santo Amaro, com o roubo de NCr$ 4,5 mil e seis litros de whisky;

- 04 Fev: o MRT, a ALN e a OPCOR assaltaram o Supermercado Pão de Açúcar da Rua São Gabriel, esquina com a Rua Maestro Elias Lobo;

- 06 Fev: o MRT e a ALN assaltaram o Supermercado Fioreto, na Rua Silva Bueno, 373, no Ipiranga, com o roubo de NCr$ 8 mil;

- 10 Fev: o MRT, a ALN, a VPR e a OPCOR assaltaram a Metalúrgica Mangells Industrial, na Avenida Presidente Wilson, 1886, no Ipiranga, com o roubo de NCr$ 270 mil, duas carabinas e um revólver;

- 19 Fev: o MRT assaltou a firma de máquinas tipográficas "Autêntica - Equipamentos e Máquinas", na Estrada do Vergueiro, 5520, com o roubo de uma "off-set", uma copiadora, 60 caixas de matrizes e produtos químicos, num valor estimado de NCr$ 100 mil;

- 06 Mar: o MRT e a ALN assaltaram o Banco do Comércio e Indústria localizado no interior da Indústria de Aço Villares, na Estrada do Vergueiro, 2.000, em Rudge Ramos, com o roubo de NCr$ 80 mil;

- 29 Mar: o MRT e a ALN realizaram dois assaltos simultâneos: um, à "Joalheria Milton Bottura e Miranda", na Rua Oscar Freire, 2563, esquina com a Rua Amália Noronha, com roubo de NCr$ 300 mil; o outro, à "Joalheria Divina", na Rua Amália Noronha, 181, perto do Alto do Sumaré, com o roubo de NCr$ 150 mil em jóias e relógios da marca "Rolex";

- 30 Mar: o MRT, a ALN e o MR-8 tentaram executar uma ação que, segundo eles, ganharia repercussão internacional e "comemoraria" a data dos 7 anos da Revolução de Março: a explosão, por dinamite, da ponte sobre o Rio Tietê, no bairro do Jaguaré; interditaram as duas extremidades da ponte, soltaram panfletos e dispararam contra carros e ônibus que passavam, ferindo o motorista Carlos Toshiako Kawaara; tomaram as chaves de quatro automóveis e as jogaram no rio, roubando-lhes as placas; finalmente, retiraram-se deixando uma carga explosiva que destruiria a ponte; entretanto, por uma falha no dispositivo de acionamento, a bomba não explodiu.

Passado o aniversário da Revolução, o MRT pretendia continuar com a sua tresloucada série de crimes. Entretanto, a ação dos órgãos de segurança impediu o surgimento de mais vítimas inocentes.

Em 03 Abr 71, foram presos os militantes do MRT Antonio André Camargo Guerra ("Marcio", "Rafael", "Fernando", "Homero", "Alexandre") e Domingos Quintino dos Santos ("Camponês", "Juvêncio", "Anastácio", "Germano"). Seu "aparelho", na Rua Cruzeiro, 1111, na Barra Funda, foi ocupado pela polícia. Na manhã do dia 05 Jul, ao chegar no "aparelho", Devanir recebeu voz de prisão. Reagiu a tiros e morreu baleado.

O fim do "Henrique" acelerou o fim do MRT. Em 15 Abr, o MRT, numa ação de justiçamento e vingança pela morte de seu líder, assassinou, junto com a ALN, o industrial Henning Albert Boilesen (ver "Recordando a História", "O Assassinato de Boilesen"). Um mês depois, em 20 Mai, para conseguir dinheiro para as fugas, militantes do destroçado MRT realizaram a última ação armada dessa organização, assaltando o Banco do Comércio e Indústria de São Paulo, em Cubatão, com o roubo de NCr$ 58 mil.
A curta história do MRT confunde-se com a história de "Henrique", o Devanir José de Carvalho. Só ele, ao longo de sua trajetória de crimes no PCdoB, na AV e no MRT, cometeu mais de 30 assaltos e um seqüestro, além de, direta ou indiretamente, ter cometido seis assassinatos e causado dezenas de feridos. Na realidade, restrito à capital paulista, o MRT nunca passou de um bando armado, com pouco mais de uma dezena de militantes, orbitando em torno do "Henrique".

 Dos quatro "Irmãos Metralha" banidos, dois deles, Daniel e Joel, estão na lista dos desaparecidos. Parcela da imprensa brasileira diz que, em 11 Jul 74, no Hotel Burnes, em Buenos Aires, Onofre Pinto, um dos dirigentes da VPR, despediu-se de sua mulher, Idalina, e viajou para São Paulo, junto com Daniel, Joel, Vitor Carlos Ramos e o argentino Enrique Ernesto Ruggia. No meio do caminho, os cinco comunistas teriam sido presos clandestinamente, mortos e enterrados num sítio próximo a Medianeira, no Paraná. Segundo alguns de nossos jornais, eles foram vítimas de uma tal de "Operação Condor".
Os dois últimos "Irmãos Metralha" tiveram melhor sorte.

O "intelectual" Derly, foi ou ainda é assessor da Associação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Autogestão (ANTEAG).

Jairo, por sua vez, vive em Paris e é dono de um restaurante de comida brasileira, especializado em feijoadas ...

F. Dumont

9 - O ATENTADO DO AEROPORTO DE GUARARAPES

Em 1966, dois anos depois da Revolução Democrática de 31 de Março, a Nação brasileira empenhava-se em reerguer o País, após o caos dos primeiros anos da década de 60. 

Entretanto, uma pequena minoria inconformada, constituída pelos comunistas e pelos corruptos que haviam sido alijados da vida política nacional, procurava reorganizar-se e, de qualquer maneira, expressar seu descontentamento

Recife, a capital pernambucana, foi a escolhida para ser o cenário inicial de uma nova forma de luta - o terrorismo - que, por muitos anos, viria a ensangüentar e a enlutar a sociedade brasileira. 

O 31 de Março de 1966 amanhecia com sol. O povo pernambucano e as autoridades já estavam reunidos no Parque 13 de Maio, aguardando o início das comemorações do segundo ano da Revolução. 

Nesse momento, exatamente às 0847h, ocorria violenta explosão no 6º andar do edifício dos Correios e Telégrafos, onde funcionavam os escritórios regionais do SNI e da Agência Nacional.

Ao mesmo tempo, uma segunda explosão atingia a residência do Comandante do IV Exército.

Mais tarde, seria encontrada uma terceira bomba, falhada, num vaso de flores da Câmara Municipal de Recife, onde havia sido realizada uma sessão solene em comemoração à Revolução Democrática.

Três bombas montadas para, num só momento, atingir personalidades e entidades representativas do governo brasileiro. Iniciava-se a guerra suja.

Entretanto, a bomba falhada no legislativo municipal deveria estar incomodando os terroristas e estar sendo vista como um parcial fracasso de execução.

Assim é que, em 20 de Maio de 1966, 50 dias após esse ensaio geral, foram lançadas outras três bombas - dois "coquetéis molotov" e um petardo de dinamite, contra os portões da Assembléia Legislativa de Pernambuco.

A Nação, estarrecida, vislumbrava tempos difíceis que estavam por vir.

Em 25 de Julho de 1966, uma nova (terceira) série de três bombas, com as mesmas características das anteriores, sacode Recife. Uma, na sede da União de Estudantes de Pernambuco, ferindo, com escoriações e queimaduras no rosto e nas mãos, o senhor José Leite, de 72 anos, vítima inocente que passava pelo local. Outra, nos escritórios do Serviço de Informações dos Estados Unidos (USIS), causando, apenas, danos materiais. A terceira bomba, entretanto, acarretando vítimas fatais, passou a ser o marco balizador do início da luta terrorista no Brasil.

Nessa manhã de 25 de julho de 1966, o Marechal Costa e Silva, então candidato à Presidência da República, era esperado por cerca de 300 pessoas que lotavam o Aeroporto Internacional dos Guararapes.

Às 0830h, poucos minutos antes da previsão de chegada do Marechal, o serviço de som anunciou que, em virtude de pane no avião, ele estava deslocando-se por via terrestre de João Pessoa até Recife e iria, diretamente, para o prédio da SUDENE.

 Esse comunicado provocou o início da retirada do público.

O guarda-civil Sebastião Tomaz de Aquino, o "Paraíba", outrora popular jogador de futebol do Santa Cruz, percebeu uma maleta escura abandonada junto à livraria "SODILER", localizada no saguão do aeroporto. Julgando que alguém a havia esquecido, pegou-a para entregá-la no balcão do DAC. 

Ocorreu uma forte explosão.

O som ampliado pelo recinto, a fumaça, os estragos produzidos e os gemidos dos feridos provocaram o pânico e a correria do público.  Passados os primeiros momentos de pavor, o ato terrorista mostrou um trágico saldo de 17 vítimas.  

Morreram o jornalista e secretário do governo de Pernambuco Edson Regis de Carvalho, casado e pai de cinco filhos, com um rombo no abdômen, e o vice-almirante reformado Nelson Gomes Fernandes, com o crânio esfacelado, deixando viúva e dois filhos menores.

O guarda-civil "Paraíba" feriu-se no rosto e nas pernas, o que resultou, alguns meses mais tarde, na amputação de sua perna direita.

O então Tenente-Coronel do Exército, Sylvio Ferreira da Silva, sofreu fratura exposta do ombro esquerdo e amputação traumática de quatro dedos da mão esquerda.

Ficaram, ainda, feridos os advogados Haroldo Collares da Cunha Barreto e Antonio Pedro Morais da Cunha, os funcionários públicos Fernando Ferreira Raposo e Ivancir de Castro, os estudantes José Oliveira Silvestre, Amaro Duarte Dias e Laerte Lafaiete, a professora Anita Ferreira de Carvalho, a comerciária Idalina Maia, o guarda-civil José Severino Pessoa Barreto, o Deputado Federal Luiz de Magalhães Melo e Eunice Gomes de Barros e seu filho, Roberto Gomes de Barros, de apenas seis anos de idade.

O acaso, transferindo o local de chegada do futuro Presidente, impediu que a tragédia fosse maior.

O terrorismo indiscriminado, atingindo pessoas inocentes e, até, mulheres e crianças, mostrou a frieza e o fanatismo de seus executores. Naquela época, no Recife, apenas uma organização subversiva, o Partido Comunista Revolucionário (PCR), defendia a luta armada como forma de tomada do poder. Dois comunistas foram acusados de envolvimento no ato terrorista: um, Edinaldo Miranda de Oliveira, militante do Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR) e que, em 1986, era professor de Engenharia Elétrica em Recife, e o outro era Ricardo Zaratini Filho, então militante do PCR e atual assessor parlamentar da liderança do PDT na Câmara Federal.

Entretanto, nunca foi possível determinar, exatamente, os autores dos atentados. Não havia, ainda, no País, órgãos de segurança especializados no combate ao terror. 
Em 18 Mai 99, em entrevista ao jornal "O Estado de São Paulo, o Comandante do Exército, Gen Ex Gleuber Vieira, declarou a respeito da reabertura do caso Riocentro: "Nós nunca pensamos em pedir reabertura de inquérito envolvendo personalidades da vida nacional de hoje que, no passado, estiveram envolvidos em assalto a bancos, seqüestros, assassinatos e em atos de terrorismo. Nós não cogitamos pedir a reabertura do inquérito nem mesmo quando uma dessas personalidades declarou que sabia quem tinha posto uma bomba no aeroporto do Recife."
          Um ano depois do atentado, em 25 Jul 67, foi inaugurada no Aeroporto uma placa de bronze com os seguintes dizeres:

"HOMENAGEM DA CIDADE DO RECIFE AOS QUE TOMBARAM NESTE AEROPORTO DOS GUARARAPES, NO DIA 25 DE JULHO DE 1966, VITIMADOS PELA INSENSATEZ DOS SEUS SEMELHANTES.
               - ALMIRANTE NELSON FERNANDES
               - JORNALISTA EDSON REGIS
GLORIFICADOS PELO SACRIFÍCIO, SEUS NOMES SERÃO SEMPRE LEMBRADOS RECORDANDO AOS PÓSTEROS O VIOLENTO E TRÁGICO ATENTADO TERRORISTA, PRATICADO À SORRELFA PELOS INIMIGOS DA PÁTRIA."

Não sabemos se essa placa ainda permanece no aeroporto ou foi retirada ou, mesmo, substituída por homenagens aos comunistas.
Hoje, os terroristas daquela época, arvorando-se em "heróis" libertários, afirmam que o que fizeram foi uma reação à "violência" do Governo brasileiro. Intencionalmente, procuram deturpar a História e levar ao esquecimento as vítimas que causaram em sua sanha fratricida, dentre elas, as de 1966.
Passaram-se 38 anos.
 Mas as bombas de Recife e o atentado de Guararapes não serão esquecidos.

Eis as fotos do terror.

 image015

image016

 image017

image018

 image019

image020

image021

image022 

 image023

image024

 image025

image026

F.DUMONT

10 - O ATENTADOAO QG DO II EXÉRCITO

 

Em 1969, o jovem Mário Kosel Filho, conhecido em sua casa como "Kuka", é convocado para servir à Pátria e defendê-la contra possíveis agressões internas ou externas e é designado para o Quartel General do II Exército, em São Paulo/SP.

Na mesma época, o Capitão Carlos Lamarca, formado pela Academia Militar das Agulhas Negras, serve no 4º RI, em Quitaúna/SP.

O destino dos dois vai se cruzar tragicamente.

A época é difícil, pois brasileiros pertencentes à organizações terroristas tentam, através da luta armada, implantar uma ditadura comunista no Brasil.

O Capitão Lamarca, no dia 24/01/69, trai a Pátria que jurou defender. Rouba do 4º RI muitos fuzis, metralhadoras e munição, deserta e entra na clandestinidade. O material bélico roubado é entregue à Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), uma organização terrorista que Lamarca já integrava, antes de desertar.

O soldado Kosel continua servindo, com dedicação, aPátria que jurou defender. No dia 26/06/68, como sentinela, zela pela segurança do Quartel General, no Ibirapuera. Às 0430h, ele está, vigilante em sua guarita. A madrugada é fria e a visibilidade muito pouca. Nesse momento, um tiro é disparado por uma sentinela contra uma camioneta chevrolet que desgovernada tenta penetrar no quartel. Seu motorista saltara dela em movimento, após acelerá-la e direcioná-la para o portão do QG. O soldado Rufino, também sentinela, dispara 6 tiros contra o mesmo veículo que finalmente bate na parede externa do quartel. Kozel sai do seu posto e corre em direção ao carro para ver se há alguém no seu interior. Há uma carga com 50 quilos de dinamite que, em segundos depois, explode e espalha destruição e morte num raio de 300 metros. Seu corpo é dilacerado. Seis militares ficaram feridos: o Cel Eldes de Souza Guedes e os soldados João Fernandes de Souza, Luiz Roberto Juliano, Edson Roberto Rufino, Henrique Chaicowski e Ricardo Charbeau. É mais um ato terrorista da organização chefiada por Lamarca, a VPR.

Participaram deste crime hediondo os seguintes onze terroristas: Waldir Carlos Sarapu ("Braga, "Rui"), Wilson Egídio Fava ("Amarelo", "Laercio"), Onofre Pinto ("Ari", "Augusto", "Bira", "Biro", "Ribeiro"), Eduardo Collen Leite ("Bacuri", "Basilio"), Diógenes José Carvalho de Oliveira ("Leandro", "Leonardo", "Luiz", "Pedro"), José Araújo de Nóbrega ("Alberto", "Zé", "Pepino", "Monteiro"), Oswaldo Antônio dos Santos ("Portuga"), Dulce de Souza Maia ("Judith"), Renata Ferraz Guerra de Andrade ("Cecília", "Iara"), José Ronaldo Tavares de Lira e Silva ("Dias", "Joaquim", "Laurindo", "Nunes", "Roberto Gordo", "Gordo") e Pedro Lobo de Oliveira ("Getúlio", "Gegê").

Após a sua morte o soldado Kosel foi promovido a 3º sargento e sua família passou a receber a pensão correspondente a este posto. O Exército Brasileiro numa justa homenagem colocou o seu nome na praça de desfiles do QG do II Exército.

Lamarca continuou na VPR seqüestrando, assaltando, assassinando e praticando vários outros atos terroristas, até o dia em que morreu, de arma na mão, enfrentando uma patrulha do Exército que o encontrou no interior da Bahia em 1971. Sua família passou também a receber a pensão militar correspondente.

Apesar de todos os crimes hediondos que cometeu, sendo o mais torpe deles o assassinato a coronhadas de seu prisioneiro tenente PM Alberto Mendes Júnior, Lamarca é apontado como herói pelos esquerdistas brasileiros. Ruas passam a ter seu nome. Tentam colocar seus restos mortais num Mausoléu na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Um filme é feito para homenageá-lo.

Mário Kosel Filho, soldado cumpridor dos seus deveres, cidadão brasileiro que morreu defendendo a Pátria, está totalmente esquecido. Além do esquecimento a Comissão dos Mortos e Desaparecidos que já concedera vultosas indenizações às famílias de muitos terroristas que nunca foram considerados desaparecidos, resolveu indenizar, também, a família Lamarca, numa evidente provocação às Forças Armadas e desrespeito ás famílias de Mário Kosel Filho e de muitos outros que como ele morreram em conseqüência de atos terroristas.

Essa Comissão generosamente distribui o dinheiro do contribuinte apenas àqueles que morreram tentando, através da força das armas, tornar o Brasil um satélite comunista.

 image027

Bomba QG II Ex

 image028

Bomba QG II Ex – Rua da Consolação

 image029

Corpo destroçado do
Soldado Kozel
– QG II Ex

11 - ASSASSINATO DE UM MAJOR DO EXÉRCITO DA ALEMANHA

O 1º semestre do ano de 1968 foi um misto de continuísmo e de novidades em relação aos dois anos anteriores.
Continuaram as explosões de bombas, com algumas dezenas espalhando o terror nas principais capitais brasileiras. Continuaram, também, as passeatas estudantis, conduzidas por líderes comunistas, a causarem depredações do bem público e enfrentamentos com a polícia, com mortos e feridos de lado a lado.
Entretanto, um novo fator iria modificar radicalmente o quadro subversivo no país. As grandes e tradicionais organizações comunistas, atingidas pelo fenômeno da atomização, começaram a dar origem a diminutas mas numerosas organizações, nas quais a luta armada constituía-se na única alternativa para a derrubada do regime militar. O foquismo, teoria centrada nas idéias de Regis Debray e na experiência cubana, preconizava o aparecimento de pequenos grupos, de focos, de "heróis comunistas" que, desencadeando a "violência revolucionária", fariam com que as massas os seguissem e apoiassem a revolução.
Desse modo, surgiram, dentre outras, a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), o Agrupamento Comunista de São Paulo (AC/SP) de Marighella - futura Ação Libertadora Nacional (ALN), o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), a Ala Vermelha do Partido Comunista do Brasil (AV/PCdoB) e o Partido Operário Comunista (POC). Em Minas Gerais e na então Guanabara, dissidentes da Política Operária (POLOP) criaram, em abril de 1968, uma Organização Político-Militar (OPM), três meses depois oficialmente denominada de Comando de Libertação Nacional (COLINA).
Essas novas organizações, determinadas a deporem o governo pela força das armas e a implantarem no Brasil um regime comunista, necessitavam, além do componente político, uma estrutura do tipo militar, ágil e violenta, o que exigia um apoio logístico adequado e sistemático, alimentado por dinheiro e escudado pelas armas. Foi assim que surgiram, nesse ano de 1968, os primeiros assaltos a bancos, a carros-pagadores, a quartéis e a sentinelas.
Na então Guanabara, um grupo de ex-militares, que entraria poucos meses depois para o COLINA, iniciou os assaltos para roubo de armas. Em 17 Mar 68, Severino Viana Callou ("Ivan", "Viana"), ex-sargento da PM/GB, Antonio Pereira Mattos ("Ceará") e Valter Fernandes Araujo assaltaram o Museu do Exército na Praça da República, baleando o sentinela e roubando o seu FAL 7,62. Antonio Pereira Mattos, fardado de militar do Exército, não teve nenhum pejo em atirar contra seu próprio colega. Em 23 de maio, o mesmo grupo roubou a pistola .45 do sentinela da Base Aérea do Galeão.E foi esse mesmo grupo que inaugurou, na luta suja contra a democracia, uma forma aviltante de assassinato: o denominado "justiçamento", eufemismo criado para tentar justificar crimes planejados, pretensamente legalizados por um pseudo "tribunal revolucionáro" e executados "a sangue frio".
Nessa época, começava a despontar o mito de Chê Guevara, morto em 08 Out 67, nas selvas bolivianas. E as organizações subversivas, ávidas em desencadear a "violência revolucionária", buscavam alvos compensadores.
Esse pequeno grupo, integrado por futuros militantes do COLINA, descobriu que o capitão do Exército da Bolívia, Gary Prado, apontado como o matador do Chê, estava estudando na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), na Praia Vermelha. Além de um alvo compensador, seu assassinato serviria para aplacar a sede de vingança dos comunistas de toda a América Latina
Em 01 Jul 68, uma segunda-feira, três integrantes desse grupo, depois de um rápido e sumário levantamento, passaram a seguir, em um Volks de cor gelo, um aluno estrangeiro da ECEME, apontado como sendo o alvo Gary Prado. Na Rua Engenheiro Duarte, na Gávea, dois assassinos desceram do carro e dispararam dez tiros na vítima, que caiu de bruços na guia da calçada, em frente ao auto Chevrolet 27-42-86. Sua pasta de couro marrom desapareceu, levada pelos terroristas.
Morria, naquele instante, simplesmente por engano, o major do Exército da Alemanha, Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen, que também estudava na ECEME.
Foi o primeiro justiçamento de uma futura série de quase duas dezenas.
 Na época, o crime foi atribuído a marginais comuns. Só mais tarde é que veio a se descobrir que o alvo era outro e que o assalto havia sido praticado por comunistas.
Dos três assassinos, foram descobertos Severino Viana Callou e João Lucas Alves

("Alfredo", "Roberto"), ex-sargento da Aeronáutica. .
Tudo ainda muito pouco satisfatório para uma família alemã ...
F. Dumont

12 - ASSASSINATO DO CAP CHARLES RODNEY CHANDLER

Em 1968, as ações de guerrilha urbana perdiam-se no anonimato de seus autores e, muitas vezes, eram, até, confundidas com as atividades de simples marginais. De acordo com os dirigentes de algumas organizações militaristas, já havia chegado o momento certo para a população tomar conhecimento da luta armada revolucionária em curso, o que poderia ser feito através de uma ação que repercutisse no Brasil e no exterior.
Em setembro, Marco Antônio Braz de Carvalho, o "Marquito", homem de confiança de Carlos Marighela - que dirigia o Agrupamento Comunista de São Paulo (AC/SP), futura Ação Libertadora Nacional (ALN) -, e que fazia a ligação com a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), levou para Onofre Pinto ("Augusto"; "Ribeiro"; "Ari"; "Bira"; "Biro"), então coordenador geral da VPR, a possibilidade de realizar uma ação de "justiçamento".
O Capitão do Exército dos EUA, Charles Rodney Chandler, com bolsa concedida pela "George Olmsted Foundation", era aluno da Escola de Sociologia e Política da Fundação Álvares Penteado, com previsão de terminar o curso em novembro daquele ano. Chandler morava na cidade de São Paulo, com a esposa, Joan, e seus três filhos, Jeffrey, de 4 anos, Todd, de 3 anos, e Luanne, de 3 meses. Entretanto, segundo os "guerrilheiros", Chandler era um "agente da CIA" e "encontrava-se no Brasil com a missão de assessorar a ditadura militar na repressão".
No início de outubro, um "tribunal revolucionário", integrado por três dirigentes da VPR, Onofre Pinto, como presidente, e João Carlos Kfouri Quartim de Morais ("Manoel"; "Mané"; "Maneco") e Ladislas Dowbor ("Jamil"; "Nelson"; "Abelardo"), como membros, condenou o Capitão Chandler à morte.
Através de levantamentos realizados por Dulce de Souza Maia ("Judit"), apurou-se, sobre a futura vítima, seus horários habituais de entrada e saída de casa, costumes, roupas que costumava usar, aspectos de sua personalidade e dados sobre os familiares e sobre o local em que residia, numa casa da Rua Petrópolis, nº 375, no tranqüilo e bucólico bairro do Sumaré, em São Paulo.
Escolhido o "grupo de execução", integrado por Pedro Lobo de Oliveira ("Getúlio"; "Gegê"), Diógenes José Carvalho de Oliveira ("Luiz"; "Leandro"; "Leonardo"; "Pedro") e Marco Antônio Braz de Carvalho, nada mais é convincente, para demonstrar a frieza do assassinato, do que transcrever-se trechos do depoimento do próprio Pedro Lobo de Oliveira, um dos criminosos, publicado no livro "A Esquerda Armada no Brasil", de A. Caso:

"Como já relatei, o grupo executor ficou integrado por três companheiros: um deles levaria uma pistola-metralhadora INA, com três carregadores de trinta balas cada um; o outro, um revólver; e eu, que seria o motorista, uma granada e outro revólver. Além disso, no carro estaria também uma carabina M-2, a ser utilizada se fôssemos perseguidos pela força repressiva do regime. Consideramos desnecessária cobertura armada para aquela ação. Tratava-se de uma ação simples. Três combatentes revolucionários decididos são suficientes para realizar uma ação de justiçamento nessas condições. Considerando o nível em que se encontrava a repressão, naquela altura, entendemos que não era necessária a cobertura armada."
A data escolhida para o crime foi a de 08 de outubro, que assinalava o primeiro aniversário da morte de Guevara. Entretanto, nesse dia, Chandler não saiu de casa e os três terroristas decidiram "suspender a ação".
Quatro dias depois, em 12 de outubro de 1968, chegaram ao local às 7 horas. Às 0815h, Chandler dirigiu-se para a garagem e retirou o seu carro, um Impala placa 481284, em marcha a ré. Enquanto seu filho de 4 anos abria o portão, sua esposa aguardava na porta da casa, para dar-lhe o adeus. Não sabia que seria o último.
Os terroristas avançaram com o Volks, roubado dias antes, e bloquearam o caminho do carro de Chandler. No relato de Pedro Lobo, "nesse instante, um dos meus companheiros saltou do Volks, revólver na mão, e disparou contra Chandler". Era Diógenes José Carvalho de Oliveira, que descarregava, à queima roupa, os seis tiros de seu Taurus de calibre .38.
 E prossegue Pedro Lobo, que dirigia o Volks:
"Quando o primeiro companheiro deixou de disparar, o outro aproximou-se com a metralhadora INA e desferiu uma rajada. Foram catorze tiros. A décima quinta bala não deflagrou e o mecanismo automático da metralhadora deixou de funcionar. Não havia necessidade de continuar disparando. Chandler já estava morto. Quando recebeu a rajada de metralhadora emitiu uma espécie de ronco, um estertor, e então demo-nos conta de que estava morto".
Quem portava a metralhadora era Marco Antônio Braz de Carvalho.
A esposa e o filho de Chandler gritaram. Diógenes apontou o revólver para o menino que, apavorado, fugiu correndo para a casa da vizinha.
Os três terroristas fugiram no Volks, em desabalada carreira, deixando, no local do crime, cinco panfletos:
- "Justiça revolucionária executa o criminoso de guerra no Vietname, Chandler, e adverte a todos os seus seguidores que, mais dia menos dia, ajustarão suas contas com o Tribunal Revolucionário."
 - "O assassinato do Comandante Chê Guevara, na Bolívia, foi cometido por ordem e orientação de criminosos de guerra como este Chandler, agente imperialista notório, e responsável pela prática de inúmeros crimes de guerra contra o povo do Vietname."
- "O único caminho para a revolução no Brasil é a luta armada."
- "A luta armada é o caminho de todo revolucionário no Brasil."
- "Criar um, dois, três, vários Vietnames."
Semelhantes a esse cruel assassinato, muitos outros atos ainda viriam a tingir de sangue o movimento comunista no Brasil.                                                                                                                                                                      

F. Dumont

 image031

 image033                                             

Cap. Chandler covardemente assassinado, quando retirava o seu veículo da garagem

image035

Cap Chandler com o corpo perfurado por rajadas de metralhadora

 
13 - O ROUBO DO COFRE DO ADEMAR – 13.1 – A FORMAÇÃO DA VAR- P

Em meados de 1969, duas organizações de linha foquista, a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e o Comando de Libertação Nacional (COLINA) debatiam-se sufocadas pelo cerco dos órgãos de segurança. Esprimidas entre os sucessos dos atos terroristas e dos assaltos a bancos e as amarguras da prisão de dezenas de seus militantes, ambas buscaram, na fusão, um modo de rearticularem-se, formando uma única organização, mais poderosa e de âmbito quase nacional.
Assim é que, em junho e em julho, em duas casas do litoral paulista, respectivamente, em Peruíbe e em Mongaguá, os dois comandos nacionais realizaram a denominada Conferência de Fusão, em cujo Informe, datado de 07 de julho, já aparecia o nome da nova organização, a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P), que iria, também, ganhar a adesão de militantes da Dissidência do Partido Comunista Brasileiro de São Paulo (DI/SP).
Foi eleito o seguinte Comando Nacional (CN), três oriundos de cada organização: Carlos Lamarca, Antônio Roberto Espinosa e Cláudio de Souza Ribeiro, da VPR, e Juarez Guimarães de Brito, sua esposa Maria do Carmo Brito e Carlos Franklin Paixão Araújo, do COLINA.
Apesar da fusão ter sido concretizada, as discussões da conferência não foram tranqüilas, transcorrendo num clima tenso e, por vezes, tumultuado. Os "massistas" oriundos do COLINA, melhor preparados politicamente, criticavam os "militaristas" da VPR, pelo "imediatismo revolucionário" que defendiam. Ao mesmo tempo, entrando com 55 milhões de cruzeiros e um grande arsenal de armas, munições e explosivos, os oriundos da VPR sentiam-se moralmente fortalecidos, em face do nenhum dinheiro e das duas metralhadoras Thompson e quatro pistolas trazidas pelo COLINA.
Entretanto, tudo foi esquecido quando Juarez Guimarães de Brito apresentou o seu trunfo, o planejamento da " ação grande", que poderia dar, à nova VAR-P, sua independência financeira.

                                                        
13.2 – A GRANDE AÇÃO
Gustavo Buarque Schiller, o "Bicho", era um secundarista da então Guanabara que havia participado das agitações estudantis de 1968 e, através de militantes do diminuto Núcleo Marxista Leninista (NML), havia-se ligado ao COLINA. De família rica, morava no bairro de Santa Tereza, próximo à casa de seu tio, o médico Aarão Burlamaqui, que a havia cedido para ser a residência de sua irmã - tia do "Bicho", Anna Gimel Benchimol Capriglione, tida como sendo a "amante do Adhemar", ex-Governador de São Paulo. Ao ouvir que no cofre do casarão de sua tia, que morava na Rua Bernardino dos Santos, havia milhões de dólares,levou esse dado à organização.
No início de maio de 1969, "Bicho" recebeu de Juarez Guimarães de Brito a incumbência de realizar levantamentos mais acurados, com croquis e tudo, para um futuro assalto.  Descobriu, então, que não havia só um, mas dois cofres, o segundo num escritório em Copacabana. Descobriu, também, que neles deveria haver de 2 a 4 milhões de dólares, além de documentos que poderiam incriminar, por corrupção, o ex-Governador Adhemar de Barros.
Juarez vislumbrou a " ação grande": num assalto simultâneo, arrecadaria recursos financeiros nunca antes conseguidos por uma organização e, com os documentos, poderiadesmoralizar um dos articuladores da Revolução de 1964.
Necessitando de mais dinheiro para o roubo dos cofres, Juarez decidiu executar o que denominou de "ação retificadora", chefiando, em 11 de julho, o assalto à agência Muda do Banco Aliança, com os seguintes sete militantes da VAR-P: Darcy Rodrigues, Chael Charles Schreier, Adilson Ferreira da Silva, Fernando Borges de Paula Ferreira, Flavio Roberto de Souza, Reinaldo José de Melo e Sonia Eliane Lafoz. O assalto não proporcionou o resultado esperado: além de só terem conseguido 17 milhões de cruzeiros, foram perseguidos pela polícia, quando Darcy Rodrigues assassinou o motorista de táxi Cidelino Palmeira do Nascimento, causando "reflexos políticos negativos" para a nascente organização.
Por outro lado, o assalto ao cofre de Copacabana necessitava um tempo maior de planejamento, o que a "revolução" não poderia conceder. Decidiu, então, roubar o de Santa Tereza.
Na tarde de 18 de julho de 1969, os seguintes treze militantes da VAR-P, comandados por Juarez Guimarães de Brito ("Juvenal", "Júlio"), invadiram o casarão de Anna Capriglione, disfarçados de policiais à cata de "documentos subversivos": Wellington Moreira Diniz ("Lira", "Justino", "Mario", "Lampião", "Virgulino"), José Araújo de Nóbrega ("Alberto", "Monteiro", "Zé", "Pepino"), Jesus Paredes Sotto ("Mário", "Reis", "Lu", "Roque", "Tião", "Elmo"), João Marques de Aguiar ("Braga", "Jeremias", "Topo Gigio"), João Domingos da Silva ("Elias", "Ernesto"), Flávio Roberto de Souza ("Marques", "Mário", "Juarez", "Ernesto", "Gustavo"), Carlos Minc Baumfeld ("Orlando", "José", "Jair"), Darcy Rodrigues ("Sílvio", "Léo", "Batista", "Souza"), Sônia Eliane Lafoz ("Bonnie", "Mariana", "Clarice", "Paula", "Rita", "Olga"), Reinaldo José de Melo ("Rafael", "Maurício", "Otávio", "Douglas"), Paulo Cesar de Azevedo Ribeiro ("Ronaldo", "Hilton", "Comprido", "Glauco", "Ivo", "José", "Luiz", "Osvaldo", "Pedro", "Rui") e Tânia Manganelli ("Simone", "Glória", "Marcia", "Patrícia", "Sandra", "Vera").
Após confinarem os presentes a uma dependência do térreo da casa, um grupo subiu ao 2º andar e levou, através de cordas lançadas pela janela, o cofre de 200 Kg, colocado numa Rural Willys. Em menos de 30 minutos, consumava-se o maior assalto da subversão no Brasil.
Levado para um "aparelho" localizado próximo ao Largo da Taquara, em Jacarepaguá, o cofre foi arrombado com maçarico e com o cuidado de, antes, ser enchido de água através da fechadura, para evitar que o dinheiro se queimasse. Aberto, "os militantes puderam ver, maravilhados, milhares de cédulas verdes boiando". Penduraram as notas em fios de nylon estendidos por toda a casa e secaram-nas com ventiladores. Ao final, 2.800.064,00 dólares atestavam o sucesso da " ação grande".
Entretanto, entre os documentos encontrados só havia cartas e papéis pessoais, nada que pudesse incriminar Adhemar de Barros, além das inevitáveis especulações sobre as origens da fabulosa quantidade de dólares.

13.3 – O DESTINO DO BUTIM

O destino dado ao dinheiro nunca foi devidamente esclarecido, perdido nos obscuros meandros da cobiça humana sobrepondo-se à ideologia.
Juarez e Wellington Moreira Diniz deixaram todo o dinheiro no "aparelho" da Rua Oricá, 768, em Braz de Pina, sob a guarda de Luiz Carlos Rezende Rodrigues ("Chico", "Negão") e Edson Lourival Reis Menezes ("Miranda", "Sérgio", "Wander", "Emílio", "Gilson"). Dias depois, Juarez foi buscar o dinheiro e determinou que essas duas "testemunhas" viajassem para a Argélia: Luiz Carlos embarcou em 12 de agosto, a fim de comprar armas, e Edson, via Argélia, foi fazer um curso de guerrilha em Cuba. Cinco meses depois, já no início de 1970, de volta ao Brasil, Luiz Carlos pediu para o militante Jorge Frederico Stein levar a quantia de 220 milhões de cruzeiros do Rio Grande do Sul para a Guanabara, em duas viagens.
Cerca de 300 mil dólares foram colocados em circulação e sabe-se que muitos militantes receberam, cada um, 800 dólares para emergências e que os dirigentes passaram a viver sem dificuldades financeiras. Inês Etienne Romeu ("Alda", "Isabel", "Leda", "Nadia", "Olga", "Tania") recebeu 300 mil. Cerca de 1,2 milhão foi distribuído pelas regionais, para a aquisição de armas, "aparelhos" e carros, além da implementação das possíveis áreas de treinamento de guerrilhas. No final de setembro, Maria do Carmo Brito ("Lia", "Madalena", "Madá", "Sara") entregou ao Embaixador da Argélia no Brasil, Hafif Keramane, a quantia de 1 milhão de dólares. Em contas secretas da Suíça - depois transferidas para a França, foram depositados 250 mil dólares, dos quais 120 mil foram divididos, em 1974, pelos grupos remanescentes da VAR-P e 130 mil foram abocanhados por Lalemant, um francês intelectual de esquerda, editor e dono da livraria Marterout, em Paris.
Quanto ao Gustavo Buarque Schiller, o "Bicho", seu destino foi mais claro, se não trágico, do que o dos dólares que ajudou a roubar. Logo após o assalto, passou para a clandestinidade, escondendo-se com Herbert Eustáquio de Carvalho, o "Daniel". Depois, fugiu para o Rio Grande do Sul, onde usou os codinomes de "Luiz" e "Flávio". Preso no final de março de 1970, foi banido para o Chile em 13 de janeiro de 1971, em troca da vida do embaixador suíço. Depois de passar longos anos de dificuldades financeiras na França, retornou ao Brasil com a anistia, em novembro de 1979. Movido por "conflitos existenciais", suicidou-se em 22 de setembro de 1985, atirando-se de um edifício em Copacabana.
Com dólares, armas e militantes preparados, a VAR-P nascia grande e prometia tornar-se a maior das organizações subversivas brasileiras. Os conflitos ideológicos entre seus integrantes, originados de uma fusão que nunca desceu da cúpula dirigente às bases, acabariam por dividi-la e enfraquecê-la, facilitando a sua posterior destruição.
F. Dumont

 14 - O SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DOS EUA

Assaltos a bancos e estabelecimentos comerciais, ataques a sentinelas, roubos de armas e explosivos, assassinatos encobertos sob o eufemismo de "justiçamentos", a violência estarrecia porém perdera o ineditismo. A repetição sistemática das ações tirava-lhes o impacto do fato novo gerador de curiosidade. Era necessário imaginar algo que mexesse com a opinião pública.

Com esse pensamento, a direção da Dissidência do PCB na Guanabara (DI/GB) imaginou, em meados de 1969, o seqüestro de um representante diplomático. A ação teria a finalidade de liberar companheiros presos e de chamar a atenção da opinião pública nacional e internacional para a audácia e a determinação do movimento revolucionário comunista no Brasil.

O alvo mais significativo seria o embaixador dos Estados Unidos da América, tachado como representante e defensor dos "interesses imperialistas norte-americanos em nosso País".

O pensamento inicial da DI/GB, em consonância com sua origem universitária, era libertar o seu militante e líder secundarista, Vladimir Gracindo Soares Palmeira ("Marcos"), além dos também dirigentes do movimento estudantil, José Dirceu de Oliveira e Silva ("Daniel") - militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), e Luiz Gonzaga Travassos da Rosa, militante da Ação Popular (AP)

A idéia do seqüestro partiu de Franklin de Souza Martins ("Waldir", "Francisco", "Miguel", "Rogério", "Comprido", "Grande", "Nilson", "Lula") - que havia estado preso junto com os demais líderes até o final de 1968, e foi logo apoiada por Cid de Queiroz Benjamin ("Billy", "Vitor", "Willy", "Miro", "Levi"), integrante da Frente de Trabalho Armado (FTA) da DI/GB.

A direção da DI/GB, liderada por Franklin, concluiu, após os levantamentos preliminares, que a falta de experiência de seus quadros poderia dificultar o sucesso da ação. Seria necessário o apoio de uma equipe mais experiente. A ALN já havia conseguido notoriedade através da intensificação de suas ações armadas, principalmente em São Paulo, e pela constante divulgação de textos de Carlos Marighella, incentivando todo e qualquer tipo de "violência revolucionária". A ALN afigurava-se como o apoio mais confiável e competente.

