Erro
  • Erro ao carregar componente: com_imageshow, 1

SERVIR À PÁTRIA! // Gen Bda Paulo Chagas

Caros amigos
Fui criado em ambiente militar e, ao testemunhar o entusiasmo e a dedicação de soldados como o meu pai, tomei contato com o verbo "servir". Mais tarde, quando sentei praça na AMAN, em 12 de fevereiro de 1968, passei a compartilhar com eles o privilégio de estar "servindo à Pátria".
A vida militar e o empenho na missão das FFAA fazem do soldado um cidadão atento ao que se passa além dos muros do quartel e o exercício da cidadania faz com que tenha opiniões e participe da vida política da Nação.
Enquanto estive no serviço ativo, era-me facultado compartilhar e contribuir com posições e opiniões políticas, utilizando o “canal de comando”. Assim, logo que passei à reserva, senti-me como se estivesse exilado, o que, na definição de Miguel Arraes, com o qual nunca tive convergências ideológicas, é “como se o tempo passasse fora de mim, como se as coisas ocorressem sem a minha participação, sem que eu estivesse dentro delas”, como antes.
Com o Brasil tomando o rumo do caos socialista, senti-me compulsado a fazer algo mais, além de manter-me a par da realidade, através de conversas, consultas, leituras e pesquisas. Senti a necessidade de "entrar no tempo", organizar ideias, opiniões e posições e compartilha-las com outros brasileiros carentes de participação como eu.
Redigir e tornar públicas as minhas opiniões, integrar grupos de discussão nas mídias sociais e fora delas, utilizar os recursos da justiça para contrapor-me à prepotência, aos malfeitos, à mentira e à corrupção, aprender com os mais experientes, ampliar e aperfeiçoar conceitos e participar de manifestações populares passaram a ser outras formas de “servir”.
Diz a minha fé que quando o mundo fecha uma porta, Deus abre uma janela. As diversas janelas que Deus me tem aberto permitiram-me, além de voltar ao meu mundo, conhecer novas experiências e outras pessoas, fazer novas amizades e aprender muito com elas!
O vazio que senti na primeira manhã em que, no quartel, não careciam mais da minha presença manteve-me atento e fiel à promessa que fiz ao despedir-me do serviço ativo: ... manterei a forma física e mental, meu cavalo trabalhado, a sela equipada, a espada ao lado e esperarei, ansioso, pelo chamamento da Pátria, para garantir-lhe a soberania, a integridade, a liberdade e os valores democráticos”!
Que Deus continue a abençoar-me com as suas janelas de oportunidade, com saúde, com lucidez, energia e disposição para continuar a “servir” sob a Sua inspiração, de forma a assegurar que as minhas atitudes e decisões contribuam, mesmo que de forma insignificante, para o bem do Brasil.

O TERNUMA agradece sua visita.
Ir para o topo
Desenvolvimento, Hospedagem e Manutenção por IBS Web.'.