Erro
  • Erro ao carregar componente: com_imageshow, 1

MILITARES "COVARDES" E "OMISSOS" (??). // Gen Bda Paulo Chagas

Caros amigos
Tenho recebido muitos comentários oriundos de pessoas que apoiam e propõem como solução para o Brasil a "volta dos militares ao poder da República".
Alguns afirmam que eles deverão fazê-lo "de forma cirúrgica", outros que pelo tempo necessário para "eliminar" os maus brasileiros que, eleitos pelas fraudáveis urnas eletrônicas e pela massa de ignorantes que compõe o povo ou infiltrados nas escolas, nas universidades, nas artes e na imprensa, nos levaram ao caos.
Dentre esses, há muitos que acusam os militares - aqueles que irão "salvar a Pátria" - de serem "covardes" e "omissos". O que me parece absolutamente incoerente com o propósito, porquanto, se assim for, estarão confiando a solução às mãos de quem não tem competência para a missão!
Há outros que enviam-me ameaças como: "Se vocês não fizerem, faremos nós!". Respeito a todos e procuro responder quando e como posso, porque, como muitos outros brasileiros, não faço apenas reclamar e, a esses últimos, respondo como lhes responderia o Gen Carlos Flores de Paiva Chaves: "Não espere, faça!".
Para não ter que escrever muitas vezes a mesma coisa para cada um, repito aqui, para conhecimento geral, o que tenho postado como resposta.
Começo dizendo que, se a "intervenção" for a solução, ela será adotada no momento em que os que decidem e a devem executar julgarem oportuno. Nem eu ou os que a querem estão nesse grupo.
Mas, já que os militares - "covardes" e "omissos" - não terão coragem e iniciativa para "salvar o Brasil", ficam as perguntas: Como pode um agrupamento de "covardes sem iniciativa" dar solução aos graves problemas enfrentados pela Nação? Por que, então, perder tempo, estendendo faixas e "batendo panelas" na frente dos quarteis, incitando incompetentes para irem à luta?
Se não têm outra linha de ação, permito-me sugerir-lhes que relaxem, vão para algum lugar bucólico e aproveitem a vida como puderem. E acrescento que eu, infelizmente, não posso fazer isso porque ainda acredito nos brasileiros, alfabetizados ou não, aí incluídos os meus "covardes e omissos" camaradas.
Repito, ainda, que o tempo dos militares é semelhante ao tempo de Deus, porque, embora eles não sejam perfeitos e onipresentes como Ele, eles acompanham de perto TUDO o que acontece no País e têm os dados que precisam para definir o momento de intervir para corrigir os erros que todos nós - inclusive eles - temos cometido.
Diante do caos em que vivemos, os pilares que orientam as atitudes dos militares – legalidade, legitimidade e estabilidade – devem ser interpretados de duas formas. A primeira é que os militares atuarão sempre dentro da legalidade e com legitimidade, evitando, a qualquer preço, contribuir para a instabilidade. A segunda é que, se por qualquer razão, alheia à vontade ou às atitudes dos soldados, a estabilidade for perdida, isto legitimará uma ação militar visando a restaurar aqueles pilares.
Não serei eu, nem nenhum outro patriota, intervencionista ou não, quem irá definir a forma ou a "hora H" de um movimento militar, mas a sua competência e o acompanhamento cerrado da situação em que vivemos.
Eu, diferentemente dos inúmeros patriotas que assim se têm manifestado, sei que os soldados não são covardes e muito menos omissos, acredito neles e no que eu, como cidadão brasileiro, ainda posso fazer pelo meu País!
O pessimismo é a mais eloquente manifestação da covardia e da omissão!
É como penso.

O TERNUMA agradece sua visita.
Ir para o topo
Desenvolvimento, Hospedagem e Manutenção por IBS Web.'.