Em julho de 1969, Claudio Torres da Silva ("Pedro", "Geraldo"), membro da FTA, devidamente autorizado pela direção da DI/GB, foi fazer contato com Joaquim Câmara Ferreira ("Toledo", "Velho", "Valter", "Azevedo"), dirigente nº 2 da ALN. "Toledo", aplicando a autonomia revolucionária permitida pelos princípios da organização, aprovou a ação e, sem o conhecimento de Marighella, prometeu o apoio da ALN à empreitada da DI/GB.

Durante os preparativos, foi alvo de especial atenção a escolha da data da ação. Havia duas opções: a semana de 7 de setembro ou o 8 de outubro. Oito de outubro, significativo pela lembrança da "queda" de Che Guevara na Bolívia, foi preterido pela semana de 7 de setembro em função da urgência em libertar os presos políticos e da intenção de desmoralizar as autoridades e esvaziar as comemorações da Semana da Pátria.

No final de agosto, Cid de Queiroz Benjamin tornou a fazer contato com "Toledo", em São Paulo, pormenorizando detalhes da ação de seqüestro. Da reunião, participou Virgílio Gomes da Silva ("Breno", "Jonas", "Borges"), coordenador do Grupo Tático Armado (GTA) da ALN, que seria o comandante da ação. "Breno", codinome utilizado por Virgílio só para o seqüestro, selecionou os também militantes da ALN, Manoel Cyrillo de Oliveira Netto ("Francisco", "Sergio", "Benê", "Mauro") e Paulo de Tarso Venceslau ("Rodrigo", "Geraldo", "Machado", "Beto"), para participarem diretamente da ação. "Toledo", pela direção da ALN, deslocar-se-ia para o Rio de Janeiro a fim de coordenar as ações e orientar os contatos com as autoridades.

Os levantamentos, reconhecimentos e providências logísticas da ação, todas sob a responsabilidade da DI/GB, já haviam sido tomadas.

Fernando Paulo Nagle Gabeira ("Mateus", "Honório", "Bento", "João", "Ignácio"), jornalista do "Jornal do Brasil" e responsável pelo setor de imprensa da DI/GB, havia alugado em 5 de agosto, por meio de sua amante Helena Bocayuva Khair (nome de solteira Helena Simões Bocayuva Cunha), a casa nº 1026 da Rua Barão de Petrópolis, no Rio Comprido, perto de Santa Teresa. O casarão, além de servir ao setor de imprensa, imprimindo o jornaleco "Resistência", seria utilizado como local de cativeiro do embaixador.

Franklin, Cláudio Torres e Cid levantaram o itinerário do carro do embaixador que, invariavelmente e sem qualquer segurança, transitava de sua residência oficial - um palacete da Rua São Clemente, em Botafogo - para a embaixada, localizada na Avenida Presidente Wilson, no Centro da então Guanabara. O itinerário, sempre o mesmo, iniciava-se na Rua São Clemente, passava pela tranqüila e descongestionada Rua Marques e atingia a Rua Voluntários da Pátria. A Rua Marques, pelas suas características, foi a escolhida para ser o local da abordagem do carro do embaixador.

Vera Sílvia Araújo de Magalhães ("Marta", "Andréia", "Carmen", "Ângela", "Dadá"), militante da FTA da DI/GB, foi a encarregada de levantar a personalidade e os horários de saída do embaixador. Aproveitando-se de sua aparência física atraente e à semelhança de ações anteriores, apresentou-se na casa do embaixador à procura de emprego como doméstica. Atendida pelo encarregado da segurança, Antonio Jamir, "Marta" envolveu-o emocionalmente, conseguindo os dados necessários à complementação do planejamento. "Marta" não se constrangia em utilizar o sexo como "instrumento de ação revolucionária".

Acertados os detalhes, foi marcada a data de 4 de setembro de 1969 para a ação de seqüestro. Mesmo o derrame cerebral sofrido pelo presidente Costa e Silva e a conseqüente assunção, em 31 de agosto, de uma junta governamental integrada pelos três ministros militares não foram um fato político suficiente para alterar a data prevista.

Em 2 de setembro, Paulo de Tarso Venceslau conduziu para a Guanabara, em seu carro particular, os terroristas Virgílio Gomes da Silva e Manoel Cyrillo de Oliveira Netto. Ao chegarem, foram recebidos por Cid e Cláudio que os conduziram "fechados" para um "aparelho" no bairro do Flamengo, perto do Hotel dos Ingleses. Virgílio, cioso de suas prerrogativas de comandante, iniciou, junto com os outros dois militantes da ALN, os reconhecimentos dos locais e itinerários ainda nesse dia, complementando-os no dia seguinte.

Em 3 de setembro, completado o planejamento, Paulo de Tarso comunicou-se com "Toledo", em São Paulo, por telefone, informando: "Negócio fechado, mande a mercadoria". A senha, enviada para a residência do industrial Jacques Emile Frederic Breyton - integrante da rede de apoio da ALN -, significava que a ação estava preparada, seria desencadeada e que "Toledo" poderia deslocar-se para a Guanabara. Nesse mesmo dia, de avião, "Toledo" chegou no Rio de Janeiro, indo alojar-se no "aparelho" da Rua Petrópolis, onde passou a relacionar os nomes dos comunistas presos que deveriam ser trocados pelo embaixador.

Redigido por Franklin e Gabeira e aprovado por "Toledo", ficou pronto o panfleto que seria deixado no carro do embaixador após a ação. Esse manifesto inseria o seqüestro dentro do contexto das demais ações terroristas, classificando-o como um "ato revolucionário". Fazia propaganda "antiimperialista", acusando o embaixador de representante dos "interesses espoliativos norte-americanos no Brasil". Exigia a libertação de quinze presos políticos - a serem anunciados oportunamente - que deveriam ser conduzidos para a Argélia, Chile ou México, onde lhes deveria ser concedido asilo político. A outra exigência era "a publicação e leitura desta mensagem completa nos principais jornais e estações de rádio e televisão de todo o país". Finalizando o manifesto, um ultimato concedia 48 horas para o governo aceitar as condições impostas e mais 24 horas para que os presos fossem transportados para o exterior em segurança; o não atendimento das condições acarretaria o assassinato - segundo eles, o "justiçamento" - do embaixador. O manifesto era assinado pela ALN e pelo Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8), nome adotado pela DI/GB a partir de então.

A manhã do dia 4 de setembro de 1969, uma quinta-feira de sol, foi tensa para os executantes diretos do seqüestro. Com a antecedência necessária foi tomado o dispositivo para a ação.

Na esquina das ruas São Clemente e Marques ficou estacionado um Volks bege com João Lopes Salgado ("Dino", "Murilo", "Xisto", "Ribeiro", "Pagé", "Fio", "Colombo", "Tomé", "Gabriel", "Rivo", "Caramujo", "Zé Mineiro") e Vera Silvia. O motorista era José Sebastião Rios de Moura ("Anibal", "Baixinho"), que se postou em pé na esquina, para anunciar a aproximação do carro do embaixador.

Num Volks azul, com chapa de São Paulo, foram transportados Franklin, Cid e Virgílio, o qual saltou na Rua Marques pois, de acordo com o planejamento, seria um dos que entrariam no carro do embaixador durante a abordagem. Esse Volks azul, estacionado na Rua Marques, deveria realizar uma manobra - aparentando movimento normal de trânsito - que obrigasse o carro do diplomata a parar.

Cláudio Torres, Paulo de Tarso e Manoel Cyrillo chegaram num Volks vermelho, com chapa do Espírito Santo. Os três abordariam a pé, junto com Virgílio, o carro do embaixador. Esse Volks estacionou na Rua Marques, no lado oposto ao Volks azul, a fim de estreitar a rua e de impedir a manobra da viatura diplomática.

Na Rua Caio de Melo Franco, no Jardim Botânico, já havia sido estacionada por Sergio Rubens de Araújo Torres ("Rui", "Gusmão", "Júlio", "Vicente", "Jorge", "Ferreira", "Alfredo", "Pepe"), membro da FTA da DI/GB, a Kombi verde que serviria para o transporte do embaixador.

Tudo pronto. O tempo passava, a tensão aumentava mas o Cadillac do embaixador não aparecia.

Por volta das 1100h, o esquema foi desfeito. Apurara-se que o embaixador, contrariando a rotina, havia saído de casa bem mais cedo. Restava a alternativa do retorno do diplomata para a embaixada, após o almoço em sua residência.

Às 1300h, Virgílio determinou que o dispositivo fosse retomado. Apenas o Volks vermelho não precisou ser utilizado, pois havia vários outros carros estacionados, estreitando naturalmente a rua. O Volks foi abandonado na Rua Capistrano de Abreu.

Pronto o dispositivo, surgiu na Rua Marques um carro semelhante ao do embaixador norte-americano. Os olhares ansiosos convergiram para o José Sebastião que, na esquina, não deu nenhum sinal. Era o carro do embaixador português.

Finalmente, às 1400h, José Sebastião fez o sinal convencionado. Surgiu na esquina da Rua Marques o imponente Cadillac negro chapa CD-3, dirigido por Custódio Abel da Silva. Em marcha moderada, vinha aproximando-se do local da armadilha. No banco traseiro, Charles Burke Elbrick, 61 anos, absorto, refletia sobre os problemas rotineiros que o aguardavam na embaixada. A cerca de 20 metros, um Volks azul deixava lentamente o acostamento e fazia uma manobra em "U". O motorista Custódio freou para aguardar que a rua ficasse desimpedida.

Repentinamente, a calma da tarde foi interrompida. Quase que simultaneamente, as quatro portas do Cadillac foram abertas (surpreendentemente não estavam trancadas) e quatro terroristas armados adentraram no carro. Virgílio entrou pela porta traseira direita, enquanto que Manoel Cyrillo entrava pela traseira esquerda, ladeando o surpreso embaixador. Elbrick, aturdido e sem entender o que estava ocorrendo, foi forçado a colocar-se no assoalho do carro com as mãos na nuca, enquanto que Virgílio anunciava: "Somos revolucionários brasileiros". Pela porta do motorista, entrou Cláudio Torres que, empurrando Custódio e tomando-lhe o boné, colocou-se ao volante. Pela porta dianteira direita entrou Paulo de Tarso, ameaçando Custódio com sua arma.

Claudio Torres arrancou rapidamente com o carro, após Franklin manobrar o Volks, desimpedindo a rua.

O Cadillac, ao arrancar, foi seguido pelo Volks azul que fazia a cobertura na retaguarda. Ao retornar à Rua São Clemente, seguindo para a região de transbordo, o carro diplomático passou a contar com uma cobertura à frente, proporcionada pelo Volks bege, dirigido pelo José Sebastião.

Após rodar por alguns minutos, o Cadillac atingiu a região de transbordo, uma pequena rua sem saída, no Humaitá. Elbrick recebeu a ordem para fechar os olhos e sair do carro. Imaginando que seria morto, tentou segurar a mão de Virgílio que empunhava o revólver. Recebeu violenta coronhada na cabeça desferida por Manoel Cyrillo. Sangrando abundantemente e atordoado pela pancada, foi colocado no chão da Kombi e coberto com uma manta.

Os terroristas haviam, entretanto, cometido um erro grosseiro. O motorista Custódio, previsto para dar o alarme à polícia e divulgar o ocorrido, fora levado ao local do transbordo e viu a Kombi verde que levaria o embaixador. Esta foi uma das valiosas pistas que levaram os órgãos de segurança a descobrir, já no dia seguinte, 5 de setembro, o "aparelho" da Rua Barão de Petrópolis.

Conduzido ao "aparelho", Elbrick, ferido e ensangüentado, ainda permaneceu cerca de quatro horas no interior da Kombi, estacionado dentro da garagem do "aparelho", aguardando o escurecer para ser levado para o interior da casa.

Nesse cativeiro, já lá estavam "Toledo", Gabeira e Antonio de Freitas Silva ("Baiano", "Pedro"), este contratado como serviçal e para, futuramente, prestar serviços como mimeografista na preparação da documentação subversiva.

Imediatamente após o seqüestro, o efetivo do aparelho foi engrossado com as presenças de Virgílio, Manoel, Franklin e João Lopes Salgado. No interior da casa, foi montado um esquema de segurança prevendo-se uma guarda que permaneceria no quarto do embaixador e, do lado de fora, uma vigilância permanente da rua e dos arredores, realizada a partir da varanda. Nos contatos pessoais com o embaixador, os terroristas usavam capuzes, para não serem futuramente reconhecidos.

A equipe de sete terroristas mantinha-se tensa, aguardando o desdobramento da ação. O manifesto, deixado no interior do carro diplomático, exigia a sua divulgação através dos meios de comunicação, como uma das condições para a salvaguarda de Elbrick. Apesar do trunfo representado pelo embaixador, estavam encurralados no "aparelho" os mais importantes quadros da ALN e do novo MR-8.

 Nessa primeira noite, os terroristas ouviram, pelas emissoras de rádio, a divulgação do manifesto. Era sinal de que o governo brasileiro resolvera negociar, preservando a vida do diplomata americano.

Nessa mesma noite, elaboraram a seleção dos quinze comunistas a serem libertados. A idéia inicial do MR-8 de libertar três líderes estudantis fora posteriormente ampliada por "Toledo" para quinze, o que exigia uma pesquisa para a qual o bando seqüestrador não estava preparado. Tiveram dificuldades em selecionar nomes de outras organizações, pois desconheciam a importância dos diversos presos no contexto da subversão. Ignoravam, inclusive, o verdadeiro nome de Mario Roberto Galhardo Zanconato, militante da Corrente/MG, colocado na relação com o apelido de "Xuxu".

Paulo de Tarso Venceslau, após o seqüestro, permaneceu ainda mais um dia no Rio de Janeiro, em contato com Claudio Torres. Em seguida, deixou seu carro no Rio e, obedecendo ordens de "Toledo", deslocou-se de avião para São Paulo, a fim de apurar algumas "quedas" da ALN e de levantar dados sobre a explosão de um Volkswagen na Avenida da Consolação, na madrugada de 4 de setembro. Retornou no sábado, dia 6, e, após anunciar a morte de José Wilson Lessa Sabbag ("Nestor") - chefe do Grupo de Ação do GTA/ALN/SP - e a identificação do japonês morto na explosão como sendo Ishiro Nagami, o "Charles" ("Toledo" pensava que pudesse ser Takao Amano, o "Jorge"), voltou a São Paulo em seu próprio carro, que havia ficado com Claudio Torres.

Na manhã de 5 de setembro, Gabeira e Cláudio Torres colocaram na urna de donativos da Igreja do Largo do Machado uma mensagem, informando que divulgariam a lista de quinze nomes e um bilhete manuscrito de Elbrick para a esposa, Eunice. Uma cópia da mensagem foi deixada, como alternativa, na urna de donativos da Igreja Nossa Senhora de Copacabana, na Praça Serzedelo Correia.

Elbrick, intimidado por seus algozes, suplicava, em seu bilhete, que as autoridades não tentassem localizá-lo, informando que "a gente que me prendeu está determinada".

Cláudio Torres, orientado por Gabeira, ligou para o "Jornal do Brasil" e para a "Última Hora" comunicando onde estavam as duas cópias da mensagem e solicitou a sua publicação.

No início da tarde de 5 de setembro, sexta-feira, a relação com os quinze nomes foi colocada pela dupla Gabeira/Cláudio Torres na caixa de seleções do Mercado Disco do Leblon. Foi utilizado o expediente de ligar para a "Rádio Jornal do Brasil", informando o local onde estava a mensagem e pedindo a sua divulgação.

Naquela altura, os órgãos de segurança, graças ao amadorismo dos terroristas, já haviam localizado o "aparelho" da Barão de Petrópolis e o mantinham sob vigilância. Após seguirem Gabeira e Cláudio Torres nas andanças para a colocação das mensagens, resolveram demonstrar aos seqüestradores que já os tinham sob vigilância e que qualquer dano causado ao embaixador seria imediatamente reprimido. Dois agentes bateram à porta do "aparelho" e, sem se preocuparem em disfarçar suas intenções, fizeram perguntas sobre os moradores da casa e outros detalhes típicos de uma investigação. Gabeira, esforçando-se em aparentar naturalidade, respondeu, de forma pouco convincente, as perguntas dos policiais. Enquanto isso, dentro do "aparelho", os terroristas, assustados, preparavam-se para fazer frente a uma ação que não haviam previsto. Virgílio correu para o quarto de Elbrick e, colocando-o sentado no chão, permaneceu com o revólver apontado para a cabeça do apavorado embaixador. O comandante "Breno", justificando o conceito de "desassombrado revolucionário", tomara a iniciativa e queria ter o privilégio de eliminar o "representante do imperialismo".

Para alívio dos terroristas, os policiais retiraram-se. A vigilância foi intensificada e, a partir daquele momento até altas horas da madrugada, o tempo foi consumido em discussões para decidir qual a atitude a tomar. Chegaram à conclusão de que deveriam permanecer no "aparelho" e prosseguir com o planejamento inicial. Enquanto mantivessem Elbrick vivo teriam chances de escapar.

O dia de sábado foi de expectativa. O governo brasileiro, em respeito à vida de um representante diplomático estrangeiro, já havia aceitado as condições dos terroristas. O México, um dos países propostos, havia concordado em receber os presos políticos.

Às 1730h de 6 de setembro, um avião Hércules C-130 da FAB, comandado pelo major Egon Reinisch, decolou da Base Aérea do Galeão para levar os primeiros quinze terroristas banidos do território nacional: treze embarcaram no Rio (Agonalto Pacheco da Silva, Flávio Aristides de Freitas Tavares, Ivens Marchetti de Monte Lima, João Leonardo da Silva Rocha, José Dirceu de Oliveira e Silva, José Ibraim, Luiz Gonzaga Travassos da Rosa, Maria Augusta Carneiro Ribeiro, Onofre Pinto, Ricardo Vilas Boas Sá Rego, Ricardo Zaratini Filho, Rolando Fratti e Vladimir Gracindo Soares Palmeira) e dois (Gregório Bezerra e Mario Roberto Galhardo Zanconato), em escala no Recife.

Por pouco, o plano do governo, de preservar a vida do embaixador, ia por água abaixo. Tropas da Brigada Pára-quedista, comandadas pelo coronel Dickson Grael, tomaram a Base Aérea para impedir a saída do avião. Ao verificarem que ele já havia decolado, ocuparam, às 2230h, a Rádio Nacional, e lançaram ao ar a seguinte mensagem:

"Atenção para um comunicado à nação brasileira:
A tropa de pára-quedistas e outras tropas, insurgidas contra a decisão da Junta Governamental, de fazer a entrega de presos condenados pela Justiça, numa demonstração de fraqueza e à revelia das Forças Armadas - lança - nesse momento, uma proclamação ao povo brasileiro de repúdio a tal medida impatriótica.
Conclamamos à união e tomada de consciência de que existe, em nosso país, declarada guerra interna revolucionária de comunistas, contra a qual iniciamos, neste momento, ações militares de repressão.
Para o cumprimento desta determinação patriótica, estamos dispostos ao mais alto sacrifício.
Em nome de Deus.
Brasil acima de tudo."

Na manhã de 7 de setembro, domingo, foi colocada por Cláudio Torres no monumento em frente à empresa Manchete, na Praia do Russel, a terceira e última mensagem. Os seqüestradores anunciavam o conhecimento da chegada dos quinze subversivos no México e aguardavam apenas uma autenticação, previamente combinada, para libertar o embaixador.

O "aparelho" estava cercado. A vida do seqüestrado valia, então, a vida dos seqüestradores. Os terroristas resolveram contrabalançar o vazio das ruas de um domingo e feriado com a confusão da saída do jogo Fluminense x Cruzeiro, no Maracanã, para libertar o embaixador.

Elbrick foi colocado vendado num Volks dirigido por Cláudio Torres, tendo Virgílio a guardá-lo. Em outro Volks, fazendo a cobertura, deslocaram-se Cid e Manoel.

Helena Bocayuva Khair já havia auxiliado Gabeira a retirar do "aparelho" os dirigentes "Toledo", Franklin e João Lopes Salgado. O "Baiano" também já tinha abandonado o aparelho auxiliado por Helena, tendo sido guardado num outro "aparelho", em São Cristóvão.

Por volta das 1830h, os terroristas trancaram o "aparelho" e iniciaram o deslocamento acompanhados por uma viatura dos órgãos de segurança, cujos integrantes tinham ordens de não intervir. No congestionado trânsito do término do jogo do Maracanã, os terroristas conseguiram distanciar-se e foram perdidos pela viatura.

Elbrick foi abandonado na Rua Eduardo Ramos, próxima do Largo da Segunda Feira, na Tijuca, com ordem de permanecer 15 minutos no local, antes de procurar auxílio. O amedrontado embaixador cumpriu à risca as ordens dos terroristas. Após transcorrido o prazo, tomou um táxi e retornou à sua residência.

Terminava, assim, resguardada a integridade do embaixador, o episódio que serviria de modelo para o seqüestro de mais 3 diplomatas. A exaltada ação subversiva, considerada uma vitória pelas esquerdas, proporcionou, em razão dos erros primários no planejamento e na execução, condições para que fossem desferidos duros golpes na ALN e no MR-8, que culminariam com a "queda" de Marighella em novembro de 1969, em São Paulo.                    

F. Dumont

 15 - O SEQÜESTRO DO CÔNSUL DO JAPÃO

No início de 1970, a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) já havia iniciado o treinamento de seus militantes para atuarem na guerrilha rural. A área de Registro, em São Paulo, estava em pleno funcionamento e sua existência e localização eram consideradas assuntos do mais alto sigilo.

Na manhã de 27 de fevereiro, Chizuo Ozava ("Mário Japa", "Fernando"), um dos mais importantes quadros da VPR e que havia acabado de fazer um curso de guerrilha, sofreu um acidente automobilístico na Estrada das Lágrimas, em São João Clímaco, São Paulo. Ao ser socorrido, foram encontradas armas e documentos subversivos dentro de seu carro, o que provocou sua prisão.

Carlos Lamarca e o comando da VPR, ao tomarem conhecimento do fato, ficaram apreensivos. "Mário Japa" já tinha estado na área em Registro, e poderia, ao ser interrrogado, "abrir" a preparação guerrilheira da organização. Era necessário libertá-lo rapidamente, a fim de preservar o sigilo das operações no Vale do Ribeira.

A forma mais expedita seria o seqüestro de uma autoridade ou de um representante diplomático. O exemplo da ação bem sucedida desencadeada pela ALN e pelo MR-8 contra o embaixador norte-americano, em setembro de 1969, no Rio de Janeiro, pesou decisivamente na opção pelo seqüestro do cônsul japonês em São Paulo, Nobuo Okuchi.

Entretanto, a VPR estava temporariamente debilitada. Seus quadros mais experientes estavam empenhados na áres de treinamento do Vale do Ribeira ou fazendo os levantamentos das áreas de Goiás e do norte do Rio Grande do Sul, visando à implantação das "áreas estratégicas". Além dos desfalques, a organização perdera grande parte de seu arsenal no "estouro do aparelho" de Antônio Raimundo de Lucena ("Doutor", "Feirante") em Atibaia/SP, no dia 20 de fevereiro. Ao mesmo tempo, o vulto da ação e a inexistência de tempo para o necessário planejamento obrigou a VPR a buscar o auxílio de outras organizações comunistas. Foram contatadas, assim, o Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT) e a Resistência Democrática (REDE).

Ladislas Dowbor ("Abelardo", "Jamil", "Nelson"), integrante do Comando Nacional da VPR, assumiu o comando da ação. A ele, integraram-se Devanir José de Carvalho ("Henrique", "Justino", "Heitor") - um dos cinco "irmãos Metralha" e principal dirigente do MRT - e Eduardo Collen Leite ("Bacuri", "Basílio"), organizador da REDE (no final de sua vida, nove meses depois, "Bacuri" apresentaria o "invejável" currículo de ter participado de dezenas de assaltos nos quais morreram sete pessoas).

Dos apressados reconhecimentos, participaram os militantes da VPR Liszt Benjamin Vieira ("Fred", "Bruno"), Mário de Freitas Gonçalves ("Eduardo", "Dudu", "Juca"), Miguel Varoni ("Edison"), Alcery Maria Gomes Silva ("Carmen", "Jane", "Olívia") e Joelson Crispim ("Marcos", "Mario", "Pedro", "Roberto"). Do MRT, participaram, além de Devanir, os militantes Plínio Petersen Pereira ("Gaúcho", "Omar", "Marcos", "Raul", "Alex", "Guilherme", "Velho") e José Rodrigues Ângelo Júnior ("Juraci", "Jurandir", "Bastos", "Heráclito").

No dia 11 de março de 1970, após terminar seus trabalhos no consulado, Nobuo Okuchi dirigia-se para a sua residência oficial na Rua Piauí, 874. Cerca das 1820h, quando o Oldsmobile dirigido por Hideaki Doi trafegava pela Rua Alagoas, passando pela aprazível e arborizada Praça Buenos Aires, um Volksvagen azul, aparentando realizar uma manobra descuidada, interpôs-se no caminho da viatura consular na esquina da Rua Bahia. Hideaki freou o carro e chegou a reclamar da barbeiragem. Okuchi, no banco traseiro do Oldsmobile, também não se preocupou quando viu um rapaz alto apanhar uma metralhadora junto ao volante do Volksvagen e dirigir-se para seu carro. Julgava ser uma verificação policial de rotina.

O planejamento tinha funcionado a contento. Lizst, parado na Praça Buenos Aires, tinha assinalado para Ladislas, na esquina das Ruas Bahia e Alagoas, a aproximação do carro do cônsul. Ladislas fez o sinal convencionado para Devanir, que arrancou com o Volks azul interpondo-se no caminho do Oldsmobile. Marco Antônio Lima Dourado ("Eloi", "Armando", "Orlando"), militante da VPR, era o rapaz alto que apanhara a metralhadora no carro do Devanir e, para surpresa de Okuchi, ameaçava o motorista Hideaki.

Plínio, que se encontrava junto a Ladislas, auxiliou Liszt a retirar o cônsul de dentro do carro, sob a ameaça de armas, e a conduzi-lo para um Volksvagen vermelho que estava estacionado na Rua Alagoas, do outro lado da esquina. Os militantes da VPR Oswaldo Soares ("Fanta", "Geraldo", "Julio", "Marcos", "Miguel") e Mário de Freitas Gonçalves, ao longo da Rua Bahia, faziam a segurança e interrompiam o trânsito nas proximidades da esquina. Okuchi foi colocado no banco traseiro, teve os olhos vendados com esparadrapo e forçado a colocar a cabeça sobre os joelhos de Liszt. Dirigido pelo "Bacuri", com Ladislas na posição do carona, o Volks vermelho partiu em alta velocidade em direção à Avenida Dr Arnaldo, seguido pelo azul na segurança.

"Bacuri" conduziu o carro para a Avenida Ceci, 1216, no bairro de Indianópolis, "aparelho" que ocupava com sua companheira Denise Peres Cispim ("Célia"), onde Okuchi ficou "guardado" até o dia quinze.

Nesse "aparelho", permaneceram vigiando o cônsul, até a sua liberação, "Bacuri", Denise, Ladislas e Liszt, estes dois últimos comunicando-se com o diplomata em Inglês, pois ele estava há pouco tempo no Brasil e não entendia bem o Português. Denise, além de cuidar das compras e da alimentação, foi a única pessoa a sair do local, a fim de levar os comunicados dos seqüestradores e as mensagens do cônsul. Iniciou fazendo contato com José Raimundo da Costa ("Moisés", "Carlos", "Gilberto"), militante da VPR, que tinha a tarefa de difundir o acontecimento através de notificações às estações de rádio e aos jornais. Tendo a imprensa estampado, no dia seguinte, uma foto de José Raimundo, como um dos prováveis seqüestradores, ele foi substituído na missão por Fernando Kolleritz ("Ivo", "Jordão", "Raimundo"), militante da REDE.

Os comunicados, escritos por Ladislas, exigiam a libertação de cinco presos políticos e a obtenção de asilo político no México ou em outro país que a isso se dispusesse. Sob a ameaça de dinamitar o esconderijo com o cônsul dentro, os seqüestradores exigiam o fim das atividades de busca da vítima e a "suspensão das violências contra os presos políticos". Todos os comunicados eram assinados pelo "Comando Lucena" da VPR, em alusão ao terrorista morto em Atibaia.

No Comunicado nº 4, os terroristas divulgaram a lista dos cinco presos a serem libertados. Damaris de Oliveira Lucena ("Dulce", "Rosa"), esposa do falecido Antônio Raimundo de Lucena - homenageado com a denominação do Comando, e seus três filhos menores encabeçavam a lista. Chizuo Ozava, o principal e verdadeiro objetivo da ação, era referido como "um nissei de nome de guerra Mário". A seguir, o rol apresentava o nome de "Toledo", como um elemento simpatizante que teria sido preso junto com Chizuo. Os terroristas estavam mal informados. Chizuo foi preso só, durante o desastre que sofreu. Otávio Ângelo ("Tião"), militante da ALN, e a madre Maurina Borges da Silveira, da FALN de Ribeirão Preto, completavam a lista.

Os terroristas, na realidade, tiveram dificuldades em elaborar a lista. Nem o nome verdadeiro de Chizuo eles sabiam. Após ser contestada a existência de "Toledo", o Comunicado nº 5 o substituía por Diógenes José Carvalho de Oliveira ("Luiz", "Leandro", "Leonardo", "Pedro"), da VPR, indicado como capaz de identificar o "nissei Mário".

Libertados os presos políticos e transportados em segurança para o México, teve início a operação de liberação de Nobuo Okuchi. No Comunicado nº 6 os terroristas exigiam a suspensão do policiamento e advertiam sobre as conseqüências trágicas para o cônsul caso fosse tentado algo contra eles.

No domingo, 15 de março, às 1600h, "Bacuri" retirou Liszt do "aparelho", deixando-o na Vila Mariana. Por volta das 1800h, Okuchi foi vendado e levado por Ladislas para o banco traseiro do Volks vermelho. "Bacuri" e Denise, após revistarem a casa e queimarem os documentos, trancaram a porta. O endereço estava sendo abandonado por questões de segurança.

Após rodarem algum tempo para certificarem-se de que não estavam sendo seguidos, deixaram o cônsul na Rua Arujá, atrás da Cervejaria Brahma. Ladislas saltou junto com o cônsul enquanto que "Bacuri" dava uma circulada pelas redondezas com o carro, para verificar se havia vestígio de polícia; caso não voltasse, Ladislas assassinaria o cônsul japonês. Para sorte de Nobuo Okuchi, o Volks vermelho retornou e recolheu Ladislas afastando-se do local. De táxi, o diplomata retornou à sua casa, cansado, mas com sua integridade física preservada.

Respeitados os compromissos assumidos e resgatado o diplomata nipônico, teve prosseguimento a luta diuturna contra o terror. Dos quinze participantes do seqüestro, oito foram presos: Ladislas Dowbor, Liszt Benjamin Vieira, Miguel Varoni, Oswaldo Soares, Fernando Kolleritz, Mario de Freitas Gonçalves, Marco Antonio Lima Dourado e José Rodrigues Ângelo Júnior. Cinco foram mortos em combate: Alcery Maria Gomes da Silva, Joelson Crispim, José Raimundo da Costa, Devanir José de Carvalho e Eduardo Collen Leite. Plínio Petersen Pereira, do MRT, e Denise Peres Crispim, da REDE, nunca foram presos.

F. Dumont

16- O SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DA ALEMANHA

Desde o início de 1970, coerente com a sua intenção de prosseguir com as atividades de propaganda armada, a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), na então Guanabara, vinha realizando levantamentos para o seqüestro de alguns diplomatas, dentre os quais os embaixadores dos Estados Unidos, do Japão, da Suécia e da Alemanha, este último junto com a Frente de Libertação Nacional (FLN), de Joaquim Pires Cerveira.

A prisão, em 18 de abril de 1970, de Maria do Carmo Brito ("Lia", "Sara", "Madalena", "Madá"), membro do Comando Nacional, e a localização de seu "aparelho" na Avenida Visconde de Albuquerque, na Gávea, proporcionaram aos órgãos de segurança a descoberta de um minucioso planejamento para o seqüestro do embaixador alemão. Nele, apareciam as primeiras letras dos codinomes dos principais participantes da ação, Juarez Guimarães de Brito ("Júlio", "Juvenal"), Maria do Carmo Brito, José Ronaldo Tavares de Lira e Silva ("Dias", "Joaquim", "Laurindo", "Nunes", "Roberto Gordo", "Gordo"), Joaquim Pires Cerveira, Roberto das Chagas e Silva ("Caetano", "Camilo", "Claudio", "Edson", "Lucio", "Maciel", "Tuca") e Alex Polari de Alverga ("Bartô", "João", "Rafael", "Samuel", "Tomás", "Virgulino"). Desses seis, um fora morto (Juarez), três estavam presos (Maria do Carmo, José Ronaldo e Joaquim Pires Cerveira) e somente dois (Roberto das Chagas e Alex Polari) continuavam soltos e ainda não identificados.

Em maio, as prisões estavam abarrotadas de militantes da VPR. O próprio Carlos Lamarca, internado nas matas do Vale da Ribeira, poderia "cair" a qualquer momento. Era urgente desencadear uma operação de seqüestro que libertasse os principais "quadros estratégicos" e que, ao mesmo tempo, alcançasse repercussão internacional.

A nova "Unidade de Combate Juarez Guimarães de Brito" (UC/JGB), criada em homenagem ao líder recentemente morto em combate, retomou os planejamentos já realizados.

Os levantamentos para o seqüestro do embaixador dos EUA, dirigidos por Alfredo Hélio Sirkis ("Alberto", "Camilo", "Carlos", "Felipe", "Gabriel", "Manoel", "Vitor"), mostravam uma segurança forte e atenta, motivada pelos dois seqüestros anteriores envolvendo diplomatas norte-americanos, o do próprio embaixador, em setembro de 1969, e a fracassada tentativa contra o cônsul em Porto Alegre, em abril de 1970.

Os levantamentos do embaixador da Suécia revelaram que seu veículo fazia constantes mudanças de itinerário, tornando impossível a execução do planejamento.

Decidindo-se pelo seqüestro do embaixador do Japão, a ação foi sustada, no dia e no momento previsto, pela presença, inesperada e ocasional, de um camburão da polícia.

Resolveu-se, então, seqüestrar o embaixador alemão, de 61 anos, Ehrenfried Anton Theodor Ludwig Von Holleben. O planejamento inicial, dirigido por Alex Polari de Alverga, com a ajuda de Lúcia Maurício de Alverga ("Mônica", "Stela", "Adriana", "Mirna"), Vera Lúcia Thimóteo ("Marta", "Lurdinha") e Júlio Cesar Câmara Covello Neto ("Frederico"), mostrara que a ação poderia ser executada, com grandes chances de sucesso. Apesar dos planos já serem do conhecimento da polícia, a segurança do embaixador era pequena, constituída por um carro com dois agentes. Além disso, raciocinaram que os órgãos de segurança não estariam acreditando que fosse realizada a ação, com o planejamento já conhecido. A VPR pensou corretamente.

Atualizaram o planejamento. Roubaram quatro carros - dois Volks (um grená e um vermelho), uma "pick-up" Willys e um Opala azul, este de um médico, quando chegava em sua residência, na Rua Jacinto, 68, no Méier. Desde maio, possuíam uma casa de dois quartos para guardar o embaixador, na Rua Juvêncio de Menezes, nº 535, em Cordovil, alugada para o "casal" Gerson Theodoro de Oliveira ("Aníbal", "Fritz", "Hans", "Ivan", "Mateus", "Ruivo") e Tereza Ângelo ("Chica", "Helga", "Luiza", "Mariana", "Miriam", "Solange", "Telma"). Em São Paulo, nos primeiros dias de junho, uma reunião entre Carlos Lamarca, Joaquim Câmara Ferreira ("Toledo", "Velho", "Valter", "Azevedo"), da ALN, e Devanir José de Carvalho ("Henrique", "Justino", "Heitor"), do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), havia estabelecido a lista dos 40 prisioneiros que seriam trocados pelo embaixador. Como reforço, receberam 30 mil cruzeiros, uma metralhadora INA, uma pistola .45 e dois militantes da ALN, José Milton Barbosa ("Sargento", "Cláudio", "Castro", "Celio") e Eduardo Collen Leite ("Bacuri", "Basílio"), este, para comandar a ação.

 Às 1940h de uma quinta-feira, 11 de junho de 1970, em pleno desenrolar da Copa do Mundo de Futebol no México, Holleben saiu da embaixada, localizada na Rua Presidente Carlos de Campos, nº 417, em Laranjeiras, em direção à sua residência, na Rua Cândido Mendes, nº 784, em Santa Tereza. Sentado no banco de trás de sua Mercedes preta, o embaixador tinha, como motorista, o funcionário Marinho Huttl e o Agente da Polícia Federal (APF) Irlando de Souza Régis, sentado no banco da frente e portando um revólver .38. Seguindo a Mercedes, como segurança, ia uma Variant gelo, com os APF Luiz Antônio Sampaio, motorista, e José Banharo da Silva, com metralhadora INA.

Tendo ocupado o dispositivo da ação desde às 1900h, o "Comando Juarez Guimarães de Brito" executou o seqüestro às 1955h, nas proximidades da residência do embaixador, na confluência da Rua Cândido Mendes com a Ladeira do Fialho.

Ao aproximar-se o carro diplomático, Jesus Paredes Soto ("Mário", "Tião", "Reis", "Roque", "Lu", "Elmo") deu um sinal a José Maurício Gradel ("Jarbas", "Adolfo", "Tomás", "Odete"), que avançou a "pick-up" Willys abalroando a Mercedes. Incontinenti, o "casal" que namorava na Escadinha do Fialho, Sônia Eliane Lafoz ("Mariana", "Clarice", "Paula", "Rita", "Olga", "Bonnie") e José Milton Barbosa, este com metralhadora, disparou suas armas contra a Variant da segurança, ferindo Luiz Antônio no abdome e na coxa esquerda e Banharo, na cabeça.

Ao mesmo tempo, Eduardo Leite, à queima-roupa, disparou três tiros de revólver .38 em Irlando de Souza Régis, matando-o com um tiro na cabeça (o APF estava a um ano de sua aposentadoria; naquele dia, sua companheira estava internada em um hospital, por ter extraído um rim).

Herbert Eustáquio de Carvalho ("Daniel", "David", "Olímpio", "Marcelo", "Tampinha", "Isaac", "Isaías", "Ezequiel", "Geraldo"), empunhando uma pistola .45, arrancou o diplomata da Mercedes e o fez embarcar no Opala, dirigido por José Roberto Gonçalves de Rezende ("Ronaldo", "Nelson", "Bigode", "Flávio", "Rodolfo", "Eraldo").

Deixando no local a "pick-up" do abalroamento, três carros fugiram em alta velocidade, em fila indiana: na frente, o Volks grená, dirigido por Roberto das Chagas e Silva e transportando Sônia Eliane Lafoz e Alex Polari de Alverga; no meio, o Opala, com José Roberto, Eduardo Leite, Herbert e o embaixador; e atrás, cerrando a fila, o Volks vermelho dirigido por Gradel e levando José Milton e Jesus Paredes Soto.

Executado por nove terroristas, o seqüestro durou menos de quatro minutos e deixou um morto e dois feridos; espalhados pelo chão, alguns panfletos assinados pela VPR e pela ALN - um "Esclarecimento" e um manifesto "Ao Povo Brasileiro".

Subindo pela Cândido Mendes, Herbert colocou algodão embebido em éter no nariz de Holleben. No outro lado de Santa Tereza, na altura do nº 200 da Rua Professor Olinto de Oliveira, foi realizado o transbordo para uma Kombi verde-claro, onde estavam aguardando Gerson Theodoro de Oliveira, Maurício Guilherme da Silveira ("Honório", "Bené") e Alfredo Hélio Sirkis, para servir como intérprete. Saiu a Kombi dirigida por Maurício: na frente, Gerson e o "Bacuri", e, atrás, Sirkis e o embaixador, colocado dentro de uma pequena caixa de madeira. Os dois Volks e o Opala foram, logo depois, abandonados por seus ocupantes.

Cerca das 2100h, depois de dar uma raspada num ônibus, chegaram no "aparelho" de Cordovil, onde aguardavam Manoel Henrique Ferreira ("Anderson", "Bernardo", "Marco Antônio", "Diogo") e Tereza Ângelo. O caixote foi desembarcado e Holleben colocado num dos quartos. Nessa madrugada, "Bacuri" datilografava o "Comunicado nº 1", no qual fazia diversas exigências às autoridades, dentre as quais a libertação de 40 presos e a divulgação, pela Rádio Nacional, de "comunicados entre as regionais da organização". Ao mesmo tempo, Maurício deixava a Kombi num determinado local, para ser apanhada posteriormente, a fim de levar de volta o embaixador.

Durante os cinco dias que durou o seqüestro, diversas mensagens foram trocadas entre os governos brasileiro e alemão. Seis comunicados do "Comando Juarez Guimarães de Brito" foram enviados às autoridades: Tereza os levava a Alex que, depois de colocá-los em três locais (sempre em três vias), avisava aos rádios e aos jornais para apanhá-los. Diversos "comunicados internos" foram trocados entre o comando da operação e a VPR em São Paulo, através da Rádio Nacional. Em código, eles transmitiam dados e instruções.

Nesses cinco dias de cativeiro, foram tranqüilas as relações entre Holleben e os cinco terroristas, sempre escondidos por capuzes. A comunicação era feita por Sirkis que, em inglês, procurava fazer o seu proselitismo, dizendo, entre outras coisas, que estavam tentando libertar seus companheiros, torturados nas prisões.

No domingo, os comunistas ouviram o jogo em que o Brasil venceu o Peru por 4x2. Muitos deles torceram contra a equipe de Pelé, que representava, segundo eles, uma ditadura que tinha que ser derrotada.

Na segunda-feira, dia 15, "Bacuri" seguiu para São Paulo, deixando Gerson Theodoro no comando da operação. Nessa mesma noite, os 40 banidos chegavam na Argélia, em avião da VARIG.

Dos 40 banidos, 20 eram militantes da VPR: Almir Dutton Ferreira, Altair Luchesi Campos, Carlos Minc Baumfeld, Darcy Rodrigues, Dulce de Souza Maia, Edmauro Göpfert, Eudaldo Gomes da Silva, Flávio Roberto de Souza, Ieda dos Reis Chaves, José Araújo de Nóbrega, José Lavecchia, José Ronaldo Tavares de Lira e Silva, Ladislas Dowbor, Liszt Benjamin Vieira, Maria do Carmo Brito, Melcides Porcino da Costa, Oswaldo Antônio dos Santos, Oswaldo Soares, Pedro Lobo de Oliveira e Tercina Dias de Oliveira.

Os outros 20 pertenciam a outras organizações comunistas: Aderval Alves Coqueiro, Ângelo Pezzuti da Silva, Apolônio de Carvalho, Carlos Eduardo Fayal de Lira, Carlos Eduardo Pires Fleury, Cid de Queiroz Benjamim, Daniel Aarão Reis, Domingos Fernandes, Fausto Machado Freire, Fernando Paulo Nagle Gabeira, Jeová Assis Gomes, Joaquim Pires Cerveira, Jorge Raimundo Nahas, Marco Antônio Azevedo Meyer, Maria José Carvalho Nahas, Maurício Vieira Paiva, Murilo Pinto da Silva, Ronaldo Dutra Machado, Tânia Rodrigues Fernandes e Vera Sílvia Araújo Magalhães.

Aos cuidados de Tercina Dias de Oliveira, seguiram quatro menores: Samuel Dias de Oliveira, Luiz Carlos Marques do Nascimento, Zuleide Aparecida do Nascimento e Ernesto Carlos do Nascimento.

Só faltava, agora, soltar o embaixador. O problema é que, ao buscar a Kombi, Maurício não mais a encontrara. Deixada num local de estacionamento proibido, ela fora rebocada pelo Detran.

Durante todo o dia seguinte, 16 de junho, os militantes buscaram uma saída para o problema, chegando, inclusive, a aventar a hipótese de levá-lo de ônibus.

Às 2200h, chegou a solução, na forma de um carro trazido por José Roberto Gonçalves de Rezende e Roberto das Chagas e Silva. Numa primeira leva, Sirkis e Manoel foram deixados no Méier. Na segunda, sairam Gerson, Tereza e o embaixador, largado às 2300h na Tijuca, próximo da Rua Barão de Mesquita.

Reconhecido por um popular, foi levado até à embaixada, portando, no bolso do casaco, um documento relatando torturas, que se dispusera, prazeirosamente, a divulgar na Europa.

O seqüestro foi realizado por duas organizações comunistas - a VPR e a ALN - e teve a participação de 19 militantes, dentre os que decidiram, os que planejaram, os que executaram a ação e os que a apoiaram. Foi o 3º seqüestro executado com sucesso, conseguindo a libertação de 40 presos.

O inusitado, entretanto, foi a cooptação de mais um simpatizante. Nos seus depoimentos às autoridades, o embaixador Holleben nada falou sobre os documentos que portava e nem sobre suas conversas em inglês com Sirkis, o que poderia tê-lo identificado.

A esquerda terrorista brasileira, paradoxalmente, ganhara mais um aliado de ocasião.

F.Dumont

17- ASSASSINATO DO 2º TEM DA FAB MATHEUS LEVINO DOS SANTOS

Na esteira das discussões sobre o desencadeamento ou não da luta armada, discussões essas que fracionaram o Partido Comunista Brasileiro (PCB), foi criado em abril de 1968, numa reunião em um sítio próximo a Niterói/RJ, o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR).

Seus maiores líderes eram Mario Alves, Apolônio de Carvalho, Jacob Gorender e Bruno Costa de Albuquerque Maranhão.

Sua Resolução Política, que estabelecia a luta armada, privilegiava a "guerra de guerrilhas" no campo, complementada, ao mesmo tempo, com a "guerrilha urbana".

"O caminho da Revolução Brasileira é, portanto, a luta armada. No curso do processo revolucionário, é preciso coordenar várias formas de lutas de massas, pacíficas e não pacíficas, legais e não legais. As formas de ações legais ou pacíficas devem ser utilizadas para desenvolver o movimento popular, mas, com o emprego exclusivo de tais meios a revolução não pode ser vitoriosa. A violência reacionária só pode ser vencida com a violência revolucionária."

Desde seu primeiro ano de vida, o PCBR contou com os recursos humanos dos quadros oriundos do PCB e dos recursos financeiros obtidos com os milhares de dólares furtados pelo Jorge Medeiros Valle, o "Bom Burguês", e entregues, em boa parte, ao partido.

 No ano seguinte, o PCBR já estava estruturado em 6 Comitês Regionais (CR), englobando 16 estados da Federação. Para a condução da luta armada, nome pomposo que encobria a realização de assaltos, atentados a bombas e assassinatos, cada regional possuía um Comando Político-Militar (CPM)

Nesse ano de 1969, três assassinatos iriam "adornar" o futuro currículo dos violentos militantes do PCBR:

 - o de 31 de outubro, em Olinda, Pernambuco, quando Nilson José de Azevedo Lins, um jovem de 23 anos, gerente da firma "Cornélio de Souza e Silva", distribuidora dos produtos da Souza Cruz, foi assaltado e morto;

- o de 17 de dezembro, na Praça do Carmo, no subúrbio carioca de Braz de Pina, quando o sargento da PM Joel Nunes, ao tentar impedir o roubo de um banco, foi morto a tiros por Avelino Bione Capitani; e

- no dia seguinte, 18 de dezembro, quando o soldado do Exército Elias dos Santos, ao participar de um estouro de aparelho do PCBR localizado na Rua Baronesa de Uruguaiana, 70, no bairro de Lins de Vasconcelos, na então Guanabara, foi morto com um disparo à queima-roupa de uma pistola .45, desfechado por Antonio Prestes de Paula.

O Comitê Regional do Nordeste (CR/NE), um dos seis CR estruturados, abrangia os estados de Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, e estava integrado por Nicolau Tolentino Abrantes dos Santos, Francisco de Assis Barreto da Rocha Filho, Juliano Homem de Siqueira, Marcelo Mario de Melo, Alberto Vinicius Melo do Nacimento e Luciano de Almeida.

Em meados de 1970, o CR/PCBR/NE resolveu seqüestrar o Cônsul norte-americano, em Recife, a fim de trocá-lo por militantes que haviam sido presos. Para isso, entretanto, era preciso um Volkswagen branco, à semelhança do pertencente a Nancy Mangabeira Unger ("Andrea, "Cristina", "Joana", "Paula"), membro do CR, que julgavam já conhecido dos órgãos de segurança.

Depois de duas noites de procura, encontraram, às 2200h de 26 de junho de 1970, um Volks estacionado na Avenida Bernardo Vieira de Melo, em Jaboatão, nas proximidades do Hospital da Aeronáutica. Quatro militantes do PCBR desceram do carro dirigido por Nancy Mangabeira Unger: Carlos Alberto Soares ("Álvaro", "Ivo", "Julião", "Toinho", "Vitor"), José Bartolomeu Rodrigues de Souza ("Eduardo", "Cantor", "Tropicalista", "Tropi", "Teo", "Luizinho"), José Gersino Saraiva Maia ("Fabiano", "Felipe", "Fernando", "Ivan", "Rivelino", "Riva", "Rui")    e Luiz "Jacaré", este nunca perfeitamente identificado.

Ao tentarem render o motorista, este, identificando-se como tenente da Aeronáutica, tentou reagir. Carlos Alberto Soares não teve dúvidas e, disparando à queima-roupa, atingiu-o por duas vezes, na cabeça e no pescoço.

A vítima, o Tenente Matheus Levino dos Santos, chegou com vida ao hospital, sendo operado dois dias depois. Entretanto, após 9 meses de impressionante sofrimento, veio a falecer em 24 de março de 1971, deixando viúva e duas filhas menores.

Um relatório médico datado de 04 de março de 1971 traça um quadro impressionante da situação do Ten Levino:
"Visto hoje, após 8 meses, apresenta um dos quadros mais tristes a que pode chegar um ente humano. Vive, hoje, depositado em colchão adequado de borracha cheio d'água; mesmo assim, não foi possível evitar as escaras de decúbito que, a despeito também de todos os cuidados da enfermagem, conta hoje com 27 escaras disseminadas praticamente em todo o corpo, algumas delas já chegando na exposição do osso. Não é capaz de manter conversação. Por vezes, quando estimulado, passa a responder nossas perguntas por meio de monossílabos. Tem emitido, com freqüência, gritos que podemos dizer horripilantes, que são ouvidos em toda a enfermaria onde se encontra e em outras dependências do Hospital."

No IPM, além dos citados, também foram indiciados Marcelo Mario de Melo, Alberto Vinícius Melo do Nascimento, Francisco de Assis Barreto da Rocha Filho e Vera Maria Rocha Pereira.

Ao longo de sua história, o PCBR ainda ceifaria as vidas de outras pessoas, sempre ao abrigo de sua ideologia radical e violenta.

Eis as fotos do terror.

 image036  image037

Ten Levino entrevado em seu leito.

FOTOS DOS COVARDES ASSASSINOS

 image038  image039  image040 image041 

José Gercino Saraiva

Alberto Vinícius M. do Nascimento

Carlos Alberto Soares
("Vítor")

Francisco de A. B. da R. Filho

 image042 image043   image044  

Marcelo Mário de Melo

Nancy Mangabeira Unger

Vera Maria Rocha Pereira

 

F.DUMONT

 18- O SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DA SUIÇA

Em meados de outubro de 1970, a “frente” composta pelas seguintes cinco organizações subversivas, Ação Libertadora Nacional (ALN), Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8) e Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), estava em plena euforia, fruto da perspectiva de sucesso das ações que havia planejado executar em conjunto, na semana do 1º aniversário da morte de Carlos Marighella, em 04 de novembro. Dentre essas ações, a VPR planejava ativamente o seqüestro que iria executar na então Guanabara, o do embaixador da Suíça, Giovanni Enrico Bucher, um dos três diplomatas que ainda pretendia seqüestrar.
A morte, em 23 de outubro, de Joaquim Câmara Ferreira (“Toledo”, “Velho”, “Valter”, “Azevedo”), então líder máximo da ALN, e a sucessão de prisões que atingiu o PCBR, em Recife e em Salvador, arrefeceram os ânimos da “frente”, embalada, apenas, pelas ações de propaganda armada que havia planejado realizar alguns dias antes das eleições de 15 de novembro.
A VPR, entretanto, debruçava-se inteiramente nos preparativos para o seqüestro. Em 01 de novembro, Carlos Lamarca (“Renato”, “Célio”, “Sylas”, “João”, “César”, “Cid”, “Cláudio”, “Cirilo”) enviou o documento “Recorrência da VPR à Frente”, no qual questionava a quantidade de presos da VPR e da ALN que deveriam ser soltos em troca das vidas dos três embaixadores a serem seqüestrados. Num total de 200 presos, dentre os quais 25 do PCBR, 15 do MR-8, 7 do MRT e 43 de outras organizações, a VPR não concordava com os 40 que a ela haviam sido propostos, em comparação com os 70 da ALN. Numa linguagem agressiva, talvez por não ter que enfrentar “Toledo”, Lamarca propõe a inversão dos números: 70 para a VPR e 40 para a ALN. “De qualquer modo”, afirma Lamarca, a VPR “tem como questão fechada que o número de militantes da VPR e da ALN deve ser o mesmo”.
Alguns dias depois, a ALN, o MR-8 e o MRT enviam o documento “Ao Comando da VPR”, no qual decidem reabrir as discussões em torno do número de presos a ser pedido “no seqüestro”, fazendo, entretanto, severas críticas ao procedimento da VPR, que questionava os números estabelecidos numa reunião conjunta, à qual ela mesma havia comparecido. Sem que Lamarca percebesse, já estava embutido, no documento, a posição de “recuo”: em vez de “seqüestros”, a palavra vinha no singular.
O fracasso das ações de propaganda armada na “Campanha pelo Voto Nulo”, ocasionando choques trágicos com a polícia e pouco rendimento, precipitou o “recuo” da “frente”.
Numa reunião realizada alguns dias depois das eleições, no “aparelho” de Joaquim Alencar de Seixas (“Roque, “Velho, “Felipe”), do MRT, à qual compareceram Herbert Eustáquio de Carvalho (“Daniel”, “David”, “Ezequiel”, “Geraldo”, “Isaac”, “Isaias”, “Marcelo”, “Olimpio”, “Tampinha”) e Yoshitane Fujimore (“Antenor”, “Clóvis”, “Cristóvão”, “Edgar”, “Japonês”, “Joel”), pela VPR, o MR-8, representado por Carlos Alberto Vieira Muniz (“Assis”, “Adriano”, “João”, “Pedro”, “Janjão”) apresentou a proposta de suspensão, por tempo indeterminado, dos três seqüestros, até que fossem preparadas melhores condições de segurança, com “aparelhos”, dinheiro, armas, documentação, esquema médico, etc. Para o MR-8, havia que se montar, antes, uma infra-estrutura eficiente que assegurasse o sucesso das ações. Era a posição de “recuo” - a “infra” antes da ação, que a VPR já havia discutido há poucos meses e deliberado contra.
A maioria optou pelo “recuo” e a VPR comprometeu-se a não realizar o seqüestro até à próxima reunião da “frente”, prevista para ser realizada em dois meses. Lamarca, na Guanabara, consultou as bases. Favoráveis à ação, a VPR decidiu executá-la usando a sua autonomia e à revelia da “frente”.
 Bem que o MR-8 tentou atrasar o seqüestro, lançando a idéia de executar uma ação que iria render 20 metralhadoras. Como precisavam de fardas da PM e para provar que essa ação já estava em andamento, o MR-8 assaltou os dois policiais-militares que davam guarda no Mirante Dona Marta, em Botafogo, em 27 de novembro. Chegou mesmo a pensar em não devolver uma metralhadora que a VPR lhe havia emprestado, necessária para o seqüestro. Depois de acirradas discussões, concluiu que seria “oportunismo demais” e devolveu a “matraca”.
Nada mais faltava à VPR. Os levantamentos já estavam prontos, realizados pela Unidade de Combate “Juarez Guimarães de Brito” (UC/JGB), comandada por Gerson Theodoro de Oliveira (“Anibal”, “Fritz”, “Hans”, “Ivan”, “Mateus”, “Ruivo”).
 O esquema médico já havia sido montado por Inês Etienne Romeu (“Alda”, “Isabel”, “Leda”, “Nadia”, “Olga”, “Tania”), que combinara com o Dr. Edson Medeiros, ex-vereador cassado em 1964 e então amante da militante Eline Mittoso de Mello, para aguardar um telefonema até às 1300h do dia aprazado. Se houvesse feridos, eles seriam recebidos por Walter Ribeiro Novaes (“Careca”, “Dico”, “Jonas”, “Jô”, “Natur”, “Tito”), que estaria aguardando com um Volks estacionado na Rua Costa Bastos, em Santa Teresa. Daí, seriam levados para um sítio na Estrada do Guerenguê, na Taquara, alugado por Sinfrônio Mesaneto (“Lucio”), onde seriam recebidos pelo caseiro Honório Amorim Bezerra (“José”, “Zumbi”), ex-militante da Ala Vermelha e da Var-Palmares.
Os carros para a ação já haviam sido conseguidos. No dia 22 de novembro, às 0600h, Alex Polari de Alverga (“Bartô”, “João”, “Rafael”, “Samuel”, “Tomás”, “Virgulino”), José Roberto Gonçalves de Rezende (“Bigode”, “Eraldo”, “Flávio”, “Nelson”, “Rodolfo”, “Ronaldo”), Alfredo Hélio Sirkis (“Alberto”, “Camilo”, “Carlos”, “Felipe”, “Gabriel”, “Manoel”, “Vitor”), Maurício Guilherme da Silveira (“Honório”, “Benê”) e Tereza Ângelo (“Chica”, “Helga”, “Luiza”, “Mariana”, “Miriam”, “Solange”, “Telma”) assaltaram a garagem e parqueamento localizada na Rua de Bonsucesso, 500, de onde levaram três Volks - dois azuis e um branco, além de dois pares de placas e um revólver INA calibre .38. Às 0530h de 30 de novembro, esses mesmos militantes, com a exceção de Tereza Ângelo e com o acréscimo de Gerson Theodoro de Oliveira, Adair Gonçalves Reis (“Elber”, “Leônidas”, “Robson”, “Sorriso”, “Van”), Ivan Mota Dias (“Abel”, “Afonso”, “Cabana”, “Cururu”, “Eli”, “Marcos”, “Reginaldo”, “Tibério”) e Lúcia Maurício de Alverga (“Adriana”, “Mirna”, “Mônica”, “Stela”), assaltaram, pela 2ª vez, a garagem “Todos os Santos”, localizada na Avenida Amaro Cavalcanti, 511, no Encantado, perto de um depósito da Brahma, de onde levaram um Aero-Willys cinza-claro e dois Volks, um branco e o outro azul-turquesa.
  Como desinformação, Paulo Brandi de Barros Cachapuz (“Aldo”, “Bruno”, “Paulinho”) daria, logo após o seqüestro, diversos telefonemas para rádios e delegacias, fornecendo falsas pistas à polícia.
O “aparelho” escolhido para a guarda do embaixador seria, do mesmo modo que o do alemão, a residência do “casal” Gerson e Tereza, que haviam alugado, desde julho, uma casa de três quartos na Rua Tacaratu, uma ladeira que começava em Rocha Miranda, onde havia um quartel da PM, e terminava em Honório Gurgel.
O esquema para o envio das mensagens às autoridades também já estava pronto, com “pontos” anteriormente marcados entre os três “legais” do “aparelho”, Gerson, Tereza e Herbert - este apresentado à vizinhança como irmão de Tereza -, e Ivan Mota Dias e Zenaide Machado (“Andréia”, “Elisa”, “Neusa”, “Noêmia”, “Núria”, “Raquel”), que os deixariam em cinco diferentes locais, avisando, logo depois, aos órgãos de comunicação social.
Os levantamentos executados sobre os hábitos do embaixador haviam mostrado que ele saía diariamente, por volta das 0845h, de sua residência na Rua Campo Belo, 199, em Laranjeiras, e dirigia-se no seu Buick azul de chapa diplomática para os escritórios da embaixada, na Rua Cândido Mendes, 157, na Glória. Não havia carro de segurança; o embaixador desprezava as sugestões da Polícia Federal nesse sentido. Para ele, o seqüestro do embaixador alemão mostrara que esse carro não impediria a ação de elementos determinados. Do mesmo modo, desprezava a recomendação de variar seu itinerário: de sua residência, no Campo Belo, passava pelas ruas Pereira da Silva, das Laranjeiras, Ipiranga e Conde de Baependi, chegando à Praça José de Alencar, ao Catete e, daí, atingindo a Glória. Para ele, o seqüestro de um embaixador suíço era improvável: o pequenino e neutro país não traria dividendos políticos aos seqüestradores. Portanto, diariamente, entre 0850 e 0900h, passava na Rua Conde de Baependi, uma via estreita, de mão única, que ligava Laranjeiras ao Flamengo. Com ele, no Buick azul, seguiam o motorista, desarmado, e um Agente da Polícia Federal (APF), com uma pistola 7,65 mm.
Depois de dois adiamentos, Carlos Lamarca, então adotando o novo codinome de “Paulista”, marcou a ação para o dia 03 de dezembro. Tudo pronto, com os militantes em seus postos, o comandante da ação não apareceu: Sirkis havia-se esquecido de entregar, ao “Paulista”, a chave do Volks que o levaria, e a Gerson, ao local determinado.
Entre 0850 e 0855h do dia 07 de dezembro de 1970, uma segunda-feira, consumou-se o seqüestro.
O embaixador Giovanni Enrico Bucher, de 57 anos, saiu de sua residência na hora prevista, com o motorista Hercílio Geraldo e o APF Hélio Carvalho de Araújo. Um pouco antes do Buick azul entrar na Rua Conde de Baependi, o “olheiro” Adair Gonçalves Reis fez um sinal para Gerson Theodoro de Oliveira e saiu, a pé, da área. Gerson, por sua vez, sinalizou a Alex Polari de Alverga que ligou o motor de seu Aero-Willys cinza-claro, estacionado na calçada da esquerda, perpendicularmente à rua, na altura do nº 63. Segundos depois, avançou em direção à contra-mão, chegando a tocar com o pára-choque do seu carro com o do Buick. Ao mesmo tempo, Inês Etienne Romeu, num Volks azul estacionado junto à calçada da direita, deu marcha-à-ré, impedindo a fuga do Buick por este lado. Enquanto isso, Maurício Guilherme da Silveira, dirigindo um Volks branco, simulava uma pane na esquina da Rua Senador Correia, impedindo o acesso de outros veículos à Conde de Baependi, e Herbert Eustáquio de Carvalho dava segurança à operação.
Lamarca, de cavanhaque, terno e gravata, e Gerson, com metralhadora, aproximaram-se pela direita do Buick. O “Paulista” bateu no vidro da janela do agente de segurança e abriu a porta, desfechando-lhe dois tiros com um revólver “Smith & Wesson” calibre .38, cano longo, a uma distância de um metro: o 1º atingiu o teto do carro e o 2º as costas do agente, que, por instinto de defesa, se virara (o APF Hélio Carvalho de Araújo, com a medula totalmente seccionada pelo projetil, viria a falecer às 0200h do dia 10 de dezembro de 1970, no Hospital Miguel Couto).
Alex retirou o motorista, Hercílio Geraldo, obrigando-o a deitar-se de bruços na calçada. Aproveitando um descuido, Hercílio fugiu, saindo correndo por entre as obras de um prédio em construção. O apavorado embaixador, retirado do carro, foi levado por Inês a um Volks azul-turquesa, dirigido por José Roberto Gonçalves de Rezende. Alex, Herbert e Inês fugiram no Volks branco de Maurício, que saiu na contra-mão sendo, posteriormente, abandonado numa transversal da Rua Riachuelo. Lamarca e Gerson, com o embaixador, fugiram no Volks de José Roberto.
Toda a ação durou pouco mais de 30 segundos. Na fuga, Bucher pôde vislumbrar dois soldados da PM que corriam para o local dos tiros, vindos da Praça José de Alencar, onde atendiam a um acidente de trânsito, a 100 metros do local do seqüestro.
Abandonados na Conde de Baependi, ficaram o Aero-Willys e o Volks usados para fechar o Buick. Dentro deste, inclusive sobre o corpo ensangüentado do agente, panfletos do “Comando Juarez Guimarães de Brito” da VPR tentavam justificar a “Operação Joaquim Câmara Ferreira” e afirmavam, abusadamente, que “Deste instante em diante, a vida do Sr. Embaixador está sob inteira responsabilidade do governo”. Na realidade, era mais um crime cometido em nome da “revolução brasileira”.
Cerca de 15 minutos depois, após ultrapassar o Túnel Santa Bárbara, José Roberto deixou Lamarca, Gerson e Bucher na Rua Miguel de Paiva, onde embarcaram no Volks branco de Sirkis. Subiram um pouco por Santa Tereza, desceram para o Rio Comprido e passaram, sucessivamente, pela Tijuca, pelo Engenho Novo e por Cascadura, onde trocaram as placas. Seguindo por Madureira, atingiram o “aparelho” da Rua Paracatu, em Rocha Miranda, às 0945h, onde já os esperava Tereza Ângelo. Para a entrada no “aparelho”, Bucher foi vestido com um macacão de operário e um boné.
Nesse período, os órgãos policiais desencadeavam operações de bloqueio em diversas saídas da Guanabara. Entretanto, os telefonemas dados por Paulo Brandi de Barros Cachapuz conduziam o grosso das forças para as matas da Floresta da Tijuca e desviavam sua atenção dos subúrbios da Leopoldina.
Alguns momentos depois da chegada no “aparelho”, Bucher pediu que seus seqüestradores queimassem um documento que fora encontrado em sua pasta - uma análise da situação brasileira - no que foi atendido (em suas declarações depois de solto, o embaixador, obviamente, esqueceu-se deste detalhe).
Durante os 40 dias que duraram as negociações, cinco militantes cuidaram do embaixador: Lamarca, Herbert, Gerson, Tereza e Sirkis. Foi bem tratado, chegando a receber duas bermudas, duas camisas, chinelos, cigarros, remédios e, até, um ventilador para enfrentar o forte calor do verão carioca. Constantemente, jogava “biriba” em parceria com seus seqüestradores e tomava banho de sol no pequeno quintal dos fundos. Chegou a ser fotografado e respondeu, num gravador, a uma dezena de perguntas que lhe haviam sido enviadas pela revista alemã “STERN”. Inicialmente de capuzes, uma semana depois os cinco militantes ficaram com os rostos descobertos (mais tarde, Bucher diria que seus seqüestradores ficaram de capuzes o tempo todo; naquela época, com as fotos existentes nos arquivos dos órgãos de segurança, os cinco militantes poderiam ter sido identificados).
Algumas horas depois do seqüestro, a VPR enviou o “Comunicado nº 1”, um “Manifesto ao Povo       Brasileiro”, uma “Carta Aberta à Embaixada Suíça” e uma carta de Bucher, de próprio punho. Dentre as diversas exigências, três destacavam-se:
-  a  divulgação do “Manifesto ao Povo Brasileiro” por dois dias consecutivos na primeira página dos jornais e em todas as rádios e TV do País, às 0600, 1200, 1800 e 2030 horas;
- a cessão de passagens gratuitas nos trens suburbanos da Central e da Leopoldina, durante dois dias; e
- a libertação de 70 presos para o Chile, a Argélia ou o México.
  Ao meio-dia do dia 09 de dezembro, uma nota oficial do Ministro da Justiça afirmava que “o Governo Brasileiro no empenho de preservar a vida e a liberdade do Embaixador da Suíça” estava aguardando uma carta de próprio punho do embaixador e a “relação nominal dos terroristas presos”. Nessa mesma tarde, a VPR expediu o “Comunicado nº 2”, dizendo que só divulgaria a lista dos 70 presos após cumpridas as exigências. Quatro dias depois, novamente a VPR cobrou essas exigências, através do “Comunicado nº 3”, e, no dia 16, com o “Comunicado nº 4”.
Por esses dias, instaurara-se uma verdadeira confusão nos órgãos de segurança, abarrotados por falsas denúncias anônimas, falsas exigências e falsos comunicados. Peritos grafotécnicos eram chamados para verificar a autenticidade dos comunicados. Apesar dos verdadeiros terem sido encaminhados com a assinatura do embaixador, alguns outros já apareciam com essa assinatura e só a perícia pôde demonstrar a falsificação.
No dia 17, o Governo deu a garantia da libertação dos presos e, no dia seguinte, a VPR enviou o “Comunicado nº 5”, com a lista dos 70.
Na segunda-feira, 21 de dezembro, o Governo respondeu que aceitava libertar 51 da lista. Não concordava, entretanto, com os outros 19, pelos seguintes motivos: 6 eram autores de seqüestros, 4 condenados à prisão perpétua ou penas elevadas, 3 haviam cometido homicídios, 1 não estava identificado, 1 não queria ir e 4 já estavam em liberdade.
A partir desse momento, o “Comando Juarez Guimarães de Brito” entrou numa série de discussões para ver se matavam ou não o embaixador. No dia seguinte, Lamarca enviou um “Comunicado Especial” não aceitando a preterição dos 13 e concordando com a substituição dos 6 seguintes. Redigido em forma de ultimato, o final do comunicado trazia a sombria advertência de que estavam “firmes no propósito de executar a sentença de morte”. Ao mesmo tempo, Lamarca determinou que os militantes das duas bases enviassem, por escrito, a respectiva posição.

No documento de Adair Gonçalves Reis, datado de 24 de dezembro, aparece:
“Propomos a marcação imediata da data e horário para o justiçamento, com comunicado à     ditadura. Prazo mínimo de 48 horas e máximo de 72 horas, tomando as 18 horas da tarde como horário básico”.

Em 26 de dezembro, Zenaide Machado afirma:
“A saída é pagar o preço alto e carregar um defunto que irá muito nos incomodar”.          Nessa mesma data, Ivan Mota Dias declara:
 “Demorando a resposta da ditadura ao comunicado especial, damos um “ultimatum” que se não for aceito nos levará a fechar o cara. Havendo resposta negativa ao comunicado especial, pode-se pensar em negociar com o Feller (1). Eu penso que 6 ou 8 milhões de dólares seriam possíveis de serem obtidos, e parte desse tutu poderia ser entregue ao Jamil (2) na Europa, através dos contatos suíços em Genebra (os caras daquela liga de Direitos Humanos). O pessoal de lá teria tutu para voltar e para comprar equipamentos interessantes para a luta aqui, inclusive armas”.
                                    (1)       Max Feller, embaixador substituto.
                                    (2)       “Jamil” era o codinome de Ladislas Dowbor.

Ubajara Silveira Roriz (“Nando”, “Otávio”, “Paulo”, “Salomão”), o mesmo estranho militante que aventara a idéia de soltar milhares de ratos nas cidades siderúrgicas, defendia “fazer a ditadura levar o cadáver do embaixador atravessado na garganta, nas suas andanças pelo mundo”.
Nas respostas, somente Alfredo Hélio Sirkis e José Roberto Gonçalves de Rezende não viram dividendos políticos na morte do embaixador. Dentre os cinco militantes confinados no “aparelho” da Tacaratu, inicialmente, Sirkis ficou isolado, numa posição absolutamente minoritária. Com as respostas e o passar dos dias, Lamarca mudou a sua posição. Mesmo assim, eram cerca de 15 votos contra 3, a favor da execução. Lamarca, como comandante-em-chefe da VPR, exerceu o seu poder de veto, sustou a execução e enviou uma lista substituindo os 13.
Sem o saber, Bucher nunca estivera tão perto da morte como naqueles dias de Natal do ano de 1970.
No dia 28, o Governo informou que, da nova lista, muitos também não poderiam ser libertados, pelos mesmos motivos anteriores; outros, inclusive, não desejavam sair do país. No dia 30, a VPR enviou nova lista.
Já aliviados pela decisão de negociar, os seqüestradores resolveram fazer uma festa na passagem do ano, com o comparecimento dos vizinhos; no quarto dos fundos, escondidos, só ficaram Sirkis e o embaixador.
N
o dia 04 de janeiro, o Governo informou a preterição de mais 9 presos, no dia seguinte substituídos por nova lista enviada pela VPR. No dia 06, nova preterição de mais 4 e, no dia seguinte, nova lista substituindo esses 4.
No dia 11, uma nota do Ministro da Justiça informou que condicionava o embarque de 70 presos (já reunidos na Guanabara) a um comunicado da VPR comprometendo-se a liberar o embaixador, comprometimento esse enviado no dia seguinte.
Às 2400h de 13 de janeiro de 1971, os 70 presos escoltados por três agentes da Polícia Federal decolavam do Galeão num Boeing da VARIG, aterrando, às 0415h no aeroporto de Pudahuel, em Santiago do Chile, sendo fotografados ao lado do avião com os braços erguidos e os punhos cerrados. Era a saudação dos “vitoriosos” comunistas às dezenas de militantes que os aguardavam nas varandas do aeroporto, com faixas e cantos dos hinos nacionais do Brasil e do Chile, entremeados pelo hino da Internacional Comunista, por sambas brasileiros e pelo coro de “assassinos filhos da puta”, dirigido ao avião.
Um dos agentes da Polícia Federal desceu do avião para colher a assinatura das autoridades chilenas pelo recebimento dos banidos. Ao dizer que tinha uma correspondência para o Adido Militar brasileiro, o Comissário Hugo Toro, afirmando que “aqui quem manda sou eu”, arrebatou-lhe o documento diplomático, rasgou o envelope e saiu a fim de lê-lo. Depois de ficar 2 horas guardado por agentes chilenos armados, o APF foi liberado. Às 0645h, o avião decolou e, quatro horas depois, aterrisava no Galeão.
Dos 70 comunistas banidos para o Chile, 24 eram militantes da VPR: Antonio Expedito Carvalho Pereira, Antonio Ubaldino Pereira, Aristenes Nogueira de Almeida, Armando Augusto Vargas Dias, Bruno Piola, Christóvão da Silva Ribeiro, Derci Fensterseifer, Encarnación Lopes Peres, Geny Cecília Piola (casada com Bruno, levou suas três filhas menores, Tatiana, Kátia e Bruna), Ismael Antônio de Souza, João Carlos Bona Garcia, Jovelina Tonello do Nascimento, Luiz Alberto Leite Sanz, Manoel Dias do Nascimento, Nelson Chaves dos Santos, Otacílio Pereira da Silva, Pedro Chaves dos Santos, Otacílio Pereira da Silva, Pedro Chaves dos Santos, Roberto Antônio de Fortini, Roberto Cardoso Ferraz do Amaral, Roque Aparecido da Silva, Ubiratan de Souza, Valneri Neves Antunes, Wânio José de Matos e Wellington Moreira Diniz.
Os outros 46 pertenciam a outras organizações subversivas: Afonso Celso Lana Leite, Afonso Junqueira de Alvarenga, Aluísio Ferreira Palmar, Antônio Rogério Garcia da Silveira, Bruno Dauster Magalhães e Silva, Carlos Bernardo Vainer, Carmela Pezzuti, Conceição Imaculada de Oliveira, Daniel José de Carvalho, Derly José de Carvalho, Edmur Péricles Camargo, Elinor Mendes Brito, Francisco Roberval Mendes, Gustavo Buarque Schiller, Humberto Trigueiros Lima, Irani Campos, Jaime Walwitz Cardoso, Jairo José de Carvalho, Jean Marc Friedrich Charles Van der Weid, João Batista Rita, Joel José de Carvalho, José Duarte dos Santos, Júlio Antônio Bittencourt de Almeida, Lúcio Flávio Uchôa Regueira, Mara Curtiss de Alvarenga, Marco Antônio Maranhão da Costa, Maria Auxiliadora Lara Barcelos, Maria Nazareth Cunha da Rocha, Nancy Mangabeira Unger, Paulo Roberto Alves, Paulo Roberto Telles Franck, Pedro Alves Filho, Pedro Viegas, Pedro Paulo Bretas, Rafael de Falco Neto, Reinaldo Guarany Simões, Reinaldo José de Melo, René Louis Laugery de Carvalho, Samuel Aarão Reis, Sônia Regina Yessin Ramos, Takao Amano, Tito de Alencar Lima, Ubiratan Vatutin Herzcher Borges, Vera Maria Rocha Pereira, Washington Alves da Silva e Wilson Nascimento Barbosa.
Para a liberação do embaixador, a VPR estava, à semelhança do ocorrido com o alemão, com problemas de carro: o Volks previsto havia sofrido um acidente, quando Walter Ribeiro Novaes entrara na traseira de um caminhão, na Avenida Brasil.
No dia 15, Lamarca abandonou o aparelho, indo encontrar-se com sua amante Iara Iavelberg (“Célia”, “Cláudia”, “Leda”, “Leila”, “Márcia”, “Norma”, “Rita”, “Gil”, “Liana”), que viera de São Paulo.
Ao alvorecer de 16 de janeiro de 1971, Sirkis e Gerson, no Volks acidentado, levaram o embaixador até próximo ao penhasco da Igreja da Penha, onde o deixaram às 0505h. Apanhou um táxi e, seguindo rigidamente as instruções de seus seqüestradores, dirigiu-se para a casa de um dos conselheiros da Embaixada, próxima ao Largo do Machado. Logo depois, foi para sua residência, num carro diplomático, nela entrando sem ser percebido pelas dezenas de jornalistas e policiais que aguardavam, há dois dias, a sua chegada num táxi. Ainda nessa manhã, Bucher, acompanhado de sua governanta, foi fotografado sorridente e queimado pelo sol da Paracatu. Depois de quarenta dias, o senhor embaixador voltava para o seu mundo.

F. Dumont

     19 - "O ASSASSINATO DE MÁRCIO LEITE TOLEDO DA ALN “
              
A manhã de 23 de março de 1971 encontrou o jovem advogado de 26 anos, Sérgio Moura Barbosa, escrevendo uma carta, em seu humilde quarto de pensão no bairro de Indianópolis, na capital de São Paulo. Os bigodes bem aparados e as longas suíças contrastavam com o aspecto conturbado de seu rosto, que não conseguia esconder a crise pela qual estava passando.
Três frases foram colocadas em destaque na primeira folha da carta: "A Revolução não tem prazo e nem pressa"; "Não pedimos licença a ninguém para praticar atos revolucionários"; e "Não devemos ter medo de errar. É preferível errar fazendo do que nada fazer". Em torno de cada frase, todas de Carlos Marighela, o jovem tecia ilações próprias, tiradas de sua experiência revolucionária como ativo militante da Ação Libertadora Nacional (ALN).
Ao mesmo tempo, lembrava-se das profundas transformações que ocorreram em sua vida e em seu pensamento, desde 1967, quando era militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e estudante de Sociologia Política da Universidade Mackenzie, em São Paulo. O "Pardal", como era conhecido, pensava casar-se com Maria Inês e já estava iniciando a montagem de um apartamento na Rua da Consolação.
Naquela época, as concepções militaristas exportadas por Fidel Castro e Che Guevara empolgavam os jovens e Marighela surgia como o líder comunista que vociferava que os levaria à tomada do poder através da luta armada.
Impetuoso, desprendido e idealista, largou o PCB e integrou-se ao agrupamento de Marighela que, no início de 1968, daria origem à ALN. Naquela manhã, a carta servia como repositório de suas dúvidas:
"Faço esses comentários a propósito da situação em que nos encontramos: completa defensiva e absoluta falta de imaginação para sairmos dela. O desafio que se nos apresenta no atual momento é dos mais sérios,na medida em que está em jogo a própria confiança no método de luta que adotamos. O impasse em que nos encontramos ameaça comprometer o movimento revolucionário brasileiro, levando-o, no mínimo, à estagnação e, no máximo, à extinção."
Esse tom pessimista estava muito longe das esperanças que depositara nos métodos revolucionários cubanos. Lembrava-se de sua prisão, em fins de julho de 1968, quando fora denunciado por estar pretendendo realizar um curso de guerrilha em Cuba. Conseguindo esconder suas ligações com a ALN, em poucos dias foi liberado. Lembrava-se, também, da sua primeira tentativa para ir a Havana, passando por Roma, quando foi detido, em 16 de agosto de 1968, no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. Conduzido à Polícia do Exército, foi liberado três dias depois. Finalmente, conseguindo o seu intento, permaneceu quase dois anos em Cuba, usando o codinome de "Carlos". Aprendeu a lidar com armamentos e explosivos, a executar sabotagens e a realizar assaltos. Em junho de 1970, voltou ao Brasil, retomando suas ligações com a ALN.
Em face de sua inteligência aguda e dos conhecimentos que trazia de Cuba, ascendeu rapidamente na hierarquia, passando a trabalhar junto à Coordenação Nacional. Foi quando, em 23 de outubro de 1970, um segundo golpe atingiu duramente a ALN, com a morte de seu então líder Joaquim Câmara Ferreira, o "Velho" ou "Toledo", quase um ano após a morte de Marighela. Lembrava-se que, durante cerca de 40 dias, ficara sem ligações com a organização. Premido pela insegurança, não compareceu a vários pontos, sendo destituído da Coordenação. Não estava concordando com a direção empreendida à ALN e escreveu, na carta, que havia entrado "em entendimento com outros companheiros igualmente em desacordo com a condução dada ao nosso movimento."
No início de fevereiro de 1971, foi chamado para uma discussão com a Coordenação Nacional e, na carta, assim descreveu a reunião:
"Ao tomarem conhecimento de meu contato paralelo, os companheiros do Comando chamaram-me para uma discussão, a qual transcorreu num clima pouco amistoso, inclusive com o emprego, pelas duas partes, de palavras inconvenientes para uma discussão política. Confesso que fiquei surpreso com a reação dos companheiros por não denotarem qualquer senso de autocrítica e somente entenderem a minha conduta como um simples ato de indisciplina."
Não sabia, o jovem, que a ALN suspeitava que ele houvesse traído o "Velho".
Com o crescimento de suas indecisões, não aceitou, de pronto, a função que lhe havia sido oferecida, a de ser o coordenador da ALN na Guanabara. Ao aceitá-la, após um período de reflexão, a proposta já fora cancelada. Foi, então, integrado a um "Grupo de Fogo" da ALN em São Paulo, no qual, até aquela manhã, participara de diversos assaltos. Seu descontentamento, entretanto, era visível:
"Fui integrado nesse grupo, esperando que, finalmente, pudesse trabalhar dentro de uma certa faixa de autonomia e aplicar meus conhecimentos e técnicas em prol do movimento. Aí permaneci por quase dois meses, e qual não foi a minha decepção ao verificar que também aí estava anulado... Tive a sensação de castração política."
  Não sabia, o jovem, que a ALN estava considerando o seu trabalho, no "Grupo de Fogo", como desgastante e "ainda somado à vacilação diante do inimigo", acusado de ter fugido da polícia quando estavam trocando as placas de um carro roubado.
No final da carta, Sérgio, mantendo a ilusão revolucionária, teceu comentários acerca de sua saída da ALN:
"Assim, já não há nenhuma possibilidade de continuar tolerando os erros e omissões políticas de uma direção que já teve a oportunidade de se corrigir e não o fez. Em sã consciência, jamais poderei ser acusado de arrivista, oportunista ou derrotista. Não vacilo e não tenho dúvidas quanto às minhas convicções. Continuarei trabalhando pela Revolução, pois ela é o meu único compromisso."
Ao pé da carta, assinava "Vicente" e não "Mário", codinome este que havia passado a usar depois de seu regresso de Cuba.

Terminada a redação, pegou o seu revólver calibre 38 e uma lata cheia de balas com um pavio à guisa de bomba caseira e saiu para "cobrir um ponto" com o militante da ALN José Milton Barbosa ("Celio", "Castro", "Claudio", "Sargento"). Não sabia que seria traído. Não sabia, inclusive, que o descontentamento da ALN era tanto que ele já havia sido submetido -- e condenado -- por um pseudo "Tribunal Revolucionário".
  No final da tarde, procedendo às costumeiras evasivas, circulava pelas ruas do Jardim Europa, aristocrático bairro paulistano. Na altura do número 405 da Rua Caçapava, aproximou-se um Volkswagen grená, com dois ocupantes, que dispararam mais de 10 tiros de revólver .38 e pistola 9 mm. Um Gálaxie, com 3 elementos, dava cobertura à ação. Apesar da reação do jovem, que chegou a descarregar sua arma, foi atingido por 8 disparos. Morto na calçada, seus olhos abertos pareciam traduzir a surpresa de ter reconhecido seus assassinos. Da ação fizeram parte seus companheiros da direção nacional Yuri Xavier Pereira ("Joaozão"), Ana Maria Nacinovic Correia ("Marcela", "Betty", "Beth") e Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz ("Clemente", "Diogo", "Quelê", "Guilherme"), este último o autor dos disparos fatais.
Ao lado do corpo, foram jogados panfletos, nos quais a ALN assumia a autoria do "justiçamento", do qual também participaram, na cobertura, Antonio Sérgio de Matos ("Hermes, "Uns e Outros"), Paulo de Tarso Celestino da Silva ("Cesar") e José Milton Barbosa.
São sugestivos os seguintes trechos desse "Comunicado":
"A Ação Libertadora Nacional (ALN) executou, dia 23 de março de 1971, Márcio Leite Toledo. Esta execução teve o fim de resguardar a organização... Uma organização revolucionária, em guerra declarada, não pode permitir a quem tenha uma série de informações como as que possuía, vacilações desta espécie, muito menos uma defecção deste grau em suas fileiras... Tolerância e conciliação tiveram funestas conseqüências na revolução brasileira... Ao assumir responsabilidade na organização cada quadro deve analisar sua capacidade e seu preparo. Depois disto não se permitem recuos... A revolução não admitirá recuos!"
O jovem não era "advogado" e nem se chamava "Sérgio Moura Barbosa", "Carlos", "Vicente", "Mário" ou "Pardal". Seu nome verdadeiro era Márcio Leite Toledo.

Enterrado dias depois em Bauru, seu irmão mais velho, então Deputado Federal por São Paulo, declarou saber que ele havia sido morto pelos próprios companheiros comunistas.

F.  DUMONT

image045                      
                                                         

MARCIO LEITE TOLEDO

           20 - ASSASSINATO DE HENNING ALBERT BOILESEN
O industrial Henning Albert Boilesen começou a morrer em janeiro de 1971.
Nessa época, Antônio André Camargo Guerra ("Márcio", "Rafael", "Fernando", "Homero", "Alexandre"), do comando do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), "cobriu um ponto" em Cascadura, na então Guanabara, com Herbert Eustáquio de Carvalho, o "Daniel", da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), para tratar das próximas ações da "Frente", constituída por essas duas organizações e mais a Ação Libertadora Nacional (ALN), o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) e o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR). Na ocasião, Herbert, a mando de Carlos Lamarca, entregou-lhe um bilhete com três nomes: "Henning Boilessen", "Peri Igel" e "Sebastião Camargo (Camargo Correia)". Segundo Herbert, Lamarca pedia ao MRT que levantasse os dados dessas três pessoas a fim de futuros seqüestros ou justiçamentos.
Boilesen, um dinamarquês de 55 anos, havia sido, em sua juventude, lutador de box e jogador de futebol em Copenhague. Formado em Administração de Empresas, veio para São Paulo em 1942, como contador da Firestone, naturalizando-se brasileiro em 1959.
 Ingressando na Ultragás, foi, pela sua grande capacidade de trabalho, galgando postos, sucessivamente, até tornar-se o presidente do Grupo Ultra, que englobava várias empresas ligadas à produção do gás liqüefeito do petróleo.
Preocupado com os aspectos sociais do trabalho, auxiliava diversas entidades e havia criado um Centro de Integração Empresa-Escola, para a formação de mão-de-obra especializada. Entrosado com o meio empresarial, possuía os títulos de "Cidadão Paulistano" e de "Homem de Relações Públicas em 1964", além de quase uma dezena de medalhas e condecorações, outorgadas por diversas entidades, entre as quais o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, a Sociedade Geográfica Brasileira e o Museu de História do Rio de Janeiro.
Casado, com 3 filhos e 4 netos, Boilesen disputava peladas de futebol nos fins de semana e era fanático torcedor do Palmeiras. Gostava de samba e ficava horas a ouvir Chico Buarque, a quem considerava um gênio. Apaixonado pelas artes plásticas, patrocinava exposições e privava da amizade de inúmeros artistas que expunham na vizinha cidade de Embu.
Mas, para a VPR, ele era um "espião da CIA" e patrocinador da Operação Bandeirante, a OBAN. No bilhete passado por Herbert para Antônio André, Boilesen estava em primeiro lugar e assinalado com um sinistro "X".
A partir da 2ª quinzena de janeiro de 1971, iniciaram-se os levantamentos do industrial, dos quais participaram Devanir José de Carvalho ("Henrique", "Justino", "Heitor"), Dimas Antônio Casemiro ("Rei", "Celso", "Jaime", "Serafim"), Gilberto Faria Lima ("Zorro", "Diego", "Carlos", "Giba", "Sílvio") e José Dan de Carvalho ("Alcides"), pelo MRT, Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz ("Clemente", "Guilherme"), pela ALN, e Gregório Mendonça ("Fumaça", "Leônidas", "Marcos") e Laerte Dorneles Meliga ("Flávio", "Sebastião"), pela VPR.
Nos levantamentos procedidos, descobriu-se que Boilesen residia no Morumbi e que diariamente, às 0900 horas, antes de ir para o trabalho, passava para ver um de seus filhos (que era cego) do primeiro casamento, na Rua Estados Unidos, 1030. Nada descobriram, entretanto, sobre sua suposta ligação com a OBAN.
A prisão de Laerte e Gregório, respectivamente, em 02 e 04 de fevereiro, fez com que suspendessem a ação, temporariamente, pois ambos haviam participado dos levantamentos. Passados alguns dias, observando que o industrial não mudara seus hábitos e continuava a não possuir segurança pessoal, concluíram que nada havia sido delatado pelos companheiros.
Numa reunião do comando do MRT, realizada em 17 de fevereiro, Boilesen foi julgado e condenado à morte. Na pauta resumida dessa reunião, apreendida dois meses depois, aparece um lacônico "Justiçamento-CIA". Uma semana depois, em 23 de fevereiro, na pauta de uma nova reunião do comando, aparecia, com a própria letra do Devanir: "Tarefa prioritária: Sobre a pena de morte - apresentar proposta à frente". O MRT, para executar a ação, precisava propô-la à "Frente". Boilesen ganhou mais alguns dias de vida.
A morte de Devanir José de Carvalho, o famigerado "Henrique", líder do MRT, baleado ao resistir à prisão em 05 de abril, em vez de suspender, precipitou a ação. Dimas, o "Rei", e Giberto, o "Zorro", entraram em contato com Carlos Eugênio, o "Clemente", e José Milton Barbosa ("Castro"), da ALN, e pediram auxílio para a execução, como vingança pela morte do "Henrique".
Entre os dias 09 e 13 de abril, o "Comando Revolucionário Devanir José de Carvalho", criado especificamente para a ação, realizou novos levantamentos sobre Boilesen. Dimas escreveu o panfleto que seria jogado sobre a futura vítima, procurando "justificar" o assassinato.
Na manhã de 14 de abril, o Comando Revolucionário montou o seu dispositivo. No carro da ação, um Volks, três militantes da ALN: Antônio Sérgio de Matos ("Uns e Outros"), como motorista, Yuri Xavier Pereira ("Joaozão"), com Fuzil Mauser 7 mm, e José Milton Barbosa, com metralhadora INA. No carro de cobertura, outro Volks, três militantes do MRT: Dimas Antônio Casemiro, como motorista, Joaquim Alencar de Seixas ("Roque", "Felipe", "Velho"), com Winchester 44, e Gilberto Faria Lima, com metralhadora INA. Haviam decidido que a ação seria executada em frente da casa dos filhos de Boilesen, na Rua Estados Unidos, a fim de causar maior impacto na opinião pública. Estacionaram os dois carros na Alameda Casa Branca e Yuri e José Milton montaram guarda na esquina para esperar a sua saída. Subiriam nos carros e fechariam o do industrial antes que ele desse a partida.
Entretanto, nesse dia, Boilesen viajou a negócios para a Guanabara. Ganhou mais 24 horas de vida.
No dia seguinte, 15 de abril de 1971, novamente o Comando Revolucionário tomou posição. Dessa vez, pontual, Boilesen saiu da casa de seus filhos, às 0910 horas. O planejamento, no entanto, não fora bem feito. Ao entrarem na Estados Unidos, os terroristas observaram, surpresos, que o Ford Gálaxie do industrial já virava à direita, tomando a Rua Peixoto Gomide. Após alguns segundos de hesitação, decidiram agir assim mesmo e saíram em perseguição ao carro. Para evitar uma feira livre, Boilesen entrou na Rua Professor Azevedo Amaral e pegou a Barão de Capanema. Na esquina da Alameda Casa Branca, parou para entrar à esquerda. Nesse momento, os dois carros emparelharam com o dele. Pela esquerda, Yuri, colocando o fuzil para fora da janela, disparou um tiro que raspou a cabeça de Boilesen. Este saiu do Gálaxie e tentou correr em direção contrária aos carros. Foi inútil. José Milton descarregou a metralhadora em suas costas e Yuri desfechou-lhe mais três tiros de fuzil. Cambaleando, Boilesen arrastou-se por mais alguns metros, indo cair na sarjeta, junto de um outro Volkswagen. Aproximando-se, Yuri disparou mais um tiro, que arrancou-lhe a maior parte da face esquerda. Joaquim e Gilberto jogaram os panfletos por cima do cadáver. Os terrorista, subindo em seus carros, arrancaram em alta velocidade, fugindo pela Alameda Casa Branca em direção à Avenida Paulista.
Mais tarde, num relatório escrito por Yuri e apreendido pela polícia, pode-se ler: "Durante a fuga trocávamos olhares de contentamento e satisfação.. Mais uma vitória da Revolução Brasileira".
O assassinato durara menos de dois minutos. Os disparos haviam chamado a atenção de dezenas de populares que estavam na feira livre. Vários carros e casas foram atingidos por tiros perdidos. Caídas, uma senhora, atingida no ombro, e uma vendedora de maçãs, ferida na perna, aumentavam o pânico das pessoas, que correram em direção à Peixoto Gomide.
Sobre o corpo de Boilesen, mutilado com 19 tiros, os panfletos da ALN e do MRT, dirigidos "Ao Povo Brasileiro", traziam a ameaça:
"Como ele, existem muitos outros e sabemos quem são. Todos terão o mesmo fim, não importa quanto tempo demore; o que importa é que todos eles sentirão o peso da JUSTIÇA REVOLUCIONÁRIA.
Olho por olho, dente por dente".
Os "senhores da vida e da morte" superestimaram o próprio tempo.

image047

Corpo de Boilensen
F. DUMONT

21 – ASSASSINATO DO MARINHEIRO INGLÊS DAVID A. CUTHBERG

Em 5 de fevereiro de 1972, chegava ao porto do Rio de Janeiro uma força-tarefa da Real Marinha Inglesa, em comemoração ao sesquicentenário da Independência do Brasil. Os marinheiros, como em todo porto, estavam ávidos para conhecer a noite do Rio, um sábado bafejado pelo calor do verão e pelos primeiros sons de samba, que antecediam o carnaval carioca.>

Liberado da faina do navio H.M.S.Triumph, o marinheiro inglês David A. Cuthberg, de 19 anos, acompanhado de seu colega Paul Stoud, tomou, na Praça Mauá, o táxi dirigido por Antonio Melo, que os levaria para conhecer a mundialmente famosa praia de Copacabana.

Eles não sabiam que, desde a chegada na praça, estavam sendo observados por oito terroristas, dissimulados dentro de dois carros.

Na esquina da Avenida Rio Branco com Visconde de Inhaúma, à porta do Hotel São Francisco, um dos veículos emparelhou com o táxi e David foi atingido por uma rajada de metralhadora, disparada por Flávio Augusto Neves Leão de Salles. Imediatamente, Lígia Maria Salgado da Nóbrega jogou para dentro do táxi panfletos que falavam em vingança contra os ingleses por terem massacrado os irlandeses do norte. O "Comando da Frente" acabou com o sonho de David em conhecer Copacabana, "justificando plenamente" seu ato pela solidariedade à luta do IRA contra os ingleses.

A ação criminosa, tachada como "justiçamento", foi praticada pelos seguintes oito terroristas, integrantes de uma frente formada por três organizações comunistas: pela ALN, Flávio Augusto Neves Leão de Salles ("Rogério", "Bibico", "Brutus", "Ali", "José", "Zeca"), Antonio Carlos Nogueira Cabral ("Chico", "Alfredo"), Aurora Maria do Nascimento Furtado ("Marcia", "Rita", "Patricia") e Adair Gonçalves Reis ("Elber", "Leonidas", "Robson", "Sorriso", "Van"); pela VAR-P, Lígia Maria Salgado da Nóbrega ("Ana", "Celia", "Cecilia", "Ceguinha", "Isa"), Hélio da Silva ("Anastacio", "Nadinho") e Carlos Alberto Salles ("Soldado"); pelo PCBR, Getúlio de Oliveira Cabral ("Artur", "Feio", "Gogó", "Gustavo", "Soares", "Tarso").

O jornal "O GLOBO" comentou o fato, com o título de "REPULSA":

"Tinha dezenove anos o marinheiro inglês David A. Cuthberg que, na madrugada de sábado, tomou um táxi com um companheiro para conhecer o Rio, nos seus aspectos mais alegres. Ele aqui chegara como amigo, a bordo da flotilha que nos visita para comemorar os 150 anos da Independência do Brasil. Uma rajada de metralhadora tirou-lhe a vida, no táxi em que se encontrava. Não teve tempo para perceber o que ocorria e, se percebesse, com certeza não poderia compreender. Um terrorista, de dentro de outro carro, apontara friamente a metralhadora antes de desenhar nas suas costas o fatal risco de balas, para logo em seguida completar a infâmia, despejando sobre o corpo ainda palpitante panfletos em que se mencionava a palavra liberdade. Com esse crime repulsivo, o terror quis apenas alcançar repercussão fora de nossas fronteiras para suas atividades, procurando dar-lhe significação de atentado político contra o regime brasileiro. A transação desejada nos oferece a dimensão moral dos terroristas: a morte de um jovem inocente em troca da publicação da notícia num jornal inglês. O terrorismo cumpre, no Brasil, com crimes como esse, o destino inevitável dos movimentos a que faltam motivação real e consentimento de qualquer parcela da opinião pública: o de não ultrapassar os limites do simples banditismo, com que se exprime o alto grau de degeneração dessas reduzidas maltas de assassinos gratuitos."

Pode-se observar que, naquela época, os comunistas eram chamados de "terroristas", suas organizações, de "reduzidas maltas de assassinos" e suas ações, de "crimes repulsivos".

Hoje, passados mais de 30 anos, a mesma imprensa os glorifica como heróis que lutavam contra a ditadura militar. E os nossos atuais governos, além de abrigarem os ainda vivos, indeniza com muito dinheiro os familiares dos que morreram.

F. Dumont

22- A GUERRILHA DO ARAGUAIA

 INTRODUÇÃO

As freqüentes reportagens sobre a “Guerrilha do Araguaia”, de autoria de uma parcela da imprensa autodenominada de investigativa, vêm alimentando ressentimentos e ódios represados que o passar de mais de três décadas ainda não conjurou.

A abordagem do assunto, quase sempre unilateral por falta de profundidade ou por facciosismo, privilegia uma esquerda melindrada e revanchista, não contemplando as forças legais com a isenção que deveria cercar a análise de um momento político importante da História recente do País. Por outro lado, o silêncio que o Exército Brasileiro insiste em manter sobre o tema reforça o peso do relato de vertente única e estimula a crença no assentimento de culpa por acusações de desmandos e crueldades.

O Grupo Terrorismo Nunca Mais (TERNUMA), com base nos princípios programáticos pelos quais existe e julgando-se apto a discutir o assunto com objetividade, propõe apresentar a sua visão, de forma a contribuir para o estabelecimento definitivo da verdade, apontando para o público leitor as veleidades e paixões que turvam a realidade histórica.

Assim, o TERNUMA analisará a matéria em três capítulos, enfocando a atuação dos contendores com base nas premissas político-doutrinárias que nortearam as ações, comentando alguns desvios sobre o conflito e concluirá no quarto capítulo com uma interpretação crítica.

Cabe ressaltar que todo o trabalho baseou-se na pesquisa de documentos e publicações da Internet, em depoimentos e artigos jornalísticos e na experiência pessoal de integrantes do Grupo, sem o apoio oficial ou consentido das partes litigantes.

Os nomes e fatos relatados são de domínio geral e, portanto, não se encontram protegidos por nenhuma legislação sobre assuntos sigilosos, nem se restringem ao conhecimento exclusivo de personalidades ou entidades públicas ou privadas.

 22.1 - CAPÍTULO I - A GUERRA POPULAR PROLONGADA DO PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL (PC do B)

Em 1956, o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética (PCUS) traçou novos rumos para o movimento comunista internacional, propondo a coexistência amistosa entre os blocos antagônicos da “guerra fria” e pregando a transição pacífica - via eleitoral, principalmente – para a chegada ao socialismo. No Brasil, o Partido Comunista Brasileiro (PCB), inteiramente alinhado à matriz soviética, resolveu também abrandar as formas de agir, decisão tomada no seu V Congresso, em 1960, quando foram expulsos dos seus quadros Maurício Grabois e João Amazonas, entre outros, que teimavam em postular a priorização da luta armada. Os comunistas do “Partidão”, assim, passaram a adotar a defesa da “via democrática” para a chegada ao poder e a conseqüente implantação da ditadura do proletariado, dentro da concepção leninista de que “a Democracia não é mais do que uma tática descartável como todas as táticas”.

Em 1962, enquanto o Brasil vivia a plenitude do exercício de um regime político inteiramente democrático, o PC do B, surgido do cisma ideológico do PCB, passou à defesa intransigente da tomada do poder pela “violência revolucionária”, para a imposição de um “governo popular e revolucionário”. A expressão “violência” não era mero instrumento de retórica para caracterizar um eventual incremento no ardor da revolução, mas, sim, um conceito doutrinário pelo qual não aceitavam nenhuma transição que não passasse pelo caminho das armas, como ensinava Mao Tse-tung, maior ideólogo da revolução chinesa: “não é possível transformar o mundo a não ser com o fuzil”. Dessa maneira, rompido com o centro irradiador tradicional, o PC do B foi buscar na China o exemplo a seguir, encontrando a fórmula da “Guerra Popular Prolongada”, pela qual atuaria o “Exército Popular”, a surgir da mobilização e organização das massas camponesas e “capaz de travar a guerra regular e empreender batalhas decisivas”. Para realizar toda essa intrincada estratégia revolucionária, urgia um começo, logo imaginado com a tentativa de organizar um movimento guerrilheiro, definido como: “a forma principal de luta na fase inicial da guerra popular, através da qual é que se poderá iniciar a ação armada contra os inimigos da Nação e começar a estruturar as Forças Armadas Populares”.

A formação de quadros do PC do B para a constituição do emergente núcleo guerrilheiro teve origem com o envio à China, em 1964 e ainda durante o governo João Goulart, do primeiro de um total de três grupos de militantes para treinamento na Academia Militar de Pequim.

A área escolhida para a implantação da guerrilha foi o “Bico do Papagaio”, no Estado de Tocantins, limitado, ao sul, pelo paralelo que passa pelo município de Araguanã; pelo rio Araguaia, a oeste; e pelo rio Tocantins, ao norte e leste. Genericamente chamado de Araguaia pelas partes conflitantes, o palco de operações, forrado por exuberante floresta equatorial, reunia excelentes condições para o esforço do PC do B na conquista do apoio da rarefeita população de cerca de 20 mil habitantes, em aproximados 7000 km2, historicamente esquecida por todas as esferas governamentais e vítima de graves carências sócio-econômicas. Os conflitos de terra e a pobreza eram motes valiosos para o trabalho de massas, assim como qualquer paliativo que viesse trazer alívio aos efeitos das deploráveis condições médico-sanitárias existentes.

Desde 1966 o PC do B passou a infiltrar militantes para o Araguaia, os quais logo tentaram conquistar a simpatia dos locais, por meio de alguma assistência social e de noções de organização comunitária, tudo acompanhado de crescente proselitismo político. Enquanto isso, os infiltrados passaram a familiarizar-se com o terreno hostil e apurar o adestramento militar, com a prática de: tiro; sobrevivência, orientação e deslocamento em área de selva; e técnicas de incursões armadas, fustigamentos e emboscadas. Os primeiros elementos chegados à região eram eminentes membros do Partido e quadros com o curso de capacitação militar realizado na China. Dentre os pioneiros citam-se: Osvaldo Orlando da Costa, Maurício Grabois, Líbero Giancarlo Castiglia, Elza Monerat, Ângelo Arroyo, João Amazonas, João Carlos Haas Sobrinho e Nélson Piauhy Dourado. Desses, não morreram na luta João Amazonas, Elza Monerat e Ângelo Arroyo, que desertaram em fases diferentes do conflito.

As “Forças Guerrilheiras do Araguaia” (FOGUERA) surgiam como o embrião de um movimento guerrilheiro com o qual o PC do B pretendia a sua Guerra Popular Prolongada. Premente se tornava dar-lhes forma para passar às operações de combate, sobretudo pela inevitável presença do oponente, ainda em pleno processo de organização delas. Para esse mister debruçou-se a Comissão Executiva do Partido, integrada por elementos do Comitê Central e única responsável pelos contatos das Forças com o mundo exterior. Subordinada, então, à Comissão Executiva estruturou-se a Comissão Militar (CM), encarregada de estabelecer, segundo estritas diretrizes recebidas: a estratégia de atuação guerrilheira; o treinamento militar dos destacamentos subordinados; e, entre outras, a atuação dos destacamentos junto às massas. Finalmente, à CM enquadravam-se três Destacamentos, constituídos de Grupos de sete elementos cada, assim nomeados: o “A”, com atuação na região da Transamazônica; o “B”, atuante no vale do Gameleira; e o “C”, com ações a sudoeste da serra das Andorinhas. Ao todo e até o final das operações o efetivo das FOGUERA beirou os setenta integrantes.

A organização das Forças era celular e obedecia a rigorosa “compartimentação”, com vistas à proteção do sigilo das operações e a preservar a identidade dos componentes. Assim, apenas o comandante o subcomandante de Destacamento conheciam as áreas de atuação de seus Grupos e de outros Destacamentos, bem como somente os comandantes de Destacamentos conheciam os locais de encontro com os integrantes da Comissão militar.

Pelo pretexto de não dispor de uma estrutura administrativa que lhes permitisse isolar desertores, elementos não-colaboradores ou militares eventualmente caídos prisioneiros ou feridos, as FOGUERA constituíam os “Tribunais Revolucionários” para “julgar” e “justiçar” indesejáveis. A esse poder supremo são creditadas as mortes de Rosalino Cruz Souza, militante desertor, e dos moradores locais Osmar, Pedro “Mineiro” e João “Mateiro”. A eliminação fria de inimigos foi tacitamente admitida no chamado Relatório de Ângelo Arroyo (Editora Anita Garibaldi – 1996), de autoria de um dos dirigentes da Comissão Militar, que assinalava como erro de “certa importância” para a derrota no Araguaia: “Não se ter justiçado determinados inimigos. É o caso dos bate-paus como Pernambuco, Antônio e o irmão, e talvez os elementos que haviam chegado de fora, suspeitos de pertencerem ao Exército”. Tais “órgãos de justiça” eram motivo de intensa propaganda, objetivando desestimular delações e constituir elemento de pressão psicológica. Irracional e vítima da “racionalidade guerrilheira”, a cadelinha “Diana”, mascote do Destacamento “A”, foi justiçada a facadas, pelo militante Micheas Gomes de Almeida, o “Zezinho”, acusada de denunciar a posição do Destacamento, por deslocar-se, levada pelo instinto materno, do ponto onde se encontrassem os seus amigos homens até o lugar onde estavam os seus filhotes, para, simplesmente, dar-lhes de mamar.

Quase oito anos se passaram na tentativa do PC do B de formar um movimento guerrilheiro que viesse empolgar as massas para a Guerra Popular Prolongada. O Relatório Arroyo exagerou e muito no “sucesso” obtido junto à população, contabilizando o apoio de 90% dela. Admite-se que, no máximo, cerca de 180 (cento e oitenta) habitantes locais, direta ou indiretamente, tenham aderido como combatentes ou colaboradores.

Durante tempo considerável, as FOGUERA ficaram isoladas do restante do País e sujeitas à sobrevivência pelos meios próprios e pelo que pudessem amealhar na selva onde se embrenharam. A caça e a pesca, apesar de abundantes, eram as únicas fontes de alimentos disponíveis. Por essa razão, o prosaico jabuti tornou-se verdadeiro símbolo da sobrevivência, merecendo a folclórica promessa da CM de eternizá-lo em estátua, “quando viesse a vitória do movimento”. Essa desesperadora situação de 1973 e o total abandono a que foram relegadas pelo Partido mereceram a crítica de Pedro Pomar, integrante do Comitê Central, que em 1976 admitiu ter o Exército conseguido, na ofensiva final, em menos de três meses dispersar os destacamentos guerrilheiros e até mesmo atingir e desmantelar a Comissão Militar. Segundo ele, a direção do Partido nas cidades perdeu o contato com os camaradas do sul do Pará, e não sabia quantos deles sobreviveram ou se sobreviveram. Ainda segundo Pomar, por dois anos o Comitê Central e o Partido ficaram em compasso de espera, confiando que alguma coisa ou informação desfizesse as dúvidas sobre o destino dos camaradas que se encontravam no Araguaia e sobre o fim ou não da luta guerrilheira.

A autocrítica é ainda mais ácida no Relatório Arroyo que apontou, dentre os inúmeros erros da Comissão Militar, o pequeno número de ações provocadas de moto próprio em dois anos de luta, o que ele constatou pelo fato de que a imensa maioria das baixas decorreu do fator surpresa, em decorrência do Exército ter mantido sempre a iniciativa das ações.

O PC do B também não dedicou nenhuma atenção ao restante dos militantes de base, que até 1976 desconheciam o fracasso no Araguaia e durante todo o tempo mantiveram-se iludidos pela propaganda ufanista provinda da Rádio Tirana da Albânia.    

O fanatismo, a cega devoção à causa, e o entorpecimento de valores éticos e morais transformaram alguns integrantes das FOGUERA em lendas vivas aos olhos de humildes moradores locais, que, crédulos, chegavam a considerá-los verdadeiros totens e senhores da imortalidade, como Osvaldo Orlando da Costa, o “Osvaldão”, e Dinalva Conceição Teixeira, a " Dina".
A “saga” dos combatentes das FOGUERA e os seus decantados “heróis” não foram suficientes para levar a aventura a nenhum resultado prático, sobretudo pela falta de efetivo apoio político externo, já que a China, fonte inspiradora inicial, já buscava estabelecer relações diplomáticas com a “ditadura fascista brasileira”. Curiosamente, hoje a esquerda brasileira, malgrado críticas do próprio PC do B, dá ares de vitória ao movimento, ao qual rotula de “guerrilheiro” e, por conseguinte, merecedor do amparo das leis da guerra, especialmente da Convenção de Genebra. Desmemoriada por interesse, não considera que a violência revolucionária era um princípio ilegal, de uma entidade clandestina, que não contemplava a Democracia como um fim e nem mesmo como etapa política, e que transgredia o ordenamento jurídico de uma Nação soberana e legalmente reconhecida no concerto das Nações. Tudo, em suma, denota simplesmente o esforço em sacralizar um bando fora-da-lei, banalizando o crime em nome de uma finada ideologia.

22.2 - CAPÍTULO II – AS CAMPANHAS DAS FORÇAS LEGAIS

Desde 1969, os órgãos de inteligência, particularmente os das Forças Armadas, possuíam indícios de atividades do ilegal PC do B na região do Bico do Papagaio.

A suspeita ensejou, em novembro de 1970, a realização de um exercício militar – a Operação Carajás -, manobra que coroava o ano de instrução e que se constituía em excelente oportunidade de adestramento para os recrutas incorporados naquele mesmo ano, dentro de um quadro tático de contra-guerrilha em ambiente de selva. A manobra também envolveu efetivos das outras Forças Singulares, realizando-se com objetivo dissuasório e de levantamento de informes. A iniciativa, todavia, não confirmou nenhuma evidência sobre atividade guerrilheira, mas reforçou a necessidade de urgente ação governamental na área considerada verdadeira terra-de-ninguém, por situar-se em confluência de três Estados da União, sem precisa definição de responsabilidade para nenhum deles.

A presença do PC do B no Bico do Papagaio ficou finalmente assinalada com a prisão, no Ceará, no início de 1972, do casal Pedro Albuquerque Neto e Tereza Cristina Albuquerque, militantes evadidos do Araguaia pelo fato de que Tereza engravidara e lhe fora determinado, pela Comissão Militar das FOGUERA, realizar o aborto, no que se insubordinaram.

No início de abril de 1972, a região recebeu equipes especializadas em inteligência, que da busca do conhecimento sobre a atividade clandestina logo efetuaram as primeiras prisões, a saber: a 13 de abril, o morador local Francisco Amaro Lins; a 14 de abril, Eduardo José Monteiro Teixeira, nas proximidades de Araguatins, quando tentava incorporar-se ao movimento; a 15 de abril, Rioco Kayano, em um hotel de Marabá, abandonada por Elza Monerat que fugiu na iminência da prisão de ambas; e, a 18 de abril, uma das mais importantes prisões, a de José Genoíno Neto.

Em 08 de maio de 1972, o Exército sofreu as suas primeiras baixas, ao ter uma equipe de busca de informes emboscada por elementos liderados por “Osvaldão”. Na refrega morreu um Cabo, Odílio Cruz Rosa, e foi ferido um Sargento. O episódio marcou o surgimento da lenda em torno do militante, que desafiou o Exército a ir resgatar no local da emboscada o corpo que ele, de propósito, deixara insepulto como “isca”. O resgate, no entanto, foi normalmente realizado, embora sem o apoio de guias mateiros, amedrontados com as bravatas de Osvaldão.

Derrubado o sigilo de parte a parte, o Exército retraiu a maioria das equipes de inteligência e passou a empregar tropa convencional, enquadrada por um Destacamento formado por três Pelotões de Selva e cinco Pelotões de Infantaria Motorizados (PELOTARES), além de efetivos de apoio, particularmente da Aeronáutica. O Destacamento, na verdade, não realizou ações de combate, limitando-se a operações de vigilância e à execução de Ações Cívico-Sociais, estas para neutralizar qualquer apoio da população aos sediciosos.

Em vista dos resultados obtidos até então, e consoante diretriz baixada pelo Estado-Maior do Exército, a partir de 18 de setembro de 1972 executou-se nova manobra de adestramento de recrutas, por doze dias, com cerca de 2500 (dois mil e quinhentos) homens reunidos em cinco Batalhões de efetivos reduzidos, três Companhias e cinco PELOTARES, e reforçados por elementos dos Fuzileiros Navais, frações de Operações Especiais e da Aeronáutica.

As autoridades imaginaram que a expressiva presença militar e a resultante demonstração de força estimulariam o PC do B a abandonar a região. Ao contrário, a saída da tropa foi interpretada pela Comissão Militar como mostra de fraqueza ou de impotência, o que estimulou a continuação da aventura guerrilheira e atiçou a propaganda do PC do B, notadamente a veiculada pela Rádio Tirana da Albânia.

Terminada a manobra, permaneceram na área tropas da Polícia Militar de Goiás, historicamente estigmatizadas pela prática de arbitrariedades e por um estreito alinhamento aos senhores da terra, resultando latente o clima de tensão social, fato que motivou ainda mais a disposição dos comunistas ao trabalho de massas.

Mantido o cenário, o Governo convenceu-se do fracasso na tentativa de resolver o problema sem confronto. Assim, o Exército planejou e conduziu nova operação de inteligência – a Operação Sucuri -, dessa feita com base em muito bem elaborada infiltração de agentes na região, todos eles experimentados profissionais adaptados às rotinas e características da área, tudo com o eficiente apoio do INCRA e SUCAM. Ao longo de mais de quatro meses, a operação foi cercada de êxito e colheu preciosos resultados, graças a uma inédita manutenção do sigilo, considerando-se o vulto dos recursos humanos empregados, o tempo decorrido e a gama de “estórias-coberturas” desenvolvidas. O PC do B, por outro lado, descurou-se da segurança, superestimando a solidez de sua presença e subestimando a capacitação da inteligência militar. Além disso, a CM das FOGUERA demonstrou excesso de confiança e inteiro desleixo no tratamento de informes, desprezando significativos indícios sobre atividades de agentes militares.

Com os dados colhidos pela Operação Sucuri, o Exército foi suprido de farto material acerca dos rebeldes, de seus contatos, da rede de apoio, das direções gerais de concentração e homizio e, fundamentalmente, da sua provável composição e poder de combate. Logo que reunido todo esse conhecimento, e com a surpresa assegurada, procedeu-se ao cerco estratégico da área com o emprego das Polícias Militares de Goiás e do Pará no bloqueio das estradas e caminhos de saída, retirando completamente das FOGUERA qualquer apoio do mundo exterior e o contato com o Partido. De pronto, os insurretos também foram privados da sua rede de apoio, pela prisão e o isolamento de cerca de 160 (cento e sessenta) colaboradores ou suspeitos de colaboração, logo evacuados com seus familiares para acampamentos sob o resguardo da autoridade militar. Tais colaboradores, então conscientizados sobre a ilegalidade das peripécias com que compactuavam, tiveram atendidas importantes necessidades básicas, como a expedição de certidões, registros de identidade e titulação de terras, o que neutralizou a doutrinação político-ideológica a que estiveram submetidos por longo período. A privação da rede de apoio foi severo revés infligido às FOGUERA, uma vez que se constituíam na mais importante base de informes e na única fonte de suprimentos, como o simples e imprescindível sal de cozinha.

Concomitantemente, desencadeou-se o emprego da tropa de combate, compostas por frações constituídas de profissionais especializados em operações de selva, com o seguro apoio dos agentes da Operação Sucuri transformados em guias, pela perfeita familiaridade com as trilhas e picadas que tinham levantado no trabalho anterior. O efetivo empregado foi de 750 (setecentos e cinqüenta) , na maioria provindos da própria região amazônica e perfeitamente adaptados ao ambiente operacional. A utilização de trajes descaracterizados e de equipamento não convencional, bem como o uso de codinomes e a ausência de insígnias de postos e graduações, aumentaram o conforto, a segurança e a operacionalidade da tropa. O armamento era o de dotação para Unidades de selva, fato que propiciava considerável poder de fogo e desequilibraria o combate em favor da tropa legal. O planejamento de emprego considerava também o prolongamento das operações por tempo indeterminado, o que indicou o revezamento do efetivo total entre três grupos de 250 (duzentos e cinqüenta) homens, resultando em preciosa recomposição no moral e estado físico dos combatentes.

Iludidas com o “modus operandi” do Exército nas etapas anteriores, pelo qual não recebeu engajamento decisivo, as FOGUERA foram surpreendidas pela determinação com que a tropa lhes dava combate e firmemente adentrava pela selva sob as difíceis condições impostas pelo período chuvoso. A falta de apoio e a penúria dos meios de subsistência também lhes limitavam o ânimo, a mobilidade e a capacidade de reação. Em tais circunstâncias, as suas baixas naturalmente surgiriam pesadas, o que, sem dúvida, daria por encerrada a suicida tentativa de preparo e desencadeamento de um movimento guerrilheiro. Tragicamente, finava o delírio que embalava o sonho do PC do B de transformar o Brasil, pela violência revolucionária, na sua ditadura do proletariado.

Se o PC do B não quis ou não soube contar os seus mortos e desaparecidos, não é culpa das Forças Legais.

Pelo que registra a História, as Forças Armadas do Brasil nunca tiveram o hábito de esquecer os seus, mesmo no desatino de um conflito provocado por essa insanidade política que lhe resultou dois mortos e seis feridos.

22.3 - CAPÍTULO III – OS RESSENTIMENTOS E A GUERRILHA DAS REDAÇÕES

 “A sociedade brasileira merece e exige ser esclarecida sobre os fatos da Guerrilha do Araguaia”.

É o argumento justo e irrefutável de todos os que têm cobrado resposta a indagações sobre esse pesadelo político. Alguns na busca honesta de realmente aclarar um passado nebuloso. Outros, infelizmente, na ânsia de tingir de marrom uma parte da mídia ávida só por vender notícia. Outros ainda que, na abstinência do modismo revolucionário, insistem em remoer ressentimentos pela derrota nos campos da luta armada e das idéias.

Aos primeiros, dedicamos o esforço sincero de preencher o vazio deixado pela palavra oficial, pois entendemos que Forças Armadas cumpriram o papel que a lei lhes determinava, não havendo, portanto, justificativa para a opção pelo silêncio. A eles os dois capítulos anteriores já bastam para conformar uma opinião desapaixonada.

Aos demais, impomo-nos a tarefa de prosseguir, com o fim de apontar distorções e denunciar preconceitos. A mentira e a desavergonhada maquinação da notícia não raras vezes são instrumentos de maus profissionais, renomados ou não, mais preocupados com o próprio nome associado às “denúncias” do que propriamente com a veracidade e o conteúdo do que denunciam.

Dessa maneira, temos lido com freqüência “primorosas” reportagens, algumas flagrantes ridicularias, que chegam ao disparate de dar crédito a sandices como a exumação de uma cabeça humana, sangrando, após três meses de enterrada dentro de um saco. Da mesma forma, alguns jornalistas expõem-se ao escárnio por dar crédito a “insuspeitos” testemunhos, como o de um caboclo do Araguaia, que disse ter visto um morador ficar pendurado pelos testículos, que, ao final da tortura, tinham meio metro de comprimento. A qualidade das provas apresentadas também beira o grotesco, como o “reconhecimento” de sua ex-companheira “Valquíria” por “Zequinha” – o já citado matador da cadelinha Diana –, pelo formato do crânio e pelos dentes, em restos mortais desenterrados, após quase trinta anos de sepultados.

Uma ruidosa expedição, enviada ao Araguaia às expensas do contribuinte, aliás, sobrevoou, exaustivamente, a Serra das Andorinhas, em um helicóptero da FAB, guiada por um “arrependido” Coronel da reserva e ex-piloto das Forças Legais, com o objetivo de localizar sepulturas clandestinas na mata densa que recobre a região. O inevitável insucesso do mirabolante intento os decepcionados expedicionários creditaram ao “branco” que turvou os sentidos paranormais do militar. O histriônico episódio teve seu “grand finale” no desembarque em Brasília dos briosos integrantes da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, liderados pelo Deputado Luiz Eduardo Greenhalg, que, pessoalmente, fazia questão de ser documentado pelas luzes da mídia conduzindo ossadas humanas que trazia de humildes jazigos do Araguaia, associando-as espetaculosamente a guerrilheiros. Toda essa pantomima ocorreu em outubro de 2001, e, até agora, os despojos jazem esquecidos em alguma gaveta médico-legal. Estão à espera da mágica que os faça adquirir identidade política ou da comiseração cristã de alguém desapaixonado que lhes traga respeito, restituindo-os aos túmulos violados.

De algumas redações têm saído verdadeiros cultores de mitos, que alçam o negro Osvaldão como o Zumbi da Guerra Popular. Dão-lhe destaque até por ser presumido gerador de herdeiros sem paternidade, nascidos de românticas incursões noturnas para serem depois afastados dos pais naturais pelos cruéis militares. Delas também pontuou um açodado cronista político que se deu o exagero de equiparar a vida de João Amazonas de Souza Pedroso ao resumo da história do Brasil.

João Amazonas, fundador do PC do B e um dos pais da aventura da Araguaia, dela desertou para deixar as FOGUERA entregues à própria sorte. Anos depois - precisamente a 16 de maio de 1996, em depoimento à “justa” Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados -, esgrimiu a mentira, sem nenhum respeito à sua condição de homem provecto, ou a menor reverência à memória política do País, declarando com desfaçatez:

 “As greves foram proibidas. Os sindicatos interditados. Enfim, com o chamado Ato Institucional n° 5, impôs-se um regime de terror contra o povo, isso sem falar nos planos terroristas do Rio-Centro e das maquinações monstruosas do brigadeiro Burnier, denunciadas pelo capitão Sérgio, conhecido como Macaco.

É nesse ambiente que surge o Araguaia, organizado e dirigido na clandestinidade pelo Partido Comunista do Brasil. Araguaia não era um movimento subversivo, como costuma dizer a repressão, não visava implantar o socialismo no Brasil. Destinava-se a organizar a resistência armada contra a ditadura, já que outras formas de luta não havia espaço para se concretizar nas cidades.

O objetivo político da Guerrilha do Araguaia estava expresso em um documento largamente distribuído entre a população do sul do Pará, intitulado União pela Liberdade e pelos Direitos do Povo. Esse era de fato o objetivo da luta guerrilheira do Araguaia, um movimento intimamente ligado à população camponesa pobre e sofrida da região”.

A mentira atropelou épocas e objetivos. Amazonas nem de leve se corou ao falar de um movimento com berço programático em 1962, em plena vigência da normalidade democrática, embevecendo os atentos comissários dos direitos humanos com alusões a fatos políticos de uma “ditadura” posterior ao início da tentativa de implantação da sua Guerra Popular Prolongada. A “União pela Liberdade e pelos Direitos do Povo” nada mais foi do que o nome de fantasia das suas Foguera, já quando o movimento estava em seus estertores, assim denominado em erudito panfleto totalmente fora da compreensão da gente simples e sem instrução da área. Enlouquecido em sua impostura, Amazonas delirou, ao avaliar o efetivo do Exército que seus comandados enfrentaram, citando a presença de vinte mil soldados. Ora, esse número, se verdadeiro, representaria o mesmo que população nativa, o que é um grande absurdo. Ademais, seria inimaginável para o Governo sustentar vinte mil homens em operações, durante três anos, sem despertar nenhuma atenção da opinião pública. Manter essa balela é lamentável, por representar uma ridícula estultice, que ofende o bom senso do povo brasileiro.

 22.4 - CAPÍTULO IV - CONCLUSÕES

A Guerrilha do Araguaia não passou de uma aventura de um grupo verdadeiramente pequeno e residual, sejam quais forem os ângulos por quais ela possa ser analisada.

Pelo enfoque político não passou do desvario de um Partido ilegal e clandestino em engendrar a incoerência de uma guerra popular sem apoio do povo, para impor-lhe o socialismo. Do ponto de vista militar, foi ação de um bando quixotesco a infligir mais prejuízos a si mesmo, perdido na selva e no emaranhado dos próprios erros. Nem os seus ideólogos resistiram a tanta bisonhice político-militar, como está claro na acidez das críticas de Ângelo Arroyo e Pedro Pomar, plenamente de domínio público. Aliás, o relatório de Arroyo é verdadeira confissão coletiva de culpa por tantas mazelas.

Exigir autocrítica de João Amazonas de Souza Pedroso é o mesmo que pedir a um ateu a contrição e o acolhimento de que a sua vida foi um longo suceder-se de pecados capitais. Cobrar-lhe a responsabilidade penal e moral, porém, deveria ser a obrigação da sociedade e das famílias que tiveram seus filhos levados ao infortúnio por ele, que se esconde na mentira para encobrir vários crimes, em que despontam o assassínio e a formação da quadrilha da qual desertou.

Eminentes guerrilheiros de redações queixam-se de que as Forças Armadas teriam infringido as leis da guerra e a Convenção de Genebra, assacando fantasiosos e lúgubres “testemunhos” de cuja idoneidade já se tratou. Omitem, entretanto, que se tratava de reprimir um bando fora-da-lei, que se conduzia por um procedimento que negava aos oponentes quaisquer sentidos éticos ou de justiça que não viessem de seus “tribunais revolucionários”. Deixar cadáveres insepultos e “justiçar”, como faziam os “mitológicos” Osvaldão e companhia, certamente, não estão listados como comportamentos de combatentes a merecer amparo por qualquer código legítimo. Ademais, argumentar com a falácia de que combatiam uma “ditadura militar” é coonestar atividade criminosa, pois, à época, aceitem ou não os senhores das redações, havia no Brasil um Governo legal. Usar oposição criminosa como reação a um momento político é o cínico argumento dos que consideram mero detalhe o fato de a sociedade brasileira nunca ter autorizado usar em seu nome a violência revolucionária.

Finalmente, Sr João Amazonas de Souza Pedroso, para pôr término a tanto mal e dar definitivo esclarecimento aos fatos, mostre ao Brasil onde estão os jovens mortos e os desaparecidos que o seguiam em tantos desatinos. Liberte-se, senhor da guerra popular, de todo o seu ódio, de tanta culpa e de toda essa maldade.

 23 - O ASSASSINATO DO Dr OCTÁVIO GONÇALVES MOREIRA JUNIOR

Durante o ano de 1972, as organizações terroristas sofreram pesadas perdas em combates travados com os órgãos de segurança. Para elas, era necessária uma ação de intimidação.
Em São Paulo, documentos apreendidos em "aparelhos" terroristas mostravam levantamentos com nomes de pessoas do DOI/II Exército, suas características pessoais, tipo de carros usados, locais freqüentados, endereços, etc. Medidas foram tomadas para proteger o pessoal e todos foram alertados para o perigo de um atentado
Esses levantamentos haviam sido enviados para o Chile, onde um grupo formado por quatro organizações terroristas brasileiras, intitulando-se Tribunal Popular Revolucionário, decidiu "justiçar" um membro do DOI/II Exército. Compunham este "Tribunal" as seguintes organizações: Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), Ação Libertadora Nacional (ALN), Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR) e Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P).
O escolhido foi o Dr. Octávio Gonçalves Moreira Júnior, Delegado de Polícia lotado no DOPS/SP. Excelente profissional, ele se apresentou como voluntário para trabalhar na "Operação Bandeirante" (OBAN), que depois, reformulada, passou a se chamar Destacamento de Operações de Informações (DOI)). Apesar de avisado da intenção dos terroristas, não imaginava que seria um alvo fácil.
"Otavinho", como era conhecido, viajava seguidamente para o Rio de Janeiro, onde residia sua noiva Ângela. Era um apaixonado pelo sol, pelo mar e pela Escola de Samba da Portela, da qual era membro honorário. No Rio de Janeiro, sempre desarmado e despreocupado, não sabia que seus algozes o estavam seguindo e que já conheciam os seus hábitos em suas folgas de trabalho.
O levantamento de sua vida, no Rio, foi feito pela terrorista Bete Chachamovitz, da ALN, que repassava todos esses dados para um comando terrorista denominado "Getúlio de Oliveira Cabral". No início de fevereiro de 1973, Bete concluiu a sua missão.
No dia 23/02/73, sexta-feira, à noite, o Dr. Octávio viajou de São Paulo para o Rio. O comando terrorista, graças ao trabalho de Bete Chachamovitz, já sabia, pela rotina de "Otavinho", onde ele se hospedava. Sabia, também, que invariavelmente, ele ia à praia de Copacabana.
O Dr. Octávio, no sábado, dia 24, foi à praia, e à noite, ao ensaio da Portela. No dia seguinte, 25/02/73, pela manhã, voltou à mesma praia, onde jogou voleibol, e depois foi almoçar no Leme com o seu amigo Carlos Alberto Martins.
Quando voltava do almoço, confiante e despreocupado, não notou que um automóvel Opala escuro estava estacionado na esquina da Avenida Atlântica com a Rua República do Peru, desde às 1500h. Dentro dele, aguardando, estavam os encarregados da execução, enquanto os outros, dando cobertura, ficaram posicionados em locais estratégicos. Todos, integrantes do comando terrorista que estava assim constituído:

 

- Bete Chachamovitz, da ALN;
- Tomás Antônio da Silva Meirelles Netto ("Luiz"), da ALN;
- Merival Araújo ("Zé"), da ALN;
- Flávio Augusto Neves Leão Sales ("Rogério", "Bibico"), da ALN;
- José Carlos da Costa ("Baiano", "Bira", "Maneco"), da VAR-P;
- James Allen Luz ("Ciro", "Edson", "Roberto", "Tarso"), da VAR-P;
- Ramires Maranhão do Vale ("Adalberto", "Alberto", "Cristo", "Mago", "Magro", "Ziraldo", "Zizi"), do PCBR;
- Ranúsia Alves Rodrigues ("Florinda", "Maga", "Magra", "Maria",  "Mirtes",  "Nuce"), do PCBR.


  "Otavinho" caminhava com o amigo em direção ao apartamento onde se hospedava. Como sempre, estava desarmado. Parou num orelhão para telefonar para sua noiva. Neste momento, Bete Chachamovitz fez o reconhecimento visual e o apontou para os terroristas. Do carro, saltaram os três assassinos. Um deles trazia uma esteira de praia, enrolada debaixo do braço. Dentro da esteira, uma carabina calibre 12 mm.

Foi dado o primeiro tiro, nas costas, derrubando-o e atirando-o a alguns metros de distância. Um segundo tiro, destinado ao coração, atingiu o crucifixo de ouro que ele trazia no pescoço, ricocheteou e perfurou o seu pulso direito. O outro homem aproximou-se e desfelhou-lhe mais dois tiros no rosto. Os últimos tiros foram disparados de uma pistola automática calibre 9 mm.
Otavinho morreu instantaneamente. Na sua carteira de documentos, um cartão: "Sou muito católico. Em caso de acidente, chame imediatamente um padre, mesmo que eu já esteja morto". Carlos Alberto, o amigo que o acompanhava, foi atingido por dois tiros, mas sobreviveu.
Os assassinos, depois de espalharem panfletos sobre o corpo, correram até o Opala, que partiu em disparada.
Estava consumado mais um assassinato que a esquerda chamava de "justiçamento". O "Comando Revolucionário Popular Getúlio de Oliveira Cabral" seguiu à risca os ensinamentos do Manual de Carlos Marighela, fundador da ALN e ideólogo do terror, onde lista os sete pecados capitais do guerrilheiro e afirma:

 

"Guerrilheiros não matam por raiva, nem por impulso, pressa ou improvisação.   Matam com naturalidade.Não interessa o  cadáver, mas seu impacto sobre o público."

Não poderia haver melhor impacto sobre os órgãos de segurança do que matar, pelas costas, um jovem delegado idealista que, pela sua educação, amabilidade e carisma, era muito estimado. Hoje, 27 anos depois, o Dr. Octávio Gonçalves Moreira Júnior, como outras vítimas do terrorismo, está completamente esquecido, enquanto que Marighela foi homenageado pela Câmara dos Deputados, no dia 13/12/1999, e muitos outros que participaram desses grupos terroristas são apresentados como mártires. Ruas, praças e avenidas recebem seus nomes. Suas famílias são indenizadas pelo governo com polpudas quantias em dinheiro.
Felizmente, a esquerda revolucionária não conseguiu implantar uma ditadura comunista em nosso país. A sua derrota, imposta pelos órgãos de segurança da época, com o sacrifício de heróis como o Dr. Octávio Gonçalves Moreira Júnior, permitiu-nos desfrutar da plena democracia em que hoje vivemos.

image049image050

O corpo do Dr Octávio, logo após o assassinato:

24 - O ASSASSINATO DO PROFESSOR FRANCISCO JACQUES MOREIRA DE OLIVEIRA DE ALVARENGA

Em 1973, as organizações comunistas que participavam da luta armada estavam iniciando o caminho do fim. A ação enérgica dos órgãos de segurança intimidava e restringia os movimentos dos seus militantes. Muitos foram presos. Muitos morreram no momento da prisão. A maioria, entretanto, fugiu para o exterior.

Tudo isso e mais a frustração pela luta armada não haver mobilizado a população como pretendiam tornaram moribundas as poucas organizações que ainda atuavam e seus dirigentes debatiam-se entre a ânsia de fugir e a ainda, mas pouca, vontade de atuar. De qualquer modo, viviam escondidos nos aparelhos e realizavam poucas ações armadas, restritas àquelas destinadas a colher fundos para sustentar seus militantes.

Uma dessas organizações era a Ação Libertadora Nacional (ALN), oriunda das idéias de Marighella e que, pregando "a ação pela ação", tornara-se uma das mais violentas.

A outra era a Resistência Armada Nacionalista (RAN), uma organização que, com o nome inicial de Grupo Independência ou Morte (GIM), surgira dos escombros do antigo Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), de Brizola. Uma estranha organização carioca, que ousava usar termos do tipo "nacionalista", que fugia aos clássicos padrões do marxismo-leninismo e cujas siglas, sucessivamente, foram as curiosas "GIM" e "RAN".

A ALN era a "grande" organização, a qual, entretanto, já havia perdido seus dois maiores líderes, Marighella e Toledo. A RAN era uma diminuta organização, que ainda tinha o seu líder, o pequenino e serelepe Amadeu de Almeida Rocha ("Augusto", "Valter"), que se orgulhava de ter sido preso na Guerrilha de Caparó e que gostava de ser chamado de "Comandante Amadeu".

O que as unia, entretanto, era a vontade de fazer a revolução e a opção pela luta armada. Enquanto que, em 1973, a ALN já se debatia pelas contínuas "quedas" de seus líderes, a RAN, intacta e incólume, decidia iniciar, naquele começo de ano, suas ações armadas.

Em nossa história, havia dois amigos:

 - um era Merival de Araújo ("Zé"), militante da ALN, participante de diversas ações armadas, dentre as quais o assassinato do delegado Octávio Gonçalves Moreira Júnior ("Otavinho"), em Copacabana, em 25 de fevereiro de 1973;

- o outro era Francisco Jacques Moreira de Alvarenga ("Bento"), militante da RAN e mais conhecido como professor Jacques.

 A amizade entre ambos havia começado quando Jacques era o professor de Merival. Naquela época, eles constituiam-se na ligação entre a ALN e a RAN.

A nossa história começa na manhã de 22 de fevereiro de 1973, quando a RAN, sem armamento suficiente para desencadear as ações violentas, decidiu roubar as armas da 16ª Inspetoria da então existente Guarda Noturna, localizada na Rua Uruguai, 380, Loja 50, na Tijuca, Rio de Janeiro.

Quatro militantes lotaram um carro para o assalto: José Sergio Vaz ("Luiz", "Marcelo") - comandante da ação - Hermes Machado Neto ("Antonio", "Julio"), Jefferson Santos do Nascimento ("Santos") e José Flavio Ramalho Ortigão ("João") que, por ser o motorista do "Comandante Amadeu" - e da ação - passou a ser conhecido como "Fittipaldi".

A indigência da RAN criava simbolismos: a única pistola .45 existente ficava com o comandante da ação. Durante a incursão, Jefferson disparou acidentalmente a sua arma, provocando uma fuga precipitada. Foram roubados apenas dezenove revólveres.

Durante a retirada, uma cena cômica: os assaltantes, de carro, foram perseguidos algum tempo por um guarda-noturno de bicicleta. Naquela ocasião, Jefferson disparou novamente, tentando afugentar o perseguidor. Após a ação, Hermes Machado e Jefferson saltaram do carro no ponto final do ônibus 410, na Tijuca, enquanto que Ramalho Ortigão e José Sérgio Vaz seguiram até a parte dos fundos do Hospital Pedro Ernesto, onde entregaram uma pasta com as armas ao "Comandante Amadeu". Em seguida o carro foi abandonado no Maracanã.

O assalto à Guarda Noturna foi motivo de euforia na organização. Como crianças travessas, os "revolucionários" Amadeu Rocha e Júlio Ferreira Rosas Filho ("Teixeira"), um professor da Faculdade Estácio de Sá, ligavam para todos os conhecidos mandando que comprassem os jornais e identificassem o assalto como sendo de autoria da RAN. Amadeu chegou a preparar correspondência para os jornais, onde a organização assumia a responsabilidade da ação.

Cinco dias depois, os mesmos quatro militantes, já devidamente armados e reforçados por Sandra Lazzarini ("Tania", "Valeria"), médica residente do Hospital Pedro Ernesto, assaltaram a residência de um médico na Rua Senador Vergueiro, no Flamengo, de onde levaram dinheiro e ações ao portador.

Foi a última ação armada da RAN. Seus militantes, cometendo diversos erros e não afeitos à clandestinidade, foram sendo presos um a um, até que, no dia 5 de abril, "caiu", na agência Centro da Caixa Econômica Federal, o "Comandante Amadeu". Amadeu, além do grande constrangimento causado à sua esposa, Alice, que, na prisão, ficou conhecendo Vera Lúcia, sua "noiva", foi uma grande decepção para todos aqueles que o tinham como um líder. Da arrogância e da autoconfiança de "Valter" ou de "Augusto", discípulo aplicado da escola de Leonel Brizola, o tutor de Caparaó, nada restou. Desprovido de coragem física e moral, Amadeu Rocha acovardou-se de forma tão humilhante, que se tornou fator de "desbundamento" de vários militantes da RAN que pretendiam manter o "papel digno do revolucionário na prisão".

O que restava da RAN, até o dia 5 de abril de 1973, foi destruído pela delação de Amadeu de Almeida Rocha. Mais tarde, já cumprindo pena, o "grande líder" da RAN denunciaria as "torturas" que teria sofrido, procurando justificar a tibieza de seu comportamento na prisão.

Mas ainda menos sorte teve o professor Jacques. Antes de sua prisão, no início de maio, recebera de Julio Ferreira Rosas Filho um pacote, contendo algumas armas do lote roubado da Guarda Noturna, com a orientação de desfazer-se dele. O professor Jacques passou as armas para seu amigo da ALN, Merival Araújo.

Durante os seus depoimentos na polícia, Jacques "abriu" um contato que teria com Merival, que, de forma previsível, em se tratando de terrorista da ALN, foi morto ao reagir à prisão.

Isso foi muito duro para a ALN. Além de estar acuada e de ter perdido seus principais líderes, sofria uma nova grande perda, agora por culpa de um "professorzinho" de uma "organizaçãozinha" que tinha nome de um "bicho do brejo".

A liberação do professor, um mês depois de ter sido preso, açulou a ALN, que, naquele ano, já havia "justiçado" duas pessoas. Montado um tribunal revolucionário, o Professor Jacques foi condenado à morte.

A militante Maria do Amparo Almeida Araújo, irmã do também militante da ALN Luiz Almeida Araújo, participou dos levantamentos dos hábitos do professor.

Em 28 Jun 73, às 1115h, o companheiro de Maria do Amparo, Thomaz Antonio da Silva Meirelles Netto ("Luiz") - um dos mais violentos militantes da ALN e que também participara do assassinato do delegado Otavinho - chefiando mais dois militantes da ALN, nunca identificados, rendeu o porteiro do Colégio Veiga de Almeida da Rua São Francisco Xavier, na Tijuca. Invadiram a escola e foram encontrar o professor Jacques sentado numa sala de aula, redigindo uma prova para os vestibulandos do curso MCB. Quatro tiros de pistola .45 mataram o professor, menos de três semanas depois de ter sido solto. Um cadáver, muito sangue no chão e uma das paredes pichadas com a sigla "ALN", foi o que encontraram os policiais ao chegarem no local.     Para os terroristas, o "tribunal revolucionário" detinha o poder da vida e da morte e esse assassinato era um "justiçamento". Na realidade, foi mais um crime dos comunistas brasileiros.

F. Dumont

 image051

FRANCISCO JACQUES MOREIRA DE ALVARENGA

image053

 25 - MEMORIAL 1964

 

O clamor das manifestações públicas e sociais do início de 1964 desaguou no Movimento Democrático de 31 de março, marco imorredouro da evolução política nacional, quando as forças democráticas, lideradas pelas Forças Armadas e em defesa da nossa Soberania, impediram que o comunismo internacional tomasse o poder.Eterna homenagem aos que lutaram em prol da Democracia e da Liberdade.

 Relação cronológica dos mortos pelas mãos de terroristas entre os anos de 1964 a 1974

NR

Data

Nome

Fatos

1

12/11/64

Paulo Macena

Vigia - RJ

Explosão de bomba - deixada por uma organização comunista nunca identificada, em protesto contra a aprovação da Lei Suplicy, que extinguiu a UNE e a UBES - no Cine Bruni Flamengo, com seis feridos graves e 1 morto, o vigia PAULO MACENA.


2

27/03/65

 

 

Carlos Argemiro Camargo

Sargento do Exército – Paraná

 Emboscada de um grupo de militantes da Força Armada de Libertação Nacional (FALN), chefiado pelo ex-Cel EB Jeffersom Cardim de Alencar Osorio, com o assassinato a tiros do 3º Sgt Inf EB CARLOS ARGEMIRO DE CAMARGO da 2ª Cia Inf de Francisco Beltrão/PR, que deixou viúva grávida de sete meses

3

25/07/66

Edson Régis de Carvalho

Jornalista - PE)

Explosão de bomba no Aeroporto Internacional de Guararapes, com 15 feridos e 2 mortos, o jornalista EDSON REGIS DE CARVALHO e o almirante NELSON GOMES FERNANDES.


4

25/07/66

Nelson Gomes Fernandes

Almirante - PE

Morto no mesmo atentado. Além das duas vítimas fatais ficaram feridas 17 pessoas, entre elas o então coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva que, além de fraturas expostas, teve amputados quatro dedos da mão esquerda e Sebastião Tomaz de Aquino, o Paraíba, guarda civil que teve a perna direita amputada.

"Um dos executores do atentado, revelado pelas pesquisas e entrevistas de Gorender, é Raimundo Gonçalves de Figueiredo, codinome CHICO, que viria a ser morto pela Polícia Civil, em abril de 1971, já como integrante da VAR-PALMARES". (Nos Porões da Ditadura - de Raymundo Negrão Torres).

5

28/09/66

Raimundo de Carvalho Andrade

Cabo PM – GO)

 

Em meados de 1966, eram numerosas as agitações estudantis em várias cidades do Brasil, com numerosos incêndios suspeitos em São Paulo e conflitos no Rio de Janeiro e na Bahia. Apesar da proibição, foi realizado, em Belo Horizonte, o 28º Congresso da UNE, entidade que estabeleceu a data de 22 de setembro para ser o “Dia Nacional de Luta Contra a Ditadura”.

Tarzan de Castro (Luis, Osvaldo, Rogério, Sérgio), além de líder estudantil em Goiânia, era um militante que, em junho de 1966, havia liderado uma dissidência do Partido Comunista do Brasil (PC do B), que iria formar uma das mais violentas organizações terroristas daquela época, a Ala Vermelha. Preso na Fortaleza de Santa Cruz, em Niterói, chegaram as falsas notícias de que ele havia morrido na prisão e de que seu corpo chegaria no aeroporto de Goiânia à meia noite de 28/09/66, uma quarta feira.

Em protesto, estudantes, dirigidos por agitadores comunistas, resolveram invadir e ocupar o Colégio Estadual Campinas. A diretora solicitou policiamento. A POLÍCIA MILITAR , então, reuniu os PMs que não faziam parte do policiamento de rua, tais como cozinheiros burocratas, carpinteiros, etc... Por volta das 20:00 horas, quando a “tropa”, armada com fuzis modelo 1908, com tiros de festim, chegou ao colégio – que estava invadido – foi recebida por tiros vindos do seu interior, ocasião em que foi atingido, mortalmente, o cabo Raimundo de Carvalho Andrade que era o alfaiate da corporação.

A “vítima” viva, Tarzan de Castro, até recentemente destacado empresário do ramo de armazém de estocagens de grãos, com um dos maiores armazéns de Goiás, reivindica atualmente, como “vítima” da Revolução de 31 de março, as seguintes indenizações:

Do governo de Pernambuco, pelo o seu envolvimento no inquérito do chamado Movimento Julião;

Do Governo do Distrito Federal, por haver respondido a inquéritos promovidos pelo Comando Militar do Planalto;

Do Governo de Minas Gerais, por ser a sede da Região Judiciária Militar, para onde seguiram seus processos;Do Governo do Estado de Goiás, através da lei estadual nº 14067/010, ao lado de inúmeras outras pessoas catalogadas como “vítimas” da Revolução de 1964, generosa indenização.

A vítima morta, cabo Raimundo de Carvalho Andrade, que era o alfaiate da Polícia Militar de Goiás, homem simples -   não especialista em assuntos de segurança e designado pelos seus superiores para completar uma equipe, visando a coibir os tumultos gerados pelo episódio inverídico ligado a Tarzan de Castro - está esquecida. Não se tem notícia de que seus humildes familiares tenham recebido qualquer indenização ou apoio especial dos governos estadual ou federal (colaboração do co-irmão, Grupo Anhangüera).

 

6

24/11/67

José Gonçalves Conceição (Zé Dico)

Fazendeiro - SP

Morto por Edmur Péricles de Camargo, integrante da Ala Marighela, durante a invasão da fazenda Bandeirante, em Presidente Epitácio. Zé Dico foi trancado num quarto, torturado e, finalmente, morto com vários tiros. O filho do fazendeiro que tentara socorrer o pai foi baleado por Edmur com dois tiros nas costas.

7

15/12/67

Osíris Motta Marcondes

Bancário – SP)

 

Morto quando tentava impedir um assalto terrorista ao Banco Mercantil, do qual era o gerente.

8

10/01/68 - 

Agostinho Ferreira Lima 

(Marinha Mercante - Rio Negro / AM)

 No dia 06/12/67, a lancha da Marinha Mercante "Antônio Alberto" foi atacada por um grupo de nove terroristas, liderados     por Ricardo Alberto Aguado Gomes "Dr. Ramon", o qual, posteriormente, ingressou na Ação Libertadora Nacional (ALN). Neste  ataque Agostinho Ferreira Lima foi ferido gravemente, vindo a falecer no dia 10/01/68.

9

31/05/68

Ailton de Oliveira

Guarda Penitenciário - RJ

 


O Movimento Armado Revolucionário (MAR), montou uma ação para libertar nove de seus membros que cumpriam pena na Penitenciária Lemos de Brito (RJ) e que uma vez libertados deveriam seguir para região de Conceição de Jacareí, onde o MAR pretendia estabelecer o “embrião do foco guerrilheiro”.

No dia 26/05/68 o estagiário Júlio César entregou à funcionária da penitenciária Natersa Passos, dentro de um pacote, três revólveres calibre 38 que seriam usados pelos 
Às 17:30 horas os subversivos, ao iniciarem a fuga foram surpreendidos pelos guardas penitenciários Ailton de Oliveira e Jorge Félix Barbosa. Os guardas foram feridos pelos presos em fuga, sendo que Ailton de Oliveira veio a falecer cinco dias depois, em 31/05/68.
Ainda ficou gravemente ferido o funcionário da Light, João Dias Pereira que se encontrava na calçada da penitenciária.
O autor dos disparos que atingiram o guarda Ailton foi o terrorista Avelino Brioni Capitani

 

10

26/06/68

Mário Kozel Filho

Soldado do Exército - SP  


Em 1968 o jovem Mário Kozel Filho é convocado para servir à Pátria e defendê-la contra possíveis agressões internas ou externas.

Na mesma época o capitão Carlos Lamarca, formado pela Academia Militar das Agulhas Negras, serve no 4ºRI, em Quitaúna, SP.

O capitão Lamarca, no dia 24/01/68, trai a Pátria que jurou defender. Rouba do 4ºRI muitos fuzis, metralhadoras e munição, deserta e entra na clandestinidade. O material bélico roubado é entregue à Vanguarda Popular Revolucionária, VPR, uma organização terrorista que Lamarca já integrava antes de desertar.

O soldado Kozel continua servindo, com dedicação a Pátria que jurou defender. No dia 26/06/68, como sentinela, zela pela segurança do Quartel General do II Exército. Às 04:30 horas ele está vigilante em sua guarita. A madrugada é fria e com pouca visibilidade. Neste momento, um tiro é disparado por uma sentinela contra uma camioneta que desgovernada tenta penetrar no Quartel. Seu motorista saltara dela em movimento, após acelerá-la e direcioná-la para o portão do QG. O soldado Rufino, também sentinela, dispara 6 tiros contra o mesmo veículo que, finalmente, bate na parede externa do quartel. Kozel sai do seu posto e corre em direção ao carro, para ver se há alguém no seu interior. Há uma carga com 50 quilos de dinamite que, segundos depois, explode e espalha destruição e morte num raio de 300metros. Seu corpo é dilacerado. Os soldados João Fernandes, Luiz Roberto Julião e Edson Roberto Rufino estão muito feridos. É mais um ato terrorista da organização chefiada por Lamarca, a VPR.

Participaram deste crime hediondo os terroristas Diógenes José de Carvalho Oliveira (o Diógenes do PT, com implicações com bicheiros no governo Olívio Dutra/RS), Waldir Carlos Sarapu, Wilson Egídio Fava, Onofre Pinto, Edmundo Coleen Leite, José Araújo Nóbrega, Oswaldo Antônio dos Santos, Dulce de Souza Maia, Renata Ferraz Guerra Andrade e José Ronaldo Tavares de Lima e Silva.

Lamarca continuou na VPR, seqüestrando, assaltando, assassinando e praticando vários outros atos terroristas, até o dia em que morreu, de arma na mão enfrentando uma patrulha do Exército que o encontrou no interior da Bahia em 1971. Sua família passou a receber a pensão de coronel porque Lamarca, se não tivesse desertado, poderia chegar a este  posto.

Apesar de todos os crimes hediondos que cometeu, sendo o mais torpe deles o assassinato a coronhadas de seu prisioneiro Tenente PM Alberto Mendes Júnior, Lamarca é apontado como herói pelos esquerdistas brasileiros. Ruas passam a ter seu nome. Tentam colocar seus restos mortais num Mausoléu na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Um filme é feito para homenageá-lo.

Mário Kozel Filho, soldado cumpridor dos seus deveres, cidadão brasileiro que morreu em serviço, está totalmente esquecido. Além do esquecimento a Comissão dos Mortos e Desaparecidos que já concedera vultosas indenizações às famílias de muitos terroristas que nunca foram considerados desaparecidos, resolveu indenizar, também, a família Lamarca, numa evidente provocação às Forças Armadas e desrespeito às famílias de Mário Kozel Filho e de muitos outros que com ele morreram em conseqüência de atos terroristas.

11

27/06/68


Noel de Oliveira Ramos

Civil - RJ

Morto com um tiro no coração, em conflito na rua. Estudantes distribuíam no Largo de São Francisco, panfletos a favor do governo e contra as agitações estudantis conduzidas por militantes comunistas.

Gessé Barbosa de Souza, eletricista e militante da VPR, conhecido como "Juliano" ou "Julião" infiltrado no movimento, tentou impedir a manifestação com uma arma. Os estudantes, em grande maioria, não se intimidaram e tentaram segurar Gessé que fugiu atirando, atingindo mortalmente Noel de Oliveira Ramos e ferindo o engraxate Olavo Siqueira.

12

27/06/68

Nelson de Barros 

Sargento PM -  RJ



No início de junho de 1968, no Rio de Janeiro, pequenas passeatas realizadas em Copacabana e na rua Uruguaiana, pressagiaram as grandes agitações que estavam por vir, ainda nesse mês, e que ficaram conhecidas como "As Jornadas de Junho".
No dia 19/06/68, cerca de 800 estudantes, liderados por Wladimir Palmeira, tentaram tomar de assalto o edifício do Ministério da Educação e Cultura, no Rio de |Janeiro.

No dia seguinte, cerca de 1500 estudantes invadiram e ocuparam a Universidade Federal do Rio de Janeiro, na Avenida Pasteur, fazendo com que professores e membros do Conselho Universitário passassem por vexames, obrigando-os a saírem por uma espécie de corredor polonês formado por centenas de estudantes.

Vinte e quatro horas depois, em 21/06/68, também ao meio dia, foi realizada nova passeata no centro do Rio. Conhecido como a "Sexta feira Sangrenta", este dia foi marcado por brutal violência Cerca de 10.000 pessoas, os estudantes engrossados por populares, ergueram
barricadas, incendiaram carros, agrediram motoristas, saquearam lojas, atacaram a tiros a embaixada americana e as tropas da Polícia Militar. No final da noite, mais de 10 mortos, e centenas de feridos atestavam a violência dos confrontos. Entre os feridos graves estava o sargento da Polícia Militar Nelson de Barros que veio a falecer no dia 27/06/68.

A violência estudantil continuou no dia 22, quando tentaram, sem sucesso, ocupar a Universidade de Brasília, (UNB), e no dia 24, em São Paulo, quando realizaram uma passeata no centro da cidade, depredando a Farmácia do Exército, o City Bank e a sede do jornal "O Estado de São Paulo". No dia 26, no Rio de Janeiro ocorreu a "Passeata dos Cem Mil".

      

13

01/07/68 -

Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen

Major do Exército Alemão - RJ



Morto no Rio de Janeiro onde fazia o Curso da Escola de Comando e Estado Maior do Exército. Assassinado na rua Engenheiro Duarte, Gávea, por ter sido confundido com o major boliviano Gary Prado, suposto matador de Che Guevara, que também cursava a mesma escola.

Autores: Severino Viana Callou, João Lucas Alves e um terceiro não identificado, todos da organização terrorista denominada COLINA- Comando de Libertação Nacional.

14

 

07/09/68

Eduardo Custódio de Souza

Soldado PM – SP

 

          

Morto, com sete tiros, por terroristas de uma organização não identificada quando de sentinela no DEOPS, em São Paulo.

15

20/09/68

Antônio Carlos   Jeffery

Soldado PM – SP

Morto a tiros quando de sentinela no quartel da então Força Pública de São Paulo (atual PM) no Barro Branco.

Organização terrorista que praticou o assassinato: Vanguarda Popular Revolucionária.

Assassinos:
Pedro Lobo de Oliveira;

Onofre Pinto;

Diógenes José Carvalho de Oliveira, atualmente conhecido como o Diógenes do PT, ex-auxiliar de Olívio Dutra no Governo do RS.

16

12/10/68

Charles Rodney Chandler


Cap. do Exército dos Estados Unidos - SP

Herói na guerra com o Vietnã, veio ao Brasil para fazer o Curso de Sociologia e Política, na Fundação Álvares Penteado, em São Paulo/SP.

No início de outubro /68, um "Tribunal Revolucionário", composto pelos dirigentes da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), Onofre Pinto (Augusto, Ribeiro, Ari), João Carlos Kfouri Quartin de Morais (Manéco) e Ladislas Dowbor (Jamil), condenou o capitão Chandler à morte, porque ele "seria um agente da CIA".

Os levantamentos da rotina de vida do capitão foram realizados por Dulce de Souza Maia (Judite).

O capitão Chandler quando retirava seu carro das garagem para seguir para a Faculdade, foi assassinado, friamente, com 14 tiros de metralhadora e vários tiros de revólver, na frente da sua esposa Joan e seus 3 filhos.
O grupo de execução era constituído pelos terroristas Pedro Lobo de Oliveira (Getúlio), Diógenes José de Carvalho Oliveira (Luis, Leonardo, Pedro) e Marco Antônio Bráz de Carvalho (Marquito).

Obs:
Diógenes José de Carvalho Oliveira, também conhecido como Diógenes do PT, na década de 90 ingressou nos quadros do PT/RS, sempre assessorando seus líderes mais influentes. Diógenes foi o Presidente do Clube de Seguros da Cidadania de Porto Alegre, orgão encarregado de coletar fundos para o PT.

João Carlos Kfouri Quartin de Morais é, atualmente Professor Titular de Filosofia e Ciências da UNICAMP e,

Ladislas Dowbor Professor Titular de Economia da PUC/SP e trabalha no Instituto de Economia da UNICAMP.

17

 

24/10/68

 

Luiz Carlos Augusto

 

civil - RJ

              

Morto, com 1 tiro, durante uma passeata estudantil.

 

-

18

25/10/68

Wenceslau Ramalho Leite

               civil - RJ

Morto, com 4 tiros de pistola Luger 9mm, durante o roubo de seu carro, na avenida 28 de Setembro, Vila Isabel, RJ.

Autores: Murilo Pinto da Silva (Cesar ou Miranda) e Fausto Machado Freire(Ruivo ou Wilson) ambos integrantes da Organização Terrorista COLINA(Comando de Libertação Nacional).

19

07/11/68

Estanislau Ignácio Correia

Civil - SP


Morto pelos terroristas Ioshitame Fugimore, Oswaldo Antônio dos Santos e Pedro Lobo Oliveira, todos integrantes da Vanguarda Popular Revolucionária(VPR), quando roubavam seu automóvelna esquina das ruas Carlos Norberto Souza Aranha e Jaime Fonseca Rodrigues, em São Paulo. 

20

07/01/69 -

Alzira Baltazar de Almeida  -
Dona de casa - Rio de Janeiro / RJ

Uma bomba jogada por terroristas, embaixo de uma viatura policial, estacionada em frente à 9ª Delegacia de Polícia, ao explodir, matou a Sra. Alzira, uma vítima inocente, que na ocasião transitava na rua.

21

11/01/69

Edmundo Janot  -

Lavrador - Rio de Janeiro / RJ

   Morto a tiros, foiçadas e facadas por um grupo de terroristas que haviam montado uma base de guerrilha nas  proximidades da sua fazenda.

22

29/01/69 

Cecildes Moreira de Faria  -

Subinspetor de Polícia - BH/ MG

 

23

29/01/69 -

 José Antunes Ferreira 

Guarda Civil-BH/MG

   O terrorista Pedro Paulo Bretas "Kleber" ao ser interrogado "entregou" um "aparelho" do Comando de Libertação Nacional (Colina), na rua Itacarambu nº 120, bairro São Geraldo.
               Imediatamente, os policiais se dirigiram para o local e quando se anunciaram como policiais, foram recebidos por  rajadas de metralhadoras, disparadas por Murilo Pinto Pezzuti da Silva , "Cesar' ou "Miranda", que mataram o subinspetor. Cecildes    Moreira da Silva que deixou viúva e oito filhos menores, e o guarda civil José Antunes Ferreira ,ferindo, ainda, o investigador  José Reis de Oliveira.
                Foram presos no interior do "aparelho" o assassino Murilo Pinto Pezzuti da Silva o os terroristas do Colina:
                Afonso Celso L.Leite "Ciro".
                Mauricio Vieira de Castro "Carlos"
                Nilo Sérgio Menezes Macedo
                J ulio Antonio Bittencourt de Almeida "Pedro"
                Jorge Raimundo Nahas "Clovis"ou "Ismael" e
                Maria José de Carvalho Nahas "Celia"ou "Marta".
                No interior do " aparelho" foram apreendidos 1 fuzil FAL ,5 pistolas, 3 revóveres, 2 metralhadoras, 2 carabinas, 2 granadas de mão, 702 bananas de dinamite, fardas da PM e dinheiro de assaltos.

24

14/04/69

             

 

Francisco Bento da Silva

Motorista – SP




Morto durante um assalto, praticado pela Ala Vermelha do PC do B, ao carro pagador (uma Kombi) do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Alameda Barão de Campinas, quando foram roubados vinte milhões de cruzeiros. Participaram desta ação os terroristas:
Élio Cabral de Souza, Derly José de Carvalho, Daniel José de Carvalho, Devanir José de Carvalho, James Allen Luz, Aderval
Alves Coqueiro, Lúcio da Costa Fonseca, Gilberto Giovanetti,Ney Jansen Ferreira Júnior, Genésio Borges de Melo e Antônio Medeiros Neto

25

14/04/69

Luiz Francisco da Silva


Guarda bancário –SP

Morto durante o assalto acima explanado, praticado pela Ala Vermelha do PC do B, ao carro pagador (uma Kombi) do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Alameda Barão de Campinas, quando foram roubados vinte milhões de cruzeiros.

26

08/05/69

José de Carvalho

Investigador de Polícia – SP)

 

Atingido com um tiro na boca, durante um assalto ao União de Bancos Brasileiros, em Suzano, no dia 07 de maio, vindo a falecer no dia seguinte.

Nessa ação, os terroristas feriram, também, Antonio Maria Comenda Belchior e Ferdinando Eiamini.

Participaram os seguintes terroristas da Ação Libertadora Nacional (ALN): Virgílio Gomes da Silva, Aton Fon Filho, Takao Amano, Ney da Costa Falcão, Manoel Cyrilo de Oliveira Neto e João Batista Zeferino Sales Vani. 

Takao Amano foi baleado na coxa e operado, em um “aparelho médico” por Boanerges de Souza Massa, médico da ALN.

27

09/05/69

Orlando Pinto da Silva

Guarda Civil – SP

 

Morto com dois tiros, um na nuca e outro na testa, disparados por Carlos Lamarca, durante assalto ao Banco Itaú, na rua Piratininga, Bairro da Mooca. Na ocasião também foi esfaqueado o gerente do Banco, Norberto Draconetti. 

Organização responsável por esse assalto: Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).    

28

27/05/69

Naul José Montovani

                             Soldado PM – SP

 

 Em 27/05/69 foi realizada uma ação contra o 15º Batalhão da Força Pública de São Paulo, atual PMESP, na Avenida Cruzeiro do Sul, SP/SP. 

Os terroristas Virgílio Gomes da Silva, Aton Fon Filho, Carlos Eduardo Pires Fleury, Maria Aparecida Costa, Celso Antunes Horta e Ana Maria de Cerqueira César Corbisier, metralharam o soldado Naul José Montovani que estava de sentinela e que morreu instantaneamente. O soldado Nicário Conceição Pulpo que acorreu ao local ao ouvir os disparos, foi gravemente ferido na cabeça, tendo ficado paralítico.

 

29

04/06/69

Boaventura Rodrigues da Silva

Soldado PM - SP


Morto por terroristas durante assalto ao Banco Tozan.


30

22/06/69

Guido Boné

Soldado PM - SP




Morto por militantes da ALN que atacaram e incendiaram a radio-patrulha RP 416, da então Força Pública de São Paulo, hoje Polícia Militar, matando os seus dois ocupantes, os soldados Guido Bone e Natalino Amaro Teixeira, roubando suas armas.

31

22/06/69

Natalino Amaro Teixeira

Soldado PM - SP                    

Morto por militantes da ALN na ação acima explanada.

32

11/07/69

Cidelino Palmeiras do Nascimento

Motorista de táxi - RJ



 
Morto a tiros quando conduzia em seu carro, policiais que perseguiam terroristas que haviam assaltado o Banco Aliança, agência Muda.

Participaram deste assassinato os terroristas Chael Charles Schreier, Adilson Ferreira da Silva, Fernando Borges de Paula Ferreira, Flávio Roberto de Souza, Reinaldo José de Melo, Sônia Eliane Lafóz e o autor dos disparos Darci Rodrigues, todos pertencentes a organização terrorista VAR-Palmares.

33

24/07/69 -


Aparecido dos Santos Oliveira

Soldado PM - SP


Neste dia, atuando em "frente " foi assaltado o Banco Bradesco, na rua Turiassu, no Bairro de Perdizes, de onde foram roubados sete milhões de cruzeiros. Participaram da ação:
· Pelo Grupo de Expropriação e Operação: Devanir José de Carvalho, James Allen Luz, Raimundo Gonçalves de Figueiredo, Ney Jansen Ferreira Júnior, José Couto Leal;

· Pelo Grupo do Gaúcho: Plínio Petersen Pereira, Domingos Quintino dos Santos, Chaouky Abara;

· Pela VAR-Palmares: Chael Charles Schreier, Roberto Chagas e Silva, Carmem Monteiro dos Santos Jacomini e Eduardo Leite.
Essa ação terminou de forma trágica: Raimundo Gonçalves Figueiredo baleou o soldado da então Força Pública do Estado de São Paulo, atual PMESP, Aparecido dos Santos Oliveira que, já caído, recebeu mais quatro tiros disparados por Domingos Quintino dos Santos.

34

20/08/69

José Santa Maria


Gerente de Banco ? RJ

Morto por terroristas que assaltaram o Banco de Crédito Real de Minas Gerais, do qual era gerente

35

25/08/69

Sulamita Campos Leite

Dona de casa ? PA

Parente do terrorista Flávio Augusto Neves Leão Salles.

Morta na residência dos Salles, em Belém, ao detonar, por inadvertência ,uma carga de explosivos escondida pelo terrorista

36

31/08/69

Mauro Celso Rodrigues

Soldado PM - MA

Morto quando procurava impedir a luta entre proprietários e posseiros, incitada por movimentos subversivos.

37

03/09/69

José Getúlio Borba




Comerciário - SP

Os terroristas da Ação Libertadora Nacional (ALN) Antenor Meyer, José Wilson Lessa Sabag, Francisco José de Oliveira e Maria Augusta Tomaz, resolveram comprar um gravador na loja Lutz Ferrando, na esquina da Avenida Ipiranga com a Rua São Luis. O pagamento seria feito com um cheque roubado num assalto. Descobertos, receberam voz de prisão e reagiram. Na troca de tiros o guarda civil João Szelacsak Neto ficou ferido com um tiro na coxa e o funcionário da loja, José Getúlio Borba, foi mortalmente ferido. Perseguidos pela polícia o terrorista José Wilson Lessa Sabag matou a tiros o soldado da Força Pública (atual PM) João Guilherme de Brito.

38

03/09/69

João Guilherme de Brito


Soldado da Força Pública/SP

Na ação acima houve troca de tiros o guarda civil João Szelacsak Neto ficou ferido com um tiro na coxa e o funcionário da loja, José Getúlio Borba, foi mortalmente ferido. Perseguidos pela polícia o terrorista José Wilson Lessa Sabag matou ainda, a tiros o soldado da Força Pública (atual PM) João Guilherme de Brito.

39

20/09/69

 

Samuel Pires


Cobrador de ônibus – SP


Morto por terroristas quando assaltavam uma empresa de ônibus.

40

22/09/69

Kurt Kriegel


Comerciante - SP


Morto por terroristas, durante assalto ao restaurante de sua propriedade.

41

30/09/69

Cláudio Ernesto Canton


Agente da Polícia Federal - SP


Após ter efetuado a prisão de um terrorista foi atingido na coluna vertebral, vindo a falecer em conseqüência desse ferimento.

42

 

 

04/10/69

 

 

Euclídes de Paiva Cerqueira      


Guarda particular - RJ

 

 

Morto por terroristas durante assalto ao carro transportador de valores do Banco Irmãos Guimarães

43

06/10/69

-Abelardo Rosa Lima


Soldado PM - SP

Metralhado por terroristas numa tentativa de assalto ao Mercado Peg-Pag.

Autores: Devanir José de Carvalho (Henrique) , Walter Olivieri, Eduardo Leite (Bacuri), Mocide Bucherone e Ismael Andrade dos Santos.

Organizações Terroristas: REDE (Resistência Democrática) e MRT (Movimento Revolucionário Tiradentes).

44

07/10/69

Romildo Ottenio


Soldado PM - SP

           

Morto quando tentava prender um terrorista.

45

31/10/69

Nilson José de Azevedo Lins


Civil - PE

Gerente da firma Cornélio de Souza e Silva, distribuidora da Souza Cruz, em Olinda. Foi assaltado e morto quando ia depositar, no Banco, o dinheiro da firma.

Organização: PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário).

Autores: Alberto Vinícius Melo do Nascimento, Rholine Sonde Cavalcante Silva, Carlos Alberto Soares e João Maurício de Andrade Baltar

46

04/11/69

Estela Borges Morato

Investigadora do DOPS - SP

Morta a tiros quando participava da operação em que morreu o terrorista Carlos Marighela.  

47

04/11/69


Friederich Adolf Rohmann

Protético - SP)

(Morto durante a operação que resultou na morte do terrorista Carlos Marighela.

48

07/11/69

Mauro Celso Rodrigues

Soldado PM - MA


Morto em uma emboscada, durante a luta travada entre lavradores de terra, incitados por militantes da Ação Popular(AP). 

49

14/11/69

Orlando Girolo

Bancário - SP

Morto por terroristas durante assalto ao Banco Brasileiro de Descontos(Bradesco).

50

 17/11/69

Joel Nunes

Sub-Tenente PM - RJ

Neste dia o PCBR assaltou o Banco Sotto Maior, na Praça do Carmo, no subúrbio carioca de Brás de Pina, de onde foram roubados cerca de 80 milhões de cruzeiros. Na fuga, obstados por uma viatura policial, surgiu um violento tiroteio no qual Avelino Bioni Capitani matou o sargento da PM Joel Nunes. Na ocasião foi preso o terrorista Paulo Sérgio Granado Paranhos.

51

18/12/69

Elias dos Santos

Soldado do Exército – RJ

Paulo Sérgio Granado Paranhos preso no dia anterior ao ser interrogado “abriu” um “aparelho” do PCBR localizado na rua Baronesa de Uruguaiana nº 70, no bairro de Lins de Vasconcelos. Ali, Prestes de Paula, ao fugir pelos fundos da casa, disparou, à queima-roupa, um tiro de pistola .45 no soldado do Exército Elias dos Santos que integrava a equipe que “estourou” o “aparelho”. O soldado Elias morreu momentos depois.
A respeito do soldado Elias, morto em combate no cumprimento do dever, o Ternuma recebeu o seguinte comovente e-mail: “Fico feliz de achar uma página da Internet a qual faz uma homenagem a uma pessoa que não conheci, mas com certeza, muito especial. Desde pequena vejo minha avó aos prantos lembrar de seu filho Elias dos Santos, morto brutalmente por assassinos terroristas. Não conhecia direito a história, fiquei sabendo agora. Realmente é revoltante saber que a família de Carlos Lamarca tem direitos que minha avó não teve. Não tenho palavras, só agradeço Daniele Esteves”.

52

17/01/70

José Geraldo Alves Cursino  - Sargento PM - São Paulo / SP

Morto a tiros por terroristas.

53

20/02/70

Antônio   Aparecido Posso  Nogueró


Sargento PM – São Paulo

Morto pelo terrorista Antônio Raimundo de Lucena quando tentava impedir um ato terrorista no Jardim Cerejeiras, Atibaia/SP.

54

11/03/70

Newton de Oliveira Nascimento

 Soldado PM – Rio de Janeiro

 No dia 11/03/70, os militantes do grupo tático armado da ALN, Mário de Souza Prata, Rômulo Noronha de Albuquerque e Jorge Raimundo Júnior deslocavam-se num carro Corcel azul, roubado, dirigido pelo último, quando foram interceptados no bairro de Laranjeiras- RJ, por uma patrulha da PM. Suspeitando do motorista, pela pouca idade que aparentava, e verificando que Jorge Raimundo não portava habilitação, os policiais ordenaram-lhe que entrasse no veículo policial, junto com Rômulo Noronha Albuquerque, enquanto Mauro de Souza Prata, acompanhado de um dos soldados, iria dirigindo o Corcel até a delegacia mais próxima. Aproveitando-se do descuido dos policiais, que não revistaram os detidos, Mário, ao manobrar o veículo para colocá-lo à frente da viatura policial, sacou de uma arma e atirou, matando com um tiro na testa o soldado da PM Newton Oliveira Nascimento, que o escoltava no carro roubado.

O soldado Newton deixou a viúva dona Luci e órfãos duas filhas menores de quatro e dois anos                                                           

55

31/03/70

JOAQUIM MELO

Investigador de Polícia – Pernambuco 

Morto por terroristas durante ação contra um "aparelho".

56

02/05/70

João Batista de Souza


Guarda de Segurança - SP

Um comando terrorista, integrado por Devanir José de Carvalho, Antonio André Camargo Guerra, Plínio Petersen Pereira, Waldemar Abreu e José Rodrigues Ângelo, pelo Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT) e mais Eduardo Leite (Bacuri) pela Resistência Democrática (REDE) assaltaram a Companhia de Cigarros Souza Cruz, no Cambuci/SP. Na ocasião Bacuri assassinou o guarda de segurança João Batista de Souza.

57

 10/05/70

Alberto Mendes Junior



1º Tenente PMESP – SP

Nos dias 16/04/70 e 18/04/70 foram presos no Rio de Janeiro, Celso Lungaretti e Maria do Carmo Brito, ambos militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), uma das organizações comunistas que seguia a linha cubana. 

Ao serem interrogados os dois informaram que desde janeiro/70, a VPR, com a colaboração de outras organizações comunistas, instalara uma área de treinamento de guerrilhas, na região de Jacupiranga, próxima a Registro, no Vale da Ribeira, no Estado de São Paulo, sob o comando do ex-capitão do Exército, Carlos Lamarca. 

No dia 19/04/70, tropas do Exército e da Polícia Militar do Estado de São Paulo foram deslocadas para a área, para verificar a autenticidade das declarações dos dois militantes presos e neutralizar a área, prendendo, se possível os seus 18 ocupantes. 
No início de maio/70 uma parte da tropa da Polícia Militar foi retirada da área, permanecendo, apenas, um pelotão. Como voluntário para comandá-lo, apresentou-se um jovem de 23 anos, o Tenente Alberto Mendes Júnior. Com 5 anos de Polícia Militar, o Tenente Mendes era conhecido, entre os seus companheiros, por seu espírito afável e alegre e pelo altruísmo no cumprimento das missões. Idealista, acreditava que era seu dever permanecer na área, ao lado se seus subordinados. 

No dia 08/05/70, 7 terroristas, chefiados por Carlos Lamarca, que estavam numa pick-up, ao pararem num posto de gasolina em Eldorado Paulista, foram abordados por policiais que, imediatamente, foram alvejados por tiros que partiram dos terroristas que ocupavam a pick-up e que após o tiroteio fugiram para Sete Barras.

Ciente do ocorrido, o Tenente Mendes organizou uma patrulha, que, em duas viaturas, dirigiu-se de Sete Barras para Eldorado Paulista. Cerca das 21:00 horas, houve o encontro com os terroristas que estavam armados com fuzis FAL enquanto que os PMs portavam o velho fuzil Mauser modelo 1908. Em nítida desvantagem bélica, vários PMs foram feridos e o Tenente Mendes verificou que diversos de seus comandados estavam necessitando urgentes socorros médicos. 

Um dos terroristas, com um golpe astucioso, aproveitando-se daquele momento psicológico, gritou-lhes para que se entregassem. Julgando-se cercado, o oficial aceitou render-se, desde que seus homens pudessem receber o socorro necessário. Tendo os demais componentes da patrulha permanecido como reféns, o Tenente levou os feridos para Sete Barras. 

De madrugada, a pé e sozinho, o Tenente Mendes buscou contato com os terroristas, preocupado que estava com o restante de seus homens. Encontrou Lamarca que decidiu seguir com seus companheiros e os prisioneiros para Sete Barras. Ao se aproximarem dessa localidade foram surpreendidos por um tiroteio, ocasião em que dois terroristas Edmauro Gopfert e José Araújo Nóbrega desgarraram-se do grupo e os cinco terroristas restantes embrenharam-se no mato, levando consigo o Tenente Mendes. Depois de caminharem um dia e meio na mata, os terroristas e o Tenente pararam para descansar. Nesta ocasião Carlos Lamarca, Yoshitame Fugimore e Diógenes Sobrosa de Souza afastaram-se e formaram um tribunal revolucionário que resolveu assassinar o Tenente Mendes pois o mesmo, pela necessidade de vigiá-lo, retardava a fuga. Os outros  dois Ariston Oliveira Lucena e Gilberto Faria Lima ficaram vigiando o prisioneiro.  

Poucos minutos depois, os três terroristas retornaram, e, acercando-se por traz do Oficial, Yoshitame Fugimore desfechou-lhe violentos golpes na cabeça, com a coronha de um fuzil. Caído e com a base do crânio partida, o Tenente Mendes gemia e se contorcia em dores. Diógenes Sobrosa de Souza desferiu-lhe outros golpes na cabeça, esfacelando-a. Ali mesmo, numa pequena vala e com seus coturnos ao lado da cabeça ensangüentada, o Tenente Mendes foi enterrado. 
Em 08/09/70, Ariston Lucena foi preso pelo DOI/CODI/IIEx e apontou, no local, onde o Tenente estava enterrado. Seu corpo foi exumado, em segredo, pelos agentes do DOI pois os companheiros do Tenente queriam linchar Ariston. 

Dos cinco assassinos do Tenente Mendes, sabe-se que:


Carlos Lamarca, morreu na tarde de 17/09/71, no interior da Bahia, durante tiroteio com o DOI/CODI/6ª RM;
Yoshitame Fugimore, morreu em 05/12/70, em São Paulo, durante tiroteio com o DOI/CODI/IIEx;
Diógenes Sobrosa de Souza, preso em 12/12/70, no RS. Em novembro de 71 foi condenado à pena de morte (existia na época esta punição para os terroristas assassinos, que nunca foi usada). Em fins de 1979 , com a anistia foi libertado;
Gilberto Faria Lima, fugiu para o exterior.
Ariston Lucena, após a anistia foi libertado e teria se suicidado, recentemente, no RS.


Observação:

 Embora Carlos Lamarca tenha desertado no posto de capitão, por lei especial, sua família recebe a pensão de coronel.

 

Todas as famílias dos terroristas assassinos, inclusive a de Carlos Lamarca receberam uma grande indenização em dinheiro.

 

O Tenente Mendes, promovido após sua morte, por bravura, ao posto de capitão, deixou para sua família a pensão relativa a esse posto. Sua família , que nunca ganhou nenhuma indenização dos governos federal e estadual, tem problemas psicológicos até hoje . Seus pais não se conformam em ter  único filho  sido assassinado de forma brutal,  por bandidos  sempre  tão endeusados pela nossa mídia.

58

11/06/70

Irlando de Moura Régis


Agente da Polícia Federal - RJ

  -
No dia 11/06/70, o embaixador da Alemanha, Ehrenfried Von Hollebem, saiu da Embaixada, no Rio de Janeiro, para a sua residência. Sentado no banco de trás de sua Mercedes preta, o embaixador tinha como motorista o funcionário Marinho Huttl e o agente da Polícia Federal Irlando de Moura Régis, sentado no banco da frente e portando um revólver .38. Seguindo a Mercedes, como segurança, ia uma Variant com os agentes da Polícia Federal Luiz Antônio Sampaio como motorista e José Banharo da Silva, com uma metralhadora INA.

Tendo ocupado o dispositivo desde antes das 19:00 horas, o "Comando Juarez Guimarães de Brito" executou o seqüestro às 19:55 horas, nas proximidades da residência do embaixador, no cruzamento das ruas Cândido Mendes com a Ladeira do Fialho.

Ao aproximar-se o carro diplomático, Jesus Paredes Soto deu um sinal a José Maurício Gradel que avançou uma "pick up" Willys, abalroando a Mercedes. Incontinente o casal que "namorava" na Escadinha do Fialho, Sônia Eliane Lafóz e José Milton Barbosa, este com uma metralhadora, disparou sua arma contra a Variant da segurança, ferindo Luiz Antônio Sampaio no abdômen e na coxa esquerda e José Banharo da Silva na cabeça. Ao mesmo tempo, Eduardo Coleen Leite "Bacuri", à queima roupa, disparou três tiros de revólver .38 em Irlando de Moura Régis, matando-o com um tiro na cabeça.

Herbert Eustáquio de Carvalho, empunhando uma pistola .45 arrancou o diplomata da Mercedes e embarcou-o no Opala, dirigido por José Roberto Gonçalves de Rezende.

Participaram, ainda, deste crime hediondo os terroristas Alex Polari Alvarenga e Roberto Chagas da Silva.

Decorridos 33 anos, vemos que neste período as famílias de subversivos, de assaltantes de bancos, de seqüestradores, de assassinos e de terroristas políticos foram indenizadas pelo governo. Até indenizações para "perseguidos políticos" que alcançam o teto máximo da carreira do pretendente, independente de se saber se ele chegaria ou não a este teto. E, vimos  subversivos que na época estavam desempregados, serem indenizados em até R$450.000,00.

Enquanto isto, famílias de cidadãos inocentes, atingidos em ações dos "guerrilheiros" como em assaltos a bancos, ou despedaçados por bombas nos atos terroristas, como no atentado ao Aeroporto de Guararapes, em Recife, são totalmente esquecidas. Orlando Lovechio Filho que, em 1968, teve uma perna amputada no atentado a bomba ao consulado americano, em São Paulo, teve seu sonho de ser piloto, destruído e luta até hoje por uma indenização do Estado.

Famílias de seguranças de bancos e embaixadas, de policiais civis e militares, de policiais federais, de militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, mortos e feridos quando em serviço, foram ignoradas pelo governo.

Para as famílias dos mortos pelos terroristas e para os que ficaram inválidos, lutando para manter a ordem no país, NADA!... Para elas, deve ser impossível entender porque no Congresso Nacional, um senador, que como membro da Polícia Civil de São Paulo, participou ativamente da luta contra a subversão e ex-policiais federais, civis e militares, hoje deputados, não tenham até a presente data, lembrado de seus colegas mortos e feridos no combate ao  terrorismo e que não lutem para que esta lamentável injustiça seja reparada. 

59

15/07/70

Isidoro Zamboldi

Guarda de segurança - SP

Morto pela terrorista Ana Bursztyn durante assalto à loja Mappin.

60

12/08/70

Benedito Gomes

Capitão do Exército ? SP

Morto por terroristas, no interior do seu carro, na Estrada Velha de Campinas.

61

19/08/70

Vagner Lúcio Vitorino da Silva


Guarda de segurança ? RJ

Morto durante assalto do Grupo Tático Armado da organização terrorista MR8, ao Banco Nacional de Minas Gerais, no bairro de Ramos.

Sônia Maria Ferreira Lima foi quem fez os disparos que o mataram.

Participaram, também, dessa ação os terroristas Reinaldo Guarany Simões, Viriato Xavier de Melo Filho e Benjamim de Oliveira Torres Neto, os dois últimos recém chegados do curso em Cuba.

62

29/08/70

José Armando Rodrigues


Comerciante - CE

Proprietário da firma Ibiapaba Comércio Ltda. Após ter sido assaltado em sua loja, foi seqüestrado, barbaramente torturado e morto a tiros por terroristas da ALN. Após seu assassinato seu carro foi lançado num precipício na serra de Ibiapaba, em São Benedito, CE.

Autores: Ex-seminaristas Antônio Espiridião Neto e Waldemar Rodrigues Menezes, ( autor dos disparos), José Sales de Oliveira, Carlos de Montenegro Medeiros, Gilberto Telmo Sidney Marques.

Timoschenko Soares de Sales, Francisco William

63

14/09/70

Bertolino Ferreira da Silva


Guarda de segurança - SP

Morto durante assalto praticado pelas organizações terroristas ALN e MRT ao carro pagador da empresa Brinks, no Bairro do Paraíso em são Paulo.

64

21/09/70

 

Célio Tonelly

                
Soldado PM - SP


Morto em Santo André, quando de serviço em uma rádio patrulha tentou deter terroristas que ocupavam um automóvel.

65

22/09/70

Autair Macedo

Guarda de segurança - RJ

                

Morto por terroristas, durante assalto a empresa de ônibus Amigos Unidos

 

27/10/70

Walder Xavier de Lima


Sargento da Aeronáutica - BA

-

Morto quando, ao volante de uma viatura, conduzia terroristas presos, em Salvador.

O assassino, Theodomiro Romeiro dos Santos (Marcos) o atingiu, covardemente, com um tiro na nuca.

Organização: PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário).

Atualmente, Theodomiro é Juiz do Tribunal Regional do Trabalho, em Recife/PE.

66

10/11/70

José Marques do Nascimento

Civil - SP

Morto por terroristas em confronto com policiais.  

67

10/11/70

Garibaldo de Queiroz

Soldado PM - SP

Morto em confronto com terroristas da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) que faziam uma panfletagem armada na Vila Prudente, São Paulo.  

68

10/11/70

José Aleixo Nunes

Soldado PM - SP

Morto em confronto com terroristas da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) que faziam uma panfletagem armada na Vila Prudente, São Paulo.  

69

10/12/70

Hélio de Carvalho Araújo

Agente da Polícia Federal – RJ


No dia 07/12/70 a VPR, Vanguarda Popular Revolucionária, seqüestrou no Rio de Janeiro, o Embaixador da Suíça no Brasil, Giovani Enrico Bucher.

Participaram, ativamente, da operação os terroristas Adair Gonçalves Reis, Gerson Theodoro de Oliveira, Maurício Guilherme da Silveira, Alex Polaris de Alvarenga, Inês Etienne Romeu, Alfredo Sirkis, Herbert Eustáquio de Carvalho e Carlos Lamarca.

Após fecharem e paralisarem o carro que conduzia o Embaixador, Carlos Lamarca bateu com um revólver Smith-Wesson, cano longo, calibre .38, no vidro do carro. Abriu a porta traseira e a uma distância de 2 metros atirou, duas vezes, no agente Hélio. Uma das balas seccionou a medula do policial.

Os terroristas levaram o Embaixador e deixaram o agente agonizando. Transferido para o Hospital Miguel Couto, faleceu no dia 10/12/70.

70

07/01/71 

Marcelo Costa Tavares 

Estudante - MG

 Morto por terroristas durante um assalto ao Banco Nacional de Minas Gerais.
  
Autor dos disparos: Newton Moraes.

71

12/02/71 

Américo Cassiolato

Soldado PM – São Paulo

Morto por terroristas em Pirapora do Bom Jesus.             

72

 20/02/71 

 Fernando Pereira

Comerciário – Rio de Janeiro


Morto por terroristas quando tentava impedir um assalto ao estabelecimento “Casa do Arroz”, do qual era gerente.

73

08/03/71

            

 

Djalma Peluci Batista

Soldado PM – Rio de Janeiro

Morto por terroristas, durante assalto ao Banco do Estado do Rio de Janeiro.

74

24/03/71 

           

            

Mateus Levino dos Santos

Tenente da FAB – Pernambuco

 O PCBR necessitava roubar um carro para participar do seqüestro do cônsul norte-americano, em Recife.

 No dia 26/06/70 resolveram roubar um volks, estacionado em Jaboatão, na Grande Recife, nas proximidades do Hospital da Aeronáutica.Quatro militantes do PCBR desceram do carro dirigido por Nancy Mangabeira Unger: Carlos Alberto Soares Rodrigues de Sousa, José Gersino Saraiva Maia e Luiz "Jacaré", (até hoje não identificado).
 Ao tentarem render o motorista, este ao identificar-se como Tenente da Aeronáutica, foi ferido gravemente por Carlos Alberto, com dois tiros, um na cabeça e outro no pescoço.O Tenente Mateus Levino dos Santos, após nove meses de impressionante sofrimento, veio a falecer em 24/03/71, deixando viúva e duas filhas menores.O imprevisto levou o PCBR a desistir do seqüestro.
Nancy Mangabeira Unger, banida em 13/01/71, em troca da vida do embaixador suíço, era filha de pai americano e sua mãe, brasileira, era filha de Otávio Mangabeira.
Por ironia, o próprio consulado americano, sem saber do planejamento do seqüestro de seu cônsul, correu em defesa de Nancy,  alegando a dupla nacionalidade dela, brasileira e norte-americana.

575

 

04/04/71

 

José Julio Toja Martinez

Major do Exército – Rio de Janeiro


No início de abril, a Brigada Pára-quedista recebeu uma denúncia de que um casal de terroristas ocupara uma casa localizada na rua Niquelândia, 23, em Campo Grande/RJ. Não desejando passar esse informe à 2ª Sessão do então I Exército, sem aprofundá-lo, a 2ª Sessão da Brigada, chefiada pelo major Martinez, montou um esquema de vigilância sobre a citada residência. Por volta das 23 horas desse dia, chegou, num táxi, um casal, estacionando-o nas proximidades da casa vigiada. A mulher ostentava uma volumosa barriga que indicava estar em adiantado estado de gravidez. O fato sensibilizou Martinez, que, impelido por seu sentimento de solidariedade, agiu impulsivamente visando   preservar a “senhora” de possíveis riscos.

O major José Júlio Toja Martinez Filho acabara de concluir o curso da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, onde por três anos, exatamente o período em que a guerra revolucionária se desenvolvera, estivera afastado desses problemas, em função da própria vida escolar bastante intensa. Estagiário na Brigada Pára-quedista, a quem também não estava afeta a missão de combate à subversão, não se havia habituado à virulência da ação terrorista, que se tornava a cada dia mais violenta.

Julgando que o casal nada tinha a ver com a subversão, Martinez iniciou a travessia da rua, a fim de solicitar-lhe que se afastasse daquela área. Ato contínuo, de sua “barriga”, formada por uma cesta para pão com uma abertura para saque da arma ali escondida, a mulher retirou um revólver, matando-o instantaneamente, sem qualquer chance de reação. O capitão Parreira, de sua equipe, ao sair em sua defesa foi gravemente ferido por um tiro desferido pelo terrorista. Nesse momento, os demais agentes desencadearam cerrado tiroteio que causou a morte do casal de terroristas. Estes foram identificados como sendo os militantes do MR-8 Mário de Souza Prata e sua amante Marilena Villas-Bôas Pinto, ambos de alta periculosidade e responsáveis por uma extensa lista de atos terroristas.

No “aparelho” do casal foram encontrados explosivos, munição e armas, além de dezenas de levantamentos de bancos, de supermercados, de diplomatas estrangeiros e de generais do Exército.

Destino perverso esse que compensou com uma reação de ódio e violência o gesto de bondade tão característica do major Martinez. Ele deixou viúva e quatro filhos, três meninas e um menino, a mais velha, à época, com onze anos de idade. Sua esposa, com uma pequena pensão, criou com sacrifícios aquelas crianças que, pelo ambiente familiar de que desfrutavam, eram, naturalmente, dóceis e afáveis. Com o apoio de familiares e amigos, suplantou a dor, os traumas decorrentes da morte violenta e inesperada e as dificuldades resultantes da ausência do chefe de família.

A família do major Martinez não pediu, nem vê razão em homenagens. Apenas quer guardar a lembrança do esposo dedicado e pai carinhoso que ele foi.

Profissional competente, dedicado e leal, atleta exemplar, amigo afável e educado, “Zazá” , como era carinhosamente chamado por seus amigos, será sempre lembrado com muito carinho por todos aqueles que com ele conviveram.

76

07/04/71          

                

 

Maria Alice Matos

Empregada doméstica – Rio de Janeiro

Morta por terroristas quando do assalto a um depósito de material de construção.

77

15/04/71                    

           

 

Henning Albert Boilensen


(Industrial – São Paulo)

Quando da criação da Operação Bandeirante, o então comandante do II Exército, general Canavarro, reuniu-se com o governador do Estado de São Paulo, com várias autoridades federais, estaduais, municipais e com industriais paulistas para solicitar o apoio para um órgão que necessitava ser criado com rapidez, a fim de fazer frente ao crescente terrorismo que estava em curso no estado de São Paulo. Assim, vários industriais, entre eles Boilesen, se cotizaram para atender ao pedido daquela autoridade militar. 

E, o que fizeram os terroristas para intimidar aqueles industriais? A pedido de Carlos Lamarca, escolheram três nomes para serem assassinados, como forma de intimidar os demais colaboradores. Estes eram: Henning A. Boilesen, Peri Igel e Sebastião Camargo (Camargo Correia) O escolhido foi o presidente da Ultragás, Henning Albert Boilesen, um dinamarquês, naturalizado brasileiro. 

A partir da segunda quinzena de janeiro de 1971, iniciaram-se os levantamentos do industrial paulista, dos quais participaram: Devanir José de Carvalho, Dimas Antonio Casemiro, Gilberto Faria Lima e José Dan de Carvalho, pelo MRT; Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz, pela ALN; Gregório Mendonça e Laerte Dorneles Méliga (chefe de gabinete do então governador do RS, Olívio Dutra), pela VPR.  
No dia 15 de abril de 1971 um Comando Revolucionário, integrado pelos terroristas Yuri Xavier Pereira, Joaquim Alencar Seixas, José Milton Barbosa, Dimas Antonio Casimiro e Antonio Sérgio de Matos, covardemente assassinou Boilesen. Quando o carro de Boilesen entrou na Alameda Casa Branca, dois carros dos terroristas emparelharam com o dele. Pela esquerda, Yuri, colocando um fuzil para fora da janela, disparou um tiro que foi raspar a cabeça de Boilesen. Este saiu do automóvel que dirigia e tentou correr em direção contrária aos carros. Foi inútil. José Milton descarregou sua metralhadora nas costas do industrial e Yuri desfechou-lhe mais três tiros de fuzil. Cambaleando, Boilesen arrastou-se por mais alguns metros e foi cair na sarjeta, junto de um Volkswagen.
Aproximando-se, Yuri disparou mais um tiro que lhe arrancou a maior parte da face esquerda. Joaquim Alencar Seixas e Gilberto Faria Lima jogaram os panfletos por cima do cadáver. No relatório escrito por Yuri, e apreendido pela polícia, aparecem as frases “durante a fuga trocávamos olhares de contentamento e satisfação. Mais uma vitória da Revolução Brasileira”.

Vários carros e casas foram atingidos por projéteis. Caídas, duas senhoras, uma atingida no ombro e outra ferida numa perna. Sobre o corpo de Boilesen, mutilado com dezenove tiros, os panfletos da ALN e do MRT, dirigidos “Ao Povo Brasileiro”, traziam a ameaça:

“Como ele, existem muitos outros e sabemos quem são. Todos terão o mesmo fim, não importa quanto tempo demore; o que importa é que eles sentirão o peso da JUSTIÇA REVOLUCIONÁRIA. Olho por olho, dente por dente”.

Este assassinato comoveu a opinião pública e teve ampla repercussão no Congresso Nacional e na Assembléia Legislativa de São Paulo. A respeito desse repulsivo ato terrorista é conveniente relembrar o que publicou a Folha de São Paulo, no dia 16/04/1971:

“Meios políticos e empresariais condenaram veementemente o brutal assassinato. A Assembléia Legislativa suspendeu seus trabalhos para render um preito de homenagem à memória do industrial assassinado por terroristas. Ao instalar os trabalhos da sessão, o presidente da Casa, deputado Jacob Pedro Carolo, disse que Boilesen foi vítima de terroristas covardes”.
Para justificar este ato criminoso, os terroristas e seus simpatizantes passaram a difundir abomináveis e sórdidas mentiras. Entre outras acusações criminosas, afirmam que Boilesen era um agente da CIA, que freqüentava a OBAN (que depois passou a se chamar DOI) e que nessas visitas assistia e participava do interrogatório dos presos, ocasião em que pessoalmente testava uma máquina de aplicar choques elétricos que ele mesmo inventara. Na realidade Boilesen nunca foi agente da CIA e muito menos assistiu interrogatórios de presos na OBAN e no DOI/CODI/IIEx. Boilesen esteve no DOI uma única vez, em fins de dezembro de 1970, quando foi cumprimentar o comandante deste órgão, pelo natal que se aproximava. Foi recebido no gabinete do comando do DOI e lá não permaneceu por mais de quinze minutos. 

A família do industrial assassinado deveria pensar em processar aqueles que através da mentira e da calúnia, deturpam os fatos e procuram manchar a honra e a dignidade de um homem com as qualidades de HENNING ALBERT BOILESEN.

78

10/05/71

Manoel da Silva Neto

                               Soldado PM – SP


Morto por terroristas durante assalto à Empresa de Transporte Tusa.

79

                       14/05/71

Adilson Sampaio

                                 Artesão – RJ

Morto por terroristas durante assalto às lojas Gaio Marti.  

Mesmo com tanto tempo já decorrido, alguma incorreção ainda pode cercar algum nome aqui lembrado. Assim, rogamos ser informados de eventual impropriedade

80

09/06/71

Antônio Lisboa Ceres de Oliveira

Civil - RJ



Morto por terroristas durante assalto à boate Comodoro

81

01/07/71

Jaime Pereira da Silva

Civil - RJ



Morto por terroristas , na varanda de sua residência, durante tiroteio entre terroristas e policiais.
Os mortos acima relacionados não dão nomes a logradouros públicos, nem seus parentes receberam indenizações mas os responsáveis diretos ou indiretos por suas mortes dão nome à escolas, ruas, estradas e suas famílias receberam vultosas indenizações, pagas com o nosso dinheiro.

82

02/09/71

Gentil Procópio de Melo

Motorista de praça - PE


A organização terrorista denominada Partido Comunista Revolucionário determinou que um carro fosse roubado para realizar um assalto. Cumprindo a ordem recebida, o terrorista José Mariano de Barros tomou um táxi em Madalena, Recife.

Ao chegar ao Hospital das Clínicas, quando fingia que ia pagar a corrida apareceram seus comparsas Manoel Lisboa de Moura e José Emilson Ribeiro da Silva, que se aproximaram do veículo, tendo José Emilson disparado dois tiros que mataram o motorista Gentil Procópio de Melo.

83

02/09/71

Jayme Cardenio  Dolce


Guarda de segurança - RJ

Assassinado pelos terroristas Flávio Augusto Neves Leão Salles, Hélio Pereira Fortes, Antônio Carlos Nogueira Cabral, Aurora Maria do Nascimento Furtado, Sônia Hipólito e Isis Dias de Oliveira, durante assalto à Casa de Saúde Dr. Eiras.

84

02/09/71

Silvâno Amâncio dos Santos

Guarda de segurança - RJ

Assassinado pelos terroristas Flávio Augusto Neves Leão Salles, Hélio Pereira Fortes, Antônio Carlos Nogueira Cabral, Aurora Maria do Nascimento Furtado, Sônia Hipólito e Isis Dias de Oliveira, durante assalto à Casa de Saúde Dr. Eiras.

85

02/09/71

Demerval Ferreira dos Santos


Guarda de segurança - RJ

Assassinado pelos terroristas Flávio Augusto Neves Leão Salles, Hélio Pereira Fortes, Antônio Carlos Nogueira Cabral, Aurora Maria do Nascimento Furtado, Sônia Hipólito e Isis Dias de Oliveira, durante assalto à Casa de Saúde Dr. Eiras.

86

--/10/71

Alberto da Silva Machado


Civil - RJ

Morto por terroristas durante assalto à Fábrica de Móveis Vogal Ltda, da qual era um dos proprietários.

87

             22/10/71

José do Amaral

Sub-oficial da reserva da Marinha ? RJ

-

Morto por terroristas da VAR PALMARES ( Vanguarda Armada Revolucionária Palmares) e do MR8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro) durante assalto a um carro transportador de valores da Transfort S/A. Foram feridos o motorista Sérgio da Silva Taranto e os guardas de segurança Emílio Pereira e Adilson Caetano da Silva.

Autores: James Allen Luz (Ciro), Carlos Alberto Salles (soldado), Paulo Cesar Botelho Massa, João Carlos da Costa.

88

01/11/71

Nelson Martinez Ponce

Cabo PM - SP


Metralhado por Aylton Adalberto Mortati, durante um atentado praticado por cinco terroristas do MOLIPO (Movimento de Libertação Popular), contra um ônibus da Empresa de Transportes Urbano S/A, em Vila Brasilândia, São Paulo

89

10/11/71

João Campos

Cabo PM - SP

Morto na estrada de Pindamonhangaba, ao interceptar um carro que conduzia terroristas armados.

90

22/11/71

José Amaral Vilela

Guarda de segurança - RJ


Neste dia os terroristas Sérgio Landulfo Furtado, Norma Sá Ferreira, Nelson Rodrigues Filho, Paulo Roberto Jabour, Thimothy William Watkin Ross e Paulo Costa Ribeiro Bastos assaltaram um carro-forte da firma TRANSPORT, na Estrada do Portela, em Madureira. O guarda José Amaral Vilela foi morto a rajadas de metralhadora e ficaram feridos os guardas Sérgio da Silva Taranto, Emílio Pereira e Adilson Caetano da Silva. 

91

27/11/71


Eduardo Timóteo Filho

Soldado PM - RJ

 
Morto por terroristas, durante assalto contra as Lojas Caio Marti.

92

13/12/71

Hélio Ferreira de Moura      

Guarda de Segurança – RJ

Morto, por terroristas, durante assalto contra um carro transportador de valores da Brink’s, na Via Dutra.

93

18/01/72 - 

Tomaz Paulino de Almeida

Sargento PM - São Paulo / SP

 Morto, a tiros de metralhadora, no bairro Cambuci, quando um grupo terrorista roubava o seu carro.
              
Autores do assassinato: João Carlos Cavalcante Reis, Lauriberto José Reyes e Márcio Beck Machado, todos integrantes do  Movimento de Libertação Nacional  (Molipo).

94

20/01/72 

Sylas Bispo Feche 

Cabo PM São Paulo / SP)

  O cabo Sylas Bispo Feche, integrava uma Equipe de Busca e Apreensão do DOI/CODI/II Exército. Sua equipe executava     uma ronda, quando um carro VW, ocupado por duas pessoas, cruzou um sinal fechado quase atropelando uma senhora que atravessava a rua com uma criança no colo. A sua equipe saiu em perseguição ao carro suspeito, que foi interceptado. Ao tentar aproximar-se para pedir os documentos dos dois ocupantes do veículo, o cabo Feche foi, covardemente, metralhado por  eles. Foi travado um tiroteio entre a equipe e os dois terroristas que também morreram no local.
Os assassinos do cabo Feche, ambos membros da Ação Libertadora Nacional (ALN), são:
                  Gelson Reicher "Marcos" que usava identidade falsa com o nome de Emiliano Sessa, era chefe de um Grupo Tático Armado (GTA) e já tinha praticado mais de vinte atos terroristas, inclusive o seqüestro de um médico.
                  Alex Paula Xavier Pereira "Miguel", que usava identidade falsa com o nome de João Maria de Freitas, fez curso de guerrilha em Cuba e praticou mais de quarenta atos terroristas, inclusive atentados a bomba na cidade do Rio de Janeiro.

95

25/01/72 

Elzo Ito 

Estudante - São Paulo / SP

Aluno do Centro de Formação de Pilotos Militares, foi morto por terroristas quando roubavam seu carro.

96

01/02/72 

Iris do Amaral

Civil – Rio de Janeiro


Morto durante um tiroteio entre terroristas da ALN e policiais. Ficaram feridos nesta ação os civis Marinho Floriano Sanches, Romeu Silva e Altamiro Sinzo.
Autores: Flávio Augusto Neves Leão Salles(“Rogério”, “Bibico”) e Antônio Carlos Cabral Nogueira(“Chico”, “Alfredo”), ambos da ALN.

97

05/02/72 


David A. Cuthberg                  

Marinheiro inglês – Rio de Janeiro


A respeito desse assassinato, sob o título “REPULSA”     o jornal “O Globo”, do Rio de Janeiro, publicou:

“Tinha dezenove anos o marinheiro inglês David   A. Cuthberg que, na madrugada de sábado, tomou um táxi com um companheiro para conhecer o Rio, nos seus aspectos mais alegres. Ele aqui chegara como amigo, a bordo da flotilha que nos visita para comemorar os 150 anos de Independência do Brasil. Uma rajada de metralhadora tirou-lhe a vida, no táxi que se encontrava. Não teve tempo para perceber o que ocorria e, se percebesse, com certeza não poderia compreender. Um terrorista, de dentro de outro carro, apontara friamente a metralhadora antes de desenhar nas suas costas o fatal risco de balas, para, logo em seguida, completar a infâmia, despejando sobre o corpo, ainda palpitante, panfletos em que se mencionava a palavra liberdade. Com esse crime repulsivo, o terror quis apenas alcançar repercussão fora de nossas fronteiras para suas atividades, procurando dar-lhe significação de atentado político contra jovem inocente, em troca da publicação da notícia num jornal inglês. O terrorismo cumpre, no Brasil, com crimes como esse, o destino inevitável dos movimentos a que faltam motivação real e consentimento de qualquer parcela da opinião pública: o de não ultrapassar os limites do simples banditismo, com que se exprime o alto grau de degeneração dessas reduzidas maltas de assassinos gratuitos”.

A ação criminosa, tachada como “justiçamento”, foi praticada pelos seguintes terroristas, integrantes de uma frente formada por três organizações comunistas:

Flávio Augusto Neves Leão Salles(“Rogério”, “Bibico”) – ALN, que fez os disparos com a metralhadora.

Antônio Carlos Nogueira Cabral(“Chico”, “Alfredo”) – ALN.

Aurora Maria Nascimento Furtado(“Márcia”, “Rita”) – ALN

Adair Gonçalves Reis(“Elber”, “Leônidas”, “Sorriso”) – ALN

Lígia Maria Salgado da Nóbrega(“Ana”, “Célia”, “Cecília”) – VAR PALMARES, que jogou dentro do táxi os panfletos que falavam em vingança contra os “Imperialistas Ingleses”.

Hélio Silva(“Anastácio”, “Nadinho”) – VAR-PALMARES

Carlos Alberto Salles(“Soldado”) – VAR-PALMARES.

Getúlio de Oliveira Cabral(“Gogó”, “Soares”, “Gustavo”) – PCBR.

98

15/02/72 

Luzimar Machado de Oliveira 

Soldado PM – Goiás


O terrorista Arno Preiss encontrava-se na cidade de Paraiso do Norte, que estava incluída dentro de esquema de trabalho de campo do MOLIPO. Usava o nome falso de Patrick McBundy Comick. Arno tentou entrar com sua documentação falsa no baile carnavalesco do clube social da cidade. Sua documentação levantou suspeita nos policiais, que o convidaram a comparecer à delegacia local. Ao deixar o clube, julgando-se desmascarado, Arno sacou seu revólver e disparou à queima roupa contra os policiais, matando o PM Luzimar Machado de Oliveira e ferindo gravemente o outro PM que o conduzia, Gentil Ferreira Mano.Protegido pela escuridão, Arno homiziou-se num matagal, sendo entretanto localizado por populares que, indignados, auxiliavam a polícia. Arno travou, ainda, intenso tiroteio com seus perseguidores, antes de tombar sem vida. Com dificuldade, a polícia impediu a violação do corpo. 

99

18/02/72


Benedito Monteiro da Silva

Cabo PM – São Paulo

Morto quando tentava evitar um assalto terrorista a uma agencia bancária em Santa Cruz do Rio Pardo.

100

27/02/72

Napoleão Felipe Bertolane Biscaldi

Civil – São Paulo


Morto durante um tiroteio entre os terroristas Lauriberto José Reyes e José Ibsem Veroes com policiais, na rua Serra de Botucatu, no bairro Tatuapé. Nesta ação um policial foi ferido a tiros de metralhadoras por Lauriberto. Os dois terroristas morreram no local.

101

06/03/72 

            

 

Walter César Galleti

                                                     Comerciante – São Paulo

Terroristas da ALN assaltaram a firma F. Monteiro S/A . Após o assalto fecharam a loja, fizeram um discurso subversivo e assassinaram o gerente Walter César Galetti e feriram o subgerente Maurílio Ramalho e o despachante Rosalindo Fernandes.

102

12/03/72 

            

 

Manoel dos Santos

                                                     Guarda de Segurança – São Paulo

Morto durante assalto terrorista à fábrica de bebidas Charel Ltda.

103

 

 

12/03/72  

           

 

 

Aníbal Figueiredo de Albuquerque

                                                     Coronel R1 do Exército – São Paulo

  Morto durante assalto à fábrica de bebidas Charel Ltda., da qual era um dos proprietários

104

08/05/72

Odilo Cruz Rosa

Cabo do Exército – PA


Morto na região do Araguaia, quando uma equipe comandada por um Tenente e composta ainda, por dois Sargentos e pelo Cabo Rosa, foram emboscados por terroristas comandados por Oswaldo Araújo Costa “Oswaldão”, na região de Grota Seca, no Vale da Gameleira.

Neste tiroteio foi morto o Cabo Rosa e feridos o Tenente e um Sargento.
Julgando que o Cabo Rosa estivesse desgarrado da equipe, o Tenente e os dois Sargentos retiraram-se para Xambioá, a procura de atendimento médico. Lá souberam, através de um mateiro, que o Cabo Rosa tinha sido morto e que “Oswaldão” dissera aos habitantes da região que permaneceria mantendo guarda ao corpo do Cabo, até que ele apodrecesse, e que o Exército não teria coragem para resgatá-lo.Foi formada uma patrulha com a missão de localizar e resgatar o corpo do Cabo Rosa.
A patrulha cumpriu sua missão, sem ser molestada pelos guerrilheiros comandados por “Oswaldão”.

105

02/06/72

Rosendo

Sargento PM - SP



Morto ao interceptar 04 terroristas que assaltaram um bar e um carro da Distribuidora de Cigarros Oeste LTDA.

106

29/06/72

João Pereira

Mateiro-região do Araguaia - PA)

"Justiçado exemplarmente" pelo PC do B, por ter servido de guia para as forças legais que combatiam os guerrilheiros.

A respeito, Ângelo Arroyo declarou em seu relatório:

"A morte desse bate-pau causou pânico entre os demais da zona".

107

09/09/72

Mário Domingos Panzarielo

                 Detetive Polícia Civil - RJ

Morto ao tentar prender um terrorista da ALN.

108

23/09/72

Mário Abraim da Silva

Segundo Sargento do Exército - PA

Pertencia ao 2º Batalhão de Infantaria de Selva, com sede em Belém. Sua Companhia foi deslocada para combater a guerrilha na região do Araguaia. Morto em combate, durante um ataque guerrilheiro no lugarejo de Pavão, base do 2º Batalhão de Selva.

109

27/09/72

 

Sílvio Nunes Alves


Bancário - RJ

Assassinado em assalto ao Banco Novo Mundo, na Penha, pelas organizações terroristas PCBR – ALN – VPR – Var Palmares e MR8. Autor do assassinado: José Selton Ribeiro.

110

??/09/72

 

Osmar...


Posseiro - PA

“Justiçado” na região do Araguaia pelos guerrilheiros por ter permitido que uma tropa de pára-quedistas acampasse em suas terras.

111

01/10/72

Luiz Honório Correia


Civil - RJ

Morto por terroristas quando do assalto a Empresa de Ônibus Barão de Mauá

112

06/10/72

Severino Fernandes da Silva

Civil - PE

Morto por terroristas durante agitação no meio rural.

113

06/10/72

José Inocêncio Barreto

Civil - PE

Morto por terroristas durante agitação no meio rural.

114

21/02/73 

Manoel Henrique de Oliveira

Comerciante – São Paulo

No dia 14 de junho de 1972, as equipes do DOI de São Paulo, como já faziam há vários dias, estavam seguindo quatro terroristas da ALN que resolveram almoçar no restaurante Varela, no bairro da Mooca. Quando eles saíram do restaurante, receberam voz de prisão e reagindo desencadearam tiroteio com os policiais. Ao final, três terroristas estavam mortos e um conseguiu fugir. Erroneamente, a ALN atribuiu a morte de seus três companheiros à delação de um dos proprietários do restaurante e decidiu justiçá-lo. O comando “Aurora Maria do Nascimento Furtado” constituído por Arnaldo Cardoso Rocha, Francisco Emanuel Penteado, Francisco Seiko Okama e Ronaldo Mouth Queiroz, foi encarregado da missão e assassinou no dia 21 de fevereiro o comerciante Manoel Henrique de Oliveira, que foi metralhado sem que pudesse esboçar um gesto de defesa. Seu corpo foi coberto por panfletos da ALN, impressos no Centro de Orientação Estudantil da USP, por interveniência do militante Paulo Frateschi. Manoel Henrique deixou além de sua esposa, duas crianças pequenas, desamparadas, que aguardam uma indenização do governo.

 

115

22/02/73 

Pedro Américo Mota Garcia

Civil – Rio de Janeiro)

Por vingança foi “justiçado” por terroristas por haver impedido um assalto contra uma agência da Caixa Econômica Federal.

 

116

25/02/73 

Octávio Gonçalves Moreira Júnior

Delegado de polícia – São Paulo


Com a tentativa de intimidar os integrantes dos órgãos de repressão, um “Tribunal Popular Revolucionário” decidiu “justiçar” um membro do DOI/CODI/II Exército.
O escolhido foi o delegado de polícia, Dr. Octávio Gonçalves Moreira Júnior que viajava, No dia 23/02/73, o Dr. Octávio viajou de São Paulo para o Rio de Janeiro e Bete avisou o comando terrorista da chegada do delegado. Ficou decidido que iriam executá-lo no dia seguinte.
No dia 24, o Dr. Octávio foi à praia em Copacabana, e depois almoçou com um amigo. Quando voltava do almoço, Bete fez o reconhecimento visual do delegado e o apontou para os seus assassinos que se encontravam num automóvel estacionado na esquina da Avenida Atlântica com a rua República do Peru.
O Dr. Octávio morreu instantaneamente.
O comando terrorista seguiu à risca o ensinamento do manual de Carlos Marighela que afirma: “guerrilheiros não matam por raiva, nem por impulso, pressa ou improvisação. Matam com naturalidade. Não interessa o cadáver, mas seu impacto sobre o público”.

 

117

12/03/73 

                                                           

            

 

Pedro Mineiro

Capataz da Fazenda Capingo – Para

"Justiçado" por terroristas na Guerrilha do Araguaia.

 

118

24/07/73

Francisco Valdir de Paula

Soldado do Exército-região do Araguaia - PA

Instalado numa posse de terra, no município de Xambioá, fazendo parte de uma rede de informações montada na área de guerrilha, foi identificado pelos terroristas e assassinado. Seu corpo nunca foi encontrado.
Mesmo com tanto tempo já decorrido, alguma incorreção ainda pode cercar algum nome aqui lembrado. Assim, rogamos ser informados de eventual impropriedade.

 

119

10/04/74

 

 

 

Geraldo José Nogueira

Soldado PM – São Paulo


Morto quando da captura de terroristas. Mesmo com tanto tempo já decorrido, alguma incorreção ainda pode cercar algum nome aqui lembrado. Assim, rogamos ser informados de eventual impropriedade

               

26 - O DIÓGENES DO PT

No bojo de uma CPI da Segurança, ganhou destaque na mídia uma gravação de 1999 em que o economista Diógenes de Oliveira, dizendo falar em nome do governador do Rio Grande do Sul, Olívio Dutra, solicitava que o então chefe da Polícia Civil, delegado Luiz Fernando Tubino, "aliviasse" a repressão aos bicheiros.

Diógenes é o presidente do Clube de Seguros da Cidadania, uma organização criada para arrecadar fundos para o PT. Certamente, o ínclito partido irá reverberar a atitude de Diógenes e inocentar o governador.
O que ocorre, na realidade, é que enquanto Diógenes ficou na obscuridade, o PT dele usufruiu. Agora, com as luzes da mídia, há que se sacrificar um peão para salvar uma peça.
Mas quem é esse Diógenes que falava em nome do governador?
Seu nome completo é Diógenes José Carvalho de Oliveira e, nos seus tempos de terrorista, usou os codinomes de "Leandro", "Leonardo", "Luiz" e "Pedro".
A revolução de Mar 64 o encontrou como militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Sentindo-se perseguido, fugiu para o Uruguai, onde ingressou, em 1966, no recém-criado Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR) de Leonel Brizola.
Ainda nesse ano, arranjado por Brizola, foi fazer curso de guerrilha em Cuba, onde ficou um ano e se destacou como especialista em explosivos.
Em 1967, já no Uruguai, tomou consciência de que Brizola era muito de falar e pouco de agir. Diógenes queria, ardentemente, exercitar o que aprendera na ilha de Fidel.
Retornou ao Brasil e, em Porto Alegre, conheceu Almir Olímpio de Melo ("Paulo Melo"), que o conduziu a Onofre Pinto, em São Paulo, que também se havia desiludido com o comandante Brizola.
Em Mar 68, concretizou-se o congresso de fundação da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) - organização comunista criada para derrubar o regime pela luta armada - cuja primeira direção ficou constituída por Wilson Egídio Fava, Waldir Carlos Sarapu e João Carlos Kfouri Quartim de Morais, pelo grupo dissidente da Política Operária (POLOP), e Onofre Pinto, Pedro Lobo de Oliveira e Diógenes José Carvalho de Oliveira, pelo núcleo de remanescentes do MNR.
Pôde assim, Diógenes, iniciar uma longa trilha de sangue, realizando algumas dezenas de ações terroristas na capital paulista, dentre as quais assaltos a bancos, explosões de bombas e assassinatos.
O que se segue é, apenas, uma pequena, uma pálida idéia do que praticou esse militante comunista.
No início da madrugada de 20 Mar 68, participou do atentado que fez explodir uma bomba-relógio na biblioteca da USIS, no consulado dos EUA, localizado no térreo do Conjunto Nacional da Avenida Paulista. Três estudantes amigos, que caminhavam pelo local, foram feridos: Edmundo Ribeiro de Mendonça Neto, Vitor Fernando Sicurella Varella e Orlando Lovecchio Filho, que perdeu o terço inferior da perna esquerda.
Na madrugada de 20 Abr 68, preparou mais uma bomba, desta vez lançada contra o jornal "O Estado de São Paulo", que funcionava na esquina da Rua Major Quedinho com a Rua Martins Fontes; do mesmo modo que a anterior, a explosão feriu três inocentes.
Na madrugada de 22 Jun 68, participou do assalto ao Hospital do Exército em São Paulo, localizado no Cambuci. Fardados de tenente e soldados, cerca de 10 militantes da VPR renderam a guarda e roubaram nove fuzis FAL, três sabres e quinze cartuchos 7,62 mm
Na madrugada de 26 Jun 68, fez parte do grupo de 10 terroristas que lançou um carro-bomba contra o Quartel General do então II Exército, no Ibirapuera, matando um dos sentinelas, o soldado Mario Kosel Filho, e ferindo mais seis militares. (ATENTADO AO QG DO II EXÉRCITO)
Em 01 Ago 68, participou do assalto ao Banco Mercantil de São Paulo, localizado na Rua Joaquim Floriano, 682, no bairro do Itaim, com o roubo de NCr$ 46 mil.
Em 20 Set 68, participou do assalto ao quartel da Força Pública, no Barro Branco. Na ocasião, foi morto a tiros o sentinela, soldado Antonio Carlos Jeffery, do qual foi roubada a sua metralhadora INA.
Em 12 Out 68, participou do grupo de execução que assassinou o capitão Chandler, do Exército dos EUA. Foi Diógenes quem se aproximou do capitão - que retirava seu carro da garagem, na frente da mulher e filhos - e nele descarregou os seis tiros de seu revólver Taurus calibre .38. (ASSASSINATO DO CAP CHARLES RODNEY CHANDLER)
Em 27 Out 68, participou do atentado à bomba contra a loja Sears da Água Branca.
Em 06 Dez 68, participou do assalto ao Banco do Estado de São Paulo (BANESPA) da Rua Iguatemi, com o roubo de NCr$ 80 mil e o ferimento, a coronhadas, do civil José Bonifácio Guercio.
Em 11 Dez 68, participou do assalto à Casa de Armas Diana, na Rua do Seminário, de onde foram roubadas cerca de meia centena de armas, além de munições. Na ocasiao, foi ferido a tiros o civil Bonifácio Signori.
Diógenes foi o coordenador do assalto realizado em 24 Jan 69, ao 4º RI, em Quitaúna, com o roubo de grande quantidade de armas e munições e que marcou o ingresso de Carlos Lamarca na VPR. (LAMARCA: A TRAJETÓRIA DE UM DESERTOR")
Em 02 Mar 69, Diógenes e Onofre Pinto foram presos na Praça da Árvore, em Vila Mariana.
Um ano depois, em 14 Mar 70, foi um dos cinco militantes comunistas banidos para o México, em troca da vida do cônsul do Japão em São Paulo. ( O SEQÜESTRO DO CÔNSUL DO JAPÃO")

Diógenes ficou pouco tempo no México, indo rever seus amigos em Cuba, onde ficou por cerca de um ano. Em 25 Jun 71, saiu de Cuba e foi para o Chile, que havia se tornado, com Allende, a nova "Cuba sul-americana". Com a queda de Allende, em Set 73, retornou ao México e daí foi para a Europa, onde esteve em diversos países, dentre os quais a Itália e a Bélgica.
 Em fins de 1974, radicou-se em Lisboa, onde permaneceu um ano.
Em Jan 76, iniciou seu périplo africano, onde foi para Angola e Guiné-Bissau, sempre junto com sua então companheira Dulce de Souza Maia, a "Judith" da VPR.
Em 1979 e em 1981, representando o governo de Guiné-Bissau, esteve no Brasil por alguns dias.
Em 1986, era o assessor do vereador do PDT Valneri Neves Antunes, antigo companheiro da VPR e fazia parte do movimento "Tortura Nunca Mais".
Na década de 90, ingressou nos quadros do PT/RS, sempre assessorando seus líderes mais influentes.
Era o Diógenes da VPR. Hoje, é o Diógenes do PT.

F. Dumont

27 – LAMARCA – A TRAJETÓRIA DE UM TRAIDOR – 27.1 – O FIM E O COMEÇO

No meio da tarde de uma sexta-feira, sob o ardente calor de 40 graus da caatinga do sertão baiano, uma equipe de agentes, aproximando-se passo a passo, vislumbrou os dois homens que descansavam à sombra de uma baraúna, no lugarejo de Pintada, município de Oliveira dos Brejinhos.

À voz de prisão, tentaram sacar suas armas. Duas rajadas curtas mataram os dois homens.

Um deles era José Campos Barreto, o Zequinha, morador da região.

O outro, também conhecido por "Renato", "Célio", "Sylas", "João", "César", "Cid", "Cláudio", "Paulista" e "Cirilo", era Carlos Lamarca, ex-Capitão do Exército, ex-dirigente da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e da Vanguarda Armada Revolucionária - Palmares (VAR-P), naqueles tempos já militante do Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8) e escondido no interior da Bahia.

Foi o fim trágico de um desertor.

Filho de pais pobres, Lamarca nasceu em 27 de outubro de 1937 e viveu, até os 17 anos, no Morro de São Carlos, no Rio de Janeiro, com seus irmãos e uma irmã de criação, Maria Pavan, que viria a ser sua esposa.

Em meados da década de 50, como muitos, entusiasmou-se com a campanha do "O Petróleo é Nosso", politizando-se com as idéias nacionalistas que o influenciaram a procurar a carreira militar.

Depois de reprovado por duas vezes nos exames, ingressou, em 1955, como aluno na Escola Preparatória de Cadetes de Porto Alegre. Três anos depois, estava matriculado na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN).

Já como cadete, Lamarca -- clandestinamente e fora dos limites da AMAN -- participou de grupos de estudo do marxismo-leninismo, tornando-se um simpatizante do Partido Comunista Brasileiro (PCB).

Declarado, em dezembro de 1960, aspirante-a-oficial da Arma de Infantaria, foi designado para servir no quartel do 4º Regimento de Infantaria (4ºRI), em Quitaúna/SP.

Como tenente, iniciou estudos sobre guerrilha e, em junho de 1962, vislumbrando a possibilidade de integrar a Força Brasileira, em Suez, conseguiu ser transferido para o 2º Regimento de Infantaria, na Vila Militar/RJ, e participou, durante 13 meses, da Força de Emergência da ONU, no Oriente Médio.

Retornando ao Brasil, foi designado, em outubro de 1963, para a então 6ª Companhia de Polícia do Exército (6ª Cia PE), em Porto Alegre/RS.

A Revolução de 31 de março de 1964 veio encontrar o Tenente Lamarca na 6ª Cia PE, admirando a tentativa de resistência de Brizola e condenando a atitude de Jango, por ele tachada como uma "fuga covarde".

Nesse ano, já transitando com desenvoltura pelas esquerdas, chegou a pedir o seu ingresso no PCB, somente desistindo quando alguns companheiros afirmaram que esse partido, "reformista e traidor, o entregaria à polícia".

Na noite de um sábado de dezembro de 1964, quando escalado de oficial-de-dia, Lamarca, deliberadamente, facilitou a fuga do Capitão da Aeronáutica Alfredo Ribeiro Daudt, que estava preso por subversão.

O inquérito, aberto para apurar o seu primeiro ato de traição ao Exército Brasileiro, não chegou a conclusões definitivas.

Entretanto, essa fuga inexplicável tornou o ambiente demasiadamente tenso para ele, na PE. Novamente movimentado, apresentou-se, em dezembro de 1965, no seu antigo quartel do 4º RI, em Quitaúna.

Nesse quartel paulista, reencontrou-se com seu amigo, o Sargento Darcy Rodrigues, com quem, novamente, passou a ter longas conversas sobre a situação brasileira e a realizar um estudo sistemático sobre o marxismo-leninismo.

Em 1968, várias organizações clandestinas, de linha foquista e militarista, sob o pretexto de livrar o Brasil da ditadura militar, ensangüentavam-no, desencadeando as açõs armadas e terroristas preconizadas por Cuba. Uma delas era a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), criada, em março desse ano, pela fusão do grupo foquista dissidente da Política Operária (POLOP) com os remanescentes do núcleo de São Paulo do Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), de Brizola. Paradoxalmente, uniram-se os "políticos" teóricos com os "militares" práticos.

Depois de estabelecer conversações com a Ação Libertadora Nacional (ALN) e com o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Lamarca decidiu ingressar na VPR, seduzido pela facilidade com que poderia galgar os postos de comando, fazendo valer sua natural ascendência hierárquica sobre os inúmeros sargentos que integravam a organização.

Assim, em junho de 1968, ingressou na base militar da VPR, levado pelos irmãos de um de seus dirigentes, o ex-sargento Onofre Pinto. De imediato, criou uma célula clandestina da VPR no seu quartel, o 4º RI, composta pelo Sargento Darcy Rodrigues, pelo Cabo José Mariano Ferreira e pelo Soldado Carlos Roberto Zanirato.

Muito "convenientemente", Lamarca era, na época, o instrutor de tiro da Unidade.

Com essa facilidade, cometeu a segunda traição ao Exército, conseguindo desviar 2 mil tiros para municiar os 9 FAL que haviam sido roubados pela VPR, em 22 de junho de 1968, no assalto ao Hospital Geral de São Paulo, no Cambuci.

Em dezembro desse ano, explodiu a crise latente na VPR, provocada pela contradição entre a prática e a teoria, entre os "militaristas", oriundos do MNR, e os "políticos" ou "leninistas", oriundos da POLOP. Numa conturbada reunião realizada no litoral paulista, que ficou conhecida como a "praianada", os "militaristas", agora fortalecidos pela adesão do Capitão Lamarca, assumiram a direção da VPR.

Nesse ínterim, Lamarca vinha ministrando instrução de tiro a funcionárias do Banco Bradesco, ironicamente, para que elas pudessem enfrentar os assaltos a bancos.

Na sua cabeça, entretanto, fervilhavam as idéias sobre futuras ações armadas, dentre as quais o assalto ao seu próprio quartel, ato que marcaria, publicamente, o seu ingresso na luta armada terrorista e a sua terceira traição ao Exército.

Apesar do comando militar da área já ter tido conhecimento, desde outubro de 1968, da existência de uma célula comunista no 4º RI e, inclusive, da participação do Capitão Lamarca, as medidas então tomadas -- fruto do despreparo em combater ações desse tipo -- revelaram-se inócuas e não impediram o assalto.

Foi intenso e meticuloso o planejamento da ação, prevista para ser realizada nos dias 25 e 26 de janeiro de 1969, um final de semana, inclusive com a especificação detalhada de quem deveria matar quem. Entretanto, a prisão de quatro militantes da VPR, na quinta-feira, e a descoberta, em Itapecerica da Serra, do caminhão que estava sendo pintado com as cores do Exército, a fim de facilitar o roubo do armamento, determinaram a antecipação do assalto.

Assim, no final da tarde de sexta-feira, 24 de janeiro de 1969, Lamarca entrou no 4º RI com sua própria Kombi e, no paiol, carregou-a com 63 FAL, 3 metralhadoras INA, uma pistola .45 e farta munição.

Dali, dirigiu-se para a casa de Onofre Pinto, a fim de despedir-se de sua esposa, Maria Pavan, e do casal de filhos que, naquela mesma noite, embarcariam para Cuba, via Roma, junto com a família de Darcy Rodrigues.

Com 31 anos, Carlos Lamarca desertava do Exército e ingressava na clandestinidade, com seu nome já aureolado pelo ato audacioso. Com a família em segurança, pôde livremente desfrutar da companhia de sua amante Iara Iavelberg, psicóloga casada com um médico, também militante da VPR, e que, desde sua antiga militância na POLOP, colecionava os codinomes de "Leila', "Norma", "Rita", "Leda", "Cláudia", "Célia", "Márcia" e "Mara".

Alimentado pelo desejo de logo iniciar as ações violentas, foi planejá-las nos locais secretos da organização, os "aparelhos". Em pouco tempo, cometeria o seu primeiro assassinato.

27.2 - O 1º ASSASSINATO

Depois de um Congresso realizado em abril de 1969, numa casa em Mongaguá, cidade do litoral paulista, entre Praia Grande e Itanhaém, no qual Lamarca foi eleito um dos cinco membros do Comando Nacional (CN), a VPR reiniciou as ações armadas.

Na tarde de 09 de maio, Lamarca comandou o assalto simultâneo aos bancos Federal Itaú Sul-Americano e Mercantil de São Paulo, na Rua Piratininga, bairro da Moóca, cujo gerente, Norberto Draconetti, foi esfaqueado e o guarda-civil, Orlando Pinto Saraiva, morto com dois tiros, um na nuca e outro na testa, disparados por Lamarca, que se encontrava escondido atrás de uma banca de jornais. No final da ação, disparou uma rajada de metralhadora para o ar, como a marcar, ruidosa e pomposamente, o seu primeiro assalto a banco e o seu primeiro assassinato.

Os primeiros meses de 1969, entretanto, foram marcados pelas prisões de dezenas de militantes da VPR e do Comando de Libertação Nacional (COLINA), organização criada em junho do ano anterior por dissidentes da Política Operária (POLOP) em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. Debilitadas, ambas buscaram, na fusão, um modo de rearticularem-se, formando uma única organização, mais poderosa e de âmbito quase nacional. Dessa forma, no início de julho de 1969, surgiu a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P), com Lamarca integrando, com mais cinco membros, o seu Comando Nacional (CN).

Nessa época, Lamarca já era um dos comunistas mais procurados. O roubo das armas, a deserção e o primeiro assassinato levaram os órgãos de segurança a efetuarem esforços especiais para a sua captura. O Exército, particularmente, sentindo-se traído, colocara como ponto de honra o fim dos seus atos terroristas. No entanto, ele não era mais um subversivo desconhecido, que necessitava ser identificado. Sua fama e sua origem o qualificavam como extremamente perigoso e sua fotografia atualizada era guardada no bolso de muitos agentes. Sua aparência física e, principalmente, seu rosto cadavérico, tornavam-no um alvo fácil de ser reconhecido. Lamarca sabia disso e resolveu mudar.

Em julho de 1969, dois médicos militantes da Base Médica da VPR, Almir Dutton Ferreira ("Augusto", "Cesar", "Ivo", "João") e Germana Figueiredo ("Júlia"), incumbiram-se da tarefa.

Almir convocou seu amigo de infância, o dentista Rogério Iório, que, em quatro consultas em seu consultório na Avenida Nelson Cardoso, em Jacarepaguá, trocou todos os dentes superiores de Lamarca.

Quinze dias depois, já em agosto, Almir procurou um outro amigo, o médico Milton Nahon, que conseguiu os serviços do também militante comunista Afrânio Marciliano Freitas Azevedo, cirurgião mineiro do Hospital Gaffrée Guinle, que, com o auxílio do médico cearense Amauri Luzardo Santiago de Almeida e do anestesista Luiz Alves, realizou a operação plástica na Clínica São João de Deus, na Rua Almirante Alexandrino, em Santa Tereza.

Lamarca foi internado com o nome de "Paulo Cesar de Castro" e chegou na clínica estranhamente vestido de mulher, com trejeitos para se passar por cabelereiro e homossexual. Durante as 24 horas da cirurgia, dois militantes da VPR, Sonia Eliane Lafoz e Wellington Moreira Diniz - este escondido no armário, permaneceram no seu quarto, como seguranças armados.

Logo depois, já com o nariz reduzido e sem os marcantes sulcos da testa e da face, Lamarca tirou fotografias para a nova identidade e viajou para São Paulo, numa caravana composta por seguranças e pelo médico da VPR Luiz Roberto Tenório, que a capitaneava num Gordini.

Entretanto, se a cirurgia deu certo e tínhamos um novo Lamarca, o mesmo não ocorria com a fusão que dera origem à VAR-PALMARES. Se, por um lado, os "marxistas" oriundos do COLINA, melhor preparados politicamente, criticavam os "militaristas" da VPR pelo "imediatismo revolucionário", por outro, os oriundos da VPR sentiam-se moralmente fortalecidos pelo que levavam para a nova organização: 55 milhões de cruzeiros e um grande arsenal de armas, munições e explosivos.

Nem a "Grande Ação" -- assalto ao cofre de Anna Benchimol Capriglione, amante de Adhemar de Barros, ex-Governador de São Paulo, e que proporcionou à VAR-P cerca de 2 milhões e 800 mil dólares -- conseguiu acalmar os conflitos entre os dirigentes.

Entre agosto e setembro de 1969, uma casa em Teresópolis abrigou 33 militantes que, depois de 20 dias, transformaram aquilo que seria o I Congresso Nacional da VAR-P num festival de bebedeiras, drogas e sexo, recheado por acirradas discussões político-ideológicas que, por pouco, não degringolaram em agressões físicas e tiros.

Ao final, concretizou-se um "racha" na VAR-P, surgindo o "Grupo dos 7" -- dentre os quais, Lamarca -- que foi reestruturar a VPR.

No início de outubro, no bar do Hotel das Paineiras, na Floresta da Tijuca, representou a VPR num encontro com dirigentes da VAR-P para a partilha dos bens das duas organizações

Apesar de ser membro do CN, ele delegou aos demais a burocrática tarefa de organizar o Congresso da nova VPR, realizada na Barra da Tijuca, e foi orientar seus militantes que se exercitavam no tiro e em marchas tipo guerrilha, num sítio em Jacupiranga, próximo ao Km 234 da BR-116. Observou, no entanto, que esse local, demasiado próximo de uma rodovia e de regiões urbanas, não oferecia boas condições de segurança.

Assim, já como Comandante-em-Chefe da VPR, Lamarca determinou a desmobilização dessa área e a ativação de uma outra, em Registro, no Vale do Ribeira/SP.

27.3 - A ÁREA DE REGISTRO

No feriado da Proclamação da República, Lamarca e Iara Iavelberg foram apanhados de carro por Joaquim dos Santos, num "ponto" junto ao Forte de Copacabana, na então Guanabara, e levados para São Paulo. No dia seguinte, chegavam na nova área de treinamento, localizada no Sítio Palmital, com 40 alqueires de terra, na região de Barra do Azeite, na altura do Km 254 da BR-116, antiga BR-2, rodovia que liga São Paulo a Curitiba, 30 Km ao Sul do município de Jacupiranga.

O ex-Capitão - agora utilizando o codinome de "Cid" - e mais quatro militantes permaneceram no sítio, realizando exercícios de tiro, marchas e reconhecimento das áreas adjacentes. Observaram que a área também não era a ideal: além de ser pequena, a excessiva proximidade da rodovia e a constante presença de caçadores aumentavam a sua vulnerabilidade, inviabilizando-a como área de treinamento apta a receber mais "guerrilheiros".

No início de dezembro, a VPR adquiriu um outro sítio, de 80 alqueires, situado um pouco mais ao Norte, distante 4 quilômetros da BR-116. A primeira área foi desmobilizada e seu material transferido para a nova, denominada de Área 2, considerada pronta antes do Natal.

A partir de janeiro de 1970, os militantes foram chegando para o treinamento e, em março, a Área 2 contava com um total de 18 "guerrilheiros", dentre os quais Lamarca e duas mulheres, uma delas, sua companheira Iara.

Mas as coisas começaram a se complicar.

Em 27 de fevereiro, foi preso Chizuo Ozawa, o "Mário Japa", que sabia a localização da área. Se falasse, tudo estaria perdido. Preocupado em libertá-lo, Lamarca exigiu, em caráter de urgência, o seqüestro de um diplomata.

Em 11 de março de 1970, foi seqüestrado o Cônsul do Japão, Nobuo Okuchi, posteriormente trocado por cinco presos, dentre os quais "Mário Japa". A localização da Área 2 permanecia secreta.

Mas as dezenas de prisões de dirigentes e militantes da VPR, ocorridas no início de abril, viriam, novamente, comprometer a segurança da área de treinamento. Os depoimentos dos presos confirmaram que Lamarca havia feito, no ano anterior, uma operação plástica e Maria do Carmo Brito, membro do CN, presa no Rio de Janeiro, apontara a localização da área.

Em meados de abril de 1970, sentindo-se seguro, Lamarca convocou uma reunião ampliada do CN/VPR, numa casa da Rua Estância, em Peruíbe, cidade do litoral sul paulista. Aventurou-se a deixar a área de treinamento - relativamente próxima ao local - e encontrou-se com Ladislas Dowbor, membro do CN e Cmt da Unidade de Combate (UC) de São Paulo, e com Maria do Carmo Brito, membro do CN, além dos dois Cmt/UC da Guanabara, Juarez Guimarães de Brito e José Ronaldo Tavares de Lira e Silva. O Cmt da UC/RS, Felix Silveira Rosa Neto, também previsto para comparecer à reunião, não foi encontrado por Joaquim dos Santos, que o fora buscar de carro em Porto Alegre (ninguém sabia que Félix já havia sido preso em 12 de abril). Ainda na casa, estavam presentes Iara Iavelberg, Maria Barreto Leite Valdez, que iria cumprir missão no Sul, e Tercina Dias de Oliveira, a "Tia", retirada da área de treinamento no início de março. As informações ainda obscuras sobre as quedas dos militantes da VPR não permitiram que essa reunião do CN decidisse ações de importância.

 Entretanto, na noite de 18 de abril de 1970, já alertado sobre as prisões, Lamarca decidiu desmobilizar a área e evacuar os militantes em três grupos. Dois dias depois, quando chegaram as primeiras tropas da "Operação Registro", 8 militantes já haviam fugido.

27.4 - O ASSASSINATO DO TENENTE MENDES

Na noite do Dia das Mães, 08 de maio, depois de mais de duas semanas ainda cercados na área, Lamarca e mais 6 militantes emboscaram cerca de 20 homens da Polícia Militar de São Paulo, chefiados pelo Tenente Alberto Mendes Júnior - o "Berto", como era chamado por sua família, que decidiu se entregar como refém, desde que seus subordinados, feridos, pudessem receber auxílio médico.

Na noite seguinte, os 7 guerrilheiros ficaram reduzidos a 5, pois 2 haviam se extraviado na refrega da noite anterior.

Conduzindo o Ten Mendes como refém, prosseguiram na rota de fuga.

Depois de andarem um dia e meio, os 5 guerrilheiros pararam para um descanso, no início da tarde de 10 de maio de 1970.

Lamarca disse que o Ten Mendes os havia traído, causando a morte de dois companheiros (não sabia que eles estavam, apenas, desgarrados) e, por isso, teria que ser executado.

Nesse momento, enquanto Ariston Oliveira Lucena e Gilberto Faria Lima vigiavam o prisioneiro, Carlos Lamarca, Yoshitane Fujimore e Diógenes Sobrosa de Souza afastaram-se e, articulando-se em um "tribunal revolucionário", condenaram o Ten Mendes à morte.

Poucos minutos depois, Yoshitane Fujimore, acercando-se por trás do Tenente, desferiu-lhe, com a coronha do fuzil, violentos golpes na cabeça. Caído e com a base do crânio partida, o Ten Mendes gemia e contorcia-se em dores. Diógenes Sobrosa de Souza desferiu-lhe outros golpes na cabeça, esfacelando-a.

Lamarca, perante os 4 terroristas, responsabilizou-se pelo assassinato.

 Ali mesmo, numa pequena vala e com seus coturnos ao lado da cabeça ensangüentada, o Ten Mendes foi enterrado.

Alguns meses mais tarde, em 08 de setembro de 1970, Ariston Oliveira Lucena, que havia sido preso, apontou o local onde o Tenente Mendes estava enterrado. As fotografias tiradas de seu crânio atestam o horrendo crime cometido. Sua mãe entrou em estado de choque e ficou paralítica por quase três anos.

Ainda nesse mês de setembro, descoberto o crime, a VPR emitiu um comunicado "Ao Povo Brasileiro", onde tenta justificar o frio assassinato, no qual aparece o seguinte trecho:

"A sentença de morte de um Tribunal Revolucionário deve ser cumprida por fuzilamento. No entanto, nos encontrávamos próximos ao inimigo, dentro de um cerco que pôde ser executado em virtude da existência de muitas estradas na região. O Tenente Mendes foi condenado e morreu a coronhadas de fuzil, e assim o foi, sendo depois enterrado."

Os dirigentes da VPR não só eram os donos da verdade, como arvoravam-se em senhores da vida e da morte!

Na tarde de 31 de maio de 1970, Lamarca e os 4 militantes seqüestram uma viatura do 2º Regimento de Obuses 105 e conseguem romper o cerco, largando o veículo já na cidade de São Paulo, na marginal do rio Tietê, perto do bairro da Vila Maria, com os militares amarrados à carroceria, sem roupas.

O segundo assassinato cometido por Lamarca e a fuga bem sucedida, ludibriando e humilhando os militares, serviu para aumentar a lenda e o mito.

27.5 - O SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DA SUÍÇA

Lamarca encontrou a VPR em situação caótica, em face das numerosas "quedas" de abril e de maio de 1970. Em 03 de junho, cobriu um ponto com Ariston Oliveira Lucena na Avenida Ipiranga e reassumiu a sua função de Comandante-em-Chefe, rearticulando o Comando Nacional (CN) com Inês Etienne Romeu e com o homossexual ainda não assumido Herbert Eustáquio de Carvalho, o "Daniel", que com ele estivera na área de Registro. Ao mesmo tempo, foi morar com Iara num "aparelho" do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT).

Em meados de junho, Lamarca, em reunião com Joaquim Câmara Ferreira ("Toledo"), da ALN, e Devanir José de Carvalho ("Henrique"), do MRT, estabeleceu a lista dos 40 prisioneiros que seriam trocados pelo Embaixador alemão, seqüestrado em 11 de junho de 1970.

Reestruturada e com o moral fortalecido pelo sucesso alcançado no seqüestro, a VPR ingressou no 2º semestre de 1970 disposta a incrementar as ações violentas.

Contudo, o seu Comandante-em-Chefe continuava enclausurado em "aparelhos" de outra organização, o diminuto mas violento MRT, por falta de uma conveniente infra-estrutura em São Paulo, até que, no início de outubro, os três membros do CN foram transferidos para o Rio de Janeiro, sendo que o casal Lamarca e Iara foi descansar, durante dois meses, numa casa alugada pelo militante Walter Ribeiro Novaes - nomeado "infra" do Comando - em Rio D'Ouro, pequeno lugarejo situado entre Piabetá e Santo Aleixo, na entrada de Imbariê, estrada Rio-Teresópolis.

Com tranqüilidade, Lamarca pôde, nesses dias, escrever vários documentos teóricos de orientação à VPR e, à revelia da "frente" composta com a ALN, o PCBR, o MR-8 e o MRT, decidiu executar o seqüestro do Embaixador suíço Giovanni Enrico Bucher.

A ação desencadeou-se na manhã de 07 de dezembro de 1970, na Rua Conde de Baependi, uma rua estreita, de mão única, que liga o bairro de Laranjeiras ao Flamengo.

Depois de bloqueado o Buick azul do Embaixador, Lamarca, de cavanhaque, terno e gravata, bateu no vidro da janela onde estava o segurança, o Agente da Polícia Federal Hélio Carvalho de Araújo. Abriu a porta e disparou dois tiros com um revólver "Smith & Wesson" calibre .38, cano longo, a uma distância de um metro: o 1º tiro atingiu o teto do carro e o 2º, as costas do Agente que, por instinto, se virara. Com a medula totalmente seccionada pelo projetil, o Agente viria a falecer três dias depois, no Hospital Miguel Couto.

Consumado o seqüestro e o seu 3º assassinato, Lamarca levou o Embaixador para uma casa da Rua Tacaratu, uma ladeira que começava em Rocha Miranda e terminava em Honório Gurgel.

Nessa casa, durante os 40 dias de cativeiro, junto com quatro outros militantes, Herbert Eustáquio de Carvalho, Gerson Theodoro de Oliveira, Tereza Ângelo e Alfredo Hélio Sirkis, Lamarca viu, por diversas vezes, ameaçada a sua autoridade, na polêmica sobre se matavam ou não o suíço.

Num rompante de democracia, Lamarca determinou que os militantes da VPR enviassem, por escrito, as respectivas posições.

No documento de Adair Gonçalves Reis, datado de 24 de dezembro, aparece:

"Propomos a marcação imediata da data e horário para o justiçamento, com comunicado à ditadura. Prazo mínimo de 48 horas e máximo de 72 horas, tomando as 18 horas da tarde como horário básico."

Dois dias depois, Zenaide Machado afirma:

"A saída é pagar o preço alto e carregar um defunto que irá muito nos incomodar."

Ubajara Silveira Roriz ("Otávio", "Nando", "Paulo", "Salomão"), militante que já defendera a idéia de sabotar as indústrias siderúrgicas soltando milhares de ratos nas cidades próximas,propugnava:

"... fazer a ditadura levar o cadáver do embaixador atravessado na garganta, nas suas andanças pelo mundo."

Nas respostas, somente Alfredo Hélio Sirkis e José Roberto Gonçalves de Rezende não viram dividendos políticos na morte do Embaixador. Dentre os 5 militantes confinados no "aparelho" da Tacaratu, inicialmente, Sirkis ficou isolado, numa posição absolutamente minoritária.

Com as respostas e o passar dos dias, Lamarca mudou a sua posição. Mesmo assim, eram cerca de 15 votos contra 3, esmagadora maioria a favor da execução. Lamarca, como comandante-em-chefe da VPR, exerceu o seu poder de veto e a sustou.

Sem o saber, Bucher nunca estivera tão perto da morte como naqueles dias de Natal.

À meia-noite de 13 de janeiro de 1971, 70 presos, escoltados por 3 agentes da Polícia Federal, decolavam do Galeão num Boeing da Varig, com destino a Santiago do Chile.

No dia 15, um dia antes do Embaixador ser libertado, Lamarca abandonou o "aparelho" e foi matar as saudades de Iara, que viera de São Paulo.

27.6 - A SAÍDA DA VPR E O INGRESSO NO MR-8

Se o seqüestro do Embaixador suíço proporcionou, por um lado, a libertação de 70 militantes, por outro, demonstrou ser uma "vitória de Pirro", abalando a liderança de Lamarca e iniciando o que viria a ser a desestruturação da VPR.

Em 10 de janeiro de 1971, ainda no "aparelho" da Tacaratu, Lamarca redigiu o documento "Os Mesmos Problemas da Propaganda Armada", no qual, num desabafo, revela as incertezas que lhe corroíam o espírito:

"Estamos nos esvaziando, não conseguimos recuperar o terreno perdido, os companheiros no exterior estão sendo transformados em tábuas de salvação enquanto aqui não conseguimos criar condições para recebê-los, não admitimos fazer trabalho político e ficamos impossibilitados de penetrar no campo, aprofundamos o nosso isolamento político, afundando cada vez mais na marginalidade, ignoramos a história, preocupamo-nos mais com o que o MR-8 vai dizer do que significam as nossas ações, transformamos as nossas discussões em afirmação pessoal (encenações de marxismo), deturpamos tudo para demonstrar que a nossa linha é a correta quando estamos num impasse histórico, esquecemos as discussões, a maioria silencia aguardando não sabemos o que, desgastamo-nos no cri-cri-cra-cra da política burguesa, nãocriamos nada. A discussão édecisiva."

Dez dias depois de escrever uma "Carta Aberta a Toda a ORG", Zenaide Machado escreveu em 25 de janeiro, em parceria com Adair Gonçalves Reis, um documento no qual analisa os fenômenos existentes na esquerda, dentre os quais o voluntarismo, o espontaneísmo, o individualismo, o personalismo e a autoafirmação, concluindo:

"Toda a esquerda sofre na carne a presença destes fenômenos que têm atravancado o seu desenvolvimento. Se não vencermos o desafio que esta realidade nos impõe, se não tivermos a combatividade necessária para fazermos uma profunda autocrítica e revolução interna não passaremos do que somos hoje: um tumor dentro da realidadepolítica brasileira."

O ponto alto das discussões, entretanto, pelo caricato que se revestiu, foi a polêmica entre Lamarca e o estranho militante de codinome "Otávio", Ubajara Silveira Roriz, o mesmo dos "ratos" e do cadáver "atravessado na garganta". Depois de escrever, em 27 de outubro de 1970, um documento sobre a moral revolucionária, Ubajara, em 19 de dezembro, redigiu o "Libelo contra os Apóstolos do Laissez-Faire ou Abaixo o Positivismo Anti-Revolucionário", usando termos nunca sonhados no hermético discurso marxista-leninista, tais como "pitecantropus erectus", "primatas", "português do bar da esquina", etc.

Foi, no entanto, a crítica aos que estavam no Comando que provocou a irritação em seus companheiros, agravada por dois novos documentos datados de 02 e 05 de janeiro, respectivamente, uma "Carta Aberta ao Comando Nacional" e um "Balanço da Situação", nos quais reputa o seqüestro do embaixador suíço como uma derrota política e disserta sobre a "volúpia do poder" e a "completa ausência de companheirismo revolucionário" que havia, no seu entender, na VPR.

Até aquele momento, o ex-Capitão não havia recebido nenhum desses documentos, pois os comandantes das Unidades de Combate (UC) e das bases estavam considerando que era melhor preservar o comandante-em-chefe da leitura das diatribes de Ubajara. O último documento, entretanto, foi recebido por Lamarca em 14 de janeiro e, dois dias depois, enviava uma "Resposta Sintética ao Companheiro Otávio", afirmando que seu balanço havia sido superficial e incompleto, caindo num "desvio ideológico". Ao final, uma advertência: "Nós devemos é ser mais sérios em nossas análises."

Em 23 de janeiro, Ubajara responde com o documento que mexeu com toda a organização, o "Quem é Carlos Lamarca ?", no qual levanta dúvidas sobre a lealdaderevolucionária do "ex-capitão do Exército" e afirma estranhar o mito que se havia criado em torno do seu nome.

Quase uma dezena de documentos sobre a polêmica Lamarca x "Otávio" circularam entre os militantes da VPR nesses dois primeiros meses de 1971, demonstrando a fragilidade do Comando, tendo em vista, particularmente, que tudo acabou em nada.

O mês de março de 1971 ficou marcado pelas ásperas discussões travadas entre Lamarca e Inês Etienne Romeu, que redundaram no desligamento desses dois membros do triunvirato que compunha o Comando Nacional da VPR.

Em 22 de março de 1971, Lamarca, através do documento "Ao Comando da VPR", apresentou o seu "pedido de desligamento em caráter irrevogável", fundamentado por:

"1) divergir da linha política da VPR, conforme coloquei em diversos documentos internos;

2) ter constatado os desvios ideológicos da VPR e a deformação que acarreta em muitos dos seus quadros;

3) não ter conseguido levar a luta interna que iniciei há um ano com a devida serenidade;

4) não conseguir romper com o culto ao sectarismo existente na VPR;

5) discordar do método de direção (apesar de ser Cmt-em-Chefe); a Org impede a liberação de potencial, não forma quadros, aliena militantes, deforma dirigentes, elimina a criatividade, impede a prática leninista -- tudo como já coloquei em documentos internos."

Em 27 de março, logo depois de escrever o documento "Congresso: Salvação Política e Não de Honra", Lamarca, conduzido por Alex Polari de Alverga num Volks bege, foi passado para o MR-8 num "ponto" na Rua Vilela Tavares, no Méier, onde o aguardavam Carlos Alberto Vieira Muniz e Stuart Edgard Angel Jones, num Volks vermelho. Aomesmo tempo, Iara era trazida a esse ponto por Alfredo Hélio Sirkis. Nesse final de março, Lamarca e Iara iniciavam a trajetória que os levaria à morte na Bahia.

No dia 11 de abril, um recém-formado Comando Nacional Provisório (CNP) emitiu o documento "Sobre o Problema do Desligamento do Companheiro Cláudio", no qual o tachava de "personalismo", "oportunismo" e possuidor de um "idealismo ingênuo" e afirmava que essa atitude havia sido de "fuga à responsabilidade", "a partir de um profundo emocionalismo", denotando uma "fraqueza ideológica". A propósito dos numerosos documentos escritos por Lamarca, o CNP não esqueceu-se de criticá-los, afirmando que eram "somente algumas frases feitas (e ainda por cima mal feitas)" e não passavam de "mero exercício de caligrafia", referindo-se à sua escrita perfeita, redondinha, estranhamente feminina.

Ao final, o CNP concluía que não aceitava o seu desligamento enquanto que não ficassem claras as divergências e que ele não poderia "assumir militância em outra organização até a decisão final da questão".

Mero exercício de retórica. Lamarca já estava no MR-8.

27.7 - A MORTE NO SERTÃO DA BAHIA

À primeira vista, parecia que o MR-8 se fortalecia com a vinda do "Cid" ou "Cláudio", aumentando o seu prestígio junto às esquerdas. Na realidade, a organização recebia, mais do que um militante, um verdadeiro "elefante branco" e a responsabilidade de mantê-lo na absoluta clandestinidade. Para Lamarca, o ingresso no MR-8 representou, nada menos, que o início do seu fim.

Carlos Lamarca e Iara Iavelberg passaram os meses de abril, maio e junho de 1971 escondidos de "aparelho" em "aparelho", dentre os quais o de Renato Perrault de Laforet ("Zé"), em Botafogo, e o de José Gomes Teixeira ("P1").

A prisão deste último, em 11 de junho, que veio a se somar a uma série de prisões de militantes e dirigentes do MR-8, precipitou a decisão de levar o casal para o sertão da Bahia, junto ao trabalho de campo na região do Médio São Francisco. Para o transporte, conseguiu-se um Volks e uma Kombi, cujos proprietários e também motoristas eram, respectivamente, Rui Berford Dias ("Aguiar") e Waldir Fiock da Silva ("Dirceu", "Pantera", "Gota Serena", "Roberto").

No início da noite de 25 de junho, os quatro encontraram-se, junto ao BOB'S da Avenida Brasil, com José Carlos de Souza, que viera especialmente para buscá-los. No Volks, seguiram Lamarca, Iara e José Carlos. Um pouco mais à frente, para verificar as barreiras policiais, a Kombi com Waldir e Rui.

No dia seguinte, ao chegarem em Vitória da Conquista, Rui retornou com seu Volks e os outros quatro seguiram com a Kombi até Jequié. Depois de pernoitarem, o casal se separou: Iara e Waldir foram de ônibus para Salvador, enquanto Lamarca e José Carlosdirigiram-se para Itaberaba e Ibotirama. Ao chegarem na ponte da BR-242 sobre o Rio Paramirim, encontraram-se, no fim da tarde de 27, com José Campos Barreto, o "Zequinha". Depois de dormirem numa pensão no início da estrada que demanda a Brotas de Macaúbas, chegaram nessa cidade na tarde de 28 e, no dia seguinte, Lamarca e Zequinha foram a Buriti Cristalino, enquanto José Carlos seguia com a Kombi para Salvador, a fim de encontrar-se com Iara e Waldir. Sem o saber, Lamarca, acobertando-se como o "geólogo Cirilo", chegara em sua penúltima morada.

Na tarde de 06 de agosto, encontraram-se, no centro de Salvador, César de Queiroz Benjamin ("Menininho") e José Carlos de Souza. Como assunto principal, estabeleceram que Iara seguiria para Feira de Santana, onde havia melhores condições de segurança, e ele, José Carlos, incorporar-se-ia ao trabalho de campo, em Brotas. Há algum tempo na vigilância, policiais deram voz de prisão aos dois militantes. O "Menininho" atracou-se com os agentes, chegou a atirar e conseguiu fugir (pela 2ª vez) ao cerco, dirigindo-se para a então Guanabara. Menos feliz, José Carlos foi preso e começou a denunciar diversos companheiros.

A partir de 17 de agosto, Iara Iavelberg, agora com os novos codinomes de "Gil", "Liana" e "Leila", passou a residir no apartamento 201, do Edifício Santa Terezinha, na Rua Minas Gerais, 125, na Pituba, com Jaileno Sampaio da Silva e sua companheira Nilda Carvalho Cunha, além da irmã desta, Lúcia Bernardeth Cunha.

No dia 20 de agosto de 1971, através das declarações de José Carlos, a polícia cercou o Edifício Santa Terezinha e exigiu a rendição dos ocupantes do apartamento 201. Após terem sido presos Lúcia, Jaileno e Nilda, Iara Iavelberg foi encontrada no apartamento vizinho, o 202, onde se escondera no início do cerco. Não vendo possibilidades de fuga e assolada por bombas de gás lacrimogênio, a amante de Lamarca suicidou-se com um tiro no coração.

No dia seguinte, um sábado, às 1900 horas, logo depois de passar um telegrama do Rio de Janeiro para Iara (sem saber que ela já estava morta), o "Menininho", num Volks com Ney Roitman, Alberto Jak Schprejer ("Souza", "Beto") e sua amante Teresa Cristina de Moura Peixoto ("Tetê"), é detido por uma "Operação Pára-Pedro", na Avenida Vieira Souto, na altura do Jardim de Alá. Ao serem solicitados os documentos, o "Menininho" saiu rapidamente do carro, fugindo correndo entre os transeuntes. Pela 3ª vez, conseguia escapar de um cerco policial. No veículo, ficaram o diário de Lamarca e cartas para Iara, escritas de 29 de junho a 16 de agosto, que forneceram, aos órgãos de segurança, a certeza de onde deveriam procurar e concentrar esforços a fim de capturá-lo.

Enquanto isso, as declarações de José Carlos de Souza ajudavam a colocar mais dirigentes do MR-8 na cadeia. Em 27 de agosto, foi a vez de Diogo Assunção de Santana e Milton Mendes Filho.

No dia seguinte, a polícia chegou em Buriti Cristalino, dando voz de prisão aos ocupantes da casa dos irmãos Campos Barreto, que reagiram com intenso tiroteio. Ao final, Olderico foi preso, ferido no rosto e na mão direita, enquanto Otoniel foi morto, quandotentava a fuga. Dentro da casa, o cadáver de Luiz Antônio Santa Bárbara, que se matara com um tiro na cabeça. Era o 3º suicídio de militantes do MR-8 para não denunciarem Lamarca que, acampado a poucos quilômetros do lugarejo de Buriti Cristalino, ouvira os tiros e fugira, internando-se com Zequinha mata a dentro.

Sem saber do acontecido e sentindo-se "queimado" no Rio de Janeiro, César de Queiroz Benjamin retornou a Salvador, sendo preso em 30 de agosto, num "ponto" delatado por Jaileno, no Rio Vermelho. Após longa série de assaltos e ter escapado de três choques com a polícia, o "terrível Menininho", com apenas 17 anos, mostrou-se extremamente dócil nos interrogatórios. Suas extensas declarações, todas de próprio punho, desvendaram a linha política e as ações do MR-8. Muitos militantes foram, então, identificados. Chegou, inclusive, a fazer uma análise dos métodos de interrogatório aplicados, declarando-se surpreso com o bom tratamento recebido e com o nível de seus interlocutores.

Com essa nova e importante fonte, os órgãos de segurança, que já haviam retirado boa parte de seus efetivos da região de Brotas de Macaúbas, retornaram ao local, iniciando-se nova caçada a Lamarca e a Zequinha.

No meio da tarde de 17 de setembro de 1971, uma equipe de agentes, integrantes da Operação Pajussara, localizou os dois militantes, que descansavam à sombra de uma árvore, perto do arruado de Pintada, município de Oliveira dos Brejinhos. À voz de prisão, tentaram sacar de suas armas. Uma série de tiros pôs fim ao ex-Capitão comunista - que deixara um rastro de sangue atrás de si - e a José Campos Barreto.

27.8 - TRAIDOR DO EXÉRCITO BRASILEIRO

Essa é a verdadeira história de Carlos Lamarca, a qual poucos conhecem, pois sempre foi contada por só um dos lados.

Mais de 28 anos após sua morte, os tempos mudaram.

Os militantes comunistas que ensangüentaram o País em nome de uma revolução -- hoje, por eles mesmos vista como equivocada --, não mais matam, seqüestram ou roubam e nem mais descansam nas enxêrgas dos "aparelhos" ou da selva. Beneficiados pela anistia, seus crimes foram esquecidos. Seus atos ensandecidos foram transformados em heróicos e seus passados são avaliados pelas maiores ou menores "perseguições políticas" que, supostamente, teriam sofrido.

Em contrapartida, aqueles que lutaram contra a luta armada, ao lado da Lei e a Ordem, são tachados de torturadores, de opressores e de reacionários. Listados nos livros vermelhos elaborados por esquerdistas, são marcados durante toda a vida, ao arrepio da Justiça, pelos intolerantes derrotados.

Enquanto uns ganham homenagens, monumentos, nomes em logradouros públicos e filmes patrocinados pelo dinheiro público, outros são acusados, perseguidos, destituídos de suas funções e convocados a pseudas "comissões de inquérito".

Para os primeiros, os derrotados na luta armada, a anistia de 1979 não serviu para sepultar as idéias exacerbadas e conduzir a Nação para o caminho do entendimento mas, apenas, para conceder-lhes a liberdade de atacar seus antigos inimigos e de praticar o revanchismo.

Para os segundos, a vitória na luta armada foi o estopim da derrota política e amargam um compulsivo silêncio, patrulhados pela mídia ideológica.

Assim é com Carlos Lamarca.

Há mais de 16 anos, em 25 de agosto de 1983, um desses ex-terroristas, Liszt Benjamim Vieira, então Deputado Estadual pelo PT do Rio de Janeiro, pronunciou um discurso na Assembléia Legislativa, no qual fez a seguinte assertiva sobre o ex-Capitão:

"Senhor Presidente, Senhores Deputados, hoje, 25 de agosto, Dia do Soldado, queremos homenagear um herói brasileiro. (...) Cursou a Escola Militar, onde foi o primeiro aluno. Seguiu brilhante carreira militar."

Por ser "herói", sua viúva, desde 1984, recebe pensão do Exército. Por ser "herói", sua família também recebeu, por decisão da Comissão dos Desaparecidos, em 11 de Setembro de 1996, a quantia de R$ 100 mil de indenização.

Na realidade, em torno de Lamarca construíram-se muitas lendas.

À lenda de que foi primeiro aluno da AMAN, opõe-se a realidade de que saiu Aspirante-a-Oficial classificado em 46º lugar numa turma de 57 cadetes.

À lenda de que era brilhante atirador, opõe-se a realidade de que nunca conseguiu, com revólver calibre .38, média maior do que 78 no tiro de precisão e, apenas, usava a sua condição de "atirador" para roubar munição e entregá-la para as organizações comunistas.

À lenda de que era um exemplar marido e chefe de família, opõe-se a realidade de que foi obrigado a se casar, ainda como cadete, por ter engravidado sua própria irmã de criação, Maria Pavan, e que a enviou para Cuba com um casal de filhos -- o menino viria a ser tenente do exército cubano -- não por temer por sua segurança, mas para desfrutar do convívio com sua já amante, Iara Iavelberg.

À lenda de que era um Oficial com brilhante carreira militar, opõe-se a realidade de que desertou do Exército Brasileiro. Ao divergir, não pediu sua saída conforme os princípios de ética e de moral que lhe foram ensinados na caserna. Usando a própria farda, roubou e traiu seu sagrado juramento de Oficial do Exército, demonstrando não possuir a lealdade que caracteriza o soldado.

À lenda de que era um herói, "libertador da Pátria", opõe-se a realidade de suas ações terroristas: assaltos a bancos, seqüestros de embaixadores, assassinatos, incentivador de guerrilhas urbana e rural, roubo de armamento e aliciador de outros militares para a causa comunista.

Insuspeitas são as opiniões de Ariston Oliveira Lucena sobre Lamarca - que com ele participou do assassinato do Tenente Mendes em Registro, publicadas em entrevista no "Jornal do Brasil" de 22 de setembro de 1988: "... era teoricamente despreparado e politicamente sem experiência ... tinha frieza e intuição ... era autoritário e não gostava de ser contrariado ..."

Também insuspeitas são as declarações de José Araújo da Nóbrega, ex-sargento do Exército e militante da VPR, que, em maio de 1970, escreveu de próprio punho:

"O Cap Lamarca não possui um QI satisfatório, à altura de ser um líder revolucionário. É um elemento de caráter volúvel, não tem posição definida, suas decisões são tomadas seguindo suas tendências emocionais. Suas qualidades militares são limitadas, tem limites de aproveitamento prático do conhecimento técnico que possui. É pouco engenhoso. O valor político que possui para ser um líder de esquerda lhe foi dado pela imprensa (interessada ou não). As suas façanhas são limitadas e são raras, todavia é elemento audacioso."

Na realidade, apesar da audácia, da lenda e do mito, Lamarca foi um desertor e um traidor do Exército Brasileiro. E é assim que deverá passar à História.

F.DUMONT

28 – RECORDAR E VIGIAR

Não somos dos que atribuem ao Sr Luis Inácio Lula da Silva a grandiosa projeção dos votos do 2º turno, mero reflexo de um mecanismo eleitoral para dar maior consistência à legitimidade de seu êxito eleitoral no 1 º turno. Seu peso eleitoral real é de 39.444.010 votos recebidos, merecidamente, no 1º turno, de um total, segundo o TSE, de 115.254.113 votantes em todo território nacional e no exterior. Se quisermos, seus 39.440.010 votos equivalem a 46,44% dos votos válidos apurados 84.928.700, no 1º turno. O 2º turno é a resultante do reordenamento do eleitorado, para conceder a maioria absoluta dos votos válidos para os dois candidatos mais votados do 1ºturno, nas eleições majoritárias, para presidente  e governadores, que não conseguiram, no 1ºturno, a maioria absoluta dos votos válidos. Só o marketing político do Sr Duda Mendonça e da mídia “orgânica” poderia projetar o tom apoteótico concedido ao Sr Luis Inácio.
Mister se faz exaltar, aqui e agora, que os grandes cabos eleitorais do Sr. Luis Inácio foram, ao lado da militância petista, do Duda e da mídia (em especial a Rede Globo) : a miséria; a corrupção; o fisiologismo político; o corporativismo;  a infidelidade partidária; a falta de planejamento em setores  básicos da economia; a falta de patriotismo; a insegurança pública presente nos principais centros deste país (Rio de Janeiro, S.Paulo e Porto Alegre); que fizeram  da “Frente Lula Presidente” a via natural para os votos dos frustrados com os rumos desta Nação, que não merece a politicalha que tem.
O PT do passado. Será ?
O PT realizou de 20 a 24 de novembro de 1. 987  o “Seminário Internacional - 70 Anos de Experiência de Construção do Socialismo”, tendo por palco o Instituto Cajamar. A publicação dos debates em forma de livro, pelo Instituto, teve por objetivo colocar seu conteúdo ao alcance de todos os interessados no tema, que poderiam encontrar, naquelas páginas, enfoque de renoma-dos  simpatizantes de várias correntes marxistas relativas ao rico patrimônio acumulado pelo movimento socialista internacional.
De acordo com a “Apresentação” da obra, editada em 1988 pelo Instituto Cajamar, intitulada : “1917*1987 - SOCIALISMO – Em Debate”; na organização dos temas, o Setor de Publicações do Instituto optou por destacar a experiência concreta da construção do socialismo na URSS, na China, em Cuba e na Nicarágua, além de um debate sobre a luta pelo socialismo em nosso país.
Os estudiosos, representantes da República Popular da China, não puderam comparecer por coincidência de datas entre a realização do Seminário e o 13° Congresso do PC da China Popular. Os representantes do Instituto da América Latina da Academia de Ciências da URSS, por dificuldades na concessão de vistos diplomáticos pelo governo brasileiro. Todavia comparece-ram representantes do Departamento da América Latina do Centro de Estudos da América de Cuba e da Central Sandinista de Trabalhadores da Nicarágua.
Todos participantes nacionais eram marxistas : militantes do PT; militantes de organizações marxistas revolucionárias  brasileiras ou não; marxistas adeptos da teologia da libertação; trotskistas; ou simplesmente marxistas independentes . Por sinal, nas páginas 260 a 269, desta obra, o Sr. Luis Inácio Lula da Silva, traçou um esboço do caráter revolucionário do PT.
Lembrar o que pensavam os teóricos do PT, em 1.987, sobre o “rico patrimônio” do socialis-mo revolucionário internacional, incapazes de avaliar a real extensão dos acontecimentos que se processavam,  e afetavam as experiências concretas citadas e debatidas e peregrinar pelo pensamento revolucionário destes mesmos teóricos nas páginas de suas revistas, jornais e obras, de lá para cá, é conveniente. Porquê ?
 Para verificar as nuances do caráter ideológico do PT, com sua “democracia radical”, seu tipo de socialismo, seus objetivos táticos e estratégicos, delineados em seus Encontros, Congressos, Debates e Foros para atingir o “Estado Socialista de Direito”. Por sinal, um caráter ideológico, que alguns “picaretas” (usando termo usual do Luis Inácio) afirmam até não existir, mas que os petistas alardeiam  como um socialismo em evolução : o “socialismo petista”.
O que será o “Estado Socialista de Direito”, cuja construção é defendida por certos militantes de projeção do PT, tais como Jorge Almeida, membro da atual Executiva Nacional do PT ?
Diz ele :
“O PT, como partido laico, política e filosoficamente plural, sabe que a construção de um Estado de Direito Socialista, que combine os mecanismos de uma democracia representativa, direta e conselhista, não é contraditória com a conquista revolucionária do poder”;  extraído da página 102, do livreto “O PT e o Marxismo”, Cadernos de “Teoria & Debate”, publicação do PT, 1.991.
Que opinem os doutos em Direito Constitucional e Ciência Política !!! Isentos, é lógico...
Deus queira que o PT tenha mudado. Amém!

Não se trata de um posicionamento radical de nossa parte, mas , sim, dos que têm o direito, e mais do que isto, o dever de exercer a tão decantada cidadania, diante da lembrança de uma estranha terminologia, que brotava e brota dos textos petistas (Pronunciamentos, Documentos, Notas, e Resoluções de Seminários, Encontros Congressos e Foros), e que não se  conforma com o espírito do “Estado Democrático de Direito” chancelado na Constituição da República Federativa do Brasil,  cujo texto o PT votou NÃO, assinando a Constituição, por mera questão formal, apenas para reconhecer que participou de sua elaboração.
Ver : “A Posição do PT sobre a Nova Constituição”, Diretório Nacional do PT, (Circular Inter-na, de 07 / 08 / 1.988, anexo 2, p.12-4); e “O PT na Constituinte”, S. Paulo, Vol. 10, outubro de 1.988, Partido dos Trabalhadores. Secretária Nacional.
Por esta beleza  de falácia e outras deste tipo, somos obrigados a por as barbas de molho, ainda mais depois  de certas alianças que, por certo, não dignificaram o PT, ligando o partido a fina flor da corrupção, do corporativismo, do fisiologismo e “otras cositas mas” para usar linguajar “fidelista”. Na verdade, tudo é, ao nosso ver, um artifício tático encoberto por sorrisos matreiros, de politiqueiros ou revolucionários metidos a ladinos. Quem começará a devorar os outros, pelas beiradas ?

Pensamentos Passados a Ressaltar. Será ?

Vejamos, em primeiro lugar esta jóia do passado, extraído do trecho “O caráter revolucionário do PT”, de autoria do Sr Luis Inácio Lula da Silva, página 260, da obra citada neste texto, publicada pelo Instituto Cajamar :
(...) “É impraticável transportar um modelo revolucionário como se fosse uma mercadoria dentro de um caixote, chegar no Brasil e implantar aqui uma revolução igual à Revolução Cubana, Sandinista ou uma revolução como fizeram os soviéticos em 1.917. Eu acredito piamente que essa revolução acontecera no Brasil na medida em que a gente tenha a capacidade de despertar uma consciência política na grande massa despolitizada hoje, sem a perspectiva de aventureiris-mo. Tentar levar essa massa a compreender que o projeto que nós estamos desenvolvendo não será resolvido via parlamento” (...)
Em segundo lugar, esta jóia, como lembrança para os empresários:
(...) “Participei estes dias de uma reunião com um grupo de empresários que estão preocupa-dos com o Brasil, que estão rachando com a FIESP e querem conversar, querem encontrar uma saída para o Brasil e querem encontrar uma saída junto com a classe trabalhadora. Um deles até disse que era um neomarxista” (...) “Esse empresário que falou do marxismo lá era todo metido a conhecedor, aquele negócio todo, e a gente só manjando o cidadão para poder pegá-lo na esquina.” (...). Trechos extraídos da mesma obra, sob o título “O papel da vanguarda”, páginas 265/66, do mesmo autor.
Esperamos que o Senhor Lula e o PT tenham mudado e que o Senhor Lula, “paz e amor”, néo-marxista, pois ele ainda é, só esteja manjando os empresários que se dizem conhecedores do marxismo. Deus queira. Amém !
Em terceiro lugar esta outra jóia, da mesma obra e do mesmo autor, extraído do texto “Formar a classe trabalhadora”, página 267:
(...) “Criamos um partido inclusive como uma opção para esse conjunto enorme de militantes de comunidades, de movimentos populares, de sindicatos, de ter no partido o seu próximo passo. Saber que, se ele tem no sindicato o bodoque, ele tem no partido à metralhadora. E cabe a nós tentar fazer com que os trabalhadores aprendam a utilizar isso” (...)
Deus queira que o PT tenha mudado. Amém!

Para encerrar duas citações para reflexões finais :
1) “Nem os limites institucionais nem os não institucionais podem determinar nosso programa partidário e nossos objetivos históricos de construir uma sociedade socialista”.”Trecho de documento do PT, na primeira campanha eleitoral, citado pelo Estadão.com.br, em “Eleições 2002 – Perfis  Presidenciáveis”
2) “Lealdade sempre, e traição aos nossos ideais nunca”, Luis Inácio Lula da Silva, em entre-vista ao “Jornal Nacional” em, 28 de outubro de 2002.
E o futuro Presidente vai jurar cumprir uma Constituição, cujo texto negou, mas que assinou, como constituinte, por mero aspecto formal. Eta manobrinha matreira! Velhaca !
Continuaremos de olho, vigilantes... Material deste tipo, baseado em textos do PT e de seus militantes de projeção, temos em quantidade e qualidade. Vigiar é preciso...
Não venham com esta nos acusar de : “picaretas”; fascistas; extremistas de direita; e termos semelhantes que não nos atingem, pois defendemos, como sempre, os postulados do Estado Democrático de Direito, previsto na CRFB de 1.988.
Desejamos ao Sr. Luis Inácio Lula da Silva um  governo a altura de seus quadros e que os pensamentos de radicalidade dos textos de seu partido, de 1.980 a 2.002, sejam deixados de lado, para o bem do Brasil.
Observações finais :
Departamento de América Latina  do Centro de Estudos da América, sediado em Havana, citados na obra editada pelo Instituto Cajamar, na realidade eram : o Departamento América, Órgão de Inteligência do Partido Comunista Cubano, e o Centro de Estudos da América que dele fazia parte.
 Vieram para o Seminário, de acordo com a obra publicada pelo Instituto Cajamar, “los her-manos”: Camilo Domenes (Centro de Estudos) e Juan Valdez,  citado na obra como Chefe do Departamento América. Na época, o Chefe do Departamento América era Manuel Piñeiro, el “Barbarroja”, responsável pela coordenação dos movimentos revolucionários na América Latina (MIR; FPMR chilenos entre outros).
Nome completo dos cubanos : Camilo Domenech Jimenez e Juan Jorge Valdez Paz.

ONG GRUPO TERRORISMO NUNCA MAIS-TERNUMA

VISITE O NOSSO SITE: www.ternuma.com.br

Ir para o topo
Desenvolvimento, Hospedagem e Manutenção por IBS Web.'